O Monstro Souza

“O Monstro Souza [romance fastifud]” (2010, 235 páginas) de Bruno Azevêdo & Gabriel Girnos. Editora Pitomba.

Como é bom (e raro) achar um livro que surpreenda do início ao fim. “O Monstro Souza” é um destes livros. Bruno Azevêdo criou uma delirante história cheia de referências POP que o público brasileiro vai reconhecer na hora (principalmente os moradores da cidade de São Luís/MA, terra do autor e do Sarney (nem tudo é perfeito nesta vida), que se torna personagem importante (a cidade, não o Sarney) da trama do livro com suas barraquinhas de cachorro quente, putas, policiais sacanas, políticos pervertidos e ruas históricas).

A trama do “O Monstro Souza” é um achado do surrealismo (ou realismo fantástico, como você preferir, nunca sei diferenciar as duas): Na barraca de cachorro quente do Souza, um cachorro quente (apelidado de Souza) é jogado fora sem ser comido e adquire pernas/braços/olhos/boca/pau/vida e passa a perambular por São Luís se tornando objeto sexual das putas feias da cidade e garoto de programa para qualquer solitário com uns poucos reais no bolso:

“Vender o corpo era um negócio cada vez mais concorrido: os pontos da Pedro II, Itaqui e Portinho abrigavam a prostituição suja, das pernas cabeludas e caronas eventuais, do uisquinho pro capitão; o Colonial Shopping era mais uma zona adolescente, onde o assessor do deputado ia pegar o aluno do Liceu prum chopinho; as faculdades do outro lado da ponte eram a ressureição das velhas casas de cômodo do Desterro, a luz vermelha em meio à renascença, a semeadura dos vinhais da Atenas: ali a Criatura nem pisou. O preço deste livro, por exemplo, é muito mais alto que o de um boquete na Pedro II.

Ainda assim, inferninhos tradicionais como a Pedrita no Tirirical e o La Maison no (se não me engano) São Cristóvão ainda sobreviviam. Por fim, tendo o Anil e o Bacanga por pernas que fossem, e o braço de mar como uma cintura de respiração profunda, a Praiagrande era uma boceta exposta e fedendo a cancros.

A Criatura nem sentia.

Comia, dormia muito e passava bastante tempo percebendo o mundo pela janela do cortiço, atirando ervilhas escada abaixo.

Era uma pessoa como qualquer outra.”

O ponto alto do livro é sua narrativa original que mistura texto com poesia, com quadrinhos (ilustrações belíssimas do Gabriel Girnos), com recortes de jornal, tiras, fotos, propagandas, letras de música, onomatopéias, aqueles bilhetinhos de surdo-mudo pedindo esmola e muitas outras formas de contar uma história criativa/empolgante. Não existe limites no “O Monstro Souza” e gosto disso!!!

Se você quer experimentar o livro, entre em contato com o Bruno Azevêdo pelo e-mail: bazvdo@hotmail.com e encomende um exemplar, tá custando apenas R$ 24.00 já com as despesas postais incluídas.

Curiosidade: A capa do livro foi feita pelo Gabriel Girnos sob desenho do Marcatti.

Abaixo algumas páginas do livro:

4 Respostas para “O Monstro Souza”

  1. emily pontes Says:

    adorei bem que voce poderia escrever algumas coisas bizarras da minha vida

  2. […] o livro “Baratão 66″, novo trabalho do ótimo escritor Bruno Azevedo, autor de “O Monstro Souza“), continua produzindo animações em stop motion, como seu novo curta “Bicho […]

  3. […] menos um lançamento obrigatório, “Baratão 66″, fruto de uma bem-vinda parceria entre Bruno Azevêdo e Luciano Irthum. Pitomba surgiu em 2009 e se tornou a editora marginal mais ativa de São […]

Deixe uma resposta para Bicho Papão « Canibuk Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: