Arquivo para outubro, 2012

Annabel Chong’s Sordid Stories

Posted in Cinema, erótico, Putaria with tags , , , , , , , , , , , , on outubro 31, 2012 by canibuk

“Annabel Chong’s Sordid Stories” (1994, 78 min.) de John T. Bone. Com: Annabel Chong, Ron Jeremy, Tom Byron e Bunny Bleu.

A super-heroína Pink Stiletto (Annabel Chong) é chamada por seu chefe, o enigmático Burgerman, até o gabinete presidencial para sua nova missão: deter o vilão encapuzado conhecido como “The Beast” (Ron Jeremy) que inventou o terrível Lesbo Laser, uma arma com o poder de transformar todas as mulheres do mundo em sapatonas. Ele testa seu raio na esposa do vice-presidente e na top model Sunny Crawford. O motivo da Besta? Nenhuma mulher consegue suportar o seu pau monstruoso, e já que ele só pode se satisfazer com punhetas e gosta de ver garotas transando entre si, o vilão junta o útil ao prazeroso. Nossa heroína é testada em todos seus orifícios na própria mesa da Casa Branca e então misteriosamente raptada pela Dragon Bitch, auxiliar do vilão, e levada para seu covil onde é “torturada” pelos empregados de “The Beast” (todos com máscaras de políticos americanos e com roupas de monjes, incluindo um que a penetra com o narigão do Nixon!). Conseguirá nossa heroína se salvar de uma avalanche de porra? Morrerá ela de tanto gozar??… Sim!!! Com a providencial ajuda de suas colegas, as poderosas “Muffin Vixen Rangers”, elas dão uma surra de buceta nos bandidos e depois de muito sexo anal, gozo facial e duplas-penetrações, satisfazem os instintos reprimidos do louco vilão e salvam o mundo!!! Fim.

“Histórias Sórdidas Com Annabel Chong” (lançado em VHS no Brasil pela Royalti Vídeo), de John T. Bone, é um divertido pornô com história, ritmo e visual de quadrinhos (onde também foi lançado nos USA pela Carnal Comics), com direito até a balões com pensamentos das personagens (feitos de papel pendurados em fios de nylon propositalmente visiveis e com expressões importantes para entender a trama, como “Mmmmmm, Yes!”). Annabel Chong nasceu em Singapura, estudou em Londres e se mudou para a América para estudar artes. Depois de disputar com suas colegas de quarto prá ver quem trepava mais, posou nua e começou a fazer pornôs. Ficou famosa por trepar com 251 homens num vídeo do mesmo John T. Bone. O resto já é história, inclusive em quadrinhos!

por Coffin Souza.

Palhaço Triste

Posted in Nossa Arte, Vídeo Independente with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on outubro 29, 2012 by canibuk

“Palhaço Triste” (“Sad Clown”, 2005, 32 min.) de Petter Baiestorf. Com: Coffin Souza, Elio Copini e Eder Meneghini. Edição de Gurcius Gewdner.

Em 2005 a Canibal Filmes estava falida, sem pessoal para trabalhar nos filmes, sem equipamentos digitais, sem dinheiro algum. Sempre fui um cara cabeça dura e teimoso, gosto de insistir. Peguei uma grande filmadora S-VHS que tinha em casa e chamei amigos pessoais (Coffin Souza, Elio Copini e Eder Meneghini) prá uma bebedeira. Lógico que eu tinha segundas intenções! Estávamos a mais de um ano sem filmar nada e sem conseguir lançar DVDs, eu queria filmar qualquer coisa. E, bêbados, fomos prá um banhado de água podre filmar um roteiro que eu ia bolando na hora. na minha cabeça demente aquilo ali tinha o maior sentido do mundo. Vejamos: Um Palhaço Triste (o povo) vive bêbado num casebre sem infra-estrutura básica, um engravatado (a burocracia, os políticos, o estado) e seus fantasmas (indústrias poluidoras, falta de educação, etc…) dançam pela vida do Palhaço Triste e mijam e cagam (poluição) no seu habitat, na sua vida. “Palhaço Triste” acabou ficando um filme estranho, principalmente por causa daquele efeito lisérgico que resolvemos meter nas imagens, mas era necessário ao meu entender, já que isso dava uma estrutura de sonho ao “roteiro” e deixava mais forte aquele diálogo nonsense que há no filme. Lógico que depois que o filme ficou pronto inventei uma ladainha que era uma auto-biografia minha, só para causar mais caos e confusão.

“Palhaço Triste” possivelmente teria sido arquivado sem edição se, na época, Gurcius Gewdner não tivesse colocado uma placa de captura de vídeo analógico no computador dele (e estava aprendendo a mexer num programa de edição). Quando ele ficou sabendo que eu iria para Florianópolis, com passagens pagas pelo estado de Santa Catarina para participar de um debate sobre os rumos da cultura catarinense, me ligou e ofereceu seus serviços digitais e salvou a porra da Canibal Filmes de ficar mais alguns anos sem a possibilidade de fazermos mais e mais filmes.

Bem, pensando bem, “Palhaço Triste” não é filme para ser analisado, nem mesmo é filme para ser assistido. “Palhaço Triste” é para ser sentido! Disponibilizamos ele no youtube, assista e se divirta com um fragmento de sonho de um cineasta maldito que ousou sonhar (e continua sonhando) com um cinema independente brasileiro, sem as esmolas do estado. Leia mais sobre “Palhaço Triste” no blog sueco Surreal Goryfication.

por Petter Baiestorf.

Assista “Palhaço Triste” aqui:

“Palhaça Triste”, quadro que Leyla Buk pintou em homenagem ao filme.

Um Beijo

Posted in Literatura with tags , , , , , , , , , on outubro 28, 2012 by canibuk

Um Beijo

que tivesse um blue.

Isto é

imitasse feliz a delicadeza, a sua,

assim como um tropeço

que mergulha surdamente

no reino expresso

do prazer.

Espio sem um ai

as evoluções do teu confronto

à minha sombra

desde a escolha

debruçada no menu;

um peixe grelhado

um namorado

uma água

sem gás

de decolagem:

leitor embevecido

talvez ensurdecido

“ao sucesso”

diria meu censor

“à escuta”

diria meu amor.

poesia de Ana Cristina Cesar.

Ana Cristina Cruz Cesar (1952-1983) antes mesmo de aprender a ler, aos seis anos de idade, já editava poemas para sua mãe. Em 1970 começou a divulgar seus próprios poemas em jornais alternativos, fanzines mimeógrafados e outras publicações independentes. Aos 31 anos cometeu suicídio atirando-se pela janela do apartamento de seus pais que ficava no oitavo andar.

Certa vez ela afirmou:

“Mantê-la mantê-la a todo custo
eu ainda sei ler, minha mãe
eu ainda sei ler, meu pai
estou mantendo ainda
ainda tenho algumas horas no dia
ainda sonho em fazer canções
e mesmo quando me apaixono insanamente
e desejo fontes de juventude boca a boca
(na praça clóvis minha carteira foi batida)
e mesmo quando endoideço aos vôos flutuantes perseguida por
galgos que me brincam e acalantam minha insônia
forçada de doideira
(chega um pouco pra lá, meu amor, se afasta um pouco)
e mesmo quando as lentes se perdem (e as palavras)
ainda sei ler, meu pai
ainda sei ler, minha mãe
ainda sei dizer: queimo,
e não arder simplesmente.”

Zombaria!

Posted in Quadrinhos with tags , , , , , , , , , , , , , , , on outubro 26, 2012 by canibuk

Cada vez que digitalizo alguma HQ me dou conta do quanto minha infância foi rica e maravilhosa. Fui criança num tempo em que você chegava numa banca de revistas e tinha uma infinidade de títulos para comprar. Hoje resolvi resgatar a HQ “Zombaria!”, com roteiro de Gilberto Britto e desenhos de Murilo Moutinho, que foi publicada na revista “Almanaque de Terror” número 1 em março de 1982 pela editora Vecchi.

Necrohorror Magazine

Posted in Fanzines, revistas independentes brasileiras with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on outubro 24, 2012 by canibuk

Alguns dias atrás publiquei dica sobre o fanzine sueco “Horrophobic” e, praticamente na seqüência, tomei conhecimento do fanzine brasileito  “Necrohorror”, que também é confeccionado em gráfica no formato de revista. Jonathan Alves da Silva, editor e faz tudo do fanzine, explica: “A estética da revista Necrohorror tem como objetivo resgatar as antigas em quadrinhos brasileiras da década de 60, 70 ou 80, que marcaram época para muitas pessoas, com conteúdo fabricado em papel jornal e capa em papel envernizado de ótima qualidade”. “Necrohorror” é imperdível, seja para os colecionadores de revistas independentes brasileiras, seja para os fanáticos pelo estúdio britânico da Hammer Films. “Inicialmente nosso conteúdo é de fácil leitura, visando despertar o interesse das novas gerações nos filmes que fizeram história”, nos conta o editor para em seguida dar pistas sobre a segunda edição, “Na próxima edição, que sairá em janeiro, teremos conteúdo tanto para os iniciantes no terror, quanto para os já iniciados no assunto”.

Neste primeiro número de “Necrohorror”, com 48 páginas, traz em suas páginas um ótimo apanhado sobre as produções do estúdio Hammer, com resenhas sobre filmes clássicos do estúdio como “The Curse of Frankenstein”, “Revenge of Frankenstein”, “The Evil of Frankenstein”, “Frankenstein Created Woman”, “Frankenstein Must Be Destroyed”, “Frankenstein and the Monster from Hell”, “Horror of Dracula”, “The Devil Rides Out”, “The Plague of the Zombies”, “The Reptile”, “The Curse of the Werewolf”, “The Gorgon”, The Phantom of the Opera”, “Dr. Jekyll and Sister Hyde” e pequenos artigos sobre as séries de filmes com Drácula, de múmias e de vampiras carnudas e gostosas (Karnstein). A revista fecha com uma pequena matéria sobre o maquiador Roy Ashton, outro intitulado “O Fim daEra de Ouro da Hammer Films” e uma deliciosa série de fotos das irmãs Collinson bem a vontade. E de brinde vem um poster de “Twins of Evil”, digno de se pendurar na parede da sala de casa.

“Necrohorror” já nasce imperdível por ser editada no Brasil, país sem tradição alguma na edição de revistas que falem de cinema de horror (dá prá contar nos dedos as revistas que tiveram, como “Set Terror & Ficção”, “Psicovídeo”, “Horrorshow”, “Cine Monstro” e talvez alguma que eu tenha esquecido). Aliás, no Brasil o gênero horror nunca teve o devido respeito porque brasileiro tem aquele pensamento medíocre de que cultura é algo para ser consumido de graça. Brasileiro é capaz de achar que ver uma partida de futebol seja algo cultural! Lamentável!

Se você ficou interessado em adquirir um exemplar, entre em contato via facebook com o Jonathan e encomende a sua, a revista sai por uns R$ 18.00 com correio incluído.

* Peço desculpas aos leitores do Canibuk por estar postando apenas dicas nesta semana, mas estou escrevendo o roteiro do longa-metragem “Zombio 2: Chimarrão Zombies”, meu novo filme a ser lançado em 2013, e simplesmente não estou tendo tempo para escrever artigos maiores aqui no blog. Provavelmente a próxima semana será neste ritmo também, mas saibam que é por uma boa causa!

Petter Baiestorf.

Site Oficial dos Trabalhos de Leyla Buk

Posted in Arte e Cultura, Ilustração, Nossa Arte, Pinturas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on outubro 22, 2012 by canibuk

Essa semana, mais precisamente hoje, estréia o site de Leyla Buk onde todos poderão acompanhar as novidades da arte de Leyla e pesquisar trabalhos antigos. O site é uma espécie de portfólio, local onde Leyla está compartilhando com o público experiências e experimentos numa série de estudos, agora pintando com tinta a óleo, onde está aprendendo muito ainda. Como nos conta Leyla em seu blog, “Quando comecei a pintar, há cerca de três anos, a tinta acrílica me pareceu a melhor opção. Pra um começo, pra quem só queria experimentar, era perfeito.Só que há um ano comecei a flertar com a tinta a óleo, uma tinta que seca mais lentamente me dando oportunidade de trabalhar melhor efeitos e detalhes.” Para ler mais sobre o processo de criação de Leyla acompanhe o Blog Leyla Buk.

Leyla Buk, para quem não sabe, é minha cara metade, minha melhor amiga, companheira no amor e aqui no Canibuk e de quem eu sinto muito orgulho. A arte de Leyla sempre me surpreende, está sempre em constante evolução! Leyla é uma artista autodidata, acho fantástico sua busca por conhecimentos, sempre experimentando técnicas, pesquisando e testando qualquer teoria na prática. Sua pintura – e ilustrações – sempre é inspirada em assuntos profundamente pessoais, as meninas de Leyla são um reflexo de si mesma, elas expressam seus sentimentos mais profundos. Paixão, curiosidade e intensidade são suas palavras de ordem.

O site de Leyla Buk traz galerias com pinturas, ilustrações, desenhos e esboços; milhares de fotos com o processo de criação de sua arte em seu estúdio de trabalho. Sempre que novos trabalhos dela forem disponibilizados você poderá acompanhar, agora, pelo site clicando aqui: Site Oficial de Leyla Buk. Se você gostou dos trabalhos dela, curta a página Leyla Buk Artwork no facebook, outro local onde as novidades estãoi sempre sendo postadas.

dica de Petter Baiestorf.

Veja alguns trabalhos de Leyla Buk aqui (para ver mais visualize o site):

Ambivalence

Barbara – Wild and Emotional

Extravagance

My Body

A Faca

From the Eye #2

A Piedade

Posted in Literatura with tags , , , , , , , , , , on outubro 21, 2012 by canibuk

Eu urrava nos poliedros da Justiça meu momento abatido na extrema paliçada

os professores falavam da vontade de dominar e da luta pela vida

as senhoras católicas são piedosas

os comunistas são piedosos

os comerciantes são piedosos

só eu não sou piedoso

se eu fosse piedoso meu sexo seria dócil e só se ergueria aos sábados à noite

eu seria um bom filho meus colegas me chamariam cu-de-ferro e me fariam perguntas: por que navio bóia? por que prego afunda?

eu deixaria proliferar uma úlcera e admiraria as estátuas de fortes dentaduras

iria a bailes onde eu não poderia levar meus amigos pederastas ou barbudos

eu me universalizaria no senso comum e eles diriam que tenho todas as virtudes

eu não sou piedoso

eu nunca poderei ser piedoso

meus olhos retinem e tingem-se de verde

Os arranha-céus de carniça se decompõem nos pavimentos

os adolescentes nas escolas bufam como cadelas asfixiadas

arcanjos de enxofre bombardeiam o horizonte através dos meus sonhos.

Poesia de Roberto Piva, publicada originalmente em Paranóia, 1963.