Archive for the Música Category

Naked Things Session Vol. 1

Posted in download, Música with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on junho 19, 2019 by canibuk

Naked Things Session Vol. 1 é composto de 5 EPs gravados no ano de 2019 e lançados pelo meu selo Petter Baiestorf, no Bandcamp. O estilo musical dos EPs variam entre dark ambient, space music e industrial com pegada mais eletrônica.

NAKED THINGS SESSION VOL. 1 – BAIXE CLICANDO AQUI

EP 1 – +8Gy – “Incubo sulla città contaminata” (2019, 28 minutos).

Altri Otto Gy é um projeto de Dark Ambient de inspiração no filme “Incubo sulla città contaminata” (Nightmare City, 1980), de Umberto Lenzi, tentando transformar algumas situações do filme em ondas sonoras. Contém seis músicas:

01 – Radiazioni nucleari (04′:29″)

02 – Contaminazione (05′:10″)

03 – Altri otto Gy (05′:41″)

04 – Città dei morti viventi (03′:40″)

05 – Dannato esercito (06′:07″)

06 – Sterminatore di innocenti (03′:48″)

EP 2 – Baiestorf – “Frankenstein Bipolar” (2019, 34 minutos).

O EP “Frankenstein Bipolar” é Space Music Eletrônica, conta com três músicas inéditas e uma regravação da música “Rio 80 Tiros”, que eu tinha lançado no EP anterior que você pode baixar aqui: RIO 80 TIROS. Contém quatro músicas:

01 – Frankenstein Bipolar (14′:00″)

02 – Spaceship 90-Cyr (05′:45″)

03 – Nebulosa Zghk3-c (10′:37″)

04 – Rio 80 Tiros (04′:45″)

EP 3 – Hal9000 – “Aliens” (2019, 14 minutos).

Space Music com uma pegada de industrial. O disco anterior, “Scape Odyssey” (2018), pode ser ouvido aqui: BAIXAR.

Este novo EP contém quatro músicas, quase um ensaio-experimentação para as possibilidades de músicas que poderão ser criadas para a trilha sonora do curta “Meu Amigo Barnabé“, assim como a experimentação da Robby Robot, “Forbidden Planet“. Ouça ROBBY ROBOT AQUI. O EP contém as músicas:

01 – Reator (04′:52″)

02 – Alien em Movimentação Estranha (03′:25″)

03 – Buraco Negro Sistemático (03′:22″)

04 – Dobra Espacial (02′:37″)

EP 4 – Jurassick Aliens – “Sci-fi Vision” (2019, 16 minutos).

Este EP da Jurassick Aliens dá sequencia aos discos “A. I. 3W11 Zyrgon“, do Satellite, e “Voyage to the End of the Infinite Universe“, do Spacepongo. Ouça SATELLITE AQUI. Ouça SPACEPONGO AQUI. Contém as músicas:

01 – Delícia do Espaço (03′:29″)

02 – Narcissus Moonflower (06′:42″)

03 – Banquete Cósmico (04′:30″)

04 – Tradicionalismo na Dobra Temporal (01′:47″)

EP 5 – Zaphyr Zy – “Numa Fria” (2019, 15 minutos).

Zaphyr Zy foi um EP ensaio para o disco do Pistola Édipo, “Viril Homem do Oeste“, que você pode ouvir clicando no nome PISTOLA ÉDIPO. Este EP é um eletrônico com momento de industrial harsh, incluindo a música “Busão” que foi gravada ao vivo na rodoviária de Porto Alegre, para o desespero dos transeuntes que por lá estavam. Contém cinco músicas:

01 – Numa Fria (00′:45″)

02 – No Green Card (05′:12″)

03 – Busão (03′:56″)

04 – Deadman (03′:27″)

05 – Aventura no Ranho (02′:30″)

 

FAÇA DOWNLOAD DE NAKED THINGS SESSION VOL. 1 CLICANDO AQUI

U – Projeto Industrial de Experimentações Sonoras de um Não-Músico

Posted in download, Música with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on abril 9, 2019 by canibuk

Nessa semana lancei o novo EP do projeto industrial U, que se chama “Fim de Mundo” e está disponível no meu Bandcamp.

“Fim de Mundo” apresenta duas composições: “Fim de Mundo” e “E o Caos que se Segue”, dando sequencia as experimentações que realizei com theremin/sintetizador/white noise nos dois álbuns anteriores, “Involução no Terceiro Planeta” (2018) e “O Som dos Planetas” (2019).

O EP pode ser ouvido pelo bandcamp: FIM de MUNDO (EP) ou, se você realmente curtir, pode ser baixado em link direto via mediafire.

FIM DE MUNDO (EP) DOWNLOAD

U é um projeto que desenvolvo sozinho. Não sou músico (sou roteirista/escritor e produtor/diretor de vídeos de baixo orçamento), o que não me impede de fazer algumas experimentações sonoras envolvendo a exploração de ruídos, microfonias e outras sujeiras musicais para possível uso em trilhas sonoras de filmes meus ou de outros produtores, como no curta experimental “Purgatório Axiomático” (2019), de Fábio Marino, ou no curta ainda inédito “Brasil 2020”.

Purgatório Axiomático, assista aqui:

BRASIL 2020 (SOUNDTRACK) DOWNLOAD

Os álbuns da U estão disponíveis no Bandcamp e para download também. Você pode ouvi-los nos links abaixo:

Bandcamp: Involução no Terceiro Planeta (2018)

Mediafire: Involução no Terceiro Planeta (2018) – DOWNLOAD

Bandcamp: O Som dos Planetas (2019)

Mediafire: O Som dos Planetas (2019) – DOWNLOAD

O Som dos Planetas foi lançado pela gravadora Exhaust Valve Recs: O Som dos Planetas (Exhaust Valve Recs)

por Petter Baiestorf

Bad Erna – Ups!

Posted in download, Música with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on dezembro 4, 2018 by canibuk

Bad Erna é um projeto de electro-horror cujos membros anônimos são seguidores de Erna, a guerreira feminista, que após a batalha de Rìgspula organizou uma festa rave com tambores feitos com a pele humana de seus inimigos. Essa festa durou 11 dias e 11 noites, regadas à paganismo, chás de cogumelos e sons estridentes que quebravam o silêncio das florestas nórdicas de 1033 d.C.

Ups! trás 11 composições, uma para cada noite/dia da rave original, com liberdades para misturar a guerreira Erna com Legs, John Carpenter e a melodia do Hula Hula nas praias cariocas cheias de docinhos sintéticos eletrizantes.

Faça o download do disco clicando no link abaixo:

BAD ERNA – Ups!

(electro-horror tropical)

Músicas:

1- Bom Dia, Legs! (01’:47”)

2- Caminho Torto (03’:52”)

3- Na Noite Derretida (05’:43”)

4- Ups (06’:09”)

5- Uma Coceirinha Hula Hula (02’:32”)

6- Carrapatos Mentolados (02’:36”)

7- Xamaaa (05’:52”)

8- A Nota do Carpenter (01’:34”)

9- Pegue o Doce (04’:37”)

10- Sintéticos Gostosos (05’:11”)

11- Eu Preciso de um Pirulito, Véi! (06’:27”)

Experimentação do Caos Cósmico (demo-tape para download)

Posted in download, Música with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on novembro 17, 2018 by canibuk

Não sou músico, o que não me impede de retirar alguns dos ruídos que dançam na minha cabeça para compartilhar com você. Não sou músico, o que não me impede de parir um terceiro disco inspirado no meu guru musical, Gurcius Gewdner, que afirma: “Não saber tocar nenhum instrumento não é desculpa para não fazer!”.

Essa experimentação do caos cósmico também bebe da liberdade com que Jesus Franco fazia músicas, com seu free jazz realmente livre. O minimalismo das melodias de John Carpenter também me incentivaram na busca dos ruídos cósmicos do theremin e da sujeira do sintetizador.

Gravei essa demo-tape sem pretensão nenhuma. São testes iniciais de uma mente barulhenta que está usando estes instrumentos a 24 horas e, naquela hiper-atividade dos sem-noção, quis registrar as primeiras sonoridades arrancadas  dos desarranjos hiper nucleares espaciais.

Ouça no escuro, usando fones de ouvido, no volume máximo.

DOWNLOAD

BAIESTORF – EXPERIMENTAÇÃO DO CAOS CÓSMICO (Demo-tape)

Músicas:

1- Experiência da Desconstrução Cósmica – Você assistiu o filme Dark Star? Lembra do surfista espacial que desliza rumo ao cosmos infinito sobre os escombros da espaçonave? Pois bem, este som fala de uma canção cósmica que este surfista estelar ouve no infinito, só que aqui a imaginei com as notas batidas de forma invertida no vácuo do espaço gelado.

2- Experiência Espacial Plano 2 – Tentei compartilhar a melodia que ouço quando cavalgo a baleia espacial, seguida de corais de golfinhos, nos mais tenros rincões interestelares do passado imemorial.

3- Experiência Carvão Termo-Nuclear – Ontem teve um momento em que parei dentro de um milésimo. Sentei no milésimo e quis ficar olhando as notas do silêncio barulhento. O treco é que o chão do milésimo ondula, hora pra dentro, hora pra fora. Este ondular é mais intenso pra fora, diminuindo ao re-entrar. Musiquei este milésimo aqui.

4- Experiência Espacial Plano 4 – Às vezes o espaço-tempo tem coordenadas tão relativas restritas que o fundo do espaço faz uma dobra que dá nas fossas abissais do oceano terrestre onde vivem as sereias. Nesta faixa fiz uma reflexão na linguagem delas, que é um dialeto do baleionês.

5- Experiência Caótica do Plasma EspectralO free jazz que o Jesus Franco compôs para o seu filme Vampyros Lesbos serviu de inspiração para a composição dessa canção. Digamos assim que é uma volta aos prazeres profanos terrestres. Existe duas falhas nessa canção que não são falhas.

Baiestorf Experimentação do Caos Cósmico

Novembro de 2018

57 minutos.

Capa: Tsuneo Sanda (1991).

Theremin e Sintetizador: Petter Baiestorf.

Todas as desconstruções decompostas por Petter Baiestorf.

 

Você também pode gostar dos discos abaixo (ou não):

U – “Involução no Terceiro Planeta”

Baiestorf – “Abdução”

Baiestorf – “Stupid Stupid”

Baiestorf – “Zero”

Baiestorf – “Criaturas da Lua”

Cigar Box Guitars

Posted in Entrevista, Música with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on agosto 20, 2018 by canibuk

Imagine usar pedaços de madeira, isqueiros, arames, parafusos, pregos e utensílios de cozinha para fabricar um instrumento único e com excelente sonoridade? Esses são alguns materiais que o músico Lincoln Samarina (RJ) reutiliza na Oficina de Construção de Guitarra para ensinar os alunos a construírem seu próprio instrumento de forma caseira, com poucas ferramentas e estimular a criatividade com o uso das adaptações.

“A oficina de Cigar Box Guitar vai além da construção de um instrumento musical. Assuntos como a origem do Blues e o surgimento desses instrumentos primitivos serão peças para montar essa transmissão de conhecimento e cultura, relacionado a este universo dos negros descendentes de escravos que viviam no sul dos USA e construíam seus próprios instrumentos de forma arcaica para se expressar. Além disso, a vivência também abrange a temática da sustentabilidade, do meio ambiente e do reaproveitamento de material reciclado. É uma forma de ampliar o acesso ao universo da música e produzir um instrumento exclusivo, sem abrir mão do consumo consciente”, destaca Samarina.

Origem

A Cigar Box Guitar é um instrumento musical cordofônico, que surgiu por volta dos anos 30, quando houve a Guerra Civil – momento histórico conhecido como a grande depressão. Devido à dificuldade de adquirir materiais importados nessa época e também pela falta de condições financeiras, os negros trabalhadores da zona rural utilizavam as caixas de charuto e outros materiais para construir seus próprios instrumentos, fazendo adaptações, já que a estética não era tão importante, e sim o som. Foi a necessidade de se expressar que deu origem ao surgimento das Cigar Box Guitar, quando o Blues ainda não tinha se tornado elétrico e seu estilo era bem primitivo e rural, assim como a sua essência. Mais tarde, o Blues se propagou com suas vertentes e variações.

(Intro retirada do release da oficina ministrada por Samarina que rolou na casa de Alexandre Brunoro).

Entrevista

Entrevistei o Brunoro, maquiador gore e músico, sobre a oficina de Cigar Box Guitars, com Samarina. Em novembro tem nova oficina, se você quer aprender como construí-las, recomendo manter contato com o Brunoro.

Petter Baiestorf: Você é envolvido com a cena musical brasileira a muitos anos, poderia fazer uma pequena apresentação?

Alexandre Brunoro: Toco em banda desde os 15 anos de idade, já comecei atuando na cena goregrind nacional, com a banda Gory Gruesome, tivemos nossa estréia no clássico bar de Curitiba 92º, ocasião em que conheci você e o grande amigo Coffin Souza. Fomos tocar junto com outra banda aqui do ES, I Shit On Your Face, onde depois de uns anos eu acabei virando o baixista, quando o grande brother Gustavo Argentino faleceu. Toquei uns 7 anos no ISOYF, durante esse tempo eu toquei no Chuck Norris, que posteriormente virou Chico Noise, já tive também uma banda chamada “foda-se e morra” que era um crossover thrash core muito divertido. Após o término do ISOYF eu montei o projeto ERRO, que era basicamente umas músicas do ISOYF que eu compus e ainda não haviam sido gravadas. Mas a banda durou pouco tempo, logo os caras tiveram que se dedicar a outras coisas da vida, tipo filho, faculdade, emprego, essas táticas que o sistema utiliza pra foder com lindos projetos (risos). Depois de tocar nessas bandas de grind que eu citei, tive minha primeira experiência tocando na cena Surf/Garage com a banda Los Muertos Vivientes, onde pude conhecer uma galera massa dessa cena, tive a chance de abrir o show de bandas que eu gostava muito, como por exemplo o Agent Orange. Foi durante esse circuito que conheci a sonoridade da Cigar Box Guitar, vi uns vídeos do Lendário Chucrobillyman e pirei. O Colt Cobra foi meu último projeto, foi durante esse tempo que conheci o Lincoln Samarina, através de um anúncio do Facebook. Nessa época eu tava vendo muito vídeo de artistas que usam esse tipo de instrumento.

Baiestorf: lembro que quando gravamos juntos o curta-metragem “Você, Morto”, de Raphael Araújo, em 2017, você já estava sempre dedilhando numa Cigar. Como surgiu seu interesse pela Cigar Box Guitars?

Brunoro: Surgiu logo depois de eu ter assistido uma apresentação do Klaus Koti, com seu projeto onemanband “O Lendário Chucrobillyman”. Foi amor à primeira vista, aquela guitarra de caixa de charuto e taco de sinuca, com uma corda de baixo e uma de guitarra me deixou doido. Depois eu pesquisei bastante sobre o assunto, aí então que cheguei até o Samarina. Logo comprei uma guitarra na mão dele, e tivemos a idéia de produzir a primeira oficina de cigar Box guitar do Espírito Santo (não sei se isso já aconteceu em outro lugar no Brasil). Desde o primeiro dia que peguei ela, não parei de tocar, estudo todos os dias a sonoridade dessa maravilha de instrumento.

Baiestorf: Lincoln Samarina esteve em Vila Velha, na sua casa, ministrando uma oficina sobre como produzir essas belezinhas. Como foi isso?

Brunoro: O Lincoln é uma pessoa iluminada bicho, cara sagaz demais! A primeira edição da oficina foi feita no ano passado, no extinto espaço Prego, do amigão Alex Vieira. Lá foi algo mais expositivo, pois a estrutura do local não suportava. Aí desde então ficamos com essa ideia na mente, que deveríamos fazer aqui no meu ateliê e tal. Esse ano conseguimos concretizar o projeto, tivemos oito alunos que em quatro dias construíram suas guitarras com restos de madeira, refugo de madeireiras, partes de móveis antigos, tamos de gaveta e até um vídeo cassete antigo entrou na roda (risos). Foi muito foda a experiência, devemos repetir a oficina em novembro num outro espaço, dessa vez maior, com mais materiais e ferramentas disponíveis.

Baiestorf: Vocês gravaram a oficina, certo? Como pessoal de outros estados pode ter acesso a este material?

Brunoro: Infelizmente não conseguimos gravar na íntegra, mas fizemos bons registros que em breve estarão circulando nas redes sociais.

Baiestorf: Alguma idéia de montar um grupo musical só com Cigar Box Guitars?

Brunoro: Já tenho em mente isso a algum tempo, agora que não to com banda, pretendo fechar umas músicas e gravar um material ainda esse ano. A idéia é ter um projeto onemanband e sair em tour junto com o Samarina, levando a oficina e os shows.

Baiestorf: E uma trilha sonora? Fica aí o convite, inclusive!

Brunoro: Trilha sonora é uma coisa que eu acho maravilhosa, adoro pensar no clima que a cena pede, e traduzir isso pra música! Quem quiser me contratar é só mandar um e-mail pra alexandre.brunoro@gmail.com que eu cobro baratinho se falar que viu meu contato no Canibuk (risos).

Baiestorf: Você está produzindo os Instrumentos? Aceita pedidos? Como proceder para encomendar?

Brunoro: Ainda estou fechando minhas primeiras guitarras, to na fase de encontrar uma fórmula ideal, onde eu vou conseguir replicar as peças iguais. Fechei uma parceria com um amigo marceneiro aqui de vila velha, que inclusive participou dessa última oficina. Assim que tivemos as primeiras guitarras montadas e funcionando eu vou começar a vender e aceitar encomendas, a idéia é montar uma empresa nesse ramo!

Baiestorf: Obrigado Brunoro. Espaço é seu para incentivar as pessoas a fazerem por si próprias:

Brunoro: Eu só tenho a agradecer aqui pelo espaço mais uma vez, gostaria de agradecer muito ao Samarina pelo conhecimento e pela amizade valiosa que ele proporciona pra todo mundo que tá ao alcance. Quem quiser construir a sua própria guitarra, tenham uma coisa em mente, tudo que você aprender sobre luthieria é balela, dá pra fazer instrumentos com lixo sim, sem ferramentaria pesada, só com uma faca de pão, uma régua e uma furadeira já rola! Procurem vídeos no youtube, ouçam as músicas de artistas que usam esse tipo de guitarra, façam vocês mesmo! Se libertem do mercado de instrumentos, pois as possibilidades são infinitas!

Contatos: alexandre.brunoro@gmail.com ou Facebook.

Links para as atividades da oficina:

https://www.facebook.com/alexandre.brunoro/videos/10216907290698774/?t=6

https://www.facebook.com/alexandre.brunoro/videos/10216963398741440/?t=13

https://www.facebook.com/alexandre.brunoro/videos/10216963402621537/?t=27

https://www.facebook.com/alexandre.brunoro/videos/10216914750445263/?t=17

Links para as bandas onde Brunoro já tocou:

LOS MUERTOS VIVIENTES:

COLT COBRA:

https://coltcobra.bandcamp.com

GORY GRUESOME:

ERRO:

I SHIT ON YOUR FACE:

CHUCK NORRIS:

Por um Punhado de Downloads

Posted in Cinema, Música, Vídeo Independente with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on outubro 14, 2016 by canibuk

Atenção, muita atenção!

logo-canibal-001Você está penetrando no Mondo Trasho da Canibal Filmes, clicando em qualquer um destes links abaixo disponibilizados você adentrará num universo onde o mal feito é glorificado como o mais valioso dos objetos sagrados, onde a falta de talento é incentivada, onde até mesmo o faxineiro de um grande estúdio conseguiria virar diretor de uma produção. Aqui ninguém é excluído do sonhos de virar uma estrela de cinema. Todas a produções abaixo disponibilizadas foram realizada nos anos de 1990, quando ainda não existiam bons equipamentos de filmagem que fossem baratos e a edição era feita se utilizando de dois vídeo cassetes, o que torna estes filmes ainda mais mongoloides. Estejam avisados, estes links contem o pior do pior, se você acha que possuí bom gosto, clique somente no link da Cadaverous Cloacous Regurgitous. Os links para download estão nos títulos em letras maiúsculas.

Cadaverous Cloacous Regurgitous (1993)

cadaverous-cloacous-regurgitous

Demo-Tape

Antes de fazer um filme eu era fanático-radical por noise grind e, junto de meu amigo Toniolli, planejamos montar a banda mais suja do mundo, ou algo assim, afinal éramos apenas uns guris sem nada pra fazer. Eis que nas férias escolares de 1993 fomos para a casa dos pais de Toniolli e gravamos e mixamos a demo-tape “Ópera Indústrial” e intitulamos nossa banda de noise com o belo nome de “CADAVEROUS CLOACOUS REGURGITOUS“. Além de instrumentos tradicionais, também usamos folhas de zinco, motosserras, uma guitarra quebrada com uma corda e, no vocal, uma gravação que Toniolli tinha feito meses antes de porcos sendo castrados. Não satisfeito com essa primeira experiência envolvendo música, em 1999 – desta vez ajudado por meu amigo Carli Bortolanza – gravamos a demo-tape “Anna Falchi”, colocando pra funcionar um projeto de industrial harsh intitulado “Smelling Little Girl’s Pussy” que está junto no zip. “Smelling” não utilizou nenhum instrumento musical, todo o som é produzido com microfonias que criamos com estática de rádio, sujeira sonora e gravamos nos utilizando de uma ilha de edição de vídeo, muitos dos barulhos estranhos captados são oriundos de uma câmera de VHS apontando pra uma tela de TV.

 

Açougueiros (1994)

acougueiros

Petter Baiestorf em 1994

Logo após finalizar e lançar “Criaturas Hediondas” (1993), oficialmente minha primeira tentativa de fazer um filme, reunimos a mesma turma e fomos para uma casa abandonada (que depois foi reutilizada como cenário para as filmagens de “Eles Comem Sua Carne”) passar dois dias, tempo em que filmamos o “AÇOUGUEIROS“, sendo atacados por terríveis aranhas assassinas durante as madrugadas. Já na primeira noite percebemos que as aranhas era inteligentes e estavam a nossa espreita. Deitávamos em nossos colchonetes e, ligando as lanternas contra o chão, víamos as aranhas se aproximando de nossos corpos com suas oito patas famintas por carne humana. Não dormimos. No dia seguinte filmamos quase todas as cenas do “Açougueiros”, já montando o filme na própria câmera. Anoiteceu novamente. Com medo da volta das aranhas assassinas, todos da equipe dormimos em cima de uma mesa de sinuca. Tão logo desligamos as lanternas, já começamos a escutar os cochichos das malditas aranhas. A madrugada foi louca, com a gente correndo das aranhas pela casa e as eliminando sempre que possível. Lá pelas tantas as aranhas se tornaram mutantes com asas e vinham voando famintas contra a gente. O cozinheiro da produção foi o primeiro a tombar morto diante da fúria das aranhas malignas, tendo convulsões até desfalecer completamente sem vida. Sim, as aranhas haviam se organizado e queriam um banquete… E o banquete era nossa equipe!

 

Criaturas Hediondas 2 (1994)

criaturas-hediondas2_1994

Crianças Hediondas

Imediatamente após as filmagens de “Açougueiros”, resolvemos fazer uma continuação do primeiro filme e “CRIATURAS HEDIONDAS 2” tomou forma. As filmagens desta produção aconteceram no sítio de Walter Schilke, que entre outros, foi diretor de produção em “A Dama do Lotação” e de vários filmes de Os Trapalhões. Essas filmagens foram completamente sossegadas, com tudo dando certo e novos colaboradores aparecendo para ajudar o grupo. Após cada dia de filmagens todos retornávamos aos trailers da produção, ganhávamos massagens terapêuticas e participávamos de jantares de gala enquanto uma orquestra de querubins tocava sucessos de Beethoven. Depois de pronto foi exibido, no ano seguinte, na I HorrorCon em São Paulo com relativo sucesso. Neste mesmo ano explodiu a moda Trash no Brasil e ficamos bilionários fazendo filmes ruins.

 

2000 Anos Para Isso? (1996)

eles-comem-sua-carne_1996

Toniolli em banho de sangue

Sabe-se lá porque, até 1995 eu só pensava em fazer longas-metragens (devia ser algum problema de ego). Mas em 1995 fiz uma experiência em curta-metragem e realizei “Detritos” (curta que atualmente está perdido, mas que continuo tentando achar uma cópia para disponibilizar), gostando bastante da simplificação dos problemas que uma filmagem sempre tem. Então, logo no início de 1996 filmamos “Eles Comem Sua Carne” e um festival de curtas gore da Espanha, tendo assistido “O Monstro Legume do Espaço”, me escreveu solicitando um curta para incluir no festival. Como “Detritos” não era gore, resolvi montar algumas cenas do “Eles Comem Sua Carne” no formato de curta e, assim, surgiu este “2000 ANOS PARA ISSO?“, meu primeiro flerte com cinema experimental.

 

Assista “O Monstro Legume do Espaço” aqui:

Bondage 2 – Amarre-me, Gordo Escroto!!! (1997)

digitalizar0033

Denise e Souza

Após as filmagens de “Blerghhh!!!” (1996), tive uma ideia fantástica que rendeu um belo punhado de reais: Fazer um filme de putaria assinado por uma diretora, então combinei com a atriz principal de “Blerghhh!!!”, Madame X, que ela iria assinar nosso próximo filme. Com orçamento mínimo escrevi um roteiro fácil de filmar (sob pseudônimo de Lady Fuck e Carla N. Toscan, afinal, melhor que uma mulher tarada, só três, não?). Fomos pra casa do Jorge Timm, nos trancamos lá durante uns quatro dias e cometemos “BONDAGE 2: AMARRE-ME, GORDO ESCROTO!!!“, com climão de filme de Boca do Lixo final dos anos 70. É uma produção extremamente simples, mas na época do lançamento alardeamos tanto que era escrito e dirigido por mulheres que todo mundo quis assistir.

jose-mojica-e-seu-livro-preferido

José Mojica Marins e seu livro preferido.

 

Fase 98 (1997-98)

Ácido (1997) – este curta filmamos durante as gravações de “Blerghhh!!!” e só montamos um ano depois. Os efeitos de cores sobre as imagens captadas foram inseridas via uma ilha de efeitos analógicos. Acredito que foi meu primeiro vídeo arte, a concepção deste vídeo foi desenvolvida em parceria com o Coffin Souza.

Deus – O Matador de Sementinhas (1997) – No ano de 1997 Carli Bortolanza e eu cuidávamos do castelo da Canibal Filmes, local onde todo o equipamento de filmagem, maquiagens, iluminação e figurinos estavam guardados. Como o tempo de tédio era muito enquanto montávamos guarda para que ninguém invadisse nosso estúdio para roubar ideias e bens materiais, começamos a filmar vários curtas experimentais inspirados em Andy Warhol e Paul Morrissey e, assim, surgiram pequenas brincadeiras como “Crise Existencial”, “O Homem Cu Comedor de Bolinhas Coloridas”, “A Despedida de Susana – Olhos e Bocas” (1998), “9.9 (nove.nove)” e este “Deus – O Matador de Sementinhas”.

“Boi Bom” (1998) – Possivelmente meu filme mais polêmico. Antes de me tornar vegetariano realizei este brutal filme sobre a figura do homem se valendo de assassinato para se alimentar em pleno século XX. Em uma bebedeira falei com Jorge Timm e Carli Bortolanza sobre minha intenção de rodar algo extremamente brutal sobre alimentação envolvendo a matança de animais, mas a ideia ficou ali. Alguns meses depois o Jorge Timm apareceu com tudo combinado, ele já tinha encontrado um abatedouro clandestino que iria nos deixar filmar desde que não identificássemos o local. Chamei o Bortolanza e o Claudio Baiestorf e fomos até o abatedouro filmar. Em tempo: a carne deste boi que aparece no filme foi vendida pra um restaurante – pelo abatedouro, não pela gente – após as filmagens, só vindo a reforçar o que acho da alimentação envolvendo assassinatos. Hoje eu não faria outro filme com este teor, mas não renego o curta, está feito, faz parte de uma fase que eu me preocupava mais em chocar. PACK ÁCIDO+DEUS+BOIBOM.

Assista “A Despedida de Susana – Olhos e Bocas” aqui:

Mantenha-se Demente!!! (2000)

mantenha-se-demente-fx

Bortolanza aplicando fx em Loures

Logo após lançar “Zombio” (1999) escrevi o roteiro insano de “Mantenha-se Demente!!!”, um longa gore que misturava a cultura da região oeste de SC com os delírios japoneses envolvendo putaria com tentáculos. Levantei uma parte do dinheiro necessário para as filmagens e chegamos até a rodar algumas cenas do filme. Mas tudo estava tão capenga e caótico que acabei abandonando o projeto para rodar o “Raiva” (2001). O material filmado acabou por se tornar o curta-metragem “FRAGMENTOS DE UMA VIDA“, montado em 2002. Particularmente, gosto bastante do resultado de surrealismo gore alcançado neste cura improvisado, o que sempre me faz pensar que poderia voltar, hora dessas, a realizar experiências nesta linha.

 

Entrevista com Petter Baiestorf no Set de Zombio 2 (2013)

Acabei de encontrar essa ENTREVISTA que o Andye Iore realizou comigo durante as filmagens de “Zombio 2” (2013). Estou visivelmente cansado mas até que bem lúcido falando sobre o caos que foram os primeiros 12 dias de filmagens de “Zombio 2”. Estou compartilhando com vocês essa entrevista de 17 minutos mais como uma curiosidade mesmo, ela deveria estar nos extras de “Zombio 2” mas por um estranho motivo foi esquecida durante a autoração do DVD oficial de “Zombio 2“. Enfim, palhaçadas de uma produtora de cinema completamente atrapalhada.

Memórias em tom de realismo fantástico de Petter Baiestorf.

zumbi-e-petter-baiestorf_foto-andye-iore

Dangerous Glitter

Posted in Livro, Música with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on março 26, 2014 by canibuk

“Dangerous Glitter – Como David Bowie, Lou Reed e Iggy Pop foram ao Inferno e Salvaram o Rock’n’Roll” (2009, 400 páginas, editora Veneta) de Dave Thompson.

Dangerous GlitterNovamente a editora Veneta surpreende com um lançamento imperdível aos amantes da boa música (e suas histórias inacreditavelmente hilárias). “Dangerous Glitter” conta a história de “quando Lou Reed e Iggy Pop se encontraram pela primeira vez com David Bowie no final de 1971, (quando) Bowie era apenas mais um músico inglês passando por New York, Lou ainda estava se recuperando do colapso do Velvet Underground e Iggy já estava classificado como um perdedor.”

BowieAos moldes do “Mate-me, Por Favor”, de Larry McNeil e Gilliam McCain, “Dangerous Glitter” destaca a importância do artista plástico Andy Warhol para a cena underground nova-iorquina (e mundial, já que todo mundo imita New York) e a influência de Nico sobre as personalidades dos três menininhos assustados (apesar do livro não ser sobre Nico fica bem claro o quanto ela foi importante para Bowie, Reed e Pop). No livro somos apresentados à três artistas tímidos que se tornaram (a base de muita grana investida em suas imagens) as lendas conhecidas de hoje, desmitificados pelo autor Dave Thompson (todo mito não passa de um humano normal cheio de medos e inseguranças). É um mergulho alucinante pelo mundo dos anos de 1960/1970 quando a cena musical mundial produzia obras ricas em criatividade e ousadia.

LouEntre inúmeras histórias saborosas ficamos sabendo como David Bowie gastou 400 mil dólares na sua primeira turnê americana (e arrecadou míseros 100 mil dólares), como Iggy Pop se tornou o enfurecido vocalista com toques de escatologia que impressionaram muitos moleques do mundo a fora (GG Allin estava entre eles, com certeza), como Lou Reed quase abandonou sua vida de rockstar após sair do Velvel Underground, como Nico afundou sua carreira nas drogas e Tony Defries, o advogado rockstar, se tornou uma espécie de Allen Klein do rock’n’roll e criou David Bowie como os fãs do camaleão o conhecem hoje.

IggyDave Thompson, o autor, já escreveu mais de 100 livros que, geralmente, lidam com música pop, rock’n’roll, cinema ou erotismo. Nasceu em Devon (Devonshire, Inglaterra) e iniciou sua carreira jornalística editando um fanzine sobre a cena punk londrina dos anos de 1970, o que lhe valeu convites para escrever em revistas como “Melody Maker”, “Rolling Stone”, Mojo, entre outras. Outros livros de Thompson sobre David Bowie incluem “Moonage Daydream” (1987) e “Hallo Spaceboy” (2006).

Fica a dica deste ótimo livro que a editora Veneta acabou de lançar. “Dangerous Glitter” custa R$ 79.90 e pode ser adquirido em lojas virtuais como Saraiva ou Livraria Cultural.

Petter Baiestorf.

Filmes com David Bowie (veja alguns trailers):

Filmes com Iggy Pop (veja alguns trailers):

Filmes com Lou Reed (veja alguns trailers):