Arquivo para arte erótica

Talento, transgressão, excesso e decadência — A arte de Schiele

Posted in Arte e Cultura, Arte Erótica, Ilustração with tags , , , , , on setembro 3, 2011 by canibuk

Um dos grandes nomes do expressionismo austríaco,  Schiele viveu pouco (nasceu em 1890 e morreu em 1918, aos 28 anos), mas deixou uma obra extensa e transgressora pra uma época onde a corrupção e hipocrisia eram gritantes (bem como a sociedade ainda é hoje, aliás). Depois da morte do pai, que foi considerado louco oficialmente  e morreu por causa da sífilis, Schiele ficou traumatizado e começou a sentir aversão pela mãe, culpando-a de não ter amor suficiente pelo marido.  Foi morar com um tio materno que reconheceu seu talento e o apoiou desde então.

Pintores têm sempre aquela  sensibilidade à flor da pele e aquela instabilidade  que, de um jeito louco,  acaba trazendo algum benefício, e Schiele não era diferente,  tinha uma instabilidade emocional que o ajudou no desevolvimento de sua arte.  Com 17 anos, levou sua irmã, Gertie, de apenas 13 anos e por quem ele tinha uma paixão incestuosa, à Trieste, se deslocando depois pra outros países, demostrando uma inquietação que o atrapalhava e que não o deixava establecer nada significativo em lugar nenhum, fosse no âmbito pessoal ou profissional. Isso mudou quando, contrariando as vontades da mãe que queria que ele seguisse os passos do pai e trabalhasse com ferro,   ele ingressou na Academia de Belas-Artes de Viena onde estudou desenho e pintura. Logo após, conheceu o pintor simbolista, Gustav Klimt que  o ajudou e apoiou, comprou seus trabalhos,  lhe arranjou modelos e o inseriu no mundo artístico, onde ele pôde conhecer pessoas influentes.   Embora muito próximos e sendo Klimt  seu protetor, Schiele seguiu seu caminho desenvolvendo uma arte totalmente contrária a de Klimt. Influenciado pelo lado mais obscuro da sociedade em que vivia, ele conseguiu captar a crueldade e decandência de uma época cheia de contrastes. Se por um lado havia festas nos grandes salões de arte e toda aquela euforia cultural crescente, por  outro o mundo padecia com a fome, miséria,  doenças e todo tipo de mazela que despontou na primeira guerra mundial.

Schiele, ao contrário da maioria de seus colegas, não compartilhava das mesma idéias conservadoras da academia, e acabou abandonando os estudos, criando em seguida o grupo Neukunstgruppe (que quer dizer “Grupo Nova Arte”). A partir daí começou a expressar e explorar mais o lado sexual da humanidade.

Aos 21 anos, conheceu Wally Neuzil,  uma garota de 17 anos que tinha sido modelo de Klimt. Wally serviu de modelo pra muitas obras de Schiele, algumas consideradas suas melhores, e os dois viveram juntos por muito tempo tendo que mudar de cidade a cada pouco, mais um reflexo da inquietação de Schiele aliada a suas manias, paranoias (Schiele sofria de mania de perseguição e de várias fobias inexplicáveis). Por essa época, ele começou a ser mal visto pela população, vivendo de um modo que desagradava a todos. Era boêmio e desregrado, usava menores como modelos, tinha a casa sempre cheia de garotos e garotas delinquentes.  Mal visto pela sociedade conservadora e puritana, chegou a ser preso e teve mais de 100 desenhos seus apreendidos por serem considerados pornográficos, foi acusado de seduzir uma menor (embora nada tenha sido provado) e de exibir sua arte “pornográfica”  em lugares inapropriados, onde menores tinham acesso. Foi condenado a 3 dias de prisão e teve um de seus desenhos queimados na sua frente, como uma das punições. Na cadeia produziu o tempo todo, criando inúmeros auto-retratos.

Em 1915, casou-se com Edith e sua arte e popularidade só cresciam.  Seu narcisismo e suas tendências exibicionistas não ficavam atrás. Em 1918 foi convidado para participar da 49ª Secessão de Viena onde teve 50 trabalhos exibidos na sala principal e  produziu  um poster inspirado na Última Ceia em que ele próprio estava no lugar de Jesus, trabalho que foi um sucesso e aumentou ainda mais seu prestígio e o valor de seus trabalhos.

Com mais de 250 pinturas e 2000 mil desenhos recheados de sexualidade e obsessões, Schiele merece um lugar cativo entre todos aqueles artistas que, de uma forma ou outra, denunciaram a hipocrisia e a decadência da humanidade. Com imagens distorcidas, tortas, desfiguradas, sensuais e quase erráticas demonstrava sua visão do ser humano,  decadente, viciado e doente.  Sua realidade.

Em 1918,  Schiele morre vítima da gripe espanhola que assolava toda Europa, o mesmo mal que matou sua mulher três dias antes.

Arte de Leyla Buk – Deviant Girls

Posted in Arte e Cultura, Arte Erótica, Fetiche, Nossa Arte with tags , , , , , , , , , , , , , , on agosto 4, 2011 by canibuk

Há dois anos comecei a pintar quadros, sem intuito nenhum de comercializar nem nada do tipo. Meu primeiro foi, na verdade, um quadro de colagens feito com papelão, eu tinha acabado de mudar de ap e a casa tava cheia de papelão, encontrei uma utilidade praquilo e transformei num quadro. Em seguida pintei minha primeira freak girl, a “Skullrain“, e fiquei admirada com a quantidade de comentários e elogios que recebi com esse quadro. Aliás, é bem interessante ver como as pessoas aqui no Brasil adoram e valorizam a arte, elogiam pra caralho, mostram-se super interessadas, mas o primeiro impulso é o de pedir o trampo de graça, ninguém quer pagar por nada, acham que artista é tudo rico e que materiais e o tempo que gastamos trabalhando não significa nada. Quem acompanha o processo todo sabe o quanto é difícil e quanto trabalho dá, exige tempo e dedicação, costas fudidas, tensão, ansiedade e grana, sim. Mas não vou me alongar com isso porque é algo que me indigna e periga eu não conseguir mais parar de falar.

Hoje devo ter por volta de 24 telas, em sua maioria mulheres que trazem muito de mim e do que gosto. Algumas já foram vendidas, já ganharam o mundo (arte é pra isso!), mas muitas ainda estão disponíveis para venda. Quem se interessar basta entrar em contato.  Lembrando que voltei a aceitar encomendas, minha única exigência é que me dêem a liberdade de criar.

Quem tiver algum pedido pode entrar em contato comigo pelo e-mail leylalua@hotmail.com ou pela minha página no facebook http://facebook.com/leyla.buk e trocamos idéia.

Algumas das minhas garotas:

“SkullRain”, 20×60, 2009 – Indisponível

“RockaCherry”, 30×30, 2009 – Vendido

“À Meia Noite Te Levarei Flores Mortas”,  70×100, 2009 – Disponível

“June”,  30×60, 2009 – Disponível

“Bitch-Absinthe Cryin'”, 40×40,  2009 – Disponível

“Never Forget, Never Forgive”, 40×40, 2010 – Disponível

“She’ll Swallow Your Cum… And Your Blood.”, 40×60, 2010 – Disponível

“Palhaça Triste”, 40×50, 2009  – Disponível

“Para Madeleine”, 40×50, 2010 – Indisponível

“A Faca”,  50×70, 2011  – Indisponível

“Bloody Catrina”, 50×70, 2011 – Vendido

Para ver os trabalhos com mais detalhes é só ir na minha página no DeviantArt que tá linkada aqui do lado no blog.

Leyla Buk Artwork

Posted in Arte e Cultura, Arte Erótica, Fetiche, Ilustração, Nossa Arte with tags , , , , , , on julho 24, 2011 by canibuk

Quem trabalha com criação sabe que de tempos em tempos acontecem aqueles momentos intensos de inspiração e criatividade onde idéias e  produção não param. Volta e meia tenho estes “ataques” e fico trampando dias seguidos, emendando um trampo no outro  sem parar  e sem pensar em outra coisa, ignorando mãos e costas fodidas e aquelas necessárias horas a mais de sono, apesar de tudo, adoro estes “surtos criativos” e espero sempre que durem o  máximo possível – embora eles acabem passando do mesmo modo que vieram: de repente e sem aviso. Foi num destes momentos que comecei a rabiscar vários desenhos (muitos ainda estão inacabados) e, mais uma vez, a testar técnicas que pra mim eram novidades, incluindo trabalhos com lápis de cor, mais um desafio, já que não sou uma adoradora das cores, pelo contrário, sempre fugi delas, não me atraem. Encarei mesmo assim, fui em busca do novo e curti o resultado. Muitas coisas deram certo, outras nem tanto,  algumas mais estão em andamento e minha idéia é ir postando tudo aqui aos poucos.

Segue alguns:

Zombie Happy Hands

VanityI’m Your Gift

Dark Fetish

Buk’s Valentina

Pleasure

Poisonous

Envy

Eat Me

OBS.: Não usem as imagens sem autorização!

Saeki Toshio

Posted in Arte Erótica, Bizarro, Ilustração with tags , , , , , , on junho 8, 2011 by canibuk

Nascido em 1945, Saeki é famoso por seus desenhos e pinturas que abordam violência, erotismo e perversidade. Com diversos livros, é uma grande influência no Japão para muitos artistas contemporâneos. Sua arte recebeu várias advertências do governo japonês por conta da temática, mas nunca foi oficialmente proibida e é sempre consumida com avidez por inúmeros fãs em vários continentes.  Seu objetivo maior é o de chocar as pessoas, e ele faz isso muito bem, trazendo à tona personagens que estão sempre em evidência em alguns fetiches japoneses e que  habitam o lado obscuro da mente humana.  Sem dúvida um dos maiores representantes do Eroguro de todos os tempos.

 

Suehiro Maruo

Posted in Arte Erótica, Quadrinhos with tags , , , , on outubro 14, 2010 by canibuk

Eu não sabia bem em que categoria encaixar esse post, provavelmente em “Arte Erótica”, mas a arte de Suehiro Maruo é mais que isso, caberia bem numa categoria chamada “Arte Erótica Brutal Surreal Grotesca Bizarra Sanguinolenta”.

.

.

Suehiro Maruo nasceu no Japão, numa família pobre, abandonou logo cedo a escola e passou a adolescência metido em confusões e em pequenos roubos. Era um vagabundo, não tinha profissão e só aos 24 anos é que virou quadrinista e começou a fazer HQs eróticas.  Hoje ele é um dos maiores representantes do mangá underground japonês e seus trabalhos são vendidos como artigos de luxo.

Uma HQ que mostra bem o estilo do cara é a ERO-GURO (Ultra Gash Inferno), publicada aqui Brasil pela Conrad (mas não sei informar se tá fora de catálogo  ou não, mas quem achar pra comprar vale a pena).  Nessa HQ tem 9 histórias diferentes e temas que envolvem sodomia, zoofilia, canibalismo, coprofilia e não dá pra não querer ver isso.

Uma das histórias que mais gostei foi a Shit Soup, que é uma homenagem ao livro “Story of the eye” do escritor francês Georges Bataille. A história mostra um menage a trois entre dois jovens e uma garota que enfia um olho de vaca na vagina e pede prum dos garotos chupar e tirar o olho lá de dentro enquanto outro cara fica lambendo o olho dela. A história termina  com os três fazendo uma mistura de suas fezes, colocando num prato e depois se deliciando com elas. No epílogo o Maruo descreve o gosto e nos convida a comer merda literalmente. Hum, fica a critério de cada um aceitar a experiência.

.

É uma obra que merece ser vista e apreciada. Uma arte inovadora e perturbadora que expõe o lado mais assombroso do ser humano. A delicadeza dos traços misturada a toda brutalidade e horror é o que mais fascina.

Entre tantos outros pintores e ilustradores japoneses, ele é um dos que mais admiro. Em breve farei mais posts sobre outros artistas tão bizarros quanto ele e que me servem de grande inspiração sempre.

.