Hieronymus Bosch e as Delícias das Tentações Cristãs

Hieronymus Bosch era pseudônimo do pintor Jeroen Van Aeken em homenagem à sua terra natal ‘s-Hertogenbosch (que significa “A Floresta do Duque”), cidadezinha que fica a 80 km de Amsterdã. Bosch foi influênciado por pintores alemães como Martin Schongauer, Matthias Grünewald e Albrecht Dürer e, séculos mais tarde, se tornou fonte de inspiração para o movimento surrealista do século XX.

Nascido em 1450 (e falecido em 1516), sabe-se pouco sobre a vida pessoal de Bosch. Especula-se (sem provas concretas) que o pintor teria pertencido a uma das seitas que na época se dedicavam às ciências ocultas, onde teria aprendido os segredos dos sonhos e da alquimia e, em conseqüência destes estudos, teria sido perseguido pela santa Inquisição católica.

As obras de Bosch se inspiram na mitologia da religião cristã e, com refinado dom para o uso das cores, criou uma série de fantásticos quadros de ordem religiosa, com macabras imagens que perseguiam o homem medieval (e ainda perseguem, se julgarmos a força destas seitas cristãs nos dias de hoje, de católicos à evangélicos, com seus dogmas que transformam qualquer liberdade/livre pensar em pecado).

Bosch assinou somente sete de suas pinturas, o número exato de obras sobreviventes do artista é motivo de discussões em mesas de botecos desde que as mesas de boteco foram criadas. Sabe-se que a partir do séxulo XVI numerosas cópias (ou variações) de pinturas suas começaram a circular devido ao seu influente estilo e que foi amplamente imitado por seus numerosos seguidores.

Meu primeiro contato com a obra de Bosch foi quando criança, tinha meus cinco ou seis anos de idade (lá por 1979/1980) e era fascinado por uma toalha de mesa que minha vó possuía estampada com vários desenhos retirados de “O Jardim das Delícias”, sua obra mais famosa. A arte de Bosch, mesmo que numa toalha de mesa suja por migalhas de pão e respingos de café, exerceu grande influência na minha personalidade de moleque avesso às autoridades.

Filmes

“Hieronymus Bosch” (1963, 16 min.) de François Weyergans. Com: María Casares (narração).

Em seu segundo curta-metragem o diretor François Weyergans, que nos anos de 1960 escrevia para a Cahiers du Cinéma, traça uma breve biografia do genial pintor. Não consegui achar este crta para assistí-lo.

“Le Jardin desDélices de Jérôme Bosch” (1980, 34 min.) de Jean Eustache. Com: Sylvie Blim, Catherine Nadaud e Jean-Noel Picq.

Este média-metragem francês, também conhecido pelo título “Hieronymous Bosch’s Garden of Delights”, é uma comédia dramática onde o cineasta Jean Eustache reconstituí uma discussão – que ele testemunhou anos antes – do psicanalista Jean-Noel Picq com algumas pessoas. Jean Eustache não é considerado membro da Nouvelle Vague, mas seu estilo de filmar dialoga com essa escola estética. Seu filme mais famoso é “La Maman et la Putain” (1973), estrelado por Jean-Pierre Léaud, com roteiro que Bernardo Bertolucci surupiou quando realizou seu “The Dreamers” em 2004.

Se achar, veja também “Il Paradiso Perduto” (1948, 10 min.) de Luciano Emmer e Enrico Gras.

Veja aqui “Le Jardin des Délices de Jérôme Bosch” (1980):

2 Respostas to “Hieronymus Bosch e as Delícias das Tentações Cristãs”

  1. Com certeza, a partir de agora, esse artista vai entrar para o hall das minhas preferências, ao lado de Goya.
    Valeu!

  2. MUITO BOM! O blog todo é uma maravilha! abraço!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: