Arquivo para outubro, 2011

Dementia 13

Posted in Cinema with tags , , , , , , , , on outubro 31, 2011 by canibuk

“Dementia 13” (1963, 75 min.) Produção de Roger Corman, escrito por Francis Ford Coppola e Al Locatelli (não creditado) e dirigido por Francis Ford Coppola com seqüências adicionais filmadas por Jack Hill e Monte Hellman.

Após ter trabalhado com Roger Corman no filme “The Young Racers” (1963), fazendo o som do filme, Francis Ford Coppola ganhou a chance de dirigir “Dementia 13” quando Corman percebeu que haviam sobrado 22 mil dólares do orçamento de “The Young Racers”. Roger Corman sugeriu ao Coppola ficar na Irlanda com uma pequena equipe para as filmagens de um “terror gótico psicológico”, imitação mais violenta de “Psycho” (1960) de Alfred Hitchcock. Coppola escreveu um argumento rápido em uma noite e no dia seguinte descreveu uma cena que deixou Roger Corman impressionado a ponto de liberar os 22 mil dólares para a produção (Coppola fez um investimento por conta própria de mais 20 mil dólares que Corman ficou sabendo bem depois).

Francis Ford Coppola foi deixado inteiramente a vontade para fazer o filme, sem interferência de nenhum tipo de Roger Corman, mas quando o filme foi finalizado Corman saiu da sala de exibição reclamando que o filme era curto demais e tinha pouca violência. Como Coppola não concordou com as alterações que Roger Corman queria, Jack Hill foi contratado para filmar seqüências adicionais (como a cena onde um caçador é decapitado pelo assassino) enquanto Monte Hellman dirigiu um prólogo que em nada tinha haver com o resto do filme.

“Dementia 13” foi lançado em 1963 como parte de um programa duplo (double feature) com o clássico “X: The Man With the X-Ray Eyes” (1963), dirigido pelo próprio Roger Corman (que na minha opinião é um cineasta muito mais divertido e esperto que o mala do Coppola). “Dementia 13” se encontra em domínio público e está disponível no youtube.

Réquiem para um Sádico

Posted in Quadrinhos with tags , , , , , , , on outubro 30, 2011 by canibuk

Eu tenho um grande sonho como videomaker independente, que é transformar a revista “Spektro” em filme, usando como base suas HQs publicadas em plena ditadura brasileira carregadas de críticas à policia federal, poder e superstição (afinal o Brasil é um país supersticioso demais), mulher pelada e sexo, e alusões ao folclore e cultura genuinamente brasileiras. Em 2010 me reuni com um grupo de geniais amigos para ver a possibilidade disso acontecer, mas optou-se por tentar outra coisa, igualmente saborosa. Resgato hoje uma HQ do desenhista Mano que foi originalmente publicado na “Spektro” número 14 de fevereiro de 1980. Em tempo: Vou continuar tentando transformar a “Spektro” em filme!!!

Uma Mulher Incomum

Posted in Literatura with tags , , , , , on outubro 29, 2011 by canibuk

conheci essa mulher

e ela disse,

você está péssimo,

vamos te limpar,

e ela começou a espremer minhas

espinhas.

ela espremia essas espinhas

em tudo quanto é canto:

no carro, no mercado, na

cama, no parque

(entre uma foda e

outra).

eu fiquei sem espinhas antes de

ficar sem

amor.

o que vamos fazer

agora? ela perguntou.

.

então ela começou a arrancar os pêlos

de minhas orelhas e nariz e ao redor dos olhos

e sobrancelhas, das costas,

com uma pinça. ficamos sem

pêlos antes de eu

ficar sem

amor.

o que vamos fazer

agora? ela perguntou.

.

fiquei sem espinhas e sem pêlos

antes de ficar sem

amor.

agora ela fez as malas e

está se mudando

hoje à noite mas não antes de ela

limpar a cera

dos meus

ouvidos.

.

uma mulher altamente

incomum.

escrito por Charles Bukowski.

Velho Mundo

Posted in Cinema with tags , , , , , , , , , , , on outubro 28, 2011 by canibuk

“Velho Mundo” (2010, 13 min.) de Armando Fonseca. Com: Melissa Schleich, Pablo Sgarbi e Ana Maria Bucceroni.

Este curta começa na Espanha (velho mundo), onde uma gosma negra que sai do chão infecto do continente europeu (ao estilo “The Stuff/A Coisa” de Larry Cohen misturado com “The Blob/A Bolha” de Irvin S. Yeaworth Jr.) entra na mala de um brasileiro que está matando tempo prá pegar seu avião de volta ao Brasil (novo mundo). Ao chegar aqui, a gosma negra sai da mala e infecta o sistema de encanamentos de um prédio (as cenas da gosma negra infectando os encanamentos do prédio são muito bem realizadas, você pode conferir vídeo clicando aqui), centrando a trama no apartamento de um jovem casal (Melissa Schleich e Pablo Sgarbi). Após um pingo da gosma negra cair no olho do jovem que arrumava o chuveiro, ele fica infectado (as cenas envolvendo as lentes de contatos negras dão um ótimo clima ao filme), mas ainda mantendo um pouco de sua humanidade, o que faz com que sua esposa não desconfie de nada, até ela sofrer um acidente e ser levada ao pronto socorro. Num sinal de trânsito o jovem finalmente fica completamente sob controle da gosma negra e uma ótima/eletrizante perseguição envolvendo o carro tem ínicio, culminando com um atropelamento convincente. Mais não posso contar, mas posso garantir que isso é apenas o começo da diversão, estejam preparados para desmembramentos, canibalismo, cenas escatológicas envolvendo liquidificador e um fino senso de humor negro.

“Velho Mundo” é o segundo curta-metragem do diretor Armando Fonseca e o domínio da narrativa apresentado é o que mais chama atenção. Com poucos recursos mas muito planejamento (escola Roger Corman), ele construíu um filme tenso carregado de um humor negro, com ótimas sacadas técnicas. Os efeitos especiais estão ótimos (veja os testes de efeitos), a produção bem aproveitada e os atores são cativantes, tendo até rápidas cenas de nudez com a Melissa Schleich, requesito obrigatório em filmes de baixo orçamento. O que mais tem me deixado feliz com o cinema independente brasileiro é o surgimento de uma nova geração de cineastas que prima por um horror mais visceral e se importa com o aspecto técnico do filme, bem diferente da minha geração que queria a todo custo fazer um cinema gore extremo sem os técnicos e equipamentos necessários. Acho que os dois modelos são válidos, mas esse apuro visual tem deixado os novos filmes bem mais elaborados.

Contatos com o diretor Armando Fonseca pelo e-mail: armafilmes@gmail.com e compre o filme, se você tem cine-clube programe uma exibição de “Velho Mundo” (e de todos os outros filmes independentes que comentamos aqui no Canibuk), se você tem boteco, arme uma sessão com ingressos pagos (a serem repartidos entre os cineastas participantes) e convide vários curtas brasileiros para fazerem parte da noitada de sangue, tripas e tetas. Quando não há caminhos oficiais de distribuição o negócio é a união e um ajudar ao outro e, com isso, criar um mercado e um público aqui no Brasil para este estilo mais porrada de se fazer cinema.

O Solitário Ataque de Vorgon

Posted in Cinema with tags , , , , , , , , , on outubro 27, 2011 by canibuk

“O Solitário Ataque de Vorgon” (2010, 6 min.) de Caio D’Andrea. Conceito e realização do monstro de Boris Ramalho.

O curta-metragem “O Solitário Ataque de Vorgon” começa com uma manchete de jornal que fala da luta dos monstros gigantes “Vorgon” e “Vorga” que teriam destruído a cidade durante o dia. A noite “Vorgon” volta à cidade sozinho. Ao olhar um coração desenhado num prédio (igual estes que jovens amantes desenham em árvores) onde se lê “Vorgon + Vorga”, ficamos sabendo que a luta da tarde tinha sido uma briga de amor. Neste desespero por ter brigado com sua namorada “Vorga”, nosso monstrengo herói chora lágrimas de ácido (que caem sobre um fusca que derrete entre fumaça e gritos dos cidadãos histéricos), derruba um prédio e come vários humanos como se fossem deliciosos petiscos para acalmar a terrível dor do amor. Mais eu não posso contar sob risco de estragar a diversão. Mas posso adiantar que o final do curta é hilário, senti muito orgulho em ver um filme-homenagem aos Kaiju Eiga terminar assim.

A produção deste curta de Caio D’Andrea é ótima, com takes planejados (acredito que ele deve ter seguido o storyboard fielmente, porque está com um ritmo muito bom), maquetes ótimas, soluções cenográficas bem elaboradas (a cena final dos helicópteros sendo sugeridos, com suas providênciais luzes, fica queimada no cérebro de quem assiste o filme) e o conceito e realização do monstro “Vorgon” é de encher os olhos. Se o monstrengo não funcionasse, não sei se o curta tinha dado tão certo quanto deu. “Vorgon” foi elaborado pelo jovem técnico de cinema Boris Ramalho, que fez poucos trabalhos por enquanto em curtas, mas que é bom ficar de olho nele. Outro aspecto técnico lindo do filme é sua trilha sonora, que conta com uma belíssima música de Márcio Greyck, que reforça o final fantástico do curta (sem a música de Greyck não teria o mesmo impacto). Márcio Greyck é um mineiro que fez bastante sucesso nos anos de 1960/1970 entre os apreciadores da Jovem Guarda e as adoráveis breguices que faziam parte do pacote todo.

O diretor do filme, Caio D’Andrea, eu conheci no FantasPoa 2011, que foi quando ele me deu uma cópia do “O Solitário Ataque de Vorgon” (mas que não consegui assistir logo por vários problemas alheios a minha vontade), também foi co-diretor no ótimo feijoada-western “Duas Vidas Para Antonio Espinosa” (2010) que resenharei nos próximos dias. Não pretendo perder de vista essa talentosa dupla por trás do “Vorgon”, os caras são batalhadores e seu trabalho merece ser conhecido.

E-mail para contato com o diretor Caio D’Andrea: caiofigo@gmail.com

Semen Maniac!

Posted in Arte e Cultura, Bebidas, Buk & Baiestorf, Culinária Vegetariana, erótico, Fetiche, Fotografia, Putaria with tags , , , , , , , , , , , , on outubro 26, 2011 by canibuk

Acho estranhíssimo!                                                                                Inúmeras vezes presenciei garotas com expressões de nojinho ao ver uma cena de gozada no rosto ou boca seguidas de comentários do tipo “ai, que nojo” e “nunca deixarei ele gozar na minha boca“… Reação que, na minha opinião, é totalmente esquisita, pois encaro tal ato como algo extremamente natural, delicioso, importante, instigante, indispensável. Resolvi, então, aliar neste post algumas notas interessantes que mostram algumas qualidades contidas no sêmen mais  imagens  saborosas para o deleite daquelas que, assim como eu, apreciam com prazer tal deliciosidade. As que fogem disso (salvo lésbicas, que é outro assunto) têm todo o direito de escolha, mas certifiquem-se apenas de estarem fazendo isso porque querem realmente e não por um nojinho baseado em preconceitos estabelecidos por algum tipo de convenção robotizada, tradicional, religiosa e moralista, o que é, creio eu, na maioria das vezes, o motivo principal dessa atitude.

Estudos mostram que o sêmen é benéfico ao organismo, contém sais minerais, potássio, magnésio, zinco, vitamina B12/E/C, frutose, age como hidratante natural para a pele por conta da gordura que possui e que o líquido espermático (sadio) não contém germes. Um outro estudo curioso feito recentemente por uma equipe de psicólogos evolucionistas  da Universidade Estadual de Nova Iorque mostrou que o sêmen humano é  enriquecido com mais de 50 compostos químicos diferentes como hormônios, neurotransmissores e endorfinas, incluindo cortisol (hormônio que, entre outras funções, diminui o nível de stress, mantém a estabilidade emocional e aumenta o afeto), prolactina (que age como um antidepressivo natural), estrona (hormônio que eleva o humor) e serotonina (esse é bem conhecido e também funciona como antidepressivo)  e age quase que diretamente sobre os hormônios femininos atuando como antidepressivo natural.  Belas notícias!

Brindemos a essa bebida virtuosa!

escrito por Leyla Buk.

CineFantasy 2011: Novidades

Posted in Arte e Cultura, Cinema with tags , , , , , , , , , , , , on outubro 24, 2011 by canibuk

Duas novidades extremamente interessantes do CineFantasy deste ano (que vai acontecer no final de novembro):

A primeira é o curso de efeitos especiais com Rodrigo Aragão, que já está com vagas abertas. São 12 horas de curso que tem como objetivo capacitar profissionais técnicos para trabalhos audiovisuais e ao final do curso os alunos irão colocar em prática os ensinamentos de maquiagem aprendidos numa “Monster Walk”.

Rodrigo Aragão, Coffin Souza e eu em Porto Alegre.

Rodrigo Aragão trabalha com efeitos especiais a quase 20 anos, já participou de mais de 25 peças de teatro, 15 curtas e é o diretor de dois filmaços do gore brasileiro, o cult “Mangue Negro” (2008) e “A Noite do Chupacabras” (2011).

A oficina de maquiagens e efeitos especiais com o Rodrigo Aragão vai acontecer dias 25 e 26 de novembro, a inscrição custa R$ 70.00 e são somente 20 vagas (que ganharão a camiseta oficial gratuíta). Na oficina serão abordados a história das maquiagens, explanação sobre os materiais (cosméticos artísticos e técnicos), bases e solventes para pigmentação (óleo, água e álcool), técnicas de criação de ilusão de profundidade através da pintura, fábricação de massa moldável e como aplicar, abordagem dos efeitos com gelatina, construção conceitual e física das personagens e a criação prática das personagens para a “Monster Walk” invadir os botecos da noite paulistana. Local da oficina: Espaço CineFantasy, Av. Dr. Arnaldo 1620, informações pelo e-mail oficinas@cinefantasy.com.br

E a segunda novidade, válida somente para a região sudeste, é o concurso cultural “O Jurado é Você”. Com o objetivo de tornar o prêmio “Melhor Filme pelo Júri Popular” (curta e longa) uma categoria cada vez mais séria e respeitada, o CineFantasy abriu um concurso que irá selecionar 10 pessoas que integrarão o grupo do Júri Popular do festival, que irão acompanhar toda a programação competitiva do festival gratuitamente, com viagem, hospedagem e jantares pagos pela organização do CineFantasy.

Para participar, envie até dia 04 de novembro uma crítica sobre o seu filme preferido do gênero fantástico, mas antes leia o regulamento para saber como fazer tudo direito e boa sorte à todos do Canibuk.

Os realizadores Joel Caetano, Rodrigo Aragão, eu, Felipe Guerra com os organizadores do CineFantasy, Eduardo Santana e Vivi Amaral (frente) e Pomba e Walderrama dos Santos.