Manhã

Não tive uma vez uma juventude amável, heróica, fabulosa, a ser narrada sobre folhas de ouro, – muita sorte! – Por que crime, por que erro, mereci minha fraqueza atual? Os que crêem que os animais têm soluços de pena, que os doentes desesperam, que os mortos tenham maus sonhos, tratem de contar a minha queda e o meu sono. Eu não posso me explicar mais que o mendigo com seus contínuos Pater e Ave Maria. Não sei mais falar.

Porém hoje creio ter terminado o relato do meu inferno. Era o inferno; o velho, de que o filho do homem abriu as portas.

Do mesmo deserto, à mesma noite, sempre meus olhos cansados se abrem para a estrela de prata, sempre, sem que se comovam os reis da vida, os três magos, o coração, a alma, o espírito. Quando iremos, além das praias e dos montes, saudar o nascimento do trabalho novo, da sabedoria nova, a fuga dos tiranos e demônios, o fim das superstição, adorar – os primeiros! – O Natal na terra!

O Cântico dos céus, a marcha dos povos! Escravos, não amaldiçoemos a vida.

escrito por Arthur Rimbaud.

Uma resposta para “Manhã”

  1. Rimbaud é um ser divino!!! Um bruto, sem senso moral, como ele mesmo se definia!
    Excelente post! É sempre bom ler Rimabud.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: