Projeto Páscoa Sarnenta 3: Entrando numa Fria com Baiestorf

Era tudo previsto. 16 anos trabalhando com Baiestorf já me colocaram na posição invejável (??!) de saber que vai ser mais uma lascada. E assim mesmo aceitar e se preparar durante mais de dois meses para… Entrar em mais uma fria… Ou não… Gravar quatro curtas metragem em 2 dias e meio me lembraram que já havíamos tentado uma façanha parecida no longevo ano de 1996 quando ousamos cometer o vídeo-escatológico-musical  “Caquinha Superstar A-Go-Go”, num espaço de tempo parecido e realizamos umas das obras mais esquecíveis de nossa parceria. Mas que seja, vamos lá… Já estava com os efeitos especiais e máscaras preparados, Gisele Ferran já havia trabalhado os figurinos, e até armas novas tínhamos para usar em cena, teríamos as preciosas colaborações de Daniel “Australiano” (Câmara, fotografia e iluminação) e Adriano Trindade(Ator e faz-tudo), além das presenças honrosas de sempre (Timm & Copini, foto ao lado) e o vilão especialmente convidado Felipe Guerra, com a sádica missão de documentar a catástrofe de perto… Baiestorf viajando para Sampa para participar do Festival Do Cinema de Bordas e chegando somente na sexta à tarde… Ficamos eu e Gisele Ferran (além de minha Musa, uma dedicada produtora executiva, trabalhando com afinco por detrás da câmera desde a pré produção) encarregados de receber Daniel ”Mel Gibson Jr.” na rodoviária nas primeiras horas do dia (depois de ficarmos até as 3 e 30 da manhã em um show) e ajudados por Timm & Copini arrumarmos cenários e detalhes dos curtas. Os outros cúmplices vão chegando e até o gênio Multi-mídia Gurcius Gewdner materializa-se para dar uma mãozinha na maluquice toda…Todos exaustos de viajar (ou passar a noite em festas ou as duas coisas juntas), mas alegres em se reencontrar e embarcar nesta canoa… Começamos o Far West-Pampeano “Pampa’Migo”  em meio a muitas risadas, cachaça e cervejas e fiascos de um dos membros da equipe que acaba desmaiando de bêbado em meio a relva úmida da noite Palmitense… Tudo dentro do normal e do cronograma (inclusive um rápido churrasco gaúcho para comemorar a Sexta -Feira -Santa-Sarnenta, saboreado inclusive por vegetarianos empedernidos, mas provocativos e ateus). Uma noite de descanso depois, acordamos cedo para começar a rodar “O Monstro Espacial”, enquanto bebericava uma xícara de café preto revigorante me dirigi até a sacada da casa onde uma vista privilegiada me deixava admirar a Ilha Redonda, o Rio Uruguai, o Rio Grande do Sul do outro lado, colinas verdejante e… Uma pusta tempestade se aproximando muito, mas muito rápido… Chamei Baiestorf que ao observar as nuvens negras-lúgrubes-violentas proferiu um “Xi ! Fudeu!!!”… E passamos o dia esperando a torrente de água passar e acabamos adiantando as gravações de “Filme Político”… Um curta digamos assim… Provocativo… Ou não… Fim de tarde, uma garoa gélida envolvia tudo, mas a chuva parecia que iria parar…   Hora de entrar literalmente em uma fria e tentar arrumar o cenário molhado de “Pampa’Migo” e improvisar uma proteção para uma possível nova reviravolta da senhora Natureza. Desgraça que não veio e podemos trabalhar duro até… 6 e 30 da manhã de Domingo…Todos (todos mesmos) exaustos e sonolentos, após alguns cortes em cenas e abreviaturas em performances e detalhes, podemos comemorar o término das filmagens do segundo (dos 4 previstos) curtas do feriado. Confabulando tempo depois com Élio Copini, chegamos à mesma conclusão: se ainda estivéssemos trabalhando à moda-antiga (pouco se lixando com detalhes, fotografia e um mínimo de qualidade, teríamos conseguido fazer todo o projeto, mas seria tipo assim, mais um “Caquinha” em nossas carreiras… Ou não… Mas foi inegável o prazer de ver cenas gravadas e constatar que mesmo trash-podres-independentes-loucos e pobres, ainda conseguimos fazer coisas que nos darão prazer em ver e rever e exibir… E que o cinema-vídeo de guerrilha, ainda é a única alternativa ao cinemão-xoxo-rúliudiano-pubriciotário, praticado e cuspido em nossas telas e telinhas diariamente… Apesar de todo o esforço, suor, adrenalina, neurônios, ki-los (a mais e a menos) e células gástricas gastas em um feriadão que poderíamos estar somente bebendo, vadiando e namorando… Ou… Não…!

Valeu! Obrigado a todos… Afinal, gosto muito mais do Inverno, então, assim entrar em mais uma FRIA, por causa de antigas teimosias e influências de amigos sem noção… Pode ser sempre um grande prazer… Ou…

Escrito por Coffin Souza (ator e maquiador gore old school).

Imagem meramente ilustrativa.

2 Respostas to “Projeto Páscoa Sarnenta 3: Entrando numa Fria com Baiestorf”

  1. depois de 5 anos sem comer carne, resolvi comer um pedacinho do churrasco de sexta-feira santa, só pra provocar a ira divina… resultado: diarréia dos infernus!!! castigo de deus!!! ahh esse deus sempre de brinks com a gente!!!!

  2. […] Esperança burra. Esse sentimento de derrota no meu coração. Mas que coração burro! Ninguém cancela a páscoa! […]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: