Ditaduras começam assim!

Se proibirem o cigarro, eu começo a fumar de protesto!!!“, foi a frase que o Petter falou enquanto conversávamos esses dias  sobre a lei arbitrária anti-fumo. Essa frase dele mostra bem a indignação que sentimos por essa lei que não passa de discriminação pura!


.

.

Geralmente não voto, acho uma puta sacanagem sair de casa pra enfrentar aquela fila enorme e fazer algo que ou vai dar em nada ou vai te foder mais nos próximos anos, – o mais provável é que te foda. Mas se eu por acaso votasse jamais seria em um governante totalitário (leia-se Serra, ex-fumante frustrado) que se ache no direito de decidir e interferir nas minhas escolhas, dê ele a desculpa esfarrapada -que vem sempre como uma “boa intenção” por trás-  que der.

Sou fumante, e, mesmo sabendo do mal que causa, fumo porque gosto, por prazer, por vontade e quero viver num país onde eu possa escolher um banco de praça pra sentar, sentir o vento na cara, tomar meu vinho e fumar meu cigarrinho em paz enquanto jogo conversa fora com algum chegado; poder ir num bar, show, restaurante e ter meu espaço pra fumar quando e quantos cigarros quiser, pra isso existe a área dos fumantes, os fumódromos, o ar livre e os fumantes passivos e simpatizantes que não se incomodam de estar ao lado de alguém que fuma (o Petter levantou a mão sorrindo nessa hora)! Tirar esse direito já é ditadura da braba!                                                      Já existe uma lei anti-fumo que proíbe que se fume em lugares públicos, mas essa mantém o espaço do fumante em restaurantes, bares, shoppings e outros lugares de uso coletivo. A lei do Serra bane tudo isso, cara não tem mais direito nem espaço pra fumar em nenhum lugar que não seja dentro de sua própria casa. Absurdo pouco é bobagem! A Alemanha nazista teve uma lei parecida, onde a população era encorajada a perseguir e abominar os fumantes.  E é meio isso o que essa lei tá fazendo, transformando os fumantes em pessoas que merecem ser discriminadas e perseguidas porque fazem um grande mal à sociedade! Essa lei também já foi aprovada nos Estados Unidos, então tá meio explicado, né?  O que não fazem por lá que logo não estejam copiando por aqui??? No Japão a lei também existe, mas existem os fumódromos e espaços pros fumantes em bares e restaurantes,  a lei é rigorosa pra quem não respeita os limites das áreas permitidas, mas o fumante tem seu lugar garantido. Sempre preferi o Japão em quase tudo, se vão copiar alguma coisa de qualquer lugar, então que copiem de lá, porra, mas não mexam na minha liberdade  sagrada e preciosa!

Abaixo um trecho do artigo “A Lei Antifumo é Nazista!” do jornalista Nelson Valente…

“Também não se trata de uma medida ambientalmente significativa. Não são só os cigarros que emitem gases prejudiciais à saúde do indivíduo. Muitas vezes, estar em um ponto de ônibus de uma avenida movimentada em cidades grandes é mais prejudicial para a saúde do que inspirar alguns miligramas de nicotina do cigarro do vizinho, nesses termos, o Governo de São Paulo parece não acenar para nenhuma política eficiente de combate às emissões de CO2. Por outro lado, como frequentador de espaços públicos fechados, sinto-me no direito de escolher se vou respirar ou não gases que não me fazem bem.”

Também vale a pena dar uma lida no resto: http://www.josedomingos.com.br/2009/08/a-lei-antifumo-e-nazista/comment-page-1/

Espero, fumando, que isso não vá pra frente!

Agora vou fazer o meu café pra fumar…

19 Respostas para “Ditaduras começam assim!”

  1. thiago the wild Says:

    Adorei o post! Estamos vivendo uma época deprimentemente pé no saco, onde idiotas de todos os tipos levantam orgulhosos suas bandeiras estúpidas de um moralismo morto. As pessoas não param pra pensar no significado real das coisas, sobre o que realmente está em jogo! Nada. Elas querem sentir-se bem consigo mesmas, com suas poses de moralistas corretinhos que se sentem no direito de dizer às outras pessoas o que fazer. Temos argumentos bobos como aquele de “proteger a pessoa de si mesma”, o que é a coisa mais totalmente contra a liberdade individual que se poderia ver. O bem maior, a sociedade e o caralho. Balela do pior tipo que não diz nada. E como pensar por si está se tornando um costume caído no mais completo desuso, acho que nosso retrocesso cultural só tende a piorar.

  2. Detesto gente que fuma perto de mim. Detesto gente que para tudo o que ta fazendo para apreciar o cigarrinho sagrado de cada dia. Vicio estupido. Fumem dentro de suas casas, ninguem eh obrigado a aguentar a nicotina que vcs trazem pra cidade!

    • thiago the wild Says:

      Era a isso mesmo que eu me referia! Uma questão cultural. As pessoas estão sendo ensinadas a odiar e discriminar todos os tipos de “maus-hábitos”. O fumante torna-se merecedor de desprezo e recriminação de tal modo que os governates estarão então legitimados a oficializar a exclusão do hábito e de seus adeptos, pois é a vontade do próprio povo. Me chamem de paranóico, mas às vezes sinto que estamos indo para o “1984” de Orwell.

  3. É uma coisa bem ditatorial, você estar em um bar, e acender o cigarro na mesa da calçada o dono do bar pedir pra voce ir fumar ali – na SARJETA, porque nem embaixo do toldo é permitido!
    Não acho que não fumantes sejam obrigados a suportar o cheiro do cigarro, mas acho que eu tenho o direito de fumar meu cigarrinho de nicotina com dignidade.

  4. Essa buk é uma puta cheia de hábitos ruins e q adora passar esses maus exemplos pros outros, se fosse em outros tempos ela já teria sido queimada na fogueira e eu estaria na primeira fila rindo disso e do baiestorf sendo enforcado pelos mesmos motivos logo em seguida. Odeio fumantes e bebados e acho essa lei uma das melhores coisas q já fizeram, q vá pra frente sim e vcs vão todos presos por desacato e aprendam de uma vez por todas a viver como pessoas decentes seus imorais bebados e drogados

    • Típico da extrema direita (nazistas e fascistas) que gostam de dar sua opinião de forma anônima. Não sou fumante (nunca fui em toda minha vida), mas acredito que cada um tenha o direito de fazer o que quiser, não acredito em poibições. No caso de cigarro, na minha opinião, o ideal é que tenham restaurantes, bares, ou seja, locais para fumantes e para não fumantes.
      Parto desta lógica: Se cigarro deve ser proibido (porque desagrada com fumaça e cheiro), todos os carros de passeio (e caminhões coloco no mesmo balaio porque a transporte pode ser feito de outra maneiras) devem ser proibidos também, já que é comprovado que a poluição dos automóveis é muito mais prejudicial à saúde do que os cigarros).
      E para concluir uma dúvida que o comentário do extrema direito anônimo me saltou aos olhos: Ser uma pessoa decente é ser um assassino??? (se ele defende a pena de morte como solução, prá mim não passa de um folgado que tem soluções fáceis prá tudo: Se não concordar com os porcos do poder, MATA!!!).
      Resposta dada pelo NÃO ANÔNIMO PETTER BAIESTORF.

  5. odeio extremistas imbecis como esse anonimo, tinha que ter uma lei que cortasse a lingua e os dedos de nego imbecil assim, de maneira que nao precisariamso aguentar a estupidez alheia nem pela voz, e nem por seus textos digitados … que voce acha, bela lei ne ? afinal aguentar a imbecilidade de gente sem faculdades mentais é pior que fumaça de cigarro …

  6. thiago the wild Says:

    É de confundir, definitivamente! Um quer queimar os fumantes na fogueira, outro quer cortar a língua do cara que não gosta de fumantes porque não gosta de extremismos (?!).
    O mal da espécie, na minha opinião, é nossa filosofia de rebanho, é sério. Eu só conseguiria imaginar um conceito viável de liberdade em um mundo onde as pessoas não dessem a mínima para tudo aquilo que não é da conta delas, onde as pessoas fossem, digamos, invisíveis umas para as outras e cada uma vivesse a sua maldita vida. É sonhar alto.
    O homem é um animal de “bando”, faz parte da nossa própria condição a imposição de regramentos em todos os aspectos de nossa existência. Eu acredito que nunca seremos livres de verdade.

  7. Alguém que opina sobre algo e não tem coragem de mostrar quem é, é porque sabe que, no mínimo, vai falar merda.
    Se ser puta é ir contra toda a crença, hipocrisia e moralidade que parte de gente assim e dessa sociedade repleta de gente-robô, então, sim, SOU PUTA e super bem resolvida com minhas escolhas e hábitos a ponto de não precisar escondê-los!

    “(…) um mundo onde as pessoas não dessem a mínima para tudo aquilo que não é da conta delas”… é sonhar alto, sim. Desde que me entendo por gente não é assim. Seja o vizinho frustrado, a tia carola, o recalcado anônimo… enfim, tem sempre um desocupado interessado em cuidar mais do rabo dos outros que do seu.

  8. thiago the wild Says:

    “aprendam de uma vez por todas a viver como pessoas decentes seus imorais bebados e drogados”

    Um viva para as pessoas-robôs e suas programações fúteis. As pessoas tem tanta raiva de quem foge do padrão, daqueles quem não executam as ordens. A sociedade mais parece uma espécie de prisão onde os próprios condenados são também os carcereiros.

  9. Sobre o voto obrigatório, certa vez eu disse que simplesmente não votaria, meu amigo então me disse: é assim que vc agradece as pessoas que morreram e sangraram para te dar o direito de votar? Daí eu disse: Agradeço a eles por isso, e se o voto fosse proibido eu lutaria para que fosse meu direito votar, mas quando eu quisesse e se achasse que algum candidato mereceria meu voto! Eu quero ter o direito de votar e o direito de não votar também, o estado não deve lhe dizer o que fazer!!
    Sobre o cigarro eu penso a mesma coisa. Eu não fumo e odeio cigarro, mas namoro com uma fumante e nem por isso vou proibi-la de fumar, e se um dia me batesse a loucura de fumar eu fumaria em paz, porque tava afim disso e pronto!
    Eu acho que o individuo tem direito de fazer o que quiser com o seu corpo e fim de papo, não precisamos que o estado se intrometa mais ainda na vida do povo do já se intromete.

  10. Depois que a censura e a ditadura passaram a ser exercidas até pelos atuais detentores da história do underground, contada de maneira corporativa, não faz a menor diferença os legisladores criarem leis que o povo merece, porque não faz nada para o fim da idade penal, maioridade pelo menos aos 16, cadeira elétrica, e os Misael da vida matam e ficam soltinhos na boa por aí, vão soltar a Richtoffen, os Nardônios… Se o povo quisesse descriminalizar drogas e fazer do Brasil uma Holanda gigante, já teriam feito mas preferem ser globestas.

  11. bom pessoal, compactuo o voto nulo com o petter e varias pessoas, e tb sou contra lei anti fumo, por mais que parei de fumar e adoro sair duma baladinha sem fedor de cigarro hehehe, sei que faz mal, sei que muitas vezes as pessoas começam a fumar por besteira tb.. mas isso é com todas as coisas do mundo, e quem acha isso pra si mesmo, pode parar, assim como eu fiz, mas proibir é imbecil, nazi, fascista, sei la,, tudo isso e mais, pois nao fumo cigarro mas fumo minha macoinha, e queria fumar ela em qualquer lugar tb. bom, dessa vez eu vou votar numa pessoa que tb quer oq eu quero, sei que pode ser ilusao votar em alguem e tal, mas eu vou dessa vez. na mariana marques, pra deputada federal. to falando aqui pq quero que tu vote tb petter hehehe
    do pdt, ela tem uma proposta legal, e a conheço, e conheço toda a juventude que ta envolvida na campanha dela.
    as pessoas sempre falam que os politicos sao uns cuzao e tal, corrupto. entao ta na hora de revolucionar isso, por mais anarquista que seja.
    well, sem querer fazer propaganda mas jah fazendo.
    tb achei legal um post doutro ai em cima dizendo que a gente nao eh livre pois vive em bando e pra viver em bando tem que ter regras… mesmo se sao naturais neh. dizem que a natureza é uma lei tb neh, mas nunca pensei muito nisso. well. acordei querendo me expressar. bom dia a todos. bjinhus

  12. Ih cara, este assunto é pano para manga na certa!

    Defendo a liberdade, o direito de cada um fazer o que quiser com sua vida, seu cu e seu pulmão. Mas pensando por este lado, onde está o meu direito de não querer fumar nem por tabela? É aí que a lei entra.

    Você fuma? Quer ter um efisema ou câncer por vontade própria? Eu não! E aí? Vem aquela famosa e imbecil frase “Os incomodados que se mudem”? Não! Acho que para evitar problemas para todos nós é proibido (palavra forte) fumar em locais públicos onde possam haver pessoas que não querem fumar. Olhando assim não parece melhor? Ou algum fumante aqui saíria para fumar lá fora se algum não fumante pedisse?

    Mas até aí não é problema pedir ou proibir. O problema é educar. Se fossemos uma civilização que deu certo e não este erro, todos saíriam para fumar sem ser obrigados, todos dariam carona, todos levantariam para os idosos sentarem nos assentos reservados, todos compartilhariam. Mas não somos. Não queremos ser e não vamos ser. Nestes casos alguém precisa intervir e é pra isso que botamos aqueles babacas no poder para que ao menos de vez em quando, intervenha em nossos interesses.

    Do mesmo jeito acho hipocrisia proibir algo que mata a longo prazo e propagar o álcool que também é uma droga e mata muito mais instantâneamente, no trânsito. São interesses diferentes. Não cola pra mim essa idéia de que o Estado está fazendo isso em meu benefício. Nunca ganhei nada de graça.

    No mais eu prefiro muito mais poder sentar em um bar onde eu possa sentir o cheiro da comida do que da nicotina.

    Porém cada um faz o que quer da vida, desde que não me envolva pois da minha cuido eu. Se quero fumar ou não por tabela é problema meu. E se você não gosta disso, você também não respeita a liberdade de ninguém. Sua liberdade acaba onde começa a minha e vice-versa.

    • O princípio do raciocínio está totalmente correto, mas ainda é um tanto superficial. O problema a respeito do fumante passivo é que este assunto está tomando proporções de “histeria coletiva”. Existem pouquíssimos estudos sérios e aprofundados a respeito dos malefícios efetivamente causados pelo fumo indireto, e na grande maioria dos casos, divulgados de forma escandalosa e tentenciosa.

      Concordo quanto à parte do problema de educação. O brasileiro tem mania de “afogar” o judiciário com problemas que deveriam ser resolvidos pelos próprios indivíduos, através de diálogo e informação. O que nos falta é uma noção de meio termo razoável (conceito alienígena para a maioria das pessoas), afinal, a fumaça não vai “localizar-e-destruir” pulmões por aí, e um fumante que não for filho da puta não vai soprar toda a fumaça diretamente em cima de você. É uma questão de evitar exageros paranóicos. Não precisamos de lei pra isso.

      Ainda sobre os males do fumo indireto, vou me valer do argumento do Baiestorf, a respeito da poluição dos carros, a proporcão! Esta mesma proporção pode ser demonstrada também através desta história análoga: certa vez assisti a uma animação onde moradores de um prédio ao lado de um aeroporto viviam em guerra entre si por causa do barulho que cada um fazia. A cada minuto passava de fundo um avião fazendo um ruido ensurdecedor, mas era como se ninguém ouvisse. No fim, os vizinhos mataram uns aos outros. A questão é que eles brigavam entre si por causa de barulho, mas ignorando que os aviões é que os enlouqueciam (afinal, quem pode reclamar dos aviões?). O mesmo comodismo está se voltando para o cigarro. O cigarro é mais detestado do que os outros agentes poluentes muito mais poderosos, mas… Quem pode reclamar deles?

      • É… sou contra automóveis também. Pelo menos na maneira como são tratados pela sociedade atualmente.

        Infelizmente se perde muito tempo criando leis, hospitais, programas e mais programas de trânsito, investindo em segurança, polícia… Quando, acredito, a forma melhor de se solucionar quase todos os problemas é a educação.

        Acredite, se pudesse evitar os carros da mesma maneira que evito cigarros, eu o faria. 🙂

  13. Só pra entender… Não fumo, não bebo (já fiz as duas coisas) e não quero ser atropelado por um motorista bêbado nem fumar por tabela. Que escolha eu tenho se ninguém pensa nos outros e só em si mesmo? Estas duas coisas são inevitáveis! Existem bêbados no volante, e tem gente fumando na fila do ônibus. E eu? Faço o que? Me levanto e saio? Fico em casa onde é seguro? Sugiro pro cara ir fumar lá fora e corro o risco de me envolver em uma briga ou tomar um tiro de graça (pois tem mais gente “corajosa” e armada lá fora do que se pensa)?

    Fumantes queridos. Se querem ser respeitados, respeitem. Não vejo tanto problema nessa lei assim.

    • Concordo muito com o “ninguém pensa nos outros e só em si mesmo”. Mesmo assim, se você fuma, defenderei seu direito de fumar, mesmo não fumando. Porque o problema não é o cigarro, não é a bebida: o problema é o “ninguém pensa nos outros e só em si mesmo”, porque se o fumante pensasse nos outros, como muito fumante que conheço, ele não vai fumar onde estiver importunando outras pessoas, e não vai precisar de lei alguma pra fazer isso. Eu não me importo com a fumaça, mas muita gente sim.

      A lei precisa agir quando não há o bom-senso. E quanto menos bom-senso houver, mais será necessário que a Lei empurre esse bom-senso goela abaixo ds pessoas. Só que a lei, nesse caso, atinge quem precisa dela e quem não precisa dela também, e quem não precisa desse tipo de lei se indigina.

      Antigamente todo mundo tinha bom-senso, e daí não precisava se transformar em lei coisas tão básicas.

  14. Basicamente, a mídia faz o que não for “politicamente correto” ser algo “feio”, o Legislativo sabe que todo mundo aprova tornar o “politicamente correto” em lei, a publicidade diz que vícios não são “politicamente corretos”, o ator da novela não faz nada que não seja “politicamente correto”, e os estadounidenses são os principais exportadores da idéia do “politicamente correto” pra nós, que batemos palminha pra tudo que vem dos EUA.

    Eu acho que justamente o tal do “politicamente correto” é um mal que tinha que ser extirpado da nossa sociedade. Na União Soviética não tem dessas frescuras porque eles não são babaovo de estadounidense como nós, que achamos que tudo que vem dos EUA é melhor que o produto nacional.

    E de mãos dadas com o “politicamente correto” vem justamente o cuidado com a saúde, que impulsiona a venda de produtos “light”, “diet”, livres disso e livres daquilo, para deleite das indústrias de alimentos. Água? Só mineral!

    Como é que quando eu era pequeno não havia nada disso e eu consegui sobreviver á minha infância? Não existia video-game, a gente chegava todo esfolado em casa de jogar bola, bebia água de riacho, tomava banho de chuva, na aula todo mundo se espancava por pouco mais de nada e no outro dia era como se nada tivesse acontecido, ovo frito era na banha de porco, e muitas outras coisas que hoje causam horror á turma do “saudável” e do “politicamente correto”, mas que deu origem á crianças que respeitavam os pais, respeitavam o professor, respeitavam os outros e muitas outras coisas que hoje não se respeita mais.

    Só alguém extremamente egoísta, que não se importa com as outras pessoas e com o ambiente que o cerca, que pode achar que as coisas “melhoraram” do jeito que estão hoje.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: