The Killer Barbys

“The Killer Barbys” (“O Massacre das Barbys”, 1996, 93 min.) de Jesus Franco. Com: Santiago Segura, Silvia Superstar, Mariangela Giordano, Aldo Sambrell, Charlie S. Chaplin e Carlos Subterfuge.

Seguindo a tradição do hoje clássico trash “Hard Rock Zombies” (1985, de Krishna Shah), “The Killer Barbys” começa com a banda “The Killer Barbies” (no filme “Barbies” virou “Barbys” por questões envolvendo direitos autorais) fazendo uma eletrizante apresentação numa casa de shows vagabunda onde mostram um pouco de seu pop-punk rock (as músicas da banda são pavorosas, tanto que grudam no ouvido e não saem mais). Depois da apresentação a banda pega a estrada e sua van quebra no caminho (na verdade eles são vítimas de uma armadilha que Santiago Segura, hilário e canastrão no papel de um pervertido, preparou). Depois do acidente a banda é acolhida no castelo de uma condessa maligna (Mariangela Giordano, madura e bela, interpretando uma espécie de condessa Báthory moderna) que se mantém jovial bebendo uma poção preparada com o sangue de jovens aprisionados por Segura.

Como em qualquer outro filme do espanhol Jesus Franco, não espere nenhuma lógica. “The Killer Barbys” é uma sucessão de divertidas cenas desprovidas de sentido que valorizam os delírios envolvendo sexo, nudez e violência exagerada, como na magnífica cena do matadouro humano onde Segura tira o sangue das vítimas penduradas como se estivessem num macabro açougue de carnes humanas (tudo isso sem a menor preocupação de fazer as pobres vítimas realistas, cadáveres e cabeças humanas decepadas – cobertos por tinta vermelha – são reveladas e notamos, cúmplices, que tudo é falso, uma linda orgia de sangue doce e corpos de látex).

Jesus Franco é uma lenda do cinema classe Z mundial. Nascido em 12 de maio de 1930 se tornou famoso quando dirigiu “The Awful Dr. Orloff” (1961). Sempre trabalhando com orçamentos minguados, Franco se especializou na produção de filmes de horror carregados de sexo e, na maioria das vezes, estrelado por sua esposa Lina Romay. Filmou tudo que é tipo de gêneros, trabalhou com atores como Christopher Lee, Klaus Kinski e Howard Vernon, tendo um ritmo de trabalho tão intenso que no ano de 1983 chegou a dirigir 14 longa-metragens (em 1986 assinou 13 títulos e em 1973 outros 11 títulos), mantendo uma produção que chega, hoje, aos inacreditáveis 193 filmes dirigidos.

Santiago Segura (nascido em 17 de julho de 1965) é ator, roteirista, produtor e diretor de filmes. Em 1995 ficou famoso na Espanha ao estrelar o longa “El Dia de la Bestia” de Alex de la Iglesia e, em 1998, chamou atenção ao dirigir o mais lucrativo filme do cinema espanhol, “Torrente: El Brazo Tonto de la Ley”, que bateu a bilheteria de “Titanic” em solo espanhol. Voltaremos a falar de Santiago Segura no Canibuk em breve.

A banda “The Killer Barbies” foi formada em 1994 e é comandada pela vocalista Silvia Superstar (Silvia García Pintos). Lançaram pela gravadora espanhola Toxie Records três álbuns: “Dressed to Kiss” (1995), “… Only for Freaks!” (1996) e “Big Muff” (1998). Após o sucesso destes três álbuns (cada um tendo vendido uma média de 10 mil unidades), assinaram com o selo alemão Drakkar Records e venderam suas almas para Satã.

Em 2002 Jesus Franco dirigiu uma continuação de “The Killer Barbys” chamada “Killer Barbys Vs. Dracula”, igualmente divertida e exagerada para a sorte de todos os trashmaníacos. “The Killer Barbys” foi lançado em DVD no Brasil pela sempre picareta distribuidora Continental.

6 Respostas to “The Killer Barbys”

  1. Esse eu tenho em casa! Divertidíssimo!

  2. […] un’Amante” (1978); com Dino Risi fez o drama “Primo Amore” (1978); o atento Jesus Franco a chamou para um papel na comédia “Elles Font Tout” (1979), estrelado por sua musa […]

  3. […] (2003) de Pablo Berger, uma teoria de como seria um cineasta fã de Bergman filmando como Jesus Franco com uma super-8 e sua esposa […]

  4. […] da idéia apresentada em “Muertos de Risa”. Também teve papel de destaque em “Killer Barbys” (1996) de Jesus Franco; “Chica de Río/A Garota do Rio” (2001) de Christopher […]

  5. […] Jesús Franco Manera (1930) é o principal cineasta ativo na Espanha (gente como Almodóvar, Iglesia ou Segura, me desculpem, vem depois), um gênio dos filmes de baixo-orçamento nunca reconhecido em seu próprio país. Fez filmes de tudo quanto é gênero e ganhou destaque internacional com seus filmes de horror entrelados por suas deliciosas mulheres, primeiro Soledad Miranda, depois a deusa Lina Romay. Dirigiu mais de 200 longa-metragens (neste ano de 2012, por exemplo, já lançou “La Cripta de las Condenadas” parte 1 e 2 e agora trabalha na pós-produção de “Al Pereira Vs. The Alligator Ladies” e 2012 ainda tem mais quatro meses). Você até pode odiar o cinema de Jesus Franco, mas nunca poderá fugir de suas produções. Aqui no Brasil inúmeros clássicos do mestre espanhol estão sendo laçandos em DVD pela distribuidora Vinny com o abusivo preço de R$ 40.00, em média, cada! Jesus Franco nunca foi preso por sonegação de impostos e seu pai não foi ministro do ditador generalíssimo Francisco Franco. […]

  6. […] filmado; entre outras produções alucinadas de gente boa como Joe D’Amato, Doris Wishman, Jesus Franco (e tantos outros), onde ousar parecia ser a palavra de […]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: