Arquivo para airton bratz

Ajude a Patrocinar o Segundo Bloco de Filmagens de Zombio 2

Posted in Cinema, Vídeo Independente with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on março 5, 2013 by canibuk

ZOMBIO-2-PEntre os dias 06 e 19 de fevereiro estivemos filmando o longa-metragem gore “Zombio 2”. Este filme está sendo produzido por uma cooperativa informal formada pela Canibal Filmes (Coffin Souza, Leyla Buk, Elio Copini, Airton Bratz, Gisele Ferran, Paulo Cesar Rhoden, Minuano, Douglas Domingues, Adriano Trindade, Carli Bortolanza, E.B. Toniolli, André Luiz, Alan Cassol, Loures Jahnke, Taiz Ferran, Ivandro Godoy, Raimundo Lago, Marisa, Blob, Líbera Oliveira, Marcel Mars, Charles Knaak, Christian F. Schäfer, Juliana Seffrin, Cristian Verardi, Rafael Picolotto), El Reno Fitas (Leo Pyrata, Flávio C. Von Sperling, Sanzio Machado e Gabriel Zumbi), Camarão Filmes & Idéias Caóticas (Alexandre Brunoro e Raphael Araújo) e Bulhorgia Produções (Gurcius Gewdner), que conta com o apoio financeiro das empresas Globalville (escola de inglês), Visual Serigrafia, Hotel Brasil, Shunna e Fábulas Negras Produções Artísticas do maquiador Rodrigo Aragão e investidores particulares (fãs do cinema de horror) que ajudaram com pequenas quantias de dinheiro, como Elio Copini, Mauro Mackedanz, Awildgarden, Diógenes Carvalho, Rubens Mello, Família Ferran, Diogo Cunha, Adnilson Rafael Telles e André Bozzetto Jr. e ainda apoio com material de cenas e serviços da Necrófilos Produções Artísticas (Felipe Guerra) e Projeto Zombilly (Andye Iore).

45747_152951241529669_2091844507_n“Zombio 2” é uma produção que foi crescendo muito e foi se tornando bastante cara para os padrões do atual cinema realmente independente do Brasil. E é uma produção difícil com muito trabalho ainda pela frente. O plano original era ter finalizado a produção no primeiro bloco, mas não conseguimos por conta do clima chuvoso (simplesmente chovia todos os dias e enfrentamos duas tempestades bem violentas), tivemos problema com falta de água potável na locação (algo impensável em se tratando de Ilha redonda, estância hidromineral onde filmamos, mas que aconteceu e nos fez perder praticamente um dia de filmagens indo atrás dos responsáveis pela rede de água do município de Palmitos) e chegamos a filmar 36 horas seguidas sem pausas para descanso algum (sem comer nem dormir por puro amor ao cinema feito com culhões) na tentativa de recuperar algum tempo perdido. Assim, devido a inúmeros probleminhas, um segundo bloco se faz necessário.

Neste segundo bloco teremos que filmar completamente sem dinheiro porque nossos recursos financeiros já se esgotaram. Não há dinheiro nem para a comida do pessoal que está trabalhando nesta produção (ficamos devendo ainda R$ 500,00 para o restaurante que alimentou a equipe no primeiro bloco, depois de ter pago uma parcela de R$ 1.500,00). Alimentar uma equipe que muitas vezes ultrapassou o número de 40 pessoas no Set não é nada fácil, acreditem!

13092_10151472105229491_1716730588_n

Para este segundo bloco de filmagens de “Zombio 2” (com mais dez dias filmando é certeza que terminaremos o filme) ainda estamos aceitando doações. Se você quer/puder nos ajudar com qualquer quantia escreva para o e-mail baiestorf@yahoo.com.br para maiores informações sobre como nos ajudar a concluir este filme que está ficando muito divertido e com uma qualidade técnica bem superior aos nossos antigos filmes. Empresas podem comprar espaço publicitário (o nome de seu negócio irá aparecer no início do filme como apoiador) e pessoas físicas que ajudarem com pouco serão relacionadas nos créditos como apoiadores financeiros do filme.

Uma coisa é certa: Finalizar este longa-metragem é uma questão de honra para todos os envolvidos no projeto e, com ou sem comida, vamos dar um jeito de terminar este projeto coletivo e apresentar o filme concluído durante o FantasPoa no início de maio próximo na cidade de Porto Alegre/RS).

734885_10151472095469491_1159577853_n

escrito por Petter Baiestorf.

Abaixo confira algumas fotos do primeiro bloco de “Zombio 2”, o resultado final está ficando lindo e queremos entregar aos fãs dos filmes gore um filme muito divertido. Ajude-nos a tornar “Zombio 2” uma realidade!!!

Zombio 2_Tripas

Zombio 2_Noivos1

Zombio 2_Nilda Furacão

Zombio 2_Zumbis

Zombio 2_Noivos

SDC11424

14026_432901580123674_1196691081_n

14899_10200611352306722_1078075676_n

421822_256635034470712_456451179_n

525026_256238947843654_752936992_n

66412_234202606713955_2084958022_n-horz

225369_152951268196333_34492484_n

Zombio 2_Equipe7

Zombio 2_teste1_cortada

Zombio 2_Zumbis_Equipe4

Storyboard de uma cena de Zombio 2: Chimarrão Zombies

Posted in Nossa Arte, Vídeo Independente with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on dezembro 21, 2012 by canibuk

Em primeiro lugar quero pedir desculpas aos leitores do Canibuk pela falta de atualizações (colaborações de qualidade são bem vindas e serão publicadas), mas como todos sabem estou trabalhando na pré-produção do meu novo longa-metragem e o tempo livre pro blog tem sido nulo. Acho que após abril (que é quando quero editar o filme com o Gurcius Gewdner) tudo voltará ao normal aqui. Mesmo assim, em breve, publicarei pequenos artigos sobre filmes independentes (filmes como “Psicofaca – O Maníaco das Facas”, filmado em Iraí/RS, “Punhos em Ação” e “No Rastro da Gang”, de José Sawlo, cineasta de Queimadas/PB) e algumas HQs, como “Transação Macabra”, a pedidos).

Chibamar Bronx.

Chibamar Bronx.

A pré-produção do “Zombio 2: Chimarrão Zombies” segue com Coffin Souza elaborando os efeitos de maquiagens gores (nas filmagens contaremos com o maquiador Alexandre Brunoro, do “Confinópolis“, nos ajudando), Leyla Buk desenhando os figurinos e storyboard de algumas seqüências do filme e eu, Gisele Ferran e Elio Copini correndo atrás de outros detalhes.

Yoko.

Yoko.

A produção de “Zombio 2” é um pouco maior do que dos meus filmes anteriores, estou atrás de dinheiro que nos ajude a fazer este filme com maiores cuidados, se você tem interesse em nos ajudar, leia “Como Investir no Zombio 2” e entre em contato comigo no e-mail baiestorf@yahoo.com.br

Klaus.

Klaus.

As possibilidades de se fazer um filme ultra gore, divertido e cheio de referências a cultura underground são infinitas e “Zombio 2” vai seguir nesta linha! Para o elenco já temos confirmado Airton Bratz repetindo o papel do detetive Chibamar Bronx, Miyuki Tachibana no papel da viúva negra Yoko, Coffin Souza no papel do mendigo debochado Klaus, Elio Copini no papel do faconeiro Américo Giallo e Gisele Ferran no papel da sexy Nilda Furacão. Como diretor de fotografia teremos o genial Leo Pyrata que já fez inúmeros filmes de arte lindos. E o filme contará ainda com inúmeras participações especiais que vou divulgando em postagens futuras.

Nilda Furacão.

Nilda Furacão.

Segue o storyboard da seqüência 24 desenhado pela Leyla Buk, ansioso por começar as filmagens de mais este pequeno filme de guerrilha repleto de vísceras, humor cafajeste e nudez gratuita para as comemorações de 20 anos de produções da Canibal Filmes.

Por Petter Baiestorf.
Ilustrações e Storyboard de Leyla Buk.

Seq. 24_1

Seq. 24_2

Seq. 24_3

Seq. 24_4

Como Investir no “Zombio 2: Chimarrão Zombies”

Posted in Vídeo Independente with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on dezembro 3, 2012 by canibuk

Digitalizar0009Comecei a fazer filmes independentes em 1992, sempre produções pequenas com dinheiro de meu próprio bolso. Assim fiz 13 longa-metragens, uns 10 médias e uma infinidade de curtas. Agora estou pré-produzindo meu novo longa-metragem, “Zombio 2: Chimarrão Zombies”, filme que deverá ser extremamente gore e que, pela primeira vez nestes 20 anos de produções, estou atrás de investidores/patrocinadores para um filme meu ser filmado com maiores cuidados técnicos.

Quem me conhece sabe que sou contra essa política assistencialista do governo, por isso procuro investidores particulares, verdadeiros visionários que possam investir dinheiro particular numa produção da Canibal Filmes, a mais antiga produtora independente em atividade no Brasil.

Criei várias categorias possíveis de ajuda para que todos que queiram ajudar possam fazê-lo de acordo com suas possibilidades.

zombio2_espaçopublicitario

Para empresas tem duas formas de patrocínio:

1) Ajuda de R$ 500.00 com o logotipo da empresa aparecendo no início do filme bem destacado.

2) Ajuda de R$ 1.000,00 com logotipo da empresa aparecendo no início do filme, bem destacada e o produto aparecendo no decorrer do filme com propaganda explícita!

Para pessoas físicas tem duas maneiras de ajudar também:

1) Se tornando produtor associado, entra com parcela de R$ 1.000,00 (ou mais), tem nome nos créditos iniciais e dou porcentagem na exploração comercial do filme na região onde este produtor associado vive.

2) Apoio financeiro (que é onde mais gente está ajudando) que pode variar entre doações de R$ 100,00 à R$ 300,00 com o nome do doador financeiro aparecendo nos créditos finais do filme (e ganha DVD quando o filme estiver finalizado).

zombio 2 _ produtor associado

“Zombio 2: Chimarrão Zombies” é a continuação direta do clássico gore “Zombio“, cult-movie que escrevi/dirigi em 1998 e que entrou para a história do cinema de horror brasileiro por ser o primeiro filme genuinamente nacional com zumbis (aliás, antes de qualquer outro filme nacional com zumbis, eu já havia feito “Blerghhh!!!” em 1996; “Zombio” em 1998; “Raiva” em 2001; “Cerveja Atômica” em 2003 e “A Curtição do Avacalho” em 2006, todos filmes com zumbis melequentos podreiras). Com “Zombio 2: Chimarrão Zombies” sua marca/empresa e seu nome ficarão registrado numa produção que terá visibilidade por vários anos (“Zombio” foi lançado em 1999 e continua sendo exibido em tudo que é lugar), com distribuição em todo o Brasil, USA e Europa.

Não acredito em choradeiras e reclamações! Acredito na ação direta do cinema de guerrilha! Quem acredita neste meu sonho de um cinema brasileiro verdadeiramente independente, livre de politicagens, finalmente tem, agora, uma chance concreta de ajudar! Para maiores informações e para saber como depositar o dinheiro, me escreva no e-mail baiestorf@yahoo.com.br o quanto antes (as filmagens irão acontecer em fevereiro).

Pedido de ajuda de Petter Baiestorf, mentor intelectual da Canibal Filmes (ajude a compartilhar este post).

zombio 2 _apoio financeiro

Pus Diet

Posted in Fanzines, Quadrinhos with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on setembro 9, 2012 by canibuk

“Pus Diet” foi um zine de humor que editei na primeira metade dos anos de 1990 que era bem curtinho, só prá se manter ocupado. “Pus Diet #1” era uma folha de ofício tamanho grande só com textos, acho que co-editado com Leomar Wazlawick ou Carli Bortolanza (ou Airton Bratz), não consigo lembrar. “Pus Diet #2” trazia 8 páginas com capa de Airton Bratz, textos de humor negro, a HQ “O Ser Eterno” de Gerson Mendes e algumas tirinhas de Bratz com um herói molenga criado por ele. “Pus Diet #3”, com capa de George Frizzo, trazia uma HQ desenhada com caneta BIC pelo Anderson, tiras de Sandro, Bratz, Laudo Ferreira Jr. e Anderson, mais textos de humor macabro e nenhuma pretensão de entrar prá história, era apenas um zininho que eu editava nas horas vagas entre um e outro número do “Arghhh”, meu fanzine principal.

Resolvi resgatar aqui as páginas ilustradas!

Petter Baiestorf.

Shimamoto

Posted in Entrevista, Quadrinhos with tags , , , , , , , , , , , on março 15, 2011 by canibuk

Júlio Y. Shimamoto nasceu em 13 de maio de 1939 em Borborema, interior Paulista. Começou a desenhar na adolescência e logo se tornou um dos melhores quadrinistas de horror (e qualquer outro gênero) do Brasil. Shimamoto tinha suas histórias publicadas em inúmeras revistas profissionais e, mesmo assim, nunca deixou de colaborar em fanzines (ele sempre colaborava com ilustrações pro meu zine). No número 21 do “Arghhh”, editei uma entrevista com o grande mestre Shimamoto (abri espaço para que outros artistas também fizessem suas perguntas, ficando a entrevista mais bacana). Resgato essa entrevista aqui no Canibuk:

Petter Baiestorf: Como foi sua infância no interior paulista?

Shimamoto: Sou caipira e nesse contexto, tive infância feliz: cacei passarinhos com atiradeiras (acertei raramente), comi frutos silvestres como pitanga, marmelos e gabirobas. Pratiquei arco e flecha e errei em lagartos e cutias. Meu pai não era xavante prá me orientar. Nadei pelado em arroio. Escapei de cobras e caranguejeiras, mas não das taturanas venenosas. Amarelei quando um lagarto preto e branco (80 cms) me peitou perto de uma furna com ninhadas.

Airton Bratz: Como começou o seu envolvimento com quadrinhos? E, na sua opinião, qual foi o seu melhor trabalho?

Shimamoto: Ganhei três gibizões de 100 páginas cada (contando capa) em 1944. Foi presente do papai que voltava de viagem. Um deles tinha o Príncipe Submarino nocauteando um grupo de soldados japoneses. Sem enfeite e nem falta modéstia, o melhor trabalho ainda tenho que fazer.

Petter Baiestorf: Você fazia o que na ADESP, já que seu estúdio servia de sede para a associação?

Shimamoto: Eu cuidava do apoio e tesouraria. Explico o apoio: quando o sindicato dos bancários, que ficava no nosso prédio, nos ajudava com “know how” de sindicalismo ou cooperativismo, a gente retribuía com cartazes e reivindicações ou palavras de ordem que usavam em passeatas. Tinha as tiras de HQ e logomarcas de secções de jornais que a gente fornecia em troca de espaço no jornal para entrevistas e notícias sobre nosso movimento de nacionalização. Chegamos até a confeccionar cenários para palco de TV que nos recebiam prá entrevistas.

Petter Baiestorf: Porque não deu certo suas colaborações em revista humorísticas, como “Mazzaropi”, “Oscarito & Grande Otelo” e outras? Seu trabalho era muito pesado?

Shimamoto: Por ser leitor de gibis e não de Pato Donalds da vida. Alguém me opinou que não era o convívio com determinado gênero, mas a guerra e o violento conflito de terras na região que teriam influenciado meu estilo de HQ. Pode ser, essas coisas influem muito.

Petter Baiestorf: Nas suas HQs das décadas de 60/70 havia muita crítica ao sistema, militares e polícia. Era um reflexo da época?

Shimamoto: Sim, sim. E tinha meu pai, que apesar de lavrador, era contador formado no Japão e era extremamente politizado. Embora eu tenha só o curso primário, ele me botava prá ler jornal desde os 10 anos. Meu velho não tinha recursos prá que eu continuasse estudando. Fui trabalhador precoce como ainda ocorre com os filhos dos sem-terras. Mudam-se os governantes mas o país é o mesmo sempre.

Lúcio Reis: Como foi produzir HQs no Brasil nos anos 60/70, trabalhando para editoras como a Taika, Edrel e seu contato com feras como Colin, Nico Rosso e outros grandes artistas da HQ nacional?

Shimamoto: Comecei e fiz HQ de 1957 à 1963 (e parcialmente em 1965 e 1966). As editoras eram: Novo Mundo, La Selva, Outubro, CTPA (Cooperativa Editorial de Trabalhadores de Porto Alegre) no tempo do governador Brizola, e Folha de São Paulo. Edrel e Taika ainda não existiam. Foi um período fantástico quando uma tropa de desenhistas surgiram ao lado de outros já consagrados: Colin, Getúlio, Igayara, Saidemberg, Aragão, Odilon, Igomar, Daglemos, Hamasaki, Maurício, Queiróz, Sérgio Lima, Zezo, Scudellari, Bortolassi, Pizzi, Nico Rosso e por que não Gedeone.

Coffin Souza: Quando você desenhava para a “Spektro” foram desenhadas histórias de fantasmas que se passavam no Japão Medieval, com samurais, etc… Eram baseadas em lendas e pesquisas ou vocês as inventava? Você nunca pensou em fazer uma série baseada no folclore japonês de horror?

Shimamoto: O Japão, como o Brasil, é rico em lendas e histórias sobrenaturais. As crianças crescem no clima de “terror”, tanto que eu vivia com medo do escuro. Quando queriam me punir eles me botavam prá dormir no relento. Já viu, né! Assim, criar HQ terrorífico era só remanejar o que se achava armazenado na memória.

Petter Baiestorf: Como foi seu ingresso para a publicidade? Foi por causa de sua militância contra os “enlatados”, certo?

Shimamoto: Antes de HQ trabalhei no departamento de propaganda das lojas Sears & Reeback, quando tinha 17 anos em 1956, como desenhista. Em 1967, como participante do movimento de nacionalização de HQ, fui boicotado pelas editoras. E fui desenhar livros didáticos para a Editora do Brasil. Daí veio o golpe militar e relutante, entrei prá faculdade pelo saudoso Lírio Aragão.

Petter Baiestorf: Porque a imprensa o acusou de ter plagiado o cartaz nacional do filme “King Kong”?

Shimamoto: Foi por mancaratismo (não confundir com macartismo) do jornalista Giba Um, que era lobista da Metro, do famigerado Harry Stone, testa de ferro da distribuidora no Brasil. Gilberto (Giba) falsamente denunciou nosso cartaz de “King Kong” como plágio da capa da Hustler do Larry Flynt. Como? Se meu desenho foi feito em Maio e a revista saiu em junho nos USA? E era proibida sua circulação no Brasil! E eu nunca tinha saído daqui de Jacarepaguá! Foi uma merda, com todos os jornais, como que orquestrados, repetiam a notícia que saiu na “Última Hora”, onde o colunista tinha espaço cativo. A Metro queria desmoralizar o concurso pela nacionalização de cartazes que o clube de criação do Rio de Janeiro patrocinava! Lamento não tê-los processado, teria um caminhão de dólares em indenização!

Petter Baiestorf: Tanto se fala em horror, mas, o que é horror para Shimamoto?

Shimamoto: Horror prá mim é a desventura do ser humano. Tenho por hábito filmar mentalmente a tragédia que acorrenta a humanidade e lamentar por nada poder fazer prá evitá-la. E o pior horror é saber que, quase sempre, o sofrimento do homem é provocado por outro homem.

Petter Baiestorf: E o seu envolvimento com o Maurício de Souza? Você realizou algum trabalho importante prá ele?

Shimamoto: Na ADESP elegemos Maurício de Souza prá presidente por ser jornalista articulado e quadrinista de talento. Ele soube pelo menos capitalizar essa liderança para plantar a semente de seus mega-projetos. Hoje ele está onde sempre quis chegar. Pena que mais gente não tenha chegado com ele. Ajudei-lhe na confecção da “Boneca” do suplemento dominical prá concorrer na Folha de São Paulo. Ganhou e me retribuiu dando-me a terceira contra-capa. Ali encaixei durante dois anos e meio “Fidêncio, O Gaúcho”, que quase virou série de TV na antiga Tupi, dos diários associados.

Luciano Irrthum: A mais ou menos uns 4 meses atrás (nota do Canibuk: essa entrevista coletiva foi realizada em maio de 1997) eu tava bebendo no Maleta, aqui em Belo Horizonte, e conheci um velho piradão, todo destruído pelo álcool, que fazia quadrinhos de horror na década de 60 e 70. O velho diz que pirou o cabeção e vive bebendo cachaça por causa dos quadrinhos de horror. Nome dele parece que era Luís. É possível enlouquecer fazendo HQs de horror?

Shimamoto: Loucos todos somos um pouco. Quem não é louco é vegetal. Determinação, obsessão, inquietação ou aspiração em busca de um objetivo, são um tipo de anomalia, de piração. Nossos irmãos animais são instintivos, mas nós somos racionais e emotivos, isto é, loucos. Esse Luís não seria Luís Merí? Era Uruguaio, ou argentino, e vivia enturmado com o simpático Zalla e Colonese, também nascidos no Cone Sul. Sem diminuir os colegas, para mim, os melhores “terroristas” do HQ no Brasil são: Colin, Manoel Ferreira e, dos novos, Mozart Couto e Mano. Estes quatro estão no bico da pirâmide. Eu estou em algum lugar, acima do meio dessa pirâmide.

Petter Baiestorf: Fale-me das técnicas de desenho que você cria, como por exemplo, o desenho em bexiga…

Shimamoto: Seguinte, tenho um inimigo dentro de casa. E faz mais de dois anos que não me atraco com ele: é o micro-computador! Tenho bronca dessa onda colonizante e babante que tenta robotizar nosso cérebro, impondo terrorismo através da mídia. É um puta marketing da infobusiness globalizada. Ouçam essa: um físico famoso tinha acabado de construir um potente cérebro eletrônico (nome anterior de computador) e para exibir-se chamou seu antigo colega de faculdade: “Einstein, meu amigo, eis a maravilha das maravilhas deste século! Você pergunta o que quiser que ele responde tudo naquele terminal ali!” E Einstein: “Hum… Ele faz perguntas?”… Não, não fazia perguntas, só sabia responder. Isso diz tudo, né? Daí, só uso bexiga prá distorcer meus desenhos. É rápido e sem artificialismo. Dicas: Abro a bexiga, desenho sobre a superfície, repuxo-as à vontade e copio a distorção na copiadora.

Renato P. Coelho: Qual a sua opinião sobre a atual situação dos quadrinhos brasileiros, principalmente com artistas nossos trampando lá fora no estrangeiro?

Shimamoto: Sou a favor, mesmo que desenhem super-heróis. Tem que se viver, né? Cadê Abril e Globo que não abrem espaço à ninguém? O brasileiro é criativo e talentoso em qualquer coisa. Basta dar-lhe condições e ele faz bem, com competência e maestria.

Petter Baiestorf: O que você tem achado do movimento zineiro aqui do Brasil da década de 90?

Shimamoto: Apesar das limitações, das dificuldades, os zineiros são verdadeiros guerrilheiros que lutam por uma grande causa. Dou apoio total e colaboro com todos na medida do possível. Adoro zines e os trabalhos que neles são publicados. São eles que mantém a chama das HQs nacionais sempre acessa.

Petter Baiestorf: Destacaria algo?

Shimamoto: Toda e qualquer iniciativa em publicar trabalho nacional merece nossos aplausos, independente de ser bom ou ruim. Publicar é prioridade!

Petter Baiestorf: E a visão política dos zineiros de hoje? Chega à frustrar as gerações passadas?

Shimamoto: Nada a obstar. Como disse antes, num amplo leque de opções, o que o zineiro preferir fazer, que o faça. Tudo é válido!

Petter Baiestorf: E o Shimamoto ano 2000? Quais são seus planos?

Shimamoto: Em setembro de 1996, um tumor maligno no rim quase me “levou”. Isso me deixou chapado e vulnerável. Meus amigos me deram força e isso foi fundamental prá minha recuperação. Já tô superando o problema e comecei uma faxina mental. Expulsei grande parte do Shima que eu não gostava e estou numa fase de mudança. É um processo violento e irreversível. Muitos amigos começaram a me estranhar, estão me observando com um certo distanciamento. Meu HQ reflete essa luta. Tô destruindo meu desenho. Tô buscando o ponto onde comecei no passado. Tô “desaprendendo”. Tô partindo agora pro HQ – teatro, HQ minimalista, sem cenários, sem balões, sem o que for dispensável. Quem sabe o meu ano 2000 começou agora?

Segue uma HQ com desenhos do Shimamoto e roteiro do Paulo Hamasaki que publiquei no “Arghhh” número 10.