Archive for the Body Modification Category

A exentricidade de Joel-Peter Witkin

Posted in Arte e Cultura, Bizarro, Body Modification, Fotografia with tags , , , , , , , , , on novembro 17, 2011 by canibuk

Eu me xingo todos os dias, me amo e me odeio, amo e odeio o que faço mas acho que isto é normal, pois você deve se colocar no centro e se desafiar. Se você não se desafia… digo, quebrar as regras para produzir algo bom e novo. Algumas vezes eu faço escolhas ridículas, mas eu sou um apostador, um apostador visual. Algumas vezes o resultado é fantástico.”  Joel-Peter Witkin. Trecho de uma  entrevista tirada do site olhavê.com/blog

Fotografando desde os onze anos de idade, Joel-Peter Witkin tornou-se  um fotógrafo americano extremamente inovador, controverso e considerado polêmico por muitos por causa dos temas abordados no seu trabalho. Um fato que, segundo o artista,  lhe serviu como forte inspiração aconteceu quando Joel, ainda criança, presenciou um terrível acidente de carro onde viu uma garota ser decapitada, uma experiência brutal que o levou a retratar a morte e um lado da vida que todos tentam evitar desde que o mundo é mundo. Desde então o “sangue frio” para o horrendo sempre foi uma característica forte do jovem.  Quando adolescente, começou a tirar fotografias de um anão de três pernas para que seu irmão gêmeo, pintor, pudesse usar como modelo. Filho de mãe judia e pai católico, a religiosidade também  sempre esteve presente nas suas obras.  Sua primeira fotografia conhecida foi tirada de um rabino que dizia ter visto e falado com Deus. Em seguida, veio um hemafrodita  que apresentava-se num circo de horrores, isso despertou um fascínio grande no Joel e ali ele teve sua primeira experiência sexual, experiência que o marcou e refletiu-se no seu trabalho.

“Eu acredito que a minha vida e as minhas fotografias são inseparáveis. Em outras palavras, enquanto faço as fotos, e eu acho que isto é verdade para a maioria dos artistas verdadeiros, não em uma base diária, mas através de uma descoberta visual através do anos. Duas coisas acontecem em meu trabalho, comecei a fotografar quando tinha 11 anos e agora estou com 70 anos então tive muito tempo para fazer fotos e pensar sobre as coisas e aumentar o nível de amor. Muitas pessoas pensam que minhas fotografias são muito “dark” e “bla bla bla”, mas na verdade elas não são. Nas fotografias que eu faço minha intenção é mostrar os nossos tempos, o presente tempo que estamos vivendo na Terra, baseado na história da civilização ocidental. ”     Joel-Peter Witkin. Trecho de uma  entrevista tirada do site olhavê.com/blog

Witkin estudou artistas renascentistas como Giotto e simbolistas como Alfred Kubin e Gustav Klint e grande parte de seus trabalhos tem  como referências a arte clássica e religiosa.

Ao se alistar no exército foi incumbido de fotografar as mortes dos soldados que ocorriam durante os treinamentos militares, acidentes causados por manobras ou casos de suicídio, após tal experiência, entre 1961 e 1964  alistou-se como fotógrafo durante a guerra do Vietnã. Perturbado com tudo o que já tinha visto e passado e com o que ainda o esperava pela frente, Joel tentou cometer suicídio.  Em 1978, casa-se com uma tatuadora e é a partir daí que começa sua ascensão.

Muitas de suas obras, em especial aquelas que continham cadáveres,  tiveram que ser criadas no México pois era o único lugar onde era autorizado a utilizar os corpos. Joel ia cuidadosamente escolher os cadáveres no necrotério ou nos hospitais, de acordo com a idéia já estabelecida para a fotografia.                                                            Sua técnica de trabalho consiste em arranhar os negativos, alterar as cores da impressão e uma técnica de impressão com a mãos utilizando alguns componentes químicos, tudo cuidadosamente elaborado.

Formado em Master of Arts pela Universidade do Novo México, Witkin fez sua primeira exposição em 1980, em Nova Iorque. Ganhou grande notoriedade, foi elogiado por uns e criticado por muitos outros. Tratando de temas tabus e usando imagens que a maioria das pessoas desprezam ou consideram chocantes, foi chamado de sensacionalista, blasfemo e despudorado. Sua obra é muito discutida por críticos de arte que questionam se o cara é mesmo um artista talentoso e inovador ou apenas um vendedor de sadismo disfarçado como amor e compaixão, por outro lado, adoradores reconhecem e defendem seus méritos artísticos.

O que sabemos é que é impossível ficar indiferente à suas obras. Ou você adora ou odeia. Witkin faz um trabalho incomum  e os temas não são charmosos,  trabalha com a morte,  sadomasoquismo,  corpos defeituosos, doenças mentais, atrocidades, perversidades sexuais e desajustados, consegue, ainda assim, mesmo usando todo tipo de perversidade visual extrema, dar um caráter belo a sua obra que é carregada de crítica a falta de humanidade e aos padrões estéticos estabelecidos pela sociedade.  Já é considerado um dos principais fotógrafos da segunda metade do século XX, tem diversos livros publicados e suas obras são compradas por grandes galerias no mundo inteiro.

Joel-Peter Witkin

John Willie – O pioneiro da Arte Fetiche.

Posted in Arte Erótica, Bizarro, Body Modification, Cinema, erótico, Fetiche, Fotografia, Ilustração with tags , , , , , on setembro 20, 2011 by canibuk

Considerado o pioneiro da arte fetiche, John Willie (que na verdade se chamava John Alexander Scott Coutts)  nasceu em 9 de dezembro de 1902, em Singapura, cresceu na Inglaterra e mudou-se, por volta dos 40 anos, pra Nova York, onde seu trabalho alcançou mais conhecimento. Desenvolveu vários trabalhos como fotógrafo fetichista, ilustrador e artista bondage.

Willie foi o criador da Bizarre Magazine, revista fetichista e cheia de estilo, que teve seus números publicados entre os anos 40 e 50, e trazia diversas fotografias (grande parte de sua  esposa) e ilustrações de figurinos fetichistas, idéias que ele tirava de cartas que recebia dos leitores, e publicações das próprias cartas dos leitores. Mais tarde ele seria acusado de inventar essas cartas, mas sempre defendeu a veracidade das mesmas. A Bizarre só durou 20 edições e vinha recheada de sadomasoquismo, bondage, salto alto, espartilhos, meias e cinta-liga, acrotomofilia (fetiche por amputados), travestismo e body modification. Uma delícia que realmente faz falta hoje em dia para aqueles apaixonados pelo tema. Após a publicação das 20 edições, Willie mudou-se para Hollywood,  descobrindo em 1961 um tumor cerebral que o fez parar de trabalhar. Inexplicavelmente, ele destruiu todos os seus arquivos e voltou pra Inglaterra onde morreu dormindo em 5 de agosto de 1962.

No cinema, ele pode ser visto no “The Notorious Bettie Page“, filme  de 2005 que conta a história da pin-up Bettie Page, onde foi interpretado pelo ator Jared Harris.

Sem dúvida o cara é referência e fonte rica de inspiração pra todos os artistas e amantes da arte fetiche.

Lust, Cutting, Blood!

Posted in Arte e Cultura, Body Modification, Fetiche with tags , , , , on abril 21, 2011 by canibuk

Dias atrás fiz minha primeira scar tattoo, como sempre tive muito tesão por cortes, sangue e cicatrizes não foi difícil encarar o bisturi na coxa, onde fiz o símbolo da censura “XXX”. Todo o processo durante a scarificação é tranquilíssimo e a dor é tão suportável quanto numa tattoo comum (pelo menos pra mim foi), confesso que o depois é mais dolorido,  sobretudo na hora de lavar a scar, ali se acumula toda a dor que o cara não sentiu durante os cortes,  mas passa e o resultado final é mais uma arte linda na pele.

Sinto que não vou parar por aqui, pela coxa, ahahahaha. Pain and Pleasure!!!

Algo sobre Escarificação:

A Escarificação/scarification é uma técnica de modificação corporal que consiste em fazer cicatrizes no corpo com láminas cortantes. O processo da escarificação envolve cortar uma imagem na pele e propositalmente irritar a ferida pra assim o tecido epitelial crescer de forma onde a cicatrização ocorra sem alterar o desenho feito.

Atualmente, a escarificação vem, aos poucos, ganhando espaço no cenário da Body Art e jamais deve ser feita em casa.

A técnica mais comum nos estúdios é a chamada “Cutting” que nada mais é que cortar a pele com uma lâmina até certa profundidade dando continuação com a técnica “Skin Removal” que é a remoção de certas áreas da pele para deixar desenho escolhido mais detalhado.

Fonte: exoticlic.com

INK.

Posted in Arte e Cultura, Body Modification, Fetiche, Fotografia with tags , , , , , , , on março 28, 2011 by canibuk

Nós (o Petter e eu) gostamos sim é das modificadas!!! Segue então algumas fotografias da sessão Ink, tiradas do site do fotógrafo sul-africano Warwick Saint.

Volko Merschky

Posted in Arte e Cultura, Bizarro, Body Modification with tags , , , on março 20, 2011 by canibuk

Volko Merschky e Simone Pfaff  são os fundadores do Buena Vista Club Tattoo com sede na Alemanha e fazem um trabalho totalmente original, onde a técnica é perfeita e mistura realismo, abstrato e blackwork, o que eles classificam como “realistic trash polka tattoos” resultando em fechamentos lindos onde o preto e vermelho predominam (e isso foi o que mais me chamou atenção, a abundância de preto, sombreamentos e o contraste com o vermelho e a pele).  Trampo genial, apaixonante e que vai além do que vemos por aí!!!

Vejam mais trampos lá no site: http://www.buenavistatattooclub.de/

Sagazes da Body Modification

Posted in Body Modification on setembro 22, 2010 by canibuk

Body Modification é a modificação corporal (ou alteração do corpo) por razões não-médicas. Essas modificações podem ser feitas por estética, ideologias ou até crenças religiosas (tá, tá, aqueles árabes que os cristãos do Bush explodiam não entra em Body Modification).

Tipos de modificação do Corpo:

– Ornamentos Explícitos (exemplo: piercings, implante escrotal, implante microdermal, eyeball tattooing, neck ring, etc…);

– Aumento Cirúrgico (exemplo: implantes de mamas, injeções de silicone, etc…);

– Removal or Split (exemplo: mutilação genital feminina, genital bisection, meatotomy, headsplitting, subincision, frenectomy lingual, trepanação, etc…);

– Applying Long-Term Force (exemplo: corsetry, cranial binding, stretched lip piercings, etc…).

Ainda há outros tipos de body modification, como Branding, Cauterizing, Scarification, Tooth Filings.

Segue algumas fotinhos de modificados famosos que, cansados de serem visualmente tão humanos, se transformaram naquilo que sua verdadeira natureza pedia:

Caveirão Rick Genest

Elaine Davidson (com mais de seis mil piercings pelo corpo)

O Gato Dennis Avner

O homem-lagarto Erik Sprague

O Homem-Leopardo Tom Leppard

Isobel Varley (a idosa com mais tattoos do mundo)

Deu Zebra: Horace Ridler

Lucky Diamond (homem mais tatuado)

Enfim, são infinitas as maneiras que você pode surpreender as pessoas próximas, seja com orelhas pontudas e chifres prá assustar sua tia carola se fazendo passar por um diabo maligno ou chegando em casa com uma língua de lagarto para momentos de prazer à dois mais intensos com sua amada!!!

Não precisamos ser tão iguais. Não precisamos mais nem ter o visual dos humanos.

Nossa imaginação é o limite!… Ou não!

Tatuadas!

Posted in Body Modification on setembro 16, 2010 by canibuk

A primeira mulher tatuada de que se tem notícia viveu por volta de 2000 a.c. Seu corpo mumificado, encontrado no Egito, era coberto por alguns desenhos misteriosos, incluindo uma elipse tatuada na barriga, que segundo especialistas, devia significar algum tipo de ritual de fertilidade. A história relata quão antiga é a arte da tatuagem e o quanto ela foi usada por tribos e grupos que atribuíam a ela significados místicos e religiosos, representavam as tradições, identificavam membros de uma tribo, entre outras coisas.
Hoje em dia, tatuagem virou sinônimo de personalidade e libertação e muitas mulheres tatuadas são símbolos de beleza, são admiradas e conquistaram um merecido respeito, embora  essa arte ainda  seja  vista com maus olhos e como símbolo de marginalização, desmoralização  e até mesmo criminalidade por boa parte da sociedade.
Mas o fato é que todo tatuado tem orgulho dos seus rabiscos pelo corpo, de seus significados, de guardar e marcar na pele pra sempre suas paixões, histórias, interesses.  E isso não vem de hoje,  é uma paixão antiga e, infelizmente,  pouco se fala nas pioneiras, nas mulheres que quebraram tabus (existem poucas informações sobre elas também, na verdade), que tinham a pele coberta por desenhos numa época onde a mulher sucumbia e era obrigada a viver dentro dos padrões de uma sociedade totalmente machista e opressora.

Então esse post é uma homenagem a essas mulheres, as pioneiras, àquelas que prezavam, acima de tudo, por sua liberdade,  por fazer aquilo que queriam e lhes dava prazer, embora com muita dor, e exibiam com orgulho suas tatuagens! I love it!

Ada Mae Vandermark

Annie Howard

Betty Broadbent

Djita Salome

Mildred Hull

Stella Grassman

Jean Furella Carroll

Cindy Ray

Maud Stevens Wagner

Lotta Pictoria

Ser Kat Von D hoje em dia é quase  fácil, queria ver ser assim num fudido século XIX, começo do XX… Admiro todas!

Um site bacana é o http://www.lydiaandfriends.com/, ele  traz algumas  informações ótimas sobre essas mulheres das fotos acima e muitas outras.  Confiram e  exercitem o inglês, hahaha.