Archive for the revistas independentes brasileiras Category

Baratão 66 e outros Lançamentos da Pitomba

Posted in Fotografia, Fotonovela, Literatura, Livro, Quadrinhos, revistas independentes brasileiras with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on janeiro 10, 2014 by canibuk

O final de 2013 trouxe para o público de quadrinhos brasileiros várias ótimas obras. E a editora Pitomba, em parceria com a revista Beleléu, se encarregaram de pelo menos um lançamento obrigatório, “Baratão 66”, fruto de uma bem-vinda parceria entre Bruno Azevêdo e Luciano Irthum. Pitomba surgiu em 2009 e se tornou a editora marginal mais ativa de São Luís/MA. E a Beleléu é um selo do Rio de Janeiro/RJ.

Baratão1“Baratão 66” (180 páginas), de Bruno Azevêdo e Luciano Irrthum. Este trabalho da dupla Bruno/Luciano (dois apaixonados por personagens marginalizadas) é um mergulho pela difícil vida fácil das putas de cidadezinhas brasileiras onde, invariavelmente, políticos, policiais, padres, pastores, empresários, fazendeiros e outros coronéis de todos os calibres orquestram arranjos em prol da saúde de seus próprios bolsos, mostrando o quanto as putas podem interferir na política local (o que nunca é uma má interferência, já que puta são muito mais humanas do que essa corja de bandidos engravatados-fardados-fantasiados). Aliás, puteiros fazem parte da cultura nacional tanto quanto samba e bunda (o que não é ruim, antes um povo com a cultura da bunda do que das armas, por exemplo), é muito comum os poderosos locais terem uma amante por pura questão de status, uma espécie de troféu para mostrar aos amiguinhos. E putas são compreensivas, são mulheres sofridas que entendem (e perdoam) qualquer falha de caráter que prefeitos, delegados, padres, seu vizinho (eu e você) possam ter. Como fã de cinema, ao ler o saboroso “Baratão 66” me deleitei com os paralelos do roteiro de Bruno com o filme “Amor Estranho Amor” (1982) de Walter Hugo Khouri (sim, “Amor Estranho Amor” é o famoso pornô da Xuxa , que de pornô não tem nada, já que sua história gira em torno de um bordel de luxo que atende os desejos mais molhados da elite política brasileira para falar de política brasileira). Claro que, para nossa sorte e tendo em mente que Bruno e Luciano são crias do underground, aqui é tudo mais debochado e divertido do que o intelectualizado Khouri. Me foi impossível saborear do “Baratão” sem imaginá-lo como um storyboard já pronto para ser filmado. “Baratão” ainda fala sobre os produtores picaretas de cultura que acham que suas “obras-primas” devem ser bancadas pelo governo (porque mamar todo mundo quer e um grande viva a quem consegue). E a exemplo da política nacional, “Baratão 66” tem uma linda história de amor cafajeste onde tudo acaba bem, com suas transviadas personagens encontrando a tão sonhada liberdade (nem que para isso seja necessário derramar algumas lágrimas, sangue e gasolina). “Baratão” é cu e buceta, ou seja, diversão total. Tive o privilégio de escrever o posfácio deste álbum, que custa R$ 30.00 e pode ser adquirido pelo site http://www.pitomba.iluria.com ou comigo pelo e-mail baiestorf@yahoo.com.br.

Baratão2

Intrusa“A Intrusa” (165 páginas) de Bruno Azevêdo. Segundo Xico Sá, “Um folhetim em chamas capaz de tostar raparigas em flor. Um erotismo de banca capaz de reverter a mais enjoada das menopausas de todos os caritós. A Intrusa é fogo en las entranhas da frígida e solene literatura contemporaneazinha. O Monstro Bruno Azevêdo , este papaléguas, alcança, com este volume que ora lateja nas mãos da mulher moderna, a condição do nosso melhor escritor pícaro-mexicano. Que outro seria capaz de erotizar o tilintar dos duralex? A pia de louça por testemunha de um tórrido amor engordurado. “Temperamento latino é fuego”, já dizia, na subida do morro, o velho Morengueira”. “A Intrusa” traz ainda ilustrações de Eduardo Arruda, um dos criadores da revista Beleléu, e a capa do livro é de autoria de Frédéric Boilét, autor de “Garotas de Tokyo”. Apesar de estar com o livro aqui em casa, em virtude das milhares de coisas que faço tudo ao mesmo tempo, ainda não consegui tirar um tempo para lê-lo com calma.

Isabel“Isabel Comics!” (Ano 2, 56 páginas) de Bruno Azevêdo e Karla Freire. Este trabalho do casal Bruno e Karla é de extrema importância para sua pequena filha Isabel, que quando crescer vai ter um registro incondicional do amor de seus pais ao poder se “ver” com dois anos de idade, se divertindo em família. Achei o registro uma ideia fantástica, daquele tipo que outros pais apaixonados por seus filhos irão adorar e se identificar. Em fotos e textos dos criativos papais ficamos sabendo da movimentada vida de criança da filhinha Isabel em uma agitada fotonovela. Confesso que não sou o público certo para este pequeno livrinho, mas quem é pai/mãe, ou quer ser pai/mãe, creio que vai amar esta linda declaração de amor. Este livrinho, assim como “A Intrusa”, podem ser adquiridos no site http://www.pitomba.iluria.com.

dicas de Petter Baiestorf.

Maldito Seja Henry Jaepelt e outros lançamentos da Ugra Press

Posted in Arte e Cultura, Fanzines, Livro, Quadrinhos, revistas independentes brasileiras with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on janeiro 2, 2014 by canibuk

2_Henry JaepeltA Ugra Press é um projeto experimental que visa a produção e pesquisa da cultura underground, principalmente focada nos quadrinhos independentes. Neste final de 2013 seu editor, Douglas Utescher, realizou o lançamento de três livros imperdíveis, principalmente para o pessoal que viveu o underground brasileiro dos fanzines editados nos anos de 1990 (e são livros obrigatórios para quem nasceu pós 1990).

1_Henry Jaepelt“Maldito Seja Henry Jaepelt” é um livro-antologia de trabalhos do catarinense Jaepelt (leia-se “iapelt”). São 80 páginas contendo uma mega-entrevista (com perguntas elaboradas por Denilson Reis, Douglas Utescher, Márcio Sno e eu) onde ficamos por dentro dos pensamentos do Jaepelt, sempre coerente e inteligente, um dos mais criativos desenhistas da atualidade. O livro também traz uma introdução de Denilson Reis e ótima seleção de trabalhos que foram realizados por Henry entre os anos de 1993 e 2005, tudo criado com papel e uma caneta nanquim, o que pode assustar a nova geração de artistas que não consegue criar sem o uso de máquinas, como atesta Jaepelt na entrevista: “Frequentemente me perguntam o que uso para desenhar e ficam surpresos quando digo que uso o habitual lápis, papel e nanquim. Que programa? O que? Até parece que isso é algo vergonhoso ou atrasado, só que posso fazer isso em qualquer lugar, até com uma vela acessa, sem energia, baterias ou conexões com isso ou aquilo”.

Segue uma das HQs resgatadas no livro:

Lupita_1Lupita_2Lupita_3

1_Law Tissot“Maldito Seja Law Tissot” é outro livro desta maravilhosa série de publicações da Ugra Press que resgatam grandes autores dos quadrinhos alternativos brasileiros. Nas 80 páginas deste você vai se deleitar com as criações de Law Tissot, um arte-educador, videomaker e quadrinista na ativa desde 1984. Os quadrinhos de Tissot tem uma pegada cyberpunk e o livro reúne trabalhos que ele realizou entre 1990 e 1999. O livro tem prefácio de Fábio Zimbres e uma mega-entrevista conduzida por Douglas Utescher.

Segue uma das HQs resgatadas no livro:

Ceu Liquido_1Ceu Liquido_2Ceu Liquido_3Ceu Liquido_4

“3ADFZPA – Terceiro Anuário de Fanzines, Zines e Publicações Alternativas” é, a exemplo do “QI” de Edgard Guimarães, uma ótima porta de entrada ao universo das publicações independentes. Neste terceiro volume há uma infinidade de endereços de editores especializados em publicações que fogem do trivial explorado pela imprensa oficial e editores medíocres das grandes editoras.

As publicações da Ugra Press podem ser adquiridas pelo site (clique aqui) e você ainda pode acompanhar as novidades deles pelo blog (clique aqui).

dicas de Petter Baiestorf.

1_Anuário de zines

Hora Extra

Posted in revistas independentes brasileiras with tags , , , , , , , , , , , , , on agosto 28, 2013 by canibuk

Matheus Souza me enviou um jornal sensacionalista editado na cidade de Americana/SP (em 1998 lembro de ter ido assistir um show da banda Joe Coyote nesta cidade) que é uma delícia. Seu nome: “Hora Extra”, já está no quinto ano e conta com distribuição gratuita. Jornais impressos meio que perderam sua razão de existir pós internet (já que os textos dos novos jornalistas são, geralmente, muito ruins e copiados/colados de sites da net).

Hora Extra1

“Hora Extra” lembra os bons tempos do “Notícias Populares”, jornalzinho paulista cheio de imaginação. Aqui no exemplar que tenho em mãos, o número 67, a imaginação do editor está afiada: Matérias sobre o “Bebê-Diabo” de Santa Bárbara d’Oeste, que bate carteiras dos operários; décimo primeiro mandamento que foi encontrado em Americana e que após traduções revelou-se: “Não roubaras os munícipes”; entrevista com o Wanderley Cardoso; artigo sobre o peixe Drácula que enfeitiça mulheres na praia dos namorados (com um bom uso de stills do clássico “Creature From the Black Lagoon/O Monstro da Lagoa Negra” (1954) de Jack Arnold); proteção do além ou como usar o Preto Velho como segurança na sua loja; o novo pandeiro do Império Serrano; como usar o Bolsa Família para pagar prostituta e um pequeno relato sobre avistamento de OVNI com a chamada de abertura do programa televisivo “The Twilight Zone/Além da Imaginação” (1959), criado pelo produtor Rod Serling.

Agora, o must das matérias é o textinho de conspiração política que afirma que o site Wikileaks tem informações de que a presidente Dilma é um disfarce biológico (desenvolvido pela NASA) usado pelo Luiz Inácio Lula da Silva para continuar no comando do Brasil. Hilário! Sem esquecer que o jornal também divulga produções independentes, como neste número que dá o caminho para aquisição do livro “O Homem que Não Amava a Mulher com Tatuagem de Coelhinho” escrito pelo Matheus Souza.

Hora Extra2

Para conseguir seus exemplares do “Hora Extra”, mande e-mail para jornalhoraextra@hotmail.com e se divirta com as asneiras bem humoradas de seu editor.

Necrohorror Magazine

Posted in Fanzines, revistas independentes brasileiras with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on outubro 24, 2012 by canibuk

Alguns dias atrás publiquei dica sobre o fanzine sueco “Horrophobic” e, praticamente na seqüência, tomei conhecimento do fanzine brasileito  “Necrohorror”, que também é confeccionado em gráfica no formato de revista. Jonathan Alves da Silva, editor e faz tudo do fanzine, explica: “A estética da revista Necrohorror tem como objetivo resgatar as antigas em quadrinhos brasileiras da década de 60, 70 ou 80, que marcaram época para muitas pessoas, com conteúdo fabricado em papel jornal e capa em papel envernizado de ótima qualidade”. “Necrohorror” é imperdível, seja para os colecionadores de revistas independentes brasileiras, seja para os fanáticos pelo estúdio britânico da Hammer Films. “Inicialmente nosso conteúdo é de fácil leitura, visando despertar o interesse das novas gerações nos filmes que fizeram história”, nos conta o editor para em seguida dar pistas sobre a segunda edição, “Na próxima edição, que sairá em janeiro, teremos conteúdo tanto para os iniciantes no terror, quanto para os já iniciados no assunto”.

Neste primeiro número de “Necrohorror”, com 48 páginas, traz em suas páginas um ótimo apanhado sobre as produções do estúdio Hammer, com resenhas sobre filmes clássicos do estúdio como “The Curse of Frankenstein”, “Revenge of Frankenstein”, “The Evil of Frankenstein”, “Frankenstein Created Woman”, “Frankenstein Must Be Destroyed”, “Frankenstein and the Monster from Hell”, “Horror of Dracula”, “The Devil Rides Out”, “The Plague of the Zombies”, “The Reptile”, “The Curse of the Werewolf”, “The Gorgon”, The Phantom of the Opera”, “Dr. Jekyll and Sister Hyde” e pequenos artigos sobre as séries de filmes com Drácula, de múmias e de vampiras carnudas e gostosas (Karnstein). A revista fecha com uma pequena matéria sobre o maquiador Roy Ashton, outro intitulado “O Fim daEra de Ouro da Hammer Films” e uma deliciosa série de fotos das irmãs Collinson bem a vontade. E de brinde vem um poster de “Twins of Evil”, digno de se pendurar na parede da sala de casa.

“Necrohorror” já nasce imperdível por ser editada no Brasil, país sem tradição alguma na edição de revistas que falem de cinema de horror (dá prá contar nos dedos as revistas que tiveram, como “Set Terror & Ficção”, “Psicovídeo”, “Horrorshow”, “Cine Monstro” e talvez alguma que eu tenha esquecido). Aliás, no Brasil o gênero horror nunca teve o devido respeito porque brasileiro tem aquele pensamento medíocre de que cultura é algo para ser consumido de graça. Brasileiro é capaz de achar que ver uma partida de futebol seja algo cultural! Lamentável!

Se você ficou interessado em adquirir um exemplar, entre em contato via facebook com o Jonathan e encomende a sua, a revista sai por uns R$ 18.00 com correio incluído.

* Peço desculpas aos leitores do Canibuk por estar postando apenas dicas nesta semana, mas estou escrevendo o roteiro do longa-metragem “Zombio 2: Chimarrão Zombies”, meu novo filme a ser lançado em 2013, e simplesmente não estou tendo tempo para escrever artigos maiores aqui no blog. Provavelmente a próxima semana será neste ritmo também, mas saibam que é por uma boa causa!

Petter Baiestorf.

Cineminha 3

Posted in Fanzines, revistas independentes brasileiras, Vídeo Independente with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on outubro 1, 2012 by canibuk

Acabou de ser lançado o terceiro número da revista de cinema independente editada pelo grupo Fudidos e Malpagos de Rio Claro/SP. Este novo número, uma homenagem ao diretor Carlos Reichenbach e ao ator Jorge Timm, abre com um texto humorístico escrito por mim e intitulado “Como Viajar de Graça Fazendo Filmes Baratos” que ensina aos jovens como unir o útil ao agradável. Cineasta independente pode se foder financeiramente o tempo todo, mas as viagens que seus filmes lhe proporcionam faz este sofrimento da eterna falta de grana ser tolerável. Em seguida há um interessante artigo de Bruno Nicoletti chamado “Cinema Terceiro Mundista Hoje”, teorizando sobre o cinema do terceiro mundo no Brasil emergente de hoje, que agora faz um cinema político inexpressivo. Um novo clássico como “O Bandido da Luz Vermelha” me parece impossível nos dias atuais, mas espero estar enganado! “A Odisseia Para Além do Humano”, de J.R. Sant’Ana, uma punhetagem sobre “2001” do Kubrick, e “Cinema de Esquina”, de César Felipe, sobre o documentário “Histórias de Esquina” (2006) de Felipe Diniz, estão na seqüência e são igualmente empolgantes. Aí tem um texto do Daniel Mittmann, “Por Um Manifesto Canibal-Caipira: Pensando um Cinema Tranqueira Gambiarra de Zumbis em Rioclaroville”, que toma o livro “Manifesto Canibal” (2004, escrito por mim e Coffin Souza) como base a ser aplicado nos pólos de cinema da cidade de Rio Claro/SP. Mittmann é certeiro num comentário sobre o cinema que tento fazer a mais de 20 anos com recursos próprios, quando escreve: “Souza e Baiestorf buscam, de alguma forma, construir um cinema perigoso”. É isso, não sei se o cinema que faço é perigoso ou não, mas tento fazer algo que possa incomodar os acomodados, atingir ou não o expectador é outra história! E fechando este número, mais um texto de Bruno Nicoletti, “O Andarilho”, que teoriza sobre os documentários brasileiros. Nestes tempos digitais não é brincadeira o que tem de cineasta independente documentando coisas, nem sempre com abordagens interessantes, infelizmente!

Enfim, mais um exemplar da “Cineminha” disponível, revista (na verdade é um fanzine fodão) que aos poucos está se tornando uma referência aos produtores independentes e ao público que aprecia filmes feitos sem a esmola estatal. Quero aproveitar e dar uma sugestão: no próximo número (que poderia ganhar mais páginas) seria bem vinda uma sessão com filmes independentes atuais resenhados/divulgados, o contato de seus realizadores e como o público interessado pode adquirir estes filmes, para criar um intercâmbio, um diálogo, entre cineastas independentes e público. Fazer filmes independentes não é um passatempo, fazer filmes com recursos próprios é uma filosofia de vida, é um compromisso com o cinema!

Já aguardo o quarto número da Cineminha, é louvável essa iniciativa e espero que mais grupos editem suas próprias revistas, quanto mais canais de divulgação para o cinema independente, melhor!

Contatos: fudidosemalpagos@gmail.com

por Petter Baiestorf.

* Quero aproveitar este post para pedir desculpas pela não atualização do Canibuk nos dias certos, o que acontece é que voltei das filmagens do “Mar Negro” (novo filme de Rodrigo Aragão) com uma gripe fodida que me derrubou e não consegui escrever novas matérias/resenhas pro blog. Como já estou melhor agora, espero normalizar tudo nesta semana, sempre com postagens inéditas nas segundas, quartas, sextas e domingos. Obrigado pela força pessoal!

Cineminha 2

Posted in revistas independentes brasileiras with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on outubro 6, 2011 by canibuk

Acabou de ser lançado o segundo número da “Cineminha” (foi lançada em agosto, mas devido a greve dos correios só recebi agora), editada pelo grupo “Fudidos & Malpagos” em parceria com o grupo “Auê” (que no fim das contas deve ser todo o mesmo pessoal, mas não tenho certeza deste dado, ou seja, motivo mais do que suficiente prá entrevistar alguém do grupo).

“Cineminha # 2” vem com mais páginas do que a primeira. Já no editorial, o grupo “Fodidos & Malpagos” fala sobre “provocação, Cinema & Censura”, discutindo a censura financeira e estética que continua no Brasil mesmo sem os militares (e posso atestar que essa censura existe, faço filmes com blasfêmias religiosas e sexo, tudo misturado, à quase 20 anos e nunca estive sendo tão censurado, de maneira velada, lógico, como neste 2011). E a revista, que está muito mais interessante que a primeira, trás o ótimo texto “Por um Cinema de Busca”, de Bruno Nicoletti, que teoriza sobre o quanto o cinema e a arte estão vazios hoje:

“O cinema do Terceiro Mundo (e o Brasil pertence a ele) não tem e não pode ter a mesma função que em Hollywood.  Existem questões sócio-cultural-artísticas mais prementes que a constituição de uma indústria do entretenimento universal.”

Daniel Mittman escreve sobre o cinema como “máquina de guerra”, Cesar Pereira teoriza sobre Glauber Rocha para as novas gerações (Usando o clássico “Limite” na equação), Bruno Nicoletti reaparece com texto sobre o curta-metragem “O Grande Lazarento” (de Priscyla Bettim), Cesar Pereira reaparece analizando o documentário “Delirium Dream’s”, Téia Camargo fala sobre o aúdiovisual como instrumento de educação e transformação, Lourenço Favari fala sobre o cinema do coletivo gaúcho “Cinema 8”, que além dos filmes, realiza o festival de cinema “FLõ – Festival do Livre Olhar” e fecha com o bonito cartaz do filme “O Retorno da Lua”.

Para conseguir um exemplar, escreva para fudidos & Malpagos.

VOID

Posted in revistas independentes brasileiras with tags , , , , , , , on outubro 3, 2011 by canibuk

“Void” é uma revista de cultura alternativa editada na capital gaúcha, Porto Alegre/RS. Com distribuição gratuita, chega ao seu sétimo ano de publicações. Na número 73, a última lançada, são 80 páginas de cultura (não tão) underground em matérias que vão desde os tipos femininos segundo a banda Aerosmith, passando por entrevista com o escritor Marcelo Galega (que lançou o livro “Tattoo Your Soul”, sobre tatuagens), uma divertida matéria sobre adolescentes espinhentos loosers na noite portoalegrense, uma matéria sobre pijamas (que achei meio fora da minha realidade, já que sou um destes gordos peludos que dorme só de cueca ou pelado com meu pinto balançando), entrevista com a fotografa brasileira da Suicide Girls, Andrea Lavezzarro, que trampa em Berlim/Alemanha (terra dos cineastas Jörg Buttgereit e Andreas Schnaas), indicações de discos para ouvir depois de morrer, matéria bem interessante sobre o Movimento Zeitgeist e até uma entrevista comigo mesmo (Petter Baiestorf), que fecha a revista. Aliás, sou a capa desta edição também, com toda minha beleza selvagem revelada pelas lentes da fotografa Gabriela Mo. Fica aqui a recomendação, é uma boa diversão!

Em cidades como Porto Alegre, Curitiba, São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte a revista pode ser descolada de graça em pontos estratégicos que não sei dizer quais (esqueci de perguntar isso, mas quem tem boca come Roma).

Eles também aceitam colaborações na revista, se você tem o que dizer, entre em contato pelo e-mail void@avoid.com.br

maiores informações via www.avoid.com.br

ou peça seu exemplar via correio: Void, Rua Felipe Neri 148, cj. 503 e 504, Porto Alegre/RS cep 90440-150