Arquivo para anarquismo

Cartazes de Ándale!

Posted in Cinema, Posters, Vídeo Independente with tags , , , , , , , , , , , , on novembro 11, 2017 by canibuk

“Ándale!” (2017, 4 min.) – Escrito e dirigido por Petter Baiestorf. Produção: Petter Baiestorf, Carli Bortolanza, E.B. Toniolli e Elio Copini. Produção Executiva: Carli Bortolanza. Direção de fotografia: Uzi Uschi. Edição: E.B. Toniolli. Com: Elio Copini.

Cartaz oficial:

Ándale_Poster1_Oficial

Cartaz Opcional:

Ándale_Poster2_Oficial

A Luta em Marcha

Posted in Anarquismo, Literatura with tags , , , , , , , , , , , , , , , on junho 19, 2013 by canibuk

Não há cutelo que corte

Folhas à nova semente

Já que a acha do mais forte

Vai ruindo lentamente.

.

Soam os gritos de guerra

Do servo, branco ou preto,

Que bradam por toda a terra

O seu direito de veto.

.

O povo trabalhador

Não aceita a opressão

Marcha contra o opressor

Aos gritos de revolução.

.

A mulher escravizada

No mesmo pé de igualdade

Ergue na santa cruzada

O pendão da liberdade

.

Cavaleiros do futuro

Em destemidos corcéis

Vão desbravando o monturo

Desses destinos cruéis.

.

Destruir pra construir

É sua nobre missão

Como forças do porvir

Na guerra da redenção.

.

O estado e as camarilhas

Hão-de rolar pela terra

À luz de novas cartilhas

A razão da nossa guerra.

.

Pão, justiça, igualdade!

Jamais a lei do mais forte!

Pelo sol da liberdade

Contra o reinado da morte!…

.

poesia de Artur Modesto.

Declaração Prévia

Posted in Anarquismo, Arte e Cultura, Surrealismo with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on setembro 5, 2012 by canibuk

Surrealistas, não cessamos de consagrar à trindade Estado-Trabalho-Religião, uma execração que amiúde nos levou ao encontro dos camaradas da Federação Anarquista. Essa aproximação conduz-nos hoje a nos exprimir no Libertaire. Felicitamo-nos ainda mais porque acreditamos que esta colaboração nos permitirá extrair algumas das grandes linhas de força comuns a todos os espíritos revolucionários.

Estimamos que uma ampla revisão das doutrinas se impõe com urgência. Esta só será possível se os revolucionários examinarem juntos todos os problemas do socialismo com o objetivo, não de encontrar ali uma confirmação de suas próprias idéias, mas dali fazer surgir uma teoria capaz de dar um impulso novo e vigoroso para a revolução social. A libertação do homem não poderia, sob pena de se negar imediatamente após, ser reduzida apenas ao plano econômico e político, mas deve ser estendida ao plano ético (saneamento definitivo das relações dos homens entre si). Está ligada à tomada de consciência, pelas massas, de suas possibilidades revolucionárias e não pode, sob nenhuma condição, levar a uma sociedade em que todos os homens, como o exemplo da Rússia, seriam iguais na escravidão.

Irreconciliáveis com o sistema de opressão capitalista, quer se exprima sob a forma dissimulada da “democracia” burguesa e odiosamente colonialista, quer assuma o aspecto de um regime totalitário nazista ou stalinista, não podemos deixar de afirmar uma vez mais nossa hostilidade fundamental para com os dois blocos. Como toda guerra imperialista, a que eles preparam para resolver seus conflitos e aniquilar as vontades revolucionárias não é a nossa. Dela só pode resultar um agravamento da miséria, da ignorância e da repressão. Esperamos exclusivamente da ação autônoma dos trabalhadores a oposição que poderá impedi-la, e conduzir à subversão – no sentido de remanejamento absoluto – do mundo atual.

Esta subversão, o surrealismo foi e permanece o único a empreendê-la no terreno sensível que lhe é próprio. Seu desenvolvimento, sua penetração nos espíritos colocaram em evidência a falência de todas as formas de expressão tradicionais e mostrou que elas eram inadequadas à manifestação de uma revolta consciente do artista contra as condições materiaise morais impostas ao homem. A luta pela substituição das estruturas sociais e a atividade desenvolvida pelo surrealismo para transformar as estruturas mentais, longe de se excluírem são complementares. Sua junção deve apressar a vinda de uma época liberada de toda hierarquia e opressão.

Manifesto de Jean-Louis Bédouin, Robert Benayoun, André Breton, Roland Brudieux, Adrien Dax, Guy Doumayrou, Jacqueline Duprey, Jean-Pierre Duprey, Jean Ferry, Georges Goldfayn, Alain Lebreton, Gérard Legrand, Jehan Mayoux, Benjamin Péret, Bernard Roger, Anne Seghers, Jean Schuster, Clovis Trouille no Le Libertaire de 12 de outubro de 1951.

Declaração Pirata

Posted in Anarquismo, Literatura with tags , , , , , , , , , , , on maio 21, 2012 by canibuk

Daniel Defoe, escrevendo sob o pseudônimo de capitão Charles Johnson, escreveu o que se tornou o primeiro texto histórico sobre os piratas, A General History of the Robberies and Murders of the Most Notorious Pirates (Uma história Geral dos Roubos e Assassinatos dos Mais Notórios Piratas). De Acordo com Jolly Roger (a bandeira pirata), de Patrick Pringle, o recrutamento de piratas era mais efetivo entre os desempregados, fugitivos e criminosos desterrados. O alto-mar contribuiu para um instantâneo nivelamento das desigualdades de classe. Defoe relata que um pirata chamado capitão Bellamy fez este discurso para o capitão de um navio mercante que ele tomou como refém. O capitão tinha acabado de recusar um convite para se juntar aos piratas:

Sinto muito que eles não vão deixar você ter sua chalupa de volta, pois eu desaprovo fazer mesquinharia com qualquer um, quando não é para minha vantagem. Dane-se a chalupa, nós vamos naufragá-la e ela poderia ser de uso para você. Embora você seja um cachorrinho servil, e assim são todos aqueles que se submetem a ser governados por leis que os homens ricos fazem para sua própria segurança; pois os covardes não têm coragem nem para defender eles mesmos o que conseguiram por vilania; mas danem-se todos vocês: danem-se eles, um monte de patifes astutos e vocês, que os servem, um bando de corações de galinha cabeças ocas. Eles nos difamam, os canalhas, quando há apenas esta diferença: eles roubam os pobres sob a cobertura da lei, sem dúvida, e nós roubamos os ricos sob a proteção de nossa própria coragem. Não é melhor tornar-se então um de nós, em vez de rastejar atrás desses vilões por emprego?

Quando o capitão replicou que a sua consciência não o deixaria romper com as regras de Deus e dos homens, o pirata Bellamy continuou:

Você é um patife de consciência diabólica, eu sou um príncipe livre e tenho autoridade suficiente para levantar guerra contra o mundo todo, como quem tem uma centena de navios no mar e um exército de 100 mil homens no campo; e isto a minha consciência me diz: não há conversa com tais cães chorões, que deixam os superiores chutá-los pelos convés a seu belprazer.

Capitão Bellamy & Hakim Bey* (do livro TAZ – Zona Autônoma Temporária, editora Conrad).

* Hakim Bey é pseudônimo do historiador Peter Lamborn Wilson.

Roteiro de A Curtição do Avacalho

Posted in Roteiro, Vídeo Independente with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on maio 7, 2012 by canibuk

Em 2006 eu estava com a idéia fixa de refilmar o clássico “The Incredible Melting Man” (1978) de William Sachs. Comecei a escrever um roteiro chamado “Meleca” que abandonei e, chamando Coffin Souza prá me ajudar, re-organizei as idéias em um roteiro re-intitulado “Meleca Carne Líquida”. Quando começamos a filmar me toquei que estava ficando clichê demais e resolvi re-escrever o roteiro a mão mesmo (veja no final do post, scanner do roteiro escrito a mão), já com novo título de “A Curtição do Avacalho” e depois escrevi um roteiro mais detalhado (que posto scanner dele também porque perdi o word dele). Publicando aqui as quatro versões do roteiro que de refilmagem de filme gore se transmutou numa pequena peça de experimentação marginal autoral de política anarquista.

“A Curtição do Avacalho” produzi sem nenhum puto no bolso. Reuni amigos, algumas pessoas que me pediam para participar dos filmes e iniciamos as filmagens de final de semana (foram uns 5 finais de semana de gravações, o que deu uns 10 dias). Não paguei ninguém. Este longa-metragem foi finalizado em 5 técnicos/atores (eu, Elio Copini, Claudio Baiestorf, Ivan Pohl e Everson Schütz) se revezando nas funções (a cena final filmamos com a câmera no tripé e absolutamente ninguém por trás dela). Foi neste filme que fiz um de meus erros técnicos mais célebres. Meio desanimados (no último final de semana das filmagens), eu e os técnicos que restaram, começamos a encher a cara durante as filmagens (a parte final do filme foi toda filmada conosco bêbados) e acabei filmando duas vezes uma mesma seqüência sem perceber, mesmo com Everson Schütz dizendo “A gente filmou isso ontem!” e eu rebatendo irritado: “Não filmou não, fica atento!”. Editando o filme, eu e Gurcius já cansados e dormindo na mesa de edição, montamos errado a seqüência onde Kika derrete, assumimos este erro e o deixamos no filme. É gostoso demais errar!

Depois de pronto “A Curtição do Avacalho” foi exibido em algumas poucas mostras de cinema experimental e nunca encontrou seu público (por, talvez, não existir público pro cinema anarquista).

Para ler também o roteiro de “Arrombada – Vou Mijar na Porra do seu Túmulo!!!” (2007) e “Vadias do Sexo Sangrento” (2008), clique nos links.

PRIMEIRO ROTEIRO:

MELECA

roteiro de Petter Baiestorf.

homenagem à Splatter Night Fest

Seq. 01 – Casa Baiestorf/dia

música: “Brazuzan – Taller Than A Hill” (TUATHA De DANANN)  (?)

Santiago Segura Pinto, homem, solteiro, adulto, 23 anos + -, viciado em Coca-Cola.

Em casa abre uma latinha de coca-cola e bebe em sua sala.

Opções: * garrafa clássica sendo bebida ao pôr do sol na sacada.

* garrafa de plástico 600ml sendo bebida na cozinha.

* garrafa plástica 2 litros sendo bebida na privada durante evacuações.

* garrafa fresca-festiva sendo bebida na sala assistindo TV alienante.

Seq. 02 – Oficina Copini/dia

música: repete.

Repetição das opções de garrafas em locais do serviço. Seu companheiro de serviço sempre bebendo uns goles também. Bebe sempre, inclusive durante o serviço.

Opções: * copos plásticos da Coca-Cola.

* Bonés,camisas,calendários, etc… com a marca Coca-Cola.

Seq. 03 – Locais de lazer/dia

música: repete.

Repetições de opções de garrafas agora em locais de lazer da personagem.

OpÇões: * praça CNEC.

* Bar montado no prédio Apollo.

* praça central de Palmitos.

* piscinas da ilha redonda.

Seq. 04 – Casa Baiestorf/dia

música:

Close numa latinha de Coca-Cola sendo aberta. Santiago dá um gole sentado no sofá na frente da TV que exibia o filme “The Incredible Melting Man”.

Sente uma pústula de pus na cara (maquiadores definam o local), vermelha, irritada. Santiago começa coça-la. Quando sua empregada-faxineira lhe traz nova lata de Coca-cola.

EMPREGADA: É melhor o senhor não coçar isso aí, vai que vira em ferida!

SANTIAGO S.P. : Vou passar alguma coisa!

Levanta-se e sai fora, carregando a latinha de Coca-Cola.

Seq. 05 – Casa Baiestorf/dia

música:

Santiago entra no banheiro, bebe um gole de coca-cola e mexe com os dedos na pústula.

Aperta pensando ser uma espinha e faz a meleca interior respinga para longe.

Fica surpresso com o buraco pútrido que fica em sua testa.

Percebe novas pústulas em seu corpo.

De sua testa continua vazando gosmas malcheirosas.

Pega curativos e sai do banheiro.

Seq. 06 – Casa Baiestorf/dia

música:

Na cozinha a empregada lavava louça.

Santiago chega com curativos na mão.

SANTIAGO S.P.: Acho que é um berne!

EMPREGADA: Que coisa nojenta seu Santiago!… Vou fazer o curativo, mas não sou paga prá essas nojeiras!

Faz o curativo enquando seu braço fica próximo ao nariz de Santiago, que o cheira e num impulso primata lambe-o.

A empregada olha prá ele.

EMPREGADA: Seu Santiago… Hoje não tô a fim de sacanagens!!!

Santiago lambe e pega-a pela mão e morde furiosamente.

Sangue respingando no chão. Grito da empregada. Tombo da empregada. Facada no peito da empregada que tem suas miudezas retiradas de seu peito diretamente à boca de Santiago.

Gore básico.

Seq. 07 – créditos iniciais.

música:

CANIBAL FILMES

apresenta

 um filme de Petter Baiestorf.

 Seq. 08 – animação por computador.

música: repete.

Cara bebendo uma Coca-Cola, após bebe-la derrete formando o título do filme:

 MELECA

Seq. 09 – créditos iniciais.

música: repete.

Elenco:

Equipe-Técnica principal.

Seq. 10 – Ruas do interior de Palmitos que vai para Linha do Sr. Andrade/dia.

música: “número 19” (The Fugs) (?)

Rapaz está fugindo, já ferido com pústulas de pus iguais as de Santiago S.P., de João Travado (sujeito adulto, de óculos escuro, terno, barba por fazer) que leva em suas mãos um revólver.

Pelas plantações o rapaz em fuga ia tropeçando.

João Travado para ao lado da estrada, fica olhando-o correr.

Rapaz fugitivo entra na mata e após alguns minutos correndo para perto de arbustos, d’onde surge um ser quase mutante chamado FREAKY (mão esquerda possuí um facão, barba estilo caipiras americanos, roupa portando um colete de latas de coca-cola) que o sufoca com as mãos.

Rapaz cai ao chão morto.

João travado chega e descarrega seu revólver no morto. Depois pega um pedaço de pau e bate mais sobre o morto enquanto Freaky pica-o com sua mão facão. Depois uma motoserra e picam o defunto (vísceras animais espalhadas por todos os lados), depois pegam um moedor de carne e moem toda a carne do infeliz fazendo um amontoado pegajoso, depois jogam gasolina sobre o defunto capturado e tacam fogo.

Enquanto o infeliz queima os dois gargalham de prazer.

Pegam as cinzas numa latinha de cerveja que Freaky bebeu durante o fogo.

Seq. 11 – casa Baiestorf/dia

música:

Santiago Segura Pinto terminando de comer as vísceras da empregada. Closes em seus dentes mordendo as vísceras.

Ao que percebe o que estava fazendo.

Nota que suas mãos estavam gelatinosas.

Levanta-se e vai ao banheiro.

Seq. 12 – casa baiestorf/banheiro/dia

música:

Em frente ao espelho da pia percebe sua carne gelatinosa.

Enfaixa suas mãos e rosto e, após colocar uma jaqueta, sai do banheiro.

Câmera acompanhando-o sair do banheiro, passando pela sala, saindo pela porta, tomando um elevador,

Porta se fecha e a câmera fica registrando os números dos andares até chegar ao térreo.

Seq. 13 – Auto peças Bola/escritório/dia

música:

Os agentes entram em seu escritório.

Depositam as cinzas num cofre onde haviam outros recipientes com cinzas.

Sobre a mesa estava uma fita VHS. Colocam a fita num vídeo. Close da VHS dentro do vídeo funcionando.

Palestra do Dr. Marins começa na tela da TV.

< Dr. Marins falando >

< montar isto depois >

Na fita, uma voz anuncia que dentro de dez segundos a fita se destruirá. Os agentes ficam afobados, retiram-na com presa de dentro do vídeo cassete e com um martelo Freaky quebra-a histericamente.

Desligam a TV e sentam em seus sofás e cadeiras.

FREAKY: É bom que continue dando efeitos colaterais, assim teremos nosso emprego assegurado por um bom tempo TRAVADO: Isso mesmo… E com licença para matarmos!!!

FREAKY: Manter a ordem e os bons costumes, este é meu lema!

Seq. 14 – Rua/externa do Posto de Saúde/dia

música:

Câmera rente ao chão segue uma trilha de gosma pingada (podemos incluir uma orelha ?) até levantar e revelar que Santiago Segura Pinto estava caminhando pela rua entre meio aos pedestres.

Se dirige ao Posto de Saúde.

Seq. 15 – Consultório de Gabriel/dia

música:

Sala de espera abarrotada de pacientes.

Santiago entra e precisa esperar por algum tempo.

Além das vítimas habituais colocar um personagem com fratura exposta (braço quebrado com osso aparecendo) que conta para Santiago que foi atacado por um monstro verde do espaço.

PERSONAGEM 01: Sei lá o que aconteceu… Só sei que fui atacado por trás por um monstro verde, era um monstro legume…Ou vegetal…Ou algo assim do tipo hortaliças e o puto me arrebentou o braço…

Nisso a enfermeira chama Santiago. Que levanta-se e entra no consultório.

Seq. 16 – Auto-peças do Bola/dia

música: Han Bennink And ICP Orchestra (número 8)

Agentes descansando.

Freaky faz um casaquinho de lã usando um óculos para melhor enxergar, com as mangas de sua camisa arregaçadas revelando uma estranhas feridas.

Travado fumava um baseado, tira sua camisa revelando várias feridas em suas costas.

FREAKY: Tem algo estranho com estes caras derretidos… Acho que eles são radioativos!!!

TRAVADO: É… Também tô achando isso… (depois de um tempinho)… O que é radioativo???

Seq. 17 – Consultório Gabriel/dia

música:

Médico examina Santiago. Não fala muito, apenas resmunga consigo próprio.

MÉDICO: Acomode-o num quarto!!!

Após a enfermeira sair com Santiago Segura Pinto, o médico pega o telefone e liga para os agentes.

MÉDICO: Alô… Freaky???… Encontrei mais um viciado… Gostaria de tê-los por perto enquanto realizo alguns testes neste rapaz… Ele me pareceu mais consciente do que os outros… Certo!!! Certo… Tchau!!!

E desliga o telefone. Fica sentado em sua mesa pensativo.

Até que faz uma carreira de cocaína e dá uma fungadinha, sabe como é, pro dia ser mais hilário…

Seq. 18 – Auto-peças Bola/dia

Música: Julius Fucik (número 18 – grandes clássicos) “Marcha De Florencia”

Os agentes se vestem por vários ângulos, ajeitam suas armas, pareciam cansados com sua atividade, mas o dever os chamava pela milésima vez naquele mês.

Seq. 19 – quarto do hospital/dia

música:

Numa cama Santiago estava deitado, totalmente enfaixado (como no Incrível Homem Que Derreteu), com soro no braço.

Seq. 20  – Consultório Gabriel/dia

Música:

Médico conversando com os agentes.

MÉDICO: Este viciado me parece diferente dos outros, vou testar uma nova vacina nele para tentar reverter a situação… Qualquer progresso eu chamarei vocês, ok?

FREAKY: Certo Doutor… Só me responda uma pergunta:  Estes caras derretidos são radioativos, certo?

MÉDICO: Sim Freaky… Você e Travado estão tendo contato direto com radiação celular que se expande juntamente das gosmas carnículas desprendidas do corpo dos viciados…

Close nos rostos dos três personagens. Alguns segundos de silêncio.

FREAKY: Nós… Nós vamos morrer?

MÉDICO: Não fale bobagem Freaky, você está ficando sentimental… O que foi?… arranjou uma namorada nova?

FREAKY: Não, só que sou muito novo para morrer!!!

MÉDICO: Não se preocupe tanto, este tipo de radiação que se expande juntamente das gosmas carnículas tem cura, não é um câncer qualquer… (e o médico pega um pacote de hóstias dentro da gaveta) … Basta comerem três vezes ao dia estas hóstias sagradas pelo santo padre de roma para que os sintomas desapareçam ao final desta missão…

FREAKY: Obrigado Doutor!!!

MÉDICO: Não precisa me agradecer, agora vão que os chamarei quando for necessário!!!

Seq. 21 – Rua/externa do posto de saúde/noite

música:

Ângulo externo do posto de saúde a noite.

Seq. 22 – Quarto de hospital/noite

música:

Santiago se levanta e se olha num espelho. Fica revoltado ao retirar as bandagens e perceber que estava começando a derreter.

A enfermeira entra e ao vê-lo deixar cair sua bandeja com apetrechos hospitalares e sai correndo.

Santiago vai atrás dela.

Seq. 23 – Corredor de algo parecido com hospital/noite.

Música:

Enfermeira correndo em câmera lenta.

Visão do Santiago com suas mãos derretidas em primeiro plano.

Enfermeira arrebenta uma porta (?) e corre no estacionamento, onde é mutilada por Santiago, que a mutila com as mãos, remexendo seu estômago, arrebentando um de seus braços e abrindo-a para devorar seus deliciosos órgãos vitais internos.

Closes de tela cheia nas vísceras.

Closes de tela cheia em Santiago devorando os órgãos sangrentos.

Closes em melecas que caem ao chão.

Vísceras pisadas pelo Santiago.

Após se banquetear com a carne da enfermeira, Santiago pega o braço decepado e num único golpe enfia-o no rabo dela.

Caminhar com câmera num travelling humorístico se afastando do cadáver da enfermeira com o braço hilário saindo do rabo da enfermeira, como se fosse uma fina flor nascendo num estacionamento perdido num deserto de vazios existênciais.

(tranformar em uma mutilação completamente absurda e exagerada).

SEGUNDO ROTEIRO:

MELECA

roteiro de Petter Baiestorf

baseado em argumento de

Petter Baiestorf & Coffin Souza.

CANIBAL FILMES

apresenta

 01- noite

Sangue respinga contra algo meio branco.

Close numa cabeça detonada com sangue jorrando e algumas tripas vazando do estômago.

As tripas borbulhavam num vermelho escuro macabro de tão aproximado que está na tela.

Plano aberto revelando dois agentes. Seguram armas estranhas e possuem figurino fodão.

COFFIN: Será que ele está morto?

SÃO FODAS: Certifique-se disso!!!

Coffin mutila o corpo já morto fazendo tripas e mais sangue respingar para todos os lados, num banho de sangue repleto de ângulos tortuosos de câmera não parada, sempre na mão, ângulo com filmadora rente ao chão com tripas caindo contra ela até obstruir por completo a visão.

Fazer com a filmadora permaneça ali parada com uma montanha de tripas em tela cheia, para ouvir o diálogo:

COFFIN: Será que ele está morto?

SÃO FODAS: Acho que sim !!!

COFFIN: Então vamos… Hoje tem o último capítulo da novela das oito e não quero perder…

Passos são escutados, por detrás das tripas o espectador percebe que os agentes estão se afastando.

02 – dia. (rio Uruguai-rancho baiestorf).

Close em na boca de Schütz que está bebendo uma garrafa de 2 litros de coca-cola, câmera se afasta revelando sua sede por alimentos industrializados.

Schütz estava fazendo um piquenique com sua noiva que ainda não aparece.

De sua testa estava vertendo algo parecido com uma meleca pustulenta. Vai até o espelho de seu carro e aperta a ferida fazendo respingar uma gosma contra o espelho de modo exagerado. Verte gosmeira prá tudo que é lado, inclusive sobre uma fatia de pão que estava sobre uma toalha xadrez de pik nik no banco do carroneiro.

Schütz se levanta e sai em direção ao rio.

SCHÜTZ: Bela, Bela… Tira essa espinha nojenta da minha testa!!!

Bela sai de bikini das águas poluídas do Rio Uruguai. Caminha até Schütz e olha com nojo prá ferida melequenta. Espreme a ferida e respinga contra seu corpo, em jorros generosos e melequentos.

BELA: Aí, que nojo!!!… Você é um porco!!!

E dá-lhe um tapa na cara.

BELA: E acabou tudo entre a gente, não vou ficar saindo com um leproso sem educação…

SCHÜTZ: Mas o que é que eu fiz?

Fica parado com meleca vertendo de sua testa.

Bela senta-se no carro onde coloca uma camiseta branca (fica de bikini por baixo) e pega a fatia de pão levando-a boca e mastigando-a de maneira gulosa.

BELA: E vou embora de a pé… Adeus!!!

E sai caminhando determinada a ir embora.

Close em Schütz com sua cara surpresa, com meleca escorrendo por entre seu rosto.

Pega um pacote de Doritos da Elma Chips e come tristemente, bebericando mais coca-cola, diz;

SCHÜTZ: Sorte que tenho vocês que não me abandonam!!!

E abraça seus amiguinhos alimentícios industrializados numa demonstração de amor.

Respinga gosma contra a lente da filmadora ao se aproximar do rosto de Schütz.

03- dia

Agentes estão numa sala mal iluminada onde vemos seu chefe na penumbra, sem revelar nada de seu físico.

MASTER: Coffin, você e São Fodas deverão ir atrás de Schütz, outro elemento que começou a derreter… (entregando um envelope)… Aqui tem uma foto dele e de sua adorável noivinha…

COFFIN: Sim Master, Deixe essa divertida missão conosco, traremos os restos mortais deste viciado em alimentos industrializados para vosso delicioso projeto gastronômico intergaláctico magistral…

E os três gargalham de maneira clichê, tipo “dominarei o mundo”, após isso os dois agentes saem dali.

04- dia

Na floresta dos cogumelos saltitantes, Bela estava perdida.

BELA: Mas que merda, onde está aquela trilha… Schütz… Schütz… (chama por seu amado gritando).

Uma mão decomposta entra no plano da filmadora sendo colocada na árvore que está em primeiro plano no canto esquerdo da tela, com Bela ao fundo em segundo plano.

Bela se vira de frente para a filmadora e detrás da árvore surge Schütz derretido em boa parte de seu corpo visível.

Pega em Bela que se vira gritando e ao perceber que era ele, dá-lhe um tapa no rosto e grita:

BELA: Não me assuste mais, seu idiota!!!

Schütz desnorteado fica olhando-a e aí tenta mordê-la, leva um novo tapa no rosto.

BELA: O que é que tu tá fazendo, palhaço!!!

SCHÜTZ: Não sei… O cheiro da tua carne é delicioso, tenho vontade de comê-la… (e aí morde a BELA, arrancando um naco de carne)…

Ela empurra-o e ele rasga sua camiseta banca. Ela sai correndo e ele atrás.

05 – Dia – frente a sub-estação.

Garotona caminha em frente a sub-estação de Palmitos. Música estúpida com ângulos engraçados.

Revelar Coffin & São Fodas olhando para uma foto de Schütz.

COFFIN: Acho que é nosso infectadado… (diz isso com um sorriso debochado no rosto).

SÃO FODAS: É, sem sombra de dúvida é ele!!!

E os dois vão até lá e matam a mulher com requintes de crueldade. Preparar baldes e baldes de sangue e vísceras.

Após detonarem a vítima, Coffin mexe nos bolsos da vítima (antes retiram relógio de pulso, corrente, dinheiro, etc…) e pegando a carteira olha os documentos.

COFFIN: Nossa, não é ela…

SÃO FODAS: Que droga né, isso quer dizer que temos que nos livrar do corpo…

Ambos se entre-olham e cada um pega um naco de carne da gorda e começam a come-la alucinados. Câmera nervosa, closes nos dentes, gosmas ensangüentadas, etc…

06- Dia

Schütz perseguindo sua noiva, que cai num barranco e é morta por estacas pontiagudas, várias delas que respingam sangue por todos os lados.

Schütz morde-lhe o pescoço arrancando um pedaço de carne, mas ao mastigar percebe o que está fazendo e começa a chorar se lamentando de ter matado-a.

Retira-a dali e sai carregando o corpo de sua noiva.

07- Dia

Coffin & São Fodas terminavam de devorar o cadáver da mulher, quando um colono carregando uma enchada chega até eles.

COLONO: O que vocês estão fazendo aqui?

São Fodas atira no colono abrindo-lhe um buraco no peito. O Colono cai morto.

Ambos vão até no corpo e mexem nos bolsos, tirando as coisas de valor.

COFFIN: E esse cara também não é o Schütz!!!

SÃO FODAS: É, não é não!!!

COFFIN: (após olhar as horas no relógio do colono) … São seis da tarde, acabou o expediente porque logo vai escurecer e não gosto de fazer horas extras, amanhã a gente continua as buscas ao viciadinho em comida industrial…

08- Noite – frente a casa no rancho baiestorf.

Close nos olhos melequentos de Schütz.

De cima de um andaime revelar um cenário surreal com uma cama de solteiro, em volta dela pequenas árvores secas e fumaça.

Sobre a cama estava o corpo de Bela, morto, sem vida, mas com feridas brilhantes cortesia dos pedaços de galhos pontiagudos malvados matadores de menininhas que fogem pela mata.

Schütz entra no ângulo (filmado de cima do andaime) e caminha até perto da cama.

Deita-se ao lado de sua noiva morta.

Fumaça. Ângulos entre os galhos secos, close em Schütz, em seus olhos que ainda permaneciam um pouco humanos.

THE FLASHBACK:

09- (praça).

Schütz vestido de mendigo remexendo lixo numa praça pública, quando chega Bela. Olhares clichês do tipo “eu te amo para sempre neste filme” e ambos saem abraçados tipo “encontrei meu amor eterno”.

(casa baiestorf – cozinha)

Em casa, Schütz ainda vestido de mendigo, com uma banana saindo das calças, Bela agarra-a e sorri para ele que sorri de prazer.

(casa baiestorf – sacada da sala)

Schütz de banho tomado, cabelo penteado, comendo uma torta que Bela lhe dava com colherzinha.

(casa baiestorf – cama rick)

Bela deitada com Schütz tirando o chinelo dela e beijando as pernas, do pé em direção a coxa.

Pedir para Kika trazer várias roupas sexys para estes takes.

10 – Noite – frente a casa do rancho baiestorf

Fim do flashback.

Rosto de Schütz coladinho ao de Bela, ao afastar sua face da dela, uma gosmeira fica no lindo rostinho.

Câmera do alto do andaime revelando o cenário estranho.

Schütz beija sua noiva morta na boca.

Câmera na mão andando em volta da cama enquanto Schütz beija-a.

11- Dia – SALA CASA Baiestorf (tela dividida com seq. 12 – edição)

Close numa tela de TV que exibia cenas XXX.

Rapaz batia uma punheta em frente o televisor.

Vários ângulos para ter material para edição.

Ainda batendo punheta, Rapaz caminha até a sacada de sua casa onde tem um orgasmo com a cidade de fundo.

* Durante esta seqüência, deixar apenas gemidos de vagabas XXX).

12- rua einloff 38 (editar com tela dividida)

Diabo, Ivan, Com sua vestimenta bizarra e uma estrela de xerife (ou distintivo) no peito, olhando para cima, quando uma estranha gosma cai em seu rosto.

Segue caminhando (de baixo para cima) até virar a esquina…

13- subestação

Diabo, Ivan, caminhando perto da estação onde outros 2 detetives engravatados olhavam os corpos mutilados da mulher e do colono.

Diabo ergue o pano que cobria o rosto do colono.

Depois o pano que cobria a mulher e ao vê-la ele se levanta estranho.

DIABO: É minha irmazinha…

Close na mulher. Câmera se aproxima de Diabo, o detetive pohlinizado.

DIABO: … Vou matar todos os suspeitos que cruzarem meu caminho, o caos tomará conta do mundo, nada mais será como antes… (e gargalha sadicamente, tipo cientista louco) e sai dali caminhando em frente, para dentro do mato.

Os dois detetives se entreolham.

DETETIVE 01: O Diabo tá chapado… Ele nem tem irmã !!!

DETETIVE 02: Será que ele tem um baseado… (ao falar isso os dois saem atrás dele)…

E a Câmera desce até dentro das vísceras de uma das vítimas.

*** Dentro das vísceras colocar um papel onde se lê em letras garrafais:

CANIBAL FILMES

– apresenta –

14- créditos iniciais

M E L E C A

15- Dia – pátio do rancho baiestorf

*** Coffin e São Fodas estão parados (PM deles). Coffin bate palmas, igual quando se mata um mosquito com as mãos.

Close nas palmas das mãos de Coffin se abrindo, onde se lia num papel:

um filme de

PETTER BAIESTORF

Revelar que estão em frente a noiva de Schütz morta, mutilada e tal.

Coffin atende um celular…

Enquanto Coffin fica dizendo coisas do tipo “Sim, sim… Claro Master… Sim, entendido…Sim, tudo sob controle, etc…” … São Fodas Prepara uma dose de heroína e se injeta no pescoço (ou dentro da boca,  embaixo da língua, decidir com técnicos de fx).

Coffin desliga.

COFFIN: Schütz foi para o norte, o Master está rasteando-o com a ajuda dos militares de Brasília… Só temos um problema: Diablo, aquele policial louco da Federal se meteu no caso… Temos que tentar fazer aquela mula nos ajudar sem que perceba nada !!!

Câmera se aproxima dos dois, roda ao redor dos dois e baixa até os restos mortais de Bela dando seu adeus ao tão belo cadáver putrefacto.

16- Dia

Schütz encontra uma garota vendendo uma árvore de natal, mata-a (elaborar a forma com técnicos FX).

Árvore cai ao chão enquanto sangue e vísceras a decoram de forma fantasticamente gore-splatter.

Diabo chega ao local deste assassinato dando o flagrante.

Schütz e Diabo lutam e Schütz detona Diabo enfiando-lhe a árvore de Natal no rabo.

Schütz se manda sem devorar ninguém.

Diabo se levanta capengando com a árvore enfiada no rabo, sangue denso vertia das nádegas com alguns pedaços de tripas que ficavam penduradas pelas pernas.

17- Dia

Coffin e São Fodas encontram diabo ferido com a árvore enfiada na bunda. Arrancam-na de sua bunda fazendo com que respingue um absurdo muito grande de sangue.

DIABO: Mataram minha irmã… Preciso de vocês para pegar este tarado!!!

COFFIN:  Claro, também estamos atrás desta aberração… Vamos unir forças e extermina-lo!!!

Diabo vai seguindo em frente, Coffin cochicha baixinho para seu colega:

COFFIN: Vamos nos aproveitar deste maluco!!!

18- Dia/ mato

Schütz ataca os dois detetives que bebiam coca-cola no meio do mato. Elaborar uma sangueira de primeira grandeza (ver com fx man).

Após mata-los, devora alguns pedaços de carne humana com generosos goles de coca-cola.

19- dia/ Mato

Schütz se empanturrava com a carne dos detetives quando Coffin, São Fodas e Diabo aparecem por trás.

Montar um clima de faroeste italiano em tom de farsa. Enriquecer com vários closes e uma montagem dinâmica e música hipnótica para duelos fakes. Schütz pega uma arma dos detetives, lógico!!!

CLIMA, CLIMA, CLIMA…

Silêncio, nervosismo…

Sem diálogos…

São Fodas Saca um baseado e acende neste clima todo. E traga prazeirosamente.

O duelo é feito ao modo antigo.

E o resultado ? … O RESULTADO: Coffin é morto com um balaço na cabeça ! Diabo cai ao chão baleado quase que mortalmente no Saco Escrotal ! E São Fodas nada percebe, pois a maconha era da boa !!!

Schütz se aproxima do grupo pós o duelo e São Fodas lhe alcança o baseado que ele pega e traga majestosamente com um prazer gotejante. Diabo fuçava em sua ferida no saco para retirar a bala.

Schütz vai embora com o baseado,

São Fodas acende outro baseado,

Diabo arranca a bala do saco se contorcendo de dor.

20 – dia/ Pátio de festas do Rancho.

Close em um balde de tinta com as mãos de um artista de vanguarda se sujando todo de tinta, totalmente colorido. Ao fazer o plano aberto, revelar um artista se sujando de tinta defronte à um pano branco estendido no chão com vários outros sentando a sua volta tocando violão e bongôs.

Ele se atira sobre o pano branco criando arte. ARTE NÃO COMERCIAL!!!

E todos festejam de modo histérico uma volta a condição de primatas não pensantes.

O quadro fica pronto e é levado pelos festeiros até perto de umas árvores.

Câmera correndo junto deles, entre meio, loucura, sons, barulhos…

Junto a mesa, o artista discursa:

VANGUARDEIRO: A arte escapa do meu inconsciente como um peido alado que escapa de meu cu!!!

VANGUARDEIRO: A arte está acabada… Morte à arte antes que seja tarde demais!!!

E gritando como índios estendem o pano e o encharcam de gasolina e tacam fogo. Tudo se queima. Quem guardou a obra na cabeça preencheu um pouco do seu vazio existencial, já quem não memorizou não perdeu nada.

VANGUARDEIROS: Mate a arte antes que o curador apareça com um cheque polpudo!!!

VANGUARDEIROS: Vamos comer a arte comercial!!!

VANGUARDEIROS: Canibalizar, Canibalizar, Canibalizar a arte!!!

E servem um banquete com DVD’s comerciais (filmes de Hollywood), fitas VHS de grandes filmes, livros de grandes autores de best-sellers, revistas estúpidas, CD’s, etc…

Mostrar os artistas comendo tudo, devorrando a arte que devorra  nossos cérebros…

21- dia

Vanguardeiros estavam fazendo a sesta, alguns bebiam chimarrão, alguns dormiam em redes, alguns bebiam vinho do gargalo da garrafa, alguns escreviam poemas em pedaços de papel usado, etc…

Schütz aparece para eles no horizonte.

VANGUARDEIRO: Pelo amor do acaso, este homem é uma criatura derretida, olhem as formas dadaístas orgânicas dele…

Todos se levantam cercando Schütz admirados com sua forma derretida.

Schütz num gesto amistoso alcança o baseado para um artista que pega-o e fuma.

VANGUARDEIRO: Estamos diante da evolução humana, quando as mãos do artista conseguirão domar a podridão da carne para criar novas formas para o corpo humano…

VANGUARDEIRO: Conte-nos o segredo mestre do sonho amorfo…

VANGUARDEIRO: Mostre-nos o caminho sagrado ao cogumelo perfeito que revelará para nós os métodos de criação sem limites formais e morais…

VANGUARDEIRO: Mostre Mestre, mostre mestre, mostre mestre…

E um vanguardeiro trás um corpo podre sobre uma mesa.

Câmera se aproxima do corpo podre, autopsiado, putrefacto e uma cruz cristã se levanta de seu interior… E depois mais outra e mais outra e mais outra criando um jardim cristão putrefacto que todos olham admirados e gritam:

VANGUARDEIROS: Mostre-nos o caminho mestre!!! (e ficam repetindo isso enquanto a câmera se afasta).

22- anoitecer

São Fodas e diabo sentados num local deserto com o sol se pondo às suas costas. Carregavam suas armas.

São Fodas espalha uma carreira de cocaína e cheira. Diabo também faz uso da substância.

Se levantam fazendo pose de atores de filmes de ação pronto para matar todos os seres do planeta…

23- noite/ Rancho/ Trovões e chuva.

Artistas bebiam com Schütz na chuva, estavam festejando a chegada do messias dadaísta…

VANGUARDEIROS: Com a chegada do Mestre, Messias do Caos, a criatura iluminada, sentimos que é o momento de criarmos a zona autônoma de Kanibaru onde todos serão iguais e criarão obras-primas que durarão segundos…

Close numa espingarda que dispara.

O vanguardeiro que falava tem sua cabeça arrebentada e cai morto.

Cria-se o caos com gente para todos os lados, tiroteio, mortos ensanguentados, perdendo tripas com simples tiros e chuva e raios e trovões e cãmera nervosa no meio de todos…

Todos vão sendo mortos, Diabo leva uns balaços e cai morto, sendo mutilado por um vaguardeiro de facão numa cena gore extrema…

Schütz ataca São Fodas que também é arrebentado, revelando seu sangue de cor VERDE ESCURO.

Todos os Vanguardeiros estão mortos, a verdadeira arte nem teve tempo de nascer.

Barros e lama, alguns se arrastando pelo chão, Schütz caminha embora,etc…

Bolar muita coisa de improvisso na hora. COMBINAR os fxs possíveis antes…

24- Dia/ rancho

Galinhas comendo entre meio aos cadáveres sujos de sangue e vísceras exageradas. São Fodas se levanta e sai cambaleante.

Escolher uma música tocante climatica.

E ele caminha em direção a cidade (revelar a cidade ao fundo, filmar num dos morros perto de palmitos)

25- dia/

São Fodas entra numa sacristia onde um padre lhe abençoa. Eram conhecidos um do outro. O padre lhe aplica uma dose de heroína na veia e bebe uisque da garrafa rotando como o verdadeiro porco que sua profissão lhe obrigava a ser.

São Fodas fica melhor com a dose de heroína.

SÃO FODAS: Preciso ir até o Master!!!

PADRE: Sim, eu sei… O Master está te esperando…

26- dia (filmar a noite pelo clima)/oficina Copini.

São Fodas e o padre entram numa sala onde o Master estava sentado na penumbra (revelava somente metade de seu corpo) junto de engravatados, fumava um charuto que cada pouco se acendia no escuro, uma grande ponta vermelha.

MASTER: Sentem-se…

São Fodas e o padre sentam-se.

MASTER: Logo localizaremos o Schütz, o exército já está cuidando disso… O mais importante é que fechei negócios com mais fábricas de comida industrializada para infectarmos os humanos e com isso teremos papinha de terráqueos para nossos bebês por muito tempo… Nosso negócio de papinhas para bebês alienígenas  se tornará um monopólio imperial em todos os cantos do sistema solar… Sucesso absoluto do capitalismo neo-liberal…

Todos os engravatados aplaudem…

Um militar entra na sala.

MILITAR: Senhor Master, localizamos o Schütz no quadrante Souza…

MASTER: Ótimo, eu mesmo comandarei essa caçada, afinal, eu também quero me divertir…

Ao falar isso ele se levanta.

Música do THE CRAMPS – “Mojo Man From Mars” no áudio.

Câmera sobe até perto do peito, corte.

Câmera faz travelling da direita para esquerda até o peito, corte.

Câmera faz travelling da esquerda para direita até o peito, corte.

Câmera sobe da cintura até no rosto ainda na escuridão, aí Master dá um passo para a frente e revelar se um Monstro Legume de óculos escuro, que gargalha cafajestemente.

São Fodas se levanta também e retira sua máscara humana se revelando também um monstro legume do espaço sideral.

Ambos caminham contra a Câmera.

27- dia/escombros de pesagem em Maravilha.

Schütz estava derretendo nos escombros de uma construção sob sol forte perto da cidade de Maravilha.

Levanta-se derretendo e sai caminhando naquele labirinto de escombros, revelando um mosaico caótico.

Sai para fora da construção após caminhar pelos escombros internos revelando o solão insuportável.

Um carro para perto dele e os dois Monstros legumes saem do carro.

Novo duelo em homenagem ao cinema western spaghetti. Criar todo clima clichês, desta vez com Schütz derrendo, pingando líquidos, etc…

Tiros…

Schütz cai morto.

28- dia/ pesagem Maravilha

Monstro colocam a carne de Schütz (que ainda derretia) numa lata com uma pazinha. Após isso vão embora deixando para trás partes impuras e roupas de Schütz (idéias FX Man ???).

Câmera rente ao chão, em primeiro plano os restos derretidos de Schütz, ao fundo o carro se afstando…

Fade-out???

29- Oficina copini

Carregando latas de carne derretida.

Master fiscalizando tudo.

Elaborar algo que talvez lembre uma porta de Espaçonave. Isopor, cola e criatividade…

30- ???

Espaçonave levando tudo ao planeta ML.

Elaborar ela saindo do planeta terra, etc…

Talvez com uma sequencia do punheteiro vendo a nave partir de sua sacada no Apolo???

Elaborar algo deste gênero.

31- dia/ Sala Baiestorf apollo.

Numa sala os ML + padre + engravatados + militar estavam assistindo Mojica falar sobre o quanto Coca-cola faz mal prá saúde.

Um publicitário entra na sala com uma fita VHS na mão. Diz ser o novo comercial que incentiva os humanos a comer mais o consumo de comida industrializada.

Fita no Vídeo. Close interno nas engrenagens dele funcionando.

32-

Sobre imagem de inúmeros rótulos de produtos multinacionais (principalmente comida e bebida) colocar um texto (bolar ainda) incentivando a comer estes produtos, como se fosse importante para sua sobrevivência.

33- Créditos gerais finais…

Música:

34- Rodar aqui mais um pedaço do filme, utilizando mais uma aventura do Monstro Legume, elaborar algo bem divertido e trasheira anos 50, tipo filme de MONSTERS. Filmar após concluir as filmagens anteriores do “Meleca”, para depois revelar que o filme não acabou com os créditos finais.

Fazer várias ligações complicadas com personagens que achamos estarem mortos, como Diablo (que não morreu) e outras supressas que revelarei no sermão da colina.

até mais velhino!!!

TERCEIRO ROTEIRO:

QUARTO ROTEIRO (oficial):

Cultura: Vide Bula

Posted in Anarquismo, Arte e Cultura, Literatura with tags , , , , , , , , , , , , , , , , on maio 6, 2012 by canibuk

CULTURA

Uso Geral.

COMPOSIÇÃO:

Cada dose de Cultura pode conter:

Leituras Diversas e Instigantes………………………………………..500mg

Música, Cinema, Vídeo, Teatro, Folclore, Artes em geral………250mg

Excipientes: Criatividade, Informação, Dúvidas, Pesquisas, Ceticismo, Auto-Crítica, Subversão, Contestação, Conversas Produtivas e Diversão.

INFORMAÇÕES AO PACIENTE:

Cultura é uma formulação antiemburrecedora, antiidiótica e analgésica para uso geral e indiscriminado, a eficácia da terapêutica depende da regularidade do uso e dosagens do medicamento.

CUIDADOS DE ARMAZENAGEM:

Conserve o produto em local público e de fácil acesso, evitando no entanto sua manipulação pelos poderes constituídos, capital exploratório, organismos religiosos e militares. Somente o calor das idéias não é excessivo.

PRAZO DE VALIDADE:

Não existe prazo de validade para Cultura.

REAÇÕES ADVERSAS:

De um modo geral, Cultura é muito bem absorvido e tolerado e as reações são leves não representando problemas. As mais comumente observadas são: Insatisfação, Isolamento, Febre de Idéias, Hiperatividade Intelectual, Anticonvencionalismo, Transgressão, Anarquismo e Humor Mordaz.

ESTE MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO AO ALCANCE DAS CRIANÇAS.

Cultura é indicado para: Tratamento dos sinais e sintomas da burreortrite e idiotite mongolóide; alívio da dor aguda da falta de criatividade; alívio dos sintomas de incompetência intelectualóide; também indicado na redução do ócio mental, preguiça cerebral e danos causados pela falta de leituras e informações precoces. Combate também com resultados satisfatórios a infobatização internetal aguda.

POSOLOGIA:

Adultos – Para burrice aguda e idiotice encefálica, altas doses de Cultura devem ser adaptadas para cada paciente. Estas doses podem ser administradas independentemente dos horários das refeições, lazer, sono e sexo.

Idosos – Não há necessidade de ajuste das doses.

Uso Pediátrico – É recomendada boa dose de Cultura em indivíduos abaixo de 18 anos de idade, que será bem absorvida quando empregada concomitantemente com diversão e bom humor.

SUPERDOSAGEM:

Os pacientes devem ser tratados com doses de distração, passeios aleatórios, conversas irresponsáveis, brincadeiras desopilantes e sexo puro, descomprometido e radical.

SIGA CORRETAMENTE O MODO DE USAR; OCORRENDO REAÇÕES ADVERSAS IMPREVISÍVEIS, OS AMIGOS DEVEM SER NOTIFICADOS.

NÃO DESAPARECENDO OS SINTOMAS, PROCURE ORIENTAÇÃO SOBRE EUTANÁSIA.

Dr. Coffin Souza (Farmacêutico responsável – CRF-SC 5010).

2004, para Urtiga.

Deep Inside Annie Sprinkle

Posted in Arte Erótica, Cinema, Entrevista, erótico, Musas, Putaria, Sex Symbol with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on abril 25, 2012 by canibuk

Sou apaixonado pelo senso de humor de Annie Sprinkle, uma estrela pornô surgida nos anos de 1970, que também foi prostituta por opção e stripper por opção, depois virou diretora de filmes pornôs e documentários, apresentadora de TV a cabo, fotografa, editora de revista adulta, escritora e educadora sexual. Ou, como ela própria se apresenta no Annie Sprinkle Org(asm), seu site: “Sou uma artista, sexóloga ecosexual, escritora, palestrante, educadora e atriz dramática. Também já fui uma trabalhadora do sexo, uma diretora/performer pioneira do filme adulto e fotografa profissional. Sou a primeira estrela pornô a tirar um Ph.D., meu trabalho é estudado nas grandes universidades, mostrei-o nos melhores museus e galerias – E ainda estou firme e forte!”. E você, arauto da moralidade e dos bons costumes, já fez metade disto tudo? Sexo é saudável, sexo como pecado é apenas uma criação das mentes sujas dos religiosos.

Nascida em 23 de julho de 1954, na Philadelphia, Pennsylvania, com o nome verdadeiro de Ellen F. Steinberg, lá pelos 18 anos de idade trabalhava na bilheteria de um cinema que exibia o, hoje, clássico pornô “Deep Throat” quando o filme foi apreendido pela polícia e ela acabou conhecendo o diretor Gerard Damiano, de quem se tornou amante. Em 1975 apareceu no obscuro “Wild Pussycats” (não confundir com “The Wild Pussycats/Kafti Ekdikisis” (1968) de Dimis Dadiras) e na seqüência em “Satan Was a Lady” (1975) da diretora cult Doris Wishman, usando o pseudônimo de Anny Sands (com este pseudônimo Sprinkle ainda fez “My Master My Love” (1975) de Ralph Ell). Em 1981, com ajuda do grande mestre Joseph W. Sarno, co-dirigiu seu melhor filme, “Deep Inside Annie Sprinkle”, onde ela aparece gulosa atrás de homens e litros de porra, tornando “Deep Inside…” a segunda maior bilheteria do pornô americano daquele ano. Na indústria adulta Sprinkle aceitava inúmeras participações especiais, é comum vê-la em cenas de orgia em filmes de produção mais caras, como “Pandora’s Mirror” (1981) de Shaun Costello e estrelado por Veronica Hart. Em 1992, já de olho nos novos rumos de sua carreira, aceitou um papel em “War is Menstrual Envy” do sempre experimental Nick Zedd (parceria repetida em 1999 no curta “Ecstasy in Entropy” e no vídeo “Electra Elf: The Beginning Parts One & Two” de 2005).

Considerada a primeira pornstar com Ph.D., Sprinkle realiza trabalhos irreverentes de educação sexual e sexologia. Uma de suas peças de teatro, “Public Cervix Announcement”, era um convite ao público para celebrar o corpo feminino, onde ela exibia seu colo do útero e as pessoas ganhavam um espéculo e uma lanterna para explorar suas profundezas viscerais.

Seu trabalho sobre sexualidade tem uma inclinação política, espiritual e artística (ela é uma espécie de Otto Mühel, só que mulher e inteligente). Com sua esposa e colaboradora Beth Stephens criou seu “Love Art Laboratory”, que consistia em realizar um casamento experimental por ano, com tema e cores diferentes, assim, Annie e Beth, se casaram 15 vezes, com onze temas ecosexuais que variaram de “terra”, “céu”, “mar”, “lua”, “sol” até “montanhas apalaches”.

Sprinkle é uma defensora da prostituição como carreira profissional (além de atriz pornô, ela foi prostituta entre 1973 e 1993), com carteira de trabalho e direitos trabalhistas às profissionais do sexo. Sua palestra chamada “My Life and Work as a Feminist Porn Activist, Radical Sex Educator, and Ecosexual”, defende seus pontos de vista sobre a sexualidade humana, liberdade sexual e individual e instiga as mulheres à se tornarem independentes. Ela apresenta essa palestra em várias faculdades e universidades dos USA e Europa (fica a dica do Canibuk para que uma de nossas universidades traga Sprinkle ao Brasil). Junto destas palestras ela realiza a “Free Sidewalk Sex Clinics”, onde oferece educação sexual livre aos passantes nas calçadas, usando este espaço público para se falar livremente de sexo.

Segue uma combinação de entrevistas com Annie Sprinkle:

De que forma você considera o seu trabalho feminista?

Sprinkle: Eu acho que é feminista, porque eu falo sobre minha vida de vários jeitos de forma aberta e honesta. É também uma declaração feminista contra a juventude do mundo, orientando para desfrutar do sexo como uma mulher mais velha, mesmo quando ampliadas.

Como você vê as suas experiências no passado agora?

Sprinkle: Eu sinto que o que eu fiz foi uma parte importante de quem eu sou agora. Assumo total responsabilidade por todas as coisas estúpidas que eu fiz. Eu sempre sai vencedora. Nunca me sinto como uma vítima. E eu tenho tido muita sorte, eu me livrei de muitas situações ruins onde não pegar Aids foi um milagre. Mas eu sempre acho que eu aprendo alguma coisa com cada experiência ruim. Então, se você aprende, você ganha. Mas como eu disse, eu tive sorte. Nada realmente ruim aconteceu. Algumas mulheres são vítimas de crimes terríveis.

Quais são os aspectos importantes de seu trabalho?

Sprinkle: Para mim, meu trabalho é apenas sobre a verdade. O que está acontecendo na minha vida e com outras pessoas. O sexo não é sempre essa coisa ideal de fazer amor bonito. É muito complexo e as pessoas são estranhas. As pessoas têm todos os tipos de  fantasias estranhas e desejos incomuns. Meu programa exibe toda a variedade e diferentes aspectos. Sexo é tão diverso. Não há esse ideal. A maioria das pessoas tem uma natureza animal, eles têm todo o tipo de fantasias, até mesmo politicamente incorretas e fantasias onde estão fazendo um monte de coisas estranhas. Isso é normal. As pessoas pensam em casar, ter filhos e viver felizes para sempre, mas às vezes há complicações, as vezes não temos sexo ou fazer sexo se torna mais difícil ou desconfortável. As pessoas passam todos os tipos de coisas, mesmo em um bom relacionamento. É a mesma coisa com o sexo, é mais complicado.

Como você trabalha? Há intercâmbio com outras mulheres e feministas?

Sprinkle: Quando eu venho a um teatro, eu converso com as pessoas. Principalmente as mulheres querem falar. Quando eu estou fazendo um show que eu gosto de ter alguma troca cultural.

Que tipo de pessoas vê seu show?

Sprinkle: O público é muito variado e diversificado. Existem tantos tipos diferentes de pessoas. Ele não atrai a equipa de futebol, esses vão para o clube de strip. Agora eu estou na capa de uma revista semanal (nota: uma revista popular nos EUA). E as pessoas diziam: Ooh, nós nunca tivemos na capa da revista semanal “. Eu digo: “Bem, você tem que mostrar suas tetas “. Eu sou completamente ciente disto – como falamos na conferência de imprensa sobre pornografia e arte.  Isso é mais interessante para muita gente.

 Quando foi o momento em sua vida quando você queria fazer outra coisa? Por que você quer trabalhar no campo da arte?

Sprinkle: Eu já passei por diferentes fases. Eu certamente estou farta da pornografia mainstream. E agora eu estou loucamente apaixonada escrevendo um livro e gostaria de ficar em casa no meu ninho de viagens. Às vezes eu gostaria de ganhar mais dinheiro e acho que talvez eu deveria ser mais comercial. Tentar seguir com a corrente na maior parte das vezes. Mas tudo está mudando, o tempo todo. As pessoas têm noções pré-concebidas ou idéias, há muito preconceito em relação às mulheres que são prostitutas ou na pornografia. É por isso que é interessante trazer isso para o mundo da arte, porque as pessoas no mundo da arte tem uma mente mais aberta. Você pode sugerir coisas e, em seguida, eles têm a inteligência para colocá-las em contexto. O mundo da arte é um lugar muito bom para explorar a sexualidade. Mas tem o risco de arruinar a sua carreira como artista – se tiver relações sexuais na sua arte. Embora tenha havido artistas que foram muito bem sucedidos e que têm relações sexuais em seu trabalho como Jeff Koons.

Você também fez um filme chamado “Linda/Les and Annie: The First Female-to-Male Transsexual Love Story“. Como é sua relação com as pessoas transexuais e do movimento gay?

Sprinkle: Eu amo as pessoas transexuais. Eu acho que elas são realmente especiais e mágicas e uma parte imortante da nossa cultura. Há muito preconceito contra eles, mas eu os adoro. Eu tive  amante fêmea-macho, amante macho-fêmea, amantes andróginos… Em São Francisco há tantas pessoas de todos os gêneros. Se você não é gay, você é estranho. Eu encorajo as pessoas a serem quem são e para serem abertos com seus amigos e familiares se puderem. É um bom momento para ser um transexual, melhor do que nunca. Mas eu gostaria mais se pessoas transgêneros não fizessem a cirurgia. Um monte de pessoas intersexo estão nascendo. Se possível, não deveriam fazer a cirurgia e aprender a se amar do jeito que são. Isso seria ótimo. Tanto faz o que são – é perfeito. Alguns deles têm que fazer uma cirurgia, não podem sustentar seus corpos. Um monte de fêmeas-machos não fizeram a cirurgia, porque é tão ruim. Eu acho que você pode ser um homem com uma buceta e uma mulher com um pênis – ou o que você quiser ser.

No seu trabalho você se concentra sobre a sexualidade das mulheres. O que você pensa sobre o seu trabalho ter sido acusado de reduzir as mulheres apenas a sexo?

Sprinkle: Os que se sentam no meu show não diriam isso. Não se trata só de  sexo. A mostra ilustra a complexidade e os diferentes aspectos do sexo. Acabei de contar a minha história. Minha vida tem sido toda sobre sexo na maioria das vezes. Se eu estou reduzindo-a a sexo isto é bom. Não tenho nenhum problema com a objetificação da mulher, se é bem intencionado. Se alguém está assistindo a uma stripper e apenas vê-la como um ser sexual, tudo bem. Porque eu vejo ser sexual como uma deusa! Para mim é uma sacerdotisa – uma boa stripper. Mas eu não quero estar andando na rua e algum cara dizer: ‘peitos bonitos ‘. Eu vou querer bater-lhe. Mas se for bem intencionado e apreciado ver uma mulher como um ser sexual, está tudo bem. Mas se ele é feito de uma forma que é detestável ou abusivo, então não está tudo bem. Nina Hartley (nota: Sex Performer) diz que o problema não é objetificação, mas que alguns homens precisam aprender boas maneiras.

Que recomendações você daria para as meninas e mulheres se fortalecerem?

Sprinkle: Eu encorajo as mulheres jovens a aprender o máximo que puderem sobre a sexualidade. Não tenha medo de cometer erros. As pessoas pensam que o sexo deve ser sempre esta grande coisa maravilhosa – e não é. Às vezes você tem experiências ruins – aprenda com elas. A maioria de nós tem que ter um monte de experiências diferentes para aprender. Ame-se acima de tudo. Pense em você como o seu próprio e melhor amante.

O que você gostaria de dizer para as mulheres que lidam com seus corpos?

Sprinkle: Conheça o seu corpo. Aprenda sua anatomia. Olhe para sua buceta, se você já não estiver olhando. Aprenda a amá-la e apreciá-la. Se você tem vergonha – acabe com ela. Tenha orgulho: pussypride. E masturbação é realmente importante!



Como você acha que a internet mudará a nossa vida sexual?

Sprinkle: Você pode realmente ver a diversidade sexual. Há tantos fetiches, informações e sites de arte. Há um bom livro e também um site que é o  www.deviantdesires.com, sobre todos os fetiches pesquisados por Katherine Gates. Existem todos os tipos de fetiches engraçados e interessantes, como pie-in-the-face ou pony girl. É incrível.

Na sua opinião, quais são as diferenças de pornografia feitos para/por mulheres comparando as feitas para/por homens?

Sprinkle: Durante muito tempo houve apenas um tipo de pornografia, mas agora existem diferentes ramos. Um monte de estudantes nas universidades agora estão explorando pornô em seu trabalho. É uma grande parte da cultura. Algumas mulheres fazem pornô para mulheres e casais e algumas mulheres fazem muito pornô misógino. Há alguns fazendo alguma coisa realmente boa como Candida Royalle,  SIR Vídeo – fazem pornôs  realmente bons em San Francisco. Há também Tristan Taormino, Joseph Kramer – uma educadora sexual gay, Carol Queen, Fatale Vídeo e Good Vibrations. Há tantas oportunidades para fazer algo diferente. Faça o seu próprio pornô!

Algumas pessoas culpam os males da cultura sobre a repressão do sexo. Se as pessoas realmente estavessem fazendo sexo e amando um ao outro, seríamos todos mais felizes.

Sprinkle: Se as pessoas tivessem mais orgasmos e soubessem como construir mais intensidade e energia sexual. Um monte de pessoas têm relações sexuais, mas isso realmente não significa muito. Eles não estão utilizando todo o seu potencial.
Como você ficou tão sexo-positiva em nossa cultura o sexo-negativa?
Sprinkle: Bem, a partir da experiência pessoal. Meus momentos eróticos, sensuais, sexuais e amorosos com um amante são os momentos mais felizes, bonitos, espirituais, resturadores que eu experimento na minha vida. Além disso, quando eu comecei a me prostituir não era tudo como se fosse um filme onde protitutas ou são assassinadas violentamente ou são salvas por um multimilionário onde você não vê a prostituta feliz, a mulher com poder fazendo um grande trabalho.

O que você quer dizer com “sacred slutism”?

Sprinkle: O segredo do sacred slutism (risos) é estar consciente do nosso lado sacana, o nosso lado animal, alimentando esse nosso lado, a mulher selvagem, a prostituta interna em todos nós.
A “prostituta interna” inclui homens e mulheres, presumo?
Sprinkle: Sim.

Quem são suas associações profissionais nestes dias? Todas as influências atuais?

Sprinkle: Meu guru principal é Linda Montano, que é uma artista performática. Ela tem sido minha professora durante sete anos. Mas minhas duas maiores influências agora são as minhas duas namoradas. Uma delas se chama Dancer Vision, de Mill Valley. Ela é muito tântrica e muito um curandeira. Ela faz massagem erótica e nós ensinamos juntas. Ela é muito maravilhosa. Na costa leste, eu tenho minha namorada Mary Dorman, que é advogada. Ela é uma amazona, uma lutadora, muito lésbica amazona feminista. Ela é ótima! Muito inspiradora. E eu estou aprendendo mais sobre o amor e intimidade. Tenho estado com as duas sexualmente por oito meses, e eu pretendo continuar nessa linha. Eu gosto de ser, no momento, muito mais exclusiva. Embora isso seja apenas fisicamente sexual; eu acho que você pode ter um momento sexual num dia com tudo e todos, e, certamente, em minhas apresentações eu tenho muitas experiências sexuais com meu público.
Você obteve algumas críticas da ala direita. Como você responde?
Sprinkle: Eu acho que eles tem realmente muito medo, eles estão com medo, e eles não entendem um monte de coisas sobre sua própria sexualidade e sobre a sexualidade das outras pessoas. Eu sinto um pouco de compaixão para com eles. Por mais que eu tente, eu não os odeio.
Fontes:  fibring.net, trechos de uma entrevista concedida em 2004.
Tradução de Leyla Buk.

Segue uma lista de filmes de filmes com Annie Sprinkle e algumas informações sobre essas produções:

Satan Was a Lady (1975) de Doris Wishman. Aqui com Sprinkle usando o nome Anny Sands. Uma dominatrix ganha uma grande soma de dinheiro de um cliente rico e passa boa parte de seu tempo com o namorado num clube de strip praticando sexo. Tudo isso com o padrão de qualidade Doris Wishman, freqüentemente chamada de “Ed Wood de Saias”. Os filmes de Wishman são únicos, seus grandes clássicos são os filmes “Deadly Weapons” (1973) e “Double Agent 73” (1974), ambos estrelados por Chesty Morgan; o semi-documentário “Let Me Die a Woman” (1978), sobre troca de sexo com uma operação explícita em closes bem sangrentos e “Bad Girls Go To Hell” (1965), um sexploitation proto-feminista. Doris Wishman começou a fazer cinema da forma mais inusitada possível: Após a morte de seu marido queria fazer algo para passar o tempo (e se possível ganhar algum dinheiro), pegou 10 mil dólares emprestados de sua irmã e realizou o nudie movie “Hideout in the Sun” (1960), seguido do hilário “Nude on the Moon” (1961, usando o pseudônimo de Anthony Brooks), sobre astronautas que vão prá Lua e descobrem que lá todos se divertem pelados. Neste período dos nudie movies fez ainda mais 6 filmes, incluindo “Blaze Starr Goes Nudist” (1962), estrelado pela lendária stripper e dançarina Blaze Starr. Com “The Amazing Transplant” (1970), ela começou a incorporar elementos do softcore em suas produções, misturando sexo ao cinema de gênero como policial e comédia. Para os fãs de horror recomendo uma assistida em “A Night to Dismember” (1983). Nos anos de 1990 os trashmaníacos (entre os quais me incluo) começaram a cultuá-la. Em 2001 ela refilmou “Satan Was a Lady” sem o sexo hardcore. Com Sprinkle ela ainda filmou “Come With me My Love” (1976), que tecnicamente é pavoroso. Doris faleceu dia 10 de agosto de 2002 deixando um legado de 30 filmes.

Blow Some My Way (1975) de Joe Davian. É um daqueles pornôs com edição bagunçada típico dos anos 70, um dos primeiros onde Ellen Steinberg usa o nome Annie Sprinkle, que aparece em algumas cenas fazendo deliciosos boquetes e transando em imagens mal filmadas. Aqui ela é uma modelo tentando vaga num comercial para famosa marca de cigarro que tem executivos tarados por sexo. É o primeiro filme do diretor Joe Davian, é um pornô ruim mas que merece ser visto pela Annie (talvez cópias melhores destes filmes melhorasse as produções também).

“French Shampoo” (1975) de Bill Milling. É uma paródia sexual ao lucrativo “Shampoo” (1975) de Hal Ashby, estrelado por Warren Beatty. Um magnata árabe trás sua esposa para um salão de tratamento em putarias ocidentais. Enquanto a esposa é preparada, o sheik e seu guarda-costas são servidos com sexo gostoso pelas putas taradas do estabelecimento. Annie Sprinkle é a pequena Mary que passa, literalmente, no teste de sofá para fazer parte do cast de putas de tão especial puteiro internacional. O diretor fez inúmeros pornôs usando o pseudônimo Dexter Eagle (além de Philip T. Drexler Jr., Craig Ashwood e outros nomes).

“Teenage Deviate” (1976) de Ralph Ell. Sprinkle faz uma adolescente chamada Ella que é introduzida no gostoso mundo do sexo. Ela participa de quase todas as cenas, de lesbianismo à orgias, passando por sexo com três gordos barbudos sebosos típicos dos pornôs dos anos 70. São pessoas reais transando com animação, físicos comuns bem diferentes dos atores/atrizes com padrão de plástico (chamo-os de “prástico girls”) da indústria pornográfica atual que tanto me broxa. O diretor Ralph Ell fez sete pornôs entre 1975 e 1976 (seis deles com Annie Sprinkle no elenco) e depois sumiu.

The Night of Submission (1976) de Joe Davian. Como uma Emmanuelle do sexo explícito, Sprinkle investiga os clubes de sadomasoquismo de New York e participa de ótimas cenas de sexo sujo, suado e melequento. Neste filme há uma ótima cena de sexo onde três homens ejaculam, um após o outro, na vagina de uma escrava sexual e depois tiram a porra com um copo. Visualmente escuro e agressivo, este filme tem um climão de perversão lindo (pena que Joe Davian nunca aprendeu como montar as cenas que filmava). Vanessa Del Rio faz parte do elenco.

Bang Bang You Got It! (1976) de Chuck Vincent. Essa comédia hardcore é hilária, criativa e muito bem filmada. São vários sketches envolvendo situações sexuais. O filme todo é uma boa paródia com o universo da TV, seus comerciais, programas de auditório e até re-inventa contos de fadas (aqui o lobo mau transa com uma peituda chapeuzinho vermelho interpretada pela gostosa C.J. Laing, que antes de virar atriz de filmes adultos havia sido groupie da banda The Grateful Dead). Chuck Vincent debocha de tudo e Annie aparece em uma rápida cena cômica fazendo boquete em um cara. Vincent fez mais de 50 pornôs, todos com grande qualidade técnica.

Unwilling Lovers (1977) de Zebedy Colt. Gosto muito do clima doentio deste filme. Rapaz perturbado pela mãe gosta de espionar seus vizinhos fazendo sexo, até o dia em que mata acidentalmente um casal e descobre as delícias da necrofília. Annie aparece no papel de uma prostituta que sofre violência física e depois é estuprada pelo degenerado. Zebedy Colt era um músico que virou ator pornô (atuou nos clássicos “The Story of Joanna” (1975) de Gerard Damiano e “Sex Wish” (1976) de Victor Milt) e depois dirigiu 8 filmes adultos, entre eles “Terri’s Revenge!” (1975), “The Farmer’s Daughters” (1976) e “The Devil Inside Her” (1977), também estrelado por Annie Sprinkle e que recomendo. Curiosidade: Em 1938, ainda criança, Zebedy aparece em cena no filme “The Adventures of Robin Hood” de Michael Curtiz e William Keighley e, anos depois, no clássico católico “The Ten Commandments” (1956) de Cecil B. DeMille, no papel de escravo.

“Cherry Hustlers” (1977) de Ron Dorfman. Outro daqueles pornôs classe “Z”, confusos e mal editados, em que Annie se metia. Este filme tenta mostrar como funcionava o tráfico de escravas brancas, há pelo menos duas boas cenas de estupro num clube onde escravos sexuais são vendidos à ricaços. Parece dois filmes montados num único, inclusive Annie aparece numa transa bem sem graça. Ron Dorfman é conhecido pelo pseudônimo de Arthur Bem e dirigiu inúmeros pornôs e fez a fotografia do clássico trash delirante “The Incredible Torture Show“ (1976) de Joel M. Reed, que é mais conhecido por seu título alternativo “Bloodsucking Freaks” (também trabalhou na direção de fotografia de “Night of the Zombies” (1981), outra maluquice de Reed).

“Jack and Jill” (1979) de Chuck Vincent. Outra ótima produção de Vincent com sexo bem feito e filmado. Aqui Jack e sua parceira Jill estão completando um ano de casados e resolvem apimentar seu casamento com uma série de encontros sexuais, com telefonemas obscenos, troca de casais, Jill ganhando um escravo sexual (o sempre bizarro George Payne) e Jack sendo raptado por duas mulheres taradas (uma delas Annie Sprinkle). Jill é interpretada por Samantha Fox e Vanessa Del Rio também aparece no elenco. Não confundir este filme com “Jack and Jill” (2011) com o xarope Adam Sandler.

The Satisfiers of Alpha Blue (1980) de Gerard Damiano. Outro clássico elaborado pelo mestre Damiano e repleto de atores que fizeram a fama da indústria adulta americana (no elenco, além de Annie, temos Richard Bolla – que anos mais tarde fez ponta em “Night of the Creeps” (1986) de Fred Dekker -, Herschel Savage, Sharon Mitchell, Tiffany Clark e George Payne). Numa sociedade futurística várias pessoas vão para um resort espacial em busca de satisfação sexual. Damiano dispensa apresentações, é o diretor que tirou os filmes pornôs das salas fuleiras e os levou para os cinemas comuns com seu clássico “Deep Throat” (1972). Realizou vários outros clássicos do cinema adulto, como “The Devil in Miss Jones” (1973), “The Story of Joanna” (1975), “Let my Puppets Come” (1976), estrelado por fantoches e marionetes numa deitação em cima dos Muppets, “Consenting Adults” (1982), escrito e estrelado por Annie Sprinkle em grande forma e “Throat: 12 Years After” (1984), continuação de seu grande clássico, desta vez estrelado por Sharon Mitchell, Joanna Storm e Annie Sprinkle.

Bizarre Styles (1981) de Carter Stevens. Vanessa Del Rio e Annie Sprinkle fazem parte de um grupo de mulheres taradas que se divertem humilhando homens com abuso verbal, chicotadas, torturas e golden shower. Carter Stevens, que também assinou alguns filmes com o nome Steven Mitchell (chegando a atuar em alguns com este nome), se interessou por fotografia nos anos 50. Nos anos 70 partiu para a produção de filmes de sexo explícito, alguns deles ótimas comédias hardcore como “Rollerbabies” (1976) com Terri Hall, “Punk Rock” (1977), que apesar do título é um filme adulto estrelado pelo impagável Richard Bolla e “Jail Bait” (1977), com Sharon Mitchell. Nos anos de 1980, além da produção de pornôs sadomasoquistas, Carter iniciou uma bem sucedida carreira como editor da revista “The S&M News”.

Pandora’s Mirror (1981) de Shaun Costello. Com um elenco de primeira este clássico da putaria conta a história de uma mulher (Veronica Hart) que entra numa loja de antiguidades e se sente atraída por um espelho amaldiçoado que tem o poder de lhe mostrar escapadas sexuais das pessoas que o possuíram ao longo da história humana. Com uma produção requintada e bem cuidada, “Pandora’s Mirror” já chama atenção por seu elenco que incluí, além de Hart e Sprinkle (que aqui aparece caracterizada como a rainha SM de um clube underground), Jamie Gillis, George Payne, Jerry “pau de manteiga” Butler, Tiffany Clark, Ron Jeremy, o grupo Patrons of Hellfire Club e o próprio diretor Costello, que começou sua carreira fazendo loops em 8mm e 16mm para a dupla Bob Wolf e Ted Snyder. Usando o pseudônimo de Helmut Richler, Costello filmou seu primeiro e explosivo pornô, “Forced Entry” (1973), que contava a história de um perturbado veterano do Vietnã estuprador de mulheres. Diz a lenda que Costello adorava fazer os filmes, mas não gostava de ver seu nome associado aos filmes, o que explica a quantidade absurda de produções onde ele não foi creditado ou que usou um de seus vários pseudônimos (Neil Almebor, Nicholas Berland, Russell Carlson, Jerri Conti, Alan de Fledermaus, Arthur Dietrich, Warren Evans, Jack Hammer, Josepi Masolini, Waldo Popper, Kenneth Schwartz, Stephen Steinberg, John Stover e Oscar Tripe são apenas alguns dos nomes por ele usados). Se você é um pornófilo que se preza, já terá visto pelo menos uma dúzia de ótimos filmes de Shaun Costello sem saber, como “The Summer of Suzanne” (1976), “Water Power” (1977), que ele lançou usando de pseudônimo o nome Gerard Damiano para ter lucro certo (mais picareta impossível), “Slave of Pleasure” (1978), “Fiona on Fire” (1978), “More Than Sisters” (1979), “Dracula Exotica” (1980), “Beauty” (1981), “Prisoner of Pleasure” (1981) ou “Heaven’s Touch” (1984), são todos filmes seus. Como curiosidade aos horrormaníacos, o divertido “Popcorn” (1991) de Mark Herrier, co-dirigido pelo veterano Alan Ormsby, é uma produção de Shaun Costello usando seu pseudônimo Warren Evans.

Deep Inside Annie Sprinkle (1981) de Annie Sprinkle e Joseph W. Sarno. Este é o meu filme preferido de Annie, que aqui nos conta sua história tarada fake e aparece com um apetite por sexo alucinado tesudo. Adoro a cena onde ela chupa vários fãs dentro de um cinema pornô, realizando um lindo número metalingüístico. No elenco também temos Ron Jeremy. O co-diretor deste filmaço foi Joseph Sarno, um dos pioneiros do sexploitation. Seu primeiro filme foi “Nude in Charcoal” (1961) e de lá prá cárealizou mais de 120 filmes, com destaque para “Sin in the Suburbs” (1964), “Young Playthings” (1972), estrelado pela belíssima Christina Lindberg e abraçou de vez o sexo explícito com “Sleepy Head” (1973) e não parou mais. Seus outros grandes filmes são “Deep Throat II” (1974), ainda com Linda Lovelace e Harry Reems no elenco e “Misty” (1976). Ele produziu filmes nos USA e em vários países da Europa, geralmente usando o nome Joe Sarno.

por Petter Baiestorf.
Assista também o documentário “NY 77 Coolest Year in Hell”, onde Annie Sprinkle aparece falando sobre a New York dos anos 70.
E para saber mais sobre Annie Sprinkle clique em “Herstory Of  Porn: Reel to Real“.