O Que Há Para o Jantar?

Parents (O Que há para Jantar?, 1989, 81 min.) de Bob Balaban. Com: Randy Quaid, Mary Beth Hurt e Bryan Madorsky.

“O Que Há para jantar?” vai além ao destruir a pacata e feliz família americana ao injetar o consumo da carne humana nos hábitos alimentares de uma classe-média suburbana neurótica e capaz de assassinar para a satisfação de seus ousados sentidos gustativos.

Conta a história do socialmente estranho garotinho Michael Laemle (Bryan Madorsky), cuja imaginação fértil e um trauma (por ter visto seus pais tendo relações sexuais), o fazem desconfiar que seus genitores, Nick (Randy Quaid) e Lily (Mary Beth Hurt), sejam monstros canibais capazes das mais estranhas bizarrices para colocar os suculentos bifes de gente na mesa da família.

O diretor, Bob Balaban, é mais conhecido do público por seus trabalhos como ator. Bob nasceu em família tradicional do cinema americano. Barney Balaban, seu tio, foi presidente da Paramount Pictures e seu padrasto foi Sam Katz, vice-presidente e homem forte da MGM. Em 1970 interpretou o Capitão Orr na comédia de humor negro “Ardil 22” (Catch 22), adaptação de Mike Nichols para a novela homônima de Joseph Heller e que trazia um elenco estelar com Orson Welles, Alan Arkin, Anthony Perkins e Jon Voight. Uma estréia carregada de responsabilidade. Bob Balaban também estrelou outros clássico. É a personagem David Laughlin em “Contatos Imediatos do Terceiro Grau” (Close Encounters of the Third Kind, 1977), de Steven Spielberg. Poucos anos depois esteve no elenco do Cult “Viagens Alucinantes” (Altered States, 1980), do genial diretor surrealista Ken Russell.  Seu trabalho como diretor se destaca mais no comando de episódios para séries da TV americana, onde entregou episódios para séries como “Tales from the Darkside”, “Histórias Maravilhosas” (Amazing Stories) e “Além da Imaginação” (The Twilight Zone, temporadas de 2002 e 2003), entre várias outras. Para o cinema dirigiu ainda “Namorado Gelado, Coração Quente!” (My Boyfriend’s Back, 1993), outra boa produção de humor negro. Bob continua vivo e produzindo muito.

No elenco de “O Que Há para o Jantar?” destaque para o sempre eficiente Randy Quaid no papel do chefe de família canibal. Comediante de mãos cheia, Randy foi descoberto por Peter Bogdanovich quando ainda era estudante. Bogdanovich lhe ofereceu um papel no hoje Cult “A Última Sessão de Cinema” (The Last Picture Show, 1971). E Bogdanovich gostou tanto de Randy que o escalou novamente para o elenco de “Essa Pequena é uma Parada” (What’s Up, Doc?, 1972) e “Lua de Papel” (Paper Moon, 1973). Nos anos de 1970, Randy foi trabalhando com todos os talentos que despontavam na Nova Hollywood: Divide cena com Jack Nicholson no clássico “A Última Missão” (The Last Detail, 1973), de Hal Ashby; se veste de mulher com Charles Bronson em “Fuga Audaciosa” (Breakout, 1975), de Tom Gries; faz um pistoleiro ao lado de Marlon Brandon em “Duelo de Gigantes” (The Missouri Breaks, 1976), de Arthur Penn; interpreta a personagem Jimmy Booth em “O Expresso da Meia-Noite” (Midnight Express, 1978), de Alan Parker; e ao lado de seu irmão Dennis Quaid é um pistoleiro no fantástico “A Cavalgada dos Proscritos” (The Long Riders, 1980), de Walter Hill, que trazia no elenco várias famílias inteiras de atores, destacando a Carradine e a Keach. Na década de 1980, Randy se especializou em papéis em comédias. Foi o primo Eddie no clássico “Férias Frustradas” (National Lampoon’s Vacation, 1980), de Harold Ramis, contracenando com um Chevy Chase inspiradíssimo; e dividiu cenas com Bill Murray e Geena Davis em “Não Tenho Troco” (Quick Chance, 1990), de Howard Franklin e Bill Murray, uma das comédias mais divertidas daquela década. De 2010 em diante Randy se manteve afastado das telas por problemas com a lei dos USA e Canadá, após ter forjado uma assinatura num contrato imobiliário.

Na equipe-técnica de “O Que Há para o Jantar?” encontramos o produtor Mitchell Cannold, do sucesso “Dirty Dancing” (1987), de Emile Ardolino, e do remake fracassado de “E Deus Criou a Mulher” (And God Created Woman, 1988), com direção de Roger Vadim, também responsável pelo original. Entre os músicos responsáveis pela trilha sonora encontramos Angelo Badalamenti, responsável pelas trilhas de alguns clássicos de David Lynch, aqui sob comando do compositor Jonathan Elias, que trabalhou em filmes de baixo orçamento como “Colheita Maldita” (Children of the Corn, 1984), de Fritz Kiersch, e “Vamp – A Noite dos Vampiros” (Vamp, 1986), de Richard Wenk. A direção de fotografia é da dupla Ernest Day, que trabalhou em “Laranja Mecânica” (A Clockwork Orange, 1971), de Stanley Kubrick, e Robin Vidgeon, responsável pela fotografia de “Hellraiser” (1987), de Clive Barker. O editor Bill Pankow é o mesmo de “Os Intocáveis” (The Untouchables, 1987), de Brian de Palma. E Derek Howard, dos efeitos especiais, trabalhou em “A Hora da Zona Morta” (The Dead Zone, 1983) e “Gêmeos – Mórbida Semelhança” (Dead Ringers, 1988), ambos de David Cronenberg.

“O Que Há Para o Jantar?” teve um lançamento discreto sem boas críticas, mas que com o passar dos anos atingiu o patamar de cultmovie. No Brasil foi lançado na Coleção Dark Side (Vol. 8) da Vinyx Multimidia (antiga Brook Films, London Filmes, etc).

por Petter Baiestorf.

Veja uma cena do filme aqui:

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: