Como Viajar de Graça Fazendo Filmes Baratos

Comecei a fazer filmes no ano de 1992, primeiro como uma forma de me divertir com amigos e, logo em seguida, descobri que fazer filmes independentes, mesmo sem grana nenhuma, é uma ótima maneira de convencer as pessoas a te pagarem por viagens. Foi assim que conheci, praticamente de graça, o Brasil inteiro (para minha frustração, ainda não conheço a região norte de nosso país).

Você gostaria de viajar de graça, mas não possuí nem câmera para realizar seu pequeno filme?

Bem, não vejo isso como um empecilho, pois sabemos que hoje bons filmes podem ser feitos sem câmeras. Minha sugestão é você utilizar uma câmera fotográfica digital (pode ser de celular ou aquelas máquinas fotográficas bem baratinhas, tanto faz a definição das imagens) ou um scanner. Tanto com a máquina fotográfica quanto com o scanner, você poderá capturar as imagens e transformá-las em filme usando qualquer programa de edição em computadores (e, hoje em dia, qualquer pessoa possuí um computador a disposição). Mas, se por ventura, você não tiver nada dessas coisas das quais falo aqui, é bom exercitar sua lábia de produtor e convencer as pessoas sobre a necessidade nobre delas te ajudarem a produzir seu filme.

Apesar de que, hoje em dia, se você olhar ao seu redor, vai encontrar com muita facilidade câmeras dos mais variados estilos e qualidade a sua disposição: Câmeras de celular, WEB CAM, câmeras de máquinas fotográficas, câmeras de segurança, etc. Por exemplo, para ilustrar minha linha de raciocínio, você pode construir seu filme combinando todos esses instrumentos que citei aqui, são notas esperando pelo arranjo harmônico. Você pode ter a disposição o computador de seu melhor amigo (que vai ter um scanner acoplado, se não tiver, use o scanner de uma lan house, porra!), com um programa de edição pirata que você baixou da NET. Você pode combinar animação de imagens (capturadas via máquina fotográfica ou scanner) com cenas filmadas através de câmeras de celular, com takes retirados das câmeras de segurança da padaria de seu bairro (o padeiro, além de emprestar as câmeras de segurança para as filmagens necessárias, se bem conversado, ainda poderá patrocinar a alimentação de sua equipe, voltamos ao quesito “fazer filmes sem grana pede que você exercite sua lábia”) e alguma seqüência envolvendo imagens de web cam ou pequenos takes com câmeras fotográficas na função filmar. Seu papel como realizador é ser criativo o suficiente para transformar essa bagunça toda proposta aqui em estética (como parte da lábia de produtor, depois que seu filme estiver finalizado, você precisa ainda criar alguma teoria que justifique a importância de sua obra e crie uma expectativa nos produtores de mostras e festivais de que sua presença palestrando vai engrandecer o evento, isso garante a sua viagem de graça, com passagens aéreas, estadia em hotel bonitão, alimentação e pessoas te pagando bebidas, é uma delícia!).

Agora, sou contra fazer um filme que não diga nada. A falta de dinheiro, equipamentos, condições para realizar seu filme não impede que você tenha idéias, seu cérebro, sua criatividade, sua capacidade de criação, são seus instrumentos mais importantes. Na hora de criar você tudo pode, não há limites. E você pode discutir qualquer assunto, qualquer temática, pois qualquer assunto por você abordado terá seus defensores e seus detratores também. A delícia do mundo está nas diferenças. Você precisa se assegurar que seu projeto pareça único e que sua presença na cidade que você escolheu conhecer de graça seja estritamente necessária.

Em 2005, por exemplo, fiz um filme chamado “Palhaço Triste”, que chamei de autobiografia para dar uma polpa no troço todo, fazer com que um filme vazio ficasse parecendo algo importante. Filmei ele com três amigos me ajudando nas filmagens (dei alguma bebida em troca da ajuda), usei uma filmadora super-VHS velha que tinha em casa e editei as imagens com outro amigo me ajudando. O resultado foi um arthouse sobre as frustrações de um cineasta impossibilitado de realizar seus projetos, tudo isso embalado com um efeito digital (que nem sei o nome) que deixou as imagens com um clima de pesadelo surrealista lisérgico. Não me custou nenhum centavo (editei o “Palhaço Triste” em Florianópolis, a 650 km da minha casa, com minhas passagens bancadas pelo governo de Santa Catarina que, naquela semana, havia me contratado para participar de um debate sobre a produção de filmes independentes) e logo que ficou pronto este filme me proporcionou alguns dias de descanso em Belo Horizonte/MG, onde ele foi exibido em clima de festa num festival de cinema, ganhei bebidas, fiquei num hotel maravilhoso, revi amigos mineiros de longa data e ainda participei como ator no longa-metragem “O Sonho Segue sua Boca” do genial cineasta underground Dellani Lima.

Produza seu filme, as possibilidades de tudo dar certo e ser uma experiência positiva são grandes. Estou torcendo por seu filme e, espero, te encontrar viajando de graça na minha próxima viagem gratuita. Longa vida aos filmes sem grana!

escrito por Petter Baiestorf.

8 Respostas to “Como Viajar de Graça Fazendo Filmes Baratos”

  1. só tenho a agradecer a você petter! Afinal de contas se não fosse você e seus filmes/palestra/manifesto eu ia ser só mais um idiota preso a mesmice… junto a multidão de tolos que acha que concurso público é o céu… fazer filmes baratos abriu meus horizontes! graças a ti! hahaha obrigado!

  2. Reinaldo Lhota Says:

    Putz… Legal ler esse texto e saber que existem pessoas que realmente correm atrás, enquanto milhares reclamam que “sonham em viver da arte, mas não possuem dinheiro para tornar tal empreitada uma realidade”.

  3. Todo nosso respeito a lenda viva do Cinema Independente.

  4. Eu não tenho inclinação para arte, infelizmente, mas admiro, prestigio quem faz, mas sem comercialismos e sim a arte pela arte. Parabéns por mais de vinte anos perseverando bravamente.

  5. Iza grunge Says:

    Ótimo texto.

    Estávamos conversando ontem, sobre como iríamos gravar o trailer que representasse nosso manifesto, sem um puto pila!!!
    Acreditamos que o mais importante nisso tudo é a comunicação e o trabalho coletivo, saber que quem assistirá o filme não pôde conversar com os idealizadores antes pra ter noção da mensagem a ser transmitida, conseguir criar esse diálogo e interação é genial.
    Decidimos que usaremos uma filmadora, máquinas fotográficas, recortes de revistas, o sol como nosso iluminador, a cidade será nosso cenário e nós, os atores.
    É bem por ai… faltou grana mas choveu pensamentos e idéias práticas e lindas.

    Vida longa aos filmes sem grana!

  6. […] Para as pessoas que sempre sonharam em fazer cinema e não tinha dinheiro para isso, a oficina do Fim do Mundo é a oportunidade que faltava. Para os mais arriados é uma grande oportunidade de começar a viajar de graça pelo Brasil e mundo fazendo filminhos vagabundos. […]

  7. […] e ao ator Jorge Timm, abre com um texto humorístico escrito por mim e intitulado “Como Viajar de Graça Fazendo Filmes Baratos” que ensina aos jovens como unir o útil ao agradável. Cineasta independente pode se foder […]

  8. Adorei ler esse texto, pois é uma injeção de ânimo para quem sonha em fazer filmes, porém acha que precisa ter um equipo de última geração e muita grana para que isso aconteça. Já atuei em diversos curtas, longas e videoclipes independentes e só tenho a elogiar a galera que fez das tripas coração para que os trabalhos fossem concretizados. É tudo feito na raça, contando com apoio de amigos, contatos e gente que ama a arte e quer colaborar de alguma forma. É lindo. É satisfatório. E o reconhecimento não tem preço! Abraços!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: