Zsa Zsa: A Pequena Orfã que fez Justiça com os Próprios Peitos

“Eu não era uma garota estúpida com um peito grande!”, diz Lillian Stello, uma simpática senhora com peitos enormes que nos anos de 1960/1970 causou furor nas casas noturnas americanas como dançarina exótica que atendia pelo nome de Zsa Zsa, posteriormente, seguindo a sugestão de um proprietário destas casas de espetáculos burlescos, modificado para Chesty Morgan.

Chesty Morgan nasceu em 1937 na Polônia e ainda muito pequena tem sua vida modificada para sempre quando as tropas nazistas invadem a Varsóvia e seus pais perdem sua loja, sendo obrigados à viver no gueto da cidade. Logo perde sua mãe, que foi enviada a um campo de concentração, e também seu pai, morto pouco depois à tiros numa revolta que aconteceu no gueto. A pequena orfã, assim que acaba a guerra, é enviada para Israel onde passa a viver em orfanatos. Ao completar 20 anos conhece um americano e, cinco dias depois já casados, partem para os Estados Unidos. Como em um dramalhão cinematográfico, em 1965 o bondoso marido de Chesty é assassinado por ladrões dentro de seu açougue. Com pouco dinheiro, dívidas, falando um inglês carregado de sotaque polonês, ela não sabe como ganhar a vida naquela terra tão estranha. Por ser bonita, vários homens fazem propostas de casamento, mas Chesty resolve tentar a sorte como dançarina exótica numa esfumaçada boate de terceira categoria.

Seus peitos naturais que, segundo a edição de 1988 do “Guinness Movie Facts and Feats”, são os maiores já registrados numa atriz de cinema, garantem casas noturnas lotadas de homens excitados com a possibilidade de verem ela dançar e se desnudar. Logo a diretora de sexploitations Doris Wishman se interessa pela dançarina e a contrata para estrelar dois filmes, os hoje cults “Double Agent 73” e “Deadly Weapons”. No primeiro Chesty é uma agente secreta chamada Jane Genet que se infiltra numa organização criminosa e, com uma câmera fotográfica implantada em seus peitos gigantes, levanta provas para prender os criminosos. Já em “Deadly Weapons”, que conta com o ator pornô Harry Reems no elenco, Chesty interpreta Crystal, uma mulher que se vinga de mafiosos que surraram seu namorado se utilizando de seus enormes atributos mamários para fazer justiça com os próprios peitos. Seguindo a tradição das produções de Wishman, estes dois filmes são produções de orçamento irrisório e técnica amadora, mas extremamente divertidos.

Quando Federico Fellini estava em New York promovendo seu clássico “Amarcord” viu um show de Chesty e a convida para uma pequena participação em “Fellini’s Casanova” (1976), seu novo filme, infelizmente as cenas com Chesty acabaram não sendo incluídas na edição final, privando o mundo da visão dos famosos seios da dançarina exótica que enchia casas noturnas na América. No IMDB há menção de um quarto filme na filmografia de Zsa Zsa, “Dai Dai Feng Liu Dai Dai Chun, Di San Zhi Shou” (1981) de Mu Chu e Yao Hua Wen, mas é um filme que não vi e não tenho maiores informações, então não posso opinar.

No final dos anos 70 se casou novamente, desta vez com Richard Stello (de quem herdou o sobrenome que usa até hoje em seus documentos oficiais), um árbitro da liga profissional de beisebol. O casamento dura pouco com a separação acontecendo em 1979. Os dois continuaram bons amigos até 1987, ano em que Richard foi atropelado por um carro. John Waters, o papa do kitsch, escreveu um papel especialmente pensado para Chesty Morgan em seu “Flamingos Forever”, filme nunca realizado. Anos depois ele a homenageou em seu filme “Serial Mom/Mamãe é de Morte” (1994, lançado em DVD no Brasil pela Spectra Nova).

Hoje em dia ela vive numa casa em Tampa Bay e está aposentada do showbizz, mas suas formas estão imortalizadas no “Burlesque Hall of Fame”, na Califórnia, ao lado de outras mulheres incríveis como Mae West e Bettie Page.

5 Respostas to “Zsa Zsa: A Pequena Orfã que fez Justiça com os Próprios Peitos”

  1. […] usando os pseudônimos Bunny Downe ou Vickie Miles. Apareceu em alguns filmes da lendária Doris Wishman, como “Diary of a Nudist” (1961) e “Blaze Starr Goes Nudist” (1962). […]

  2. […] e gore mal filmado; entre outras produções alucinadas de gente boa como Joe D’Amato, Doris Wishman, Jesus Franco (e tantos outros), onde ousar parecia ser a palavra de […]

  3. […] reis do exploitation americano -, bem como produções distribuídas pelo lendário Harry Novak, Doris Wishman, Ted V. Mikels, Tsui Hark, Frank Henenlotter (o responsável por eu ter virado um fanático pelo […]

  4. […] limites iniciada com o clássico “Blood Feast” (1963), e a rainha dos filmes nudistas, Doris Wishman, que realizou belezuras como “Hideout in the Sun” (1960); “Nude on the […]

  5. […] todo (algo em voga naqueles anos de 1960 com lindezas do porte de “Nude on the Moon” (1961) de Doris Wishman ou “House on Bare Mountain” (1962) de Robert Lee Frost). Neste “Kiss Me Quick!” temos um […]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: