Arquivo para arte

O Cu: Moleza com Sacanagem Total

Posted in Bizarro, Fanzines, Literatura, Quadrinhos with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on novembro 8, 2018 by canibuk

Moleza com Sacanagem Total

I.

O deserto tentou me engolir. Pulei fora e rolei em direção de uma grande e úmida circunferência. Tal circunferência possuía um odor característico fácil de ser identificado. Sim, possuía odor de cu. Era um cu gigante logo abaixo de um imenso deserto de pele e não areia como os bobos imaginaram. Tudo estava claro agora, claro como uma trepada gostosa sobre a relva e eu sempre tive razão: O cu era uma circunferência, portanto, redondo. Beijo o cu gigante feliz porque sempre estive certo e os professores é que estavam errados. O belo cu é redondo !!! Re-don-do !!! Olhando diretamente para o buraco que havia no centro de tão enorme e poderoso cu, vejo uma luz no fim do reto. Fiquei deverás curioso, pensando cá com meus ovos, louco para saber o que poderia haver no fundo do cu, se é que cu tem fundo. Será que no fundo do cu haveriam criaturas monstruosas ? Vermezinhos falantes ? Lombriguinhas dançantes ? Bactérias fecais intelectualizadas pela Globo ? Realmente estou muito curioso…

II.

O amor caiu junto da sujeira e ficou sujo. Com um pequeno esforço consegui entrar no cu ciente que se não conseguir ver as criaturinhas do cu – Culenses ? – finalmente ei de saber o que é aquela luz que brilha no interior do cu.

III.

Caminhei sempre seguindo em direção a luz que brilhava no horizonte pomposo. Meus pés afundavam na merda amolecida a cada passo. Cansado sentei num caroço sangrento que havia na tripa grossa. Parecia ser o início de uma úlcera maligna. O sangue meio coagulado, meio líquido, molhou minha bunda. Ironia ou não do destino, mas o fato é que agora havia um cu dentro de um cu, ou seja, meu cu dentro daquele enorme cu solitário no deserto de pele. Melhor um cu dentro de um cu do que um cu com cu. Porém, para minha surpresa, o tal cu gigante possuía vários cuzinhos em seu interior. Suas paredes cheias de remelas e cascas fecais secas possuíam uma imensa galeria de cus de todos os tipos e variados cheiros. E para espanto geral, aqueles cuzinhos pequeninos falavam. Porra do caralho caralhudo, um cu gigante que tem vários cuzinhos e um cuzão dentro dele. Aliás, tem dentro dele um cuzão com seu próprio cu, perplexo, olhando descaradamente para a parede de cuzinhos falantes. Bem, aproveitarei a oportunidade e farei perguntas, como todo bom curioso deve se portar.

IV.

Sentado na úlcera pergunto aos cuzinhos do cu sobre a misteriosa luz que havia a nossa frente. Eles, sempre em coro – depois descobri que todos os cuzinhos faziam parte de um único cérebro pensante e todo poderoso – me respondem que aquela luz é o centro do Universo e que dali surgiu tudo já expurgado para dentro da humanidade. E completam ainda que todos são iguais perante a luz e aqueles que são diferentes são expurgados de volta a humanidade. Pensei: “Porra, eu sou diferente !!! Sou um cuzão humano com um cu e não um cu soberano com vários cuzinhos !”. Os cuzinhos gargalham debochando de mim. A luz, o centro de todo o Universo, faz um estrondo ensurdecedor e gases me carregam para fora do enorme cu que havia no deserto de pele. Enquanto vôo para fora do todo poderoso cu que rejeita os diferentes, fico pensando: “Bem que isso tudo poderia se chamar ‘O Centro Da Humanidade É Uma Luz Sem Forma Com Pequeninos Guardiões Que Falam Toda E Qualquer Língua’ !!!” e no chão caio, batendo minha cabeça no deserto, esfolando meu queixo. Finalmente sei de toda a verdade, mas acho que não irá adiantar nada pois certamente passarei por um profeta do caos enlouquecido e a esmo deverei vagar pela eternidade.

Texto de Petter Baiestorf.

Em 2000 o desenhista Reginaldo criou a HQ “O Cu“, inspirado no texto “Moleza com Sacanagem Total“, que editei no fanzine ARGHHH #29, e versava sobre o cidadão classe média brasileiro. Segue o resgate da HQ aqui:

Versos de Hybris – Delírio e Poesia

Posted in Arte e Cultura, Pinturas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on outubro 15, 2018 by canibuk

Quase-artista, quase-arquiteta, quase-um-tanto-de-coisas que compõe uma ode à riqueza da incompletude; pinta-rabisca-suja telas, papéis, portas, paredes, o que estiver mais próximo do pincel, das espátulas, das mãos, dos pés e da tinta, do sangue, do corpo, do gozo, da alma. Por confusão da anatomia possui dois corações repletos de amor pelas artes e por todos tons de Gaia.

Camila Hybris

Não usar o desenho para pintar pode ser como inventar novas palavras para escrever, uma grande possibilidade de criar uma linguagem, um estilo e um grande risco: o de não se fazer entender.

Por vezes é preciso criar novas palavras visando não exatamente se fazer entender, mas sim criar de maneira tal que a abertura de cada imagem seja sempre e sempre uma fissura para o novo.

Não há garantias, quanto ao que se vai ler, ver, sentir… nem em um a nem em outra arte, tanto a plástica quanto a poesia flertam continuamente com o indecidível. O indecidível para Derrida é a composição de duas partículas o nem e nem ou nem/nem.

Obra de Camila Hybris.

Nem uma coisa nem outra, foi assim que as imagens da Camila adentraram minhas retinas, em constantes im-possíveis, nem um nem outro sentido e um e outro sentido e ainda tantos outros mais.

O desejo de inventar o significado ao ver-ler suas obras é constante. Meu olhar procura “ler” a tela, procura ler a cor, busca o que “quer dizer” esse ou aquele movimento delineado pelo tônus da pintura, pela rapidez ou lentidão da tinta, pelo mais claro mais escuro, pela mistura de uma ou outra cor e pelo fato também de não se tocarem aqui e ali numa ou outra imagem.

Quando por primeira vez fui bombardeada pelas sensações das telas da Camila me perguntei imediatamente: porque outras obras no mesmo gênero não me afetaram tanto? Só parcialmente cheguei à resposta depois de entender o diálogo de Hybris com a poesia.

Obra de Camila Hybris.

Foi buscando poetisas a quem julgo possuírem as mesmas qualidades de sentido que então  entendi sob pena da reprovação, incluindo a da artista, que Camila é para mim Ana Cristina Cesar, é Anne Sexton, é Sylvia Plah, Florbela Spanca, Emily Dickinson… é sobretudo a Hybris de uma poesia em cores. Camila, poetiza que versa com tintas.

Por isso escolhi algumas de suas obras que faziam-me ver uma ou outra poetiza, uma ou outra poesia, várias ao mesmo tempo. Não estou dizendo com isso que a tela “traduza” a poesia ou o contrário disso que a poesia possa ser ilustrada pela tela, o que estou dizendo é que o fenômeno da cor para minha percepção passou pelo entendimento da poética da poesia feminina como uma possibilidade a mais de ver-ler as obras da Camila.

O que eu quis fazer foi criar uma matriz de interpretação que levasse em conta a obra da Camila Hybris como palavras-imagens unidas a estes corações poéticos femininos que tantos sentidos podem tocar, que tantas podem pintar.

por Eliete Borges Lopes.

Contatos:

Facebook: facebook.com/sabeacamila

Instagram: @camilahybris

E-mail: arqcamilapadua@gmail.com

Camila Hybris- FALL DOVVN II – Óleo sobre Papel 300gr 420x594mm

VAIDADE – FLORBELA SPANCA – (Sonetos – Compêndio dos Poemas de Florbela Espanca publicados nas obras: “Livro de Mágoas”, “Livro de Sóror Saudade”, “Charneca em Flor”, “Reliquiae” e “O Livro DE Ele)

Sonho que sou a Poetisa eleita,

Aquela que diz tudo e tudo sabe,

Que tem a inspiração pura e perfeita,

Que reúne num verso a imensidade!

Sonho que um verso meu tem claridade

Para encher todo o mundo!

E que deleita Mesmo aqueles que morrem de saudade!

Mesmo os de alma profunda e insatisfeita!

Sonho que sou Alguém cá neste mundo…

Aquela de saber vasto e profundo,

Aos pés de quem a terra anda curvada!

E quando mais no céu eu vou sonhando,

E quando mais no alto ando voando,

Acordo do meu sonho… E não sou nada!…

Vibração II – Acrílica sobre Papel Kraft 400gr 420x750mm

Estou atrás – Ana Cristina Cesar (28.5.69- em “Inéditos e dispersos”. [organização: Armando Freitas Filho]. São Paulo: Editora Ática/IMS, 1999)

do despojamento mais inteiro
da simplicidade mais erma
da palavra mais recém-nascida
do inteiro mais despojado
do ermo mais simples
do nascimento a mais da palavra.

Vibração III – Acrílica sobre Papel Kraft 400gr 420x750mm

Donas de Casa – Anne Sexton – (Anne Gray Harvey – AllMyPrettyOnes-1962. Seleção e tradução de Maria Sousa)

Algumas mulheres casam-se com casas.
É outro tipo de pele, tem um coração,
uma boca, um fígado e movimento de entranhas.
As paredes são permanentes e cor-de-rosa.
Vejam como ela está ajoelhada o dia todo,
lavando-se fielmente de alto a baixo
Os homens entram à força, atraídos como Jonas
para as suas mães carnudas.
Uma mulher é a sua própria mãe
e isso é o mais importante.

Dês.agrado – Técnica Mista – 420x594mm

Roupas – Anne Sexton – (Anne Gray Harvey – AllMyPrettyOnes-1962. Seleção e tradução de Maria Sousa)

Veste uma camisa limpa antes de morrer, disseram alguns russos.
Por favor, nada com baba, nódoas de ovo, sangue
suor, esperma.
Queres-me limpa, Deus,
por isso vou tentar obedecer.

O chapéu com que me casei,
servirá?
Branco, largo com um pequeno bouquet de flores falsas.
É antiquado, com tanto estilo como um percevejo,
mas fica bem morrer em algo nostálgico.

E vou levar
a minha bata de pintar
lavada vezes sem conta, claro
manchada com cada cozinha amarela que pintei.
Deus, não te importas que eu leve todas as minhas cozinhas?
Elas contêm o riso da família e a sopa.

Como soutien
(precisamos de o mencionar?)
O preto acolchoado que irritava o meu amante
quando eu o despia.
Dizia “para onde foi tudo?”

E levarei
a saia de grávida do meu nono mês
uma janela para a barriga do amor
que deixou cada bebé sair como uma maçã,
as águas a rebentar no restaurante,
fazendo uma casa barulhenta onde eu gostaria de morrer.

Como roupa interior escolherei algodão branco,
as cuecas da minha infância,
pois era uma máxima da minha mãe
que as meninas boas apenas usavam algodão branco.
Se a minha mãe tivesse vivido para o ver
teria posto um cartaz de “Procura-se” nos correios
para as pretas, vermelhas, azuis que eu usei.
No entanto, seria perfeitamente agradável para mim
morrer como uma boa menina
a cheirar a Clorox e a Duz.
Tendo dezasseis-anos-nas-cuecas.

D.o.o.M. – Acrílica, óleo e betume sobre Papel 300gr 420x594mm

Fagulha – Ana Cristina Cesar (Ana Cristina Cesar, em “A teus pés”. São Paulo: Brasiliense, 1982)

Abri curiosa
o céu.
Assim, afastando de leve as cortinas.

Eu queria entrar,
coração ante coração,
inteiriça
ou pelo menos mover-me um pouco,
com aquela parcimônia que caracterizava
as agitações me chamando

Eu queria até mesmo
saber ver,
e num movimento redondo
como as ondas
que me circundavam, invisíveis,
abraçar com as retinas
cada pedacinho de matéria viva.

Eu queria
(só)
perceber o invislumbrável
no levíssimo que sobrevoava.

Eu queria
apanhar uma braçada
do infinito em luz que a mim se misturava.

Eu queria
captar o impercebido
nos momentos mínimos do espaço
nu e cheio

Eu queria
ao menos manter descerradas as cortinas
na impossibilidade de tangê-las

Eu não sabia
que virar pelo avesso
era uma experiência mortal.

A Coletiva das Mina

Posted in Arte e Cultura, Entrevista, Pinturas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on outubro 1, 2018 by canibuk

Coletiva das Mina iniciou como um evento, mas não demorou muito para mudarmos o conceito e transformar isso num Movimento, onde queremos não só expor o trabalho e talento de mulheres como também queremos ser o pontapé inicial para que as mesmas consigam crescer e empreender dentro do seu próprio negócio. A ideia do Coletiva é dar vazão a diversidade, mostrar que somos mulheres, podemos ser independentes e empreendedoras. E achamos muito importante propagar essa ideia de ter autonomia, onde elas percebam que são capazes de gerir seu negócio.

Coletiva das Mina.

Canibuk: O que é a Coletiva das Mina?

Coletiva das Mina: A Coletiva das Mina é um movimento que propõe reunir mulheres que precisam de um pontapé inicial para divulgar seus trabalhos/talentos e se posicionar dentro do mercado de trabalho.

Canibuk: Quem pode participar da Coletiva das Mina? E como fazer isso?

Coletiva das Mina: Todas as mulheres que querem empreender e ser donas do seu próprio negócio.  Para fazer parte da Coletiva, basta entrar em contato pela nossa página do Facebook.

Arte de Ana (feita com nanquim)

Canibuk: Está aberto a qualquer expressão artística?

Coletiva das Mina: Sim, mas não só artística. É um nicho que engloba várias ideias. Tem Mina que trabalha com stringArt, que produz caricatura, como também tem Mina que faz drinks, que trabalha com massagem por exemplo.

Canibuk: Você estão recebendo apoio para o evento?

Coletiva das Mina: Sim. No segundo dia de divulgação já conseguimos um apoio da coordenadora do Projeto Novos Talentos – SC Games e Canibuk.

Bruna Caricaturas

Canibuk: A Coletiva das Mina é um evento, mas ele pode se tornar permanente, como um ponto de divulgação e apoio às artistas?

Coletiva das Mina: Na verdade, começamos a divulgar como se fosse um evento, mas devido à procura em grande proporção, decidimos que se encaixaria melhor como sendo um movimento, que visa justamente essa divulgação e apoio a essas mulheres, futuras empreendedoras.

Canibuk: O Brasil vive um momento tenso, em que um político machista de extrema direita está dando voz aos fascistas e seu ódio contra artes e minorias. Gostaria de fazer algumas observações sobre isso?

Coletiva das Mina: Conversamos bastante sobre isso e chegamos a conclusão de que é um assunto bem delicado. Por isso, neste primeiro momento, estamos tentando não envolver a atual questão política do país, ainda que influencie (e muito) na ideia do nosso movimento. Queremos focar na estruturação dele, até isso ganhar força. Mas só pra reforçar: #EleNão.

Arte digital de Ana.

Canibuk: Como é ser artista independente no Brasil?

Coletiva das Mina: Difícil! Somos um nicho que carece muito na questão de valorização do trabalho. Nós, fundadoras do movimento, somos o próprio exemplo desta desvalorização.  A Ana, que trabalha com StringArt, e eu (Bruna), com caricaturas, sentimos muito na pele o que é você dar o preço do produto ao cliente e ele retrucar com um “Nossa, mas tá cobrando tão caro por uma “coisinha” tão simples!”. Mas ninguém leva em conta que por traz desse produto, estão o preço dos materiais utilizados, o tempo gasto em cima daquilo, o planejamento, a criatividade e principalmente o que todo cliente quer: a qualidade.

Canibuk: Paralelo ao Coletiva das Mina vocês estão com outros projetos?

Coletiva das Mina: Sim. Estamos na reta final do nosso curso de Design voltado para Jogos e Entretenimento Digital e estamos na correria trabalhando nos projetos de Trabalho de Iniciação Científica. Fora isso, somente a Ana está trabalhando em um projeto pessoal de curta metragem baseado em fragmentos do folclore de Florianópolis.

Vampira em stringArt por Ana

Canibuk: Fale um pouco sobre as produções das integrantes.

Coletiva das Mina: Ana e eu temos uma questão em comum: gostamos de experimentar. Apesar de gostar de produzir diversas coisas, aos poucos moldamos nossos focos. A Ana agora está focada nas produções com String Art. O foco dela é misturar técnicas, tipo pinturas. Ela ama pintura, desde criança, e vê em tudo isso uma forma diferente de poder “brincar” fazendo o que curte e ganhando dinheiro com isso.  E eu, Bruna, estou focada no Bruna Caricaturas, negócio que comecei no final de 2017 e desde então venho evoluindo. Inicialmente comecei apenas com caricaturas por encomenda, mas agora já estou perdendo o medo de me aventurar em eventos onde trabalho com caricaturas ao vivo. Acho importante dizer que a ideia do Movimento surgiu exatamente a partir disso, da nossa vontade de ganhar a vida trabalhando no que mais gostamos de fazer ao invés de ficar por aí procurando se encaixar em alguma vaga de emprego.

Bruna Caricaturas

Canibuk: Obrigada pela entrevista. O espaço é de vocês para considerações finais.

Coletiva das Mina: Nós agradecemos imensamente o espaço oferecido. É disso que precisamos neste começo, de apoio total para difundir essa ideia. Queremos levar esse movimento para outras cidades como um modelo de negócios futuramente, onde outras mulheres consigam contar com nosso apoio para ter mais autonomia como futura empreendedora. Quem quiser, pode nos contatar pela nossa página oficial no Facebook (https://www.facebook.com/coletivadasmina) ou pelo instagram(@coletivadasmina)e também pode deixar seu comentário, dicas e sugestões de como podemos fazer este negócio crescer ainda mais. Obrigado mesmo Canibuk, por abraçar as Mina neste começo tão importante.

Endereços para contatos:

Ana Camillo – Perfil de facebook.

Ana Camillo – StringArt no facebook.

Ana Camillo – StringArt no instagram.

Bruna Cristina – Perfil de facebook.

Bruna Caricaturas – Perfil de facebook.

Bruna Caricaturas – Perfil de instagram.

Bruna Cristina FC no instagram.

2592 Posters de Horror & Sci-Fi para Download

Posted in Arte e Cultura, Cinema, download, Ilustração, Posters with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on setembro 28, 2018 by canibuk

Alguns meses atrás o poster da primeira sessão de cinema da história foi leiloado em Londres por 40 mil libras (mais ou menos 200 mil reais). Este primeiro poster (reprodução abaixo) foi desenhado por Henri Brispot para uma exibição especial dos primeiros curtas dos irmãos Lumière, em dezembro de 1895.

Originalmente criados para uso exclusivo dos cinemas, não demorou muito para que os posters logo virassem item de colecionadores, principalmente artes criadas para filmes exploitations, sempre com cartazes muito mais criativos do que os próprios filmes, e, também, as artes produzidas para a divulgação de produções de horror e ficção científica. Inclusive, o preço record já pago por um único cartaz pertence à sci-fi Metropolis (1926), de Fritz Lang, negociado por 690 mil dólares.

Inicialmente os posters eram feitos no tamanho dos cartazes usados para a divulgação dos shows de Vaudeville. Quem definiu o tamanho padrão foi Thomas Edison, com as medidas de 27″x41″, em folha única fixada nas fachadas e paredes dos cinemas.

Para comemorar os posters de cinema, upei um arquivo com 2.592 cartazes de cinema nos gêneros horror e Sci-Fi, a maioria com artes belíssimas e dignas de serem festejadas como pequenas obras-primas da criatividade humana.

Para fazer o download, clique em BAIXAR POSTERS.

Abaixo alguns posters que integram o arquivo disponibilizado para download:

 

 

Cigar Box Guitars

Posted in Entrevista, Música with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on agosto 20, 2018 by canibuk

Imagine usar pedaços de madeira, isqueiros, arames, parafusos, pregos e utensílios de cozinha para fabricar um instrumento único e com excelente sonoridade? Esses são alguns materiais que o músico Lincoln Samarina (RJ) reutiliza na Oficina de Construção de Guitarra para ensinar os alunos a construírem seu próprio instrumento de forma caseira, com poucas ferramentas e estimular a criatividade com o uso das adaptações.

“A oficina de Cigar Box Guitar vai além da construção de um instrumento musical. Assuntos como a origem do Blues e o surgimento desses instrumentos primitivos serão peças para montar essa transmissão de conhecimento e cultura, relacionado a este universo dos negros descendentes de escravos que viviam no sul dos USA e construíam seus próprios instrumentos de forma arcaica para se expressar. Além disso, a vivência também abrange a temática da sustentabilidade, do meio ambiente e do reaproveitamento de material reciclado. É uma forma de ampliar o acesso ao universo da música e produzir um instrumento exclusivo, sem abrir mão do consumo consciente”, destaca Samarina.

Origem

A Cigar Box Guitar é um instrumento musical cordofônico, que surgiu por volta dos anos 30, quando houve a Guerra Civil – momento histórico conhecido como a grande depressão. Devido à dificuldade de adquirir materiais importados nessa época e também pela falta de condições financeiras, os negros trabalhadores da zona rural utilizavam as caixas de charuto e outros materiais para construir seus próprios instrumentos, fazendo adaptações, já que a estética não era tão importante, e sim o som. Foi a necessidade de se expressar que deu origem ao surgimento das Cigar Box Guitar, quando o Blues ainda não tinha se tornado elétrico e seu estilo era bem primitivo e rural, assim como a sua essência. Mais tarde, o Blues se propagou com suas vertentes e variações.

(Intro retirada do release da oficina ministrada por Samarina que rolou na casa de Alexandre Brunoro).

Entrevista

Entrevistei o Brunoro, maquiador gore e músico, sobre a oficina de Cigar Box Guitars, com Samarina. Em novembro tem nova oficina, se você quer aprender como construí-las, recomendo manter contato com o Brunoro.

Petter Baiestorf: Você é envolvido com a cena musical brasileira a muitos anos, poderia fazer uma pequena apresentação?

Alexandre Brunoro: Toco em banda desde os 15 anos de idade, já comecei atuando na cena goregrind nacional, com a banda Gory Gruesome, tivemos nossa estréia no clássico bar de Curitiba 92º, ocasião em que conheci você e o grande amigo Coffin Souza. Fomos tocar junto com outra banda aqui do ES, I Shit On Your Face, onde depois de uns anos eu acabei virando o baixista, quando o grande brother Gustavo Argentino faleceu. Toquei uns 7 anos no ISOYF, durante esse tempo eu toquei no Chuck Norris, que posteriormente virou Chico Noise, já tive também uma banda chamada “foda-se e morra” que era um crossover thrash core muito divertido. Após o término do ISOYF eu montei o projeto ERRO, que era basicamente umas músicas do ISOYF que eu compus e ainda não haviam sido gravadas. Mas a banda durou pouco tempo, logo os caras tiveram que se dedicar a outras coisas da vida, tipo filho, faculdade, emprego, essas táticas que o sistema utiliza pra foder com lindos projetos (risos). Depois de tocar nessas bandas de grind que eu citei, tive minha primeira experiência tocando na cena Surf/Garage com a banda Los Muertos Vivientes, onde pude conhecer uma galera massa dessa cena, tive a chance de abrir o show de bandas que eu gostava muito, como por exemplo o Agent Orange. Foi durante esse circuito que conheci a sonoridade da Cigar Box Guitar, vi uns vídeos do Lendário Chucrobillyman e pirei. O Colt Cobra foi meu último projeto, foi durante esse tempo que conheci o Lincoln Samarina, através de um anúncio do Facebook. Nessa época eu tava vendo muito vídeo de artistas que usam esse tipo de instrumento.

Baiestorf: lembro que quando gravamos juntos o curta-metragem “Você, Morto”, de Raphael Araújo, em 2017, você já estava sempre dedilhando numa Cigar. Como surgiu seu interesse pela Cigar Box Guitars?

Brunoro: Surgiu logo depois de eu ter assistido uma apresentação do Klaus Koti, com seu projeto onemanband “O Lendário Chucrobillyman”. Foi amor à primeira vista, aquela guitarra de caixa de charuto e taco de sinuca, com uma corda de baixo e uma de guitarra me deixou doido. Depois eu pesquisei bastante sobre o assunto, aí então que cheguei até o Samarina. Logo comprei uma guitarra na mão dele, e tivemos a idéia de produzir a primeira oficina de cigar Box guitar do Espírito Santo (não sei se isso já aconteceu em outro lugar no Brasil). Desde o primeiro dia que peguei ela, não parei de tocar, estudo todos os dias a sonoridade dessa maravilha de instrumento.

Baiestorf: Lincoln Samarina esteve em Vila Velha, na sua casa, ministrando uma oficina sobre como produzir essas belezinhas. Como foi isso?

Brunoro: O Lincoln é uma pessoa iluminada bicho, cara sagaz demais! A primeira edição da oficina foi feita no ano passado, no extinto espaço Prego, do amigão Alex Vieira. Lá foi algo mais expositivo, pois a estrutura do local não suportava. Aí desde então ficamos com essa ideia na mente, que deveríamos fazer aqui no meu ateliê e tal. Esse ano conseguimos concretizar o projeto, tivemos oito alunos que em quatro dias construíram suas guitarras com restos de madeira, refugo de madeireiras, partes de móveis antigos, tamos de gaveta e até um vídeo cassete antigo entrou na roda (risos). Foi muito foda a experiência, devemos repetir a oficina em novembro num outro espaço, dessa vez maior, com mais materiais e ferramentas disponíveis.

Baiestorf: Vocês gravaram a oficina, certo? Como pessoal de outros estados pode ter acesso a este material?

Brunoro: Infelizmente não conseguimos gravar na íntegra, mas fizemos bons registros que em breve estarão circulando nas redes sociais.

Baiestorf: Alguma idéia de montar um grupo musical só com Cigar Box Guitars?

Brunoro: Já tenho em mente isso a algum tempo, agora que não to com banda, pretendo fechar umas músicas e gravar um material ainda esse ano. A idéia é ter um projeto onemanband e sair em tour junto com o Samarina, levando a oficina e os shows.

Baiestorf: E uma trilha sonora? Fica aí o convite, inclusive!

Brunoro: Trilha sonora é uma coisa que eu acho maravilhosa, adoro pensar no clima que a cena pede, e traduzir isso pra música! Quem quiser me contratar é só mandar um e-mail pra alexandre.brunoro@gmail.com que eu cobro baratinho se falar que viu meu contato no Canibuk (risos).

Baiestorf: Você está produzindo os Instrumentos? Aceita pedidos? Como proceder para encomendar?

Brunoro: Ainda estou fechando minhas primeiras guitarras, to na fase de encontrar uma fórmula ideal, onde eu vou conseguir replicar as peças iguais. Fechei uma parceria com um amigo marceneiro aqui de vila velha, que inclusive participou dessa última oficina. Assim que tivemos as primeiras guitarras montadas e funcionando eu vou começar a vender e aceitar encomendas, a idéia é montar uma empresa nesse ramo!

Baiestorf: Obrigado Brunoro. Espaço é seu para incentivar as pessoas a fazerem por si próprias:

Brunoro: Eu só tenho a agradecer aqui pelo espaço mais uma vez, gostaria de agradecer muito ao Samarina pelo conhecimento e pela amizade valiosa que ele proporciona pra todo mundo que tá ao alcance. Quem quiser construir a sua própria guitarra, tenham uma coisa em mente, tudo que você aprender sobre luthieria é balela, dá pra fazer instrumentos com lixo sim, sem ferramentaria pesada, só com uma faca de pão, uma régua e uma furadeira já rola! Procurem vídeos no youtube, ouçam as músicas de artistas que usam esse tipo de guitarra, façam vocês mesmo! Se libertem do mercado de instrumentos, pois as possibilidades são infinitas!

Contatos: alexandre.brunoro@gmail.com ou Facebook.

Links para as atividades da oficina:

https://www.facebook.com/alexandre.brunoro/videos/10216907290698774/?t=6

https://www.facebook.com/alexandre.brunoro/videos/10216963398741440/?t=13

https://www.facebook.com/alexandre.brunoro/videos/10216963402621537/?t=27

https://www.facebook.com/alexandre.brunoro/videos/10216914750445263/?t=17

Links para as bandas onde Brunoro já tocou:

LOS MUERTOS VIVIENTES:

COLT COBRA:

https://coltcobra.bandcamp.com

GORY GRUESOME:

ERRO:

I SHIT ON YOUR FACE:

CHUCK NORRIS:

As Maquiagens Gore de Alice Austríaco

Posted in Cinema, Entrevista, Ilustração, Vídeo Independente with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on agosto 9, 2018 by canibuk

A história da maquiagem gore no Brasil é bem recente, tem seus primórdios no SOV da década de 1990, com artistas como Júlio Freitas, Ricardo Spencer e Carli Bortolanza em seus trabalhos em vídeo pela Canibal Filmes. Só no século XXI que o país começou a ganhar grandes artistas dos efeitos melequentos e corpos dilacerados que levaram os efeitos sangrento para outro patamar. Em 2008 Rodrigo Aragão surgiu como o principal nome com seu “Mangue Negro”, junto de artistas como Kapel Furman que, em São Paulo, já estava realizando muitas maquiagens extremas. No sul surgiu Ricardo Ghiorzi e Caroline Tedy, ambos realizando maquiagens lindas. Em Vila Velha surgiu Alexandre Brunoro, que agora também está se especializando em fazer máscaras e próteses e acabou de lançar seu último trabalho, “Você, Morto”, com direção de Raphael Araújo. No Rio de Janeiro Jorge Allen é outro nome cujos trabalhos merecem ser visto. Em Goiânia Hérick João tem realizado make-ups ótimas e tive o privilégio de dirigi-lo no curta “Beck 137” e o cara é rápido sob pressão.

Um novo nome para ficar atento é Alice Austríaco (pretendo trabalhar com ela e Alexandre Brunoro no meu próximo filme), da cidade de Contagem/MG, pertinho de Belo Horizonte. Alice é assistente social formada pela Universidade Una, área em que atuou por dois anos, até que percebeu que não precisa de um emprego formal e que poderia se dedicar em tempo integral para as artes. Formada também em artes gráficas pela Escola Saga, além de maquiadora gore, também tatua, faz ilustrações e desenha roupas.

No momento Alice está realizando as maquiagens gore de um projeto fotográfico envolvendo crianças zumbis em situações de extrema violência, que também deverá se tornar um curta-metragem. Para falar mais sobre este trabalho, entrevistei Alice Austríaco.

Alice Austríaco

Petter Baiestorf: Como surgiu seu interesse por efeitos e maquiagens gore?

Alice Austríaco: Como qualquer criança a influência dos pais foi agente principal pra construção da personalidade e dos gostos, assim a paixão pelo cinema surgiu de forma natural e praticamente imperceptível. Minha mãe admiradora dos grandes romances clássicos e, meu pai, um grande entusiasta do cinema Western, me ensinaram o valor e a importância do cinema ainda quando eu era bem nova. Era hábito alugar algumas fitas durante o final de semana e foi em um desses dias que tive meu primeiro contato com o gore, aos nove anos de idade.  Me lembro bem do “moço da locadora” (como eu o chamava) me recomendando Evil Dead (1981), não sei se com a intenção de me assustar, mas, se foi, não deu muito certo. Me apaixonei. Desde então filmes carregados de efeitos e maquiagens gore se tornaram prioridade, despertaram em mim curiosidade e o sentimento de um cinema repleto de possibilidades e sentimentos. Já mais velha, em contato com alguns filmes, incluindo O Monstro Legume do Espaço que tenho enorme apresso, desenvolvi o interesse pela parte técnica e busquei estudar e compreender o cinema atrás das câmeras, me encantando pela maquiagem. Programas como o Cinelab também fizeram parte desse processo e me mostraram alternativas baratas para o que, até então, parecia impossível.

Alice realiza seus testes de maquiagem em si própria

Baiestorf: Algo que adoro em suas maquiagens e testes gore é a pegada sujona que você imprime a elas. Quais são suas inspirações, tantos nacionais quanto internacionais?

Alice: Minhas inspirações são variadas, Lua Tiomi que é uma maquiadora sensacional e trabalha com muita delicadeza, Mimi Choi que, apesar de ser especialista em Bodypaint (que não é o meu estilo), me inspira bastante, Dick Smith e Greg Nicotero, que são grandes nomes internacionais, me inspiram e uso de referência pra muitos dos meus trabalhos. Entretanto, acredito que o aspecto “sujo” seja uma identidade própria, quase como uma assinatura que desenvolvi ao longo do tempo e tem muito da estética que eu considero bonita no gore.

Baiestorf: Efeitos e maquiagens práticas ou digitais? Ou uma harmonização entre os dois estilos usando o melhor de cada técnica?

Alice: Ainda que eu tenha me inserido no mundo do cinema tardiamente, em que os efeitos digitais já estavam mais comuns, minha preferência sempre será pelas maquiagens e efeitos práticos. Acredito que, dessa forma, toda a produção fica mais orgânica e impactante. Não abomino o uso dos efeitos digitais e sei da sua importância, mas se possível que seja usado por necessidade e não como principal ferramenta na produção. Acredito também que o efeito prático envolve o set numa atmosfera divertida, gerando um resultado final real e vívido.

Baiestorf: Você testa bastante, inclusive utilizando de materiais baratos e fáceis de encontrar. Como funciona seu processo de criação?

Alice: Testar maquiagens é uma das coisas que mais gosto de fazer no dia a dia. A necessidade de usar materiais baratos veio da intenção de produzir sem dinheiro, através desses testes aprendi que é possível usar qualquer material e conseguir um resultado interessante. Comecei usando papel higiênico de qualidade duvidosa, garrafas de plástico, guache e até tinta aquarela que eu havia guardado de um trabalho de pintura em papel. A partir daí comecei a testar farinha, café, beterraba e qualquer outra coisa que fosse possível extrair cor ou uma textura que fosse necessária no momento. Também uso material específico para maquiagem, mas sei que em qualquer situação de necessidade, após uma feira e uma ida ao mercado, consigo fazer um gore impactante e, o mais importante, gastando pouco. Já o processo de criação sempre vem de formas variadas. Quando é um trabalho que o cliente tem exatamente o que quer em mente, geralmente busco imagens reais (um ferimento, por exemplo) e, apesar de desconfortável, busco enxergar os detalhes e reproduzir de maneira fiel. Já quando tenho liberdade de criação, costumo fazer uns storyboards mal feitos, apenas pra que eu não esqueça o meu objetivo, uma vez que, quando me empolgo, começo a fazer muita coisa e me esqueço da principal intenção e o que era pra ser uma ferida pequena se transforma numa autópsia completa. Além disso, independente do que seja o trabalho eu sempre testo em mim, primeiro porque acho necessário ajustar detalhes e compreender o que pode ou não ser feito no dia da produção e segundo porque gosto de saber como o modelo/ator vai se sentir no dia e até onde posso ir sem que se torne desagradável para quem estiver sendo maquiado.

Baiestorf: Como é o espaço em MG para trabalhar com maquiagens gore e cinema de gênero? Há espaço?

Alice: Em Minas Gerais infelizmente o gore ainda é pouco explorado, existe um carinho pelo cinema documental por aqui, principalmente em Belo Horizonte. Já o gore é pouco considerado, o público além de ser muito específico não busca fomentar o gênero, assim os locais públicos que fazem mostras de cinema raramente trazem a temática e reproduzem esses filmes. Por isso não existe espaço para quem deseja trabalhar na área. O lado bom disso é que onde não tem espaço, é possível criar um, e isso tem sido um fator motivacional para prosseguir – mesmo que exista uma vontade de ir para São Paulo, ainda acredito que seja possível começar a movimentar as coisas por aqui, em MG. Outro aspecto que venho observando é que o impacto que o gore causa torna os profissionais envolvidos temerosos quanto as suas participações. Muitos ficam receosos de se envolverem com o gênero e receberem julgamentos desagradáveis, afinal, o gore pode trazer desconforto e sempre vai ter alguém para apontar e achar tudo isso um absurdo, até mesmo usar de preceitos religiosos para fazer críticas ácidas e desproporcionais, o que já aconteceu e exigiu bastante jogo de cintura para contornar a situação. Optar por trabalhar com isso em Minas Gerais é assumir riscos, passar por julgamentos e ter que buscar outras maneiras de ter uma renda minimamente aceitável, uma vez que o retorno financeiro é pouco, mas confesso que tem sido muito prazeroso esse processo e tenho conhecido pessoas sensacionais, empenhadas e dispostas.

Baiestorf: Você esteve participando do Cinelab Aprendiz. Pode contar como foram as gravações? Como foi trabalhar com o Kapel, Armando e Raphael?

Alice: O Cinelab Aprendiz foi um divisor de águas e me impulsionou a tomar decisões que vêm mudando o meu rumo profissional desde então. As gravações aconteceram em São Paulo, cidade que havia visitado uma única vez e não conhecia absolutamente nada. Foi um risco que resolvi correr e, apesar da timidez, compreendi que seria necessário enfrentar, uma vez que me enriqueceria não somente no âmbito profissional, mas também pessoal. Todos os dias de gravação foram intensos e os programas exigiam, além de conhecimento na maquiagem, uma necessidade de conhecer também um pouco de cada função desempenhada no set . Tudo isso fez com que eu aprendesse e explorasse tudo o que sabia e não sabia, aprendi muito com meus companheiros de equipe e até mesmo das equipes adversárias, existindo ali um clima de companheirismo e uma troca intensa de saberes. Conhecer os mentores, Kapel, Armando e Raphael, foi o real prêmio pra mim, uma vez que são pessoas que já nutria uma admiração absurda, não só por causa do programa, mas também por seus projetos, dos quais acompanhava muito antes de participar do reality show. Os três estavam empenhados em nos ajudar e ensinar o que fosse necessário para que pudéssemos desenvolver e aprender. Aproveito o espaço para agradecer o Raphael Borghi, que foi o meu mentor durante as gravações e me ensinou muito. Todas as dicas que me passou vêm sendo colocadas em prática constantemente, inclusive foi fundamental para que eu reafirmasse meu senso de coletividade e me mostrou a necessidade de ter sempre comigo uma equipe coesa, que acredita minimamente nas mesmas coisas que eu, de forma que qualquer trabalho seja prazeroso e respeitoso com todos os envolvidos. Contudo, saí do programa empenhada a trabalhar com cinema, desenvolver projetos e me dedicar ainda mais à maquiagem, especificamente com o gore.

Baiestorf: Algum história envolvendo os efeitos/maquiagens durante o Cinelab Aprendiz que você possa contar?

Alice: As maquiagens eram sempre feitas na pressa por causa do tempo das provas e eu sempre saía com o sentimento de que poderia ter feito melhor, mas em uma das provas a equipe resolveu se dedicar integralmente na caracterização e todos estavam focados em fazer o melhor possível. Gabriel Niemietz e eu ficamos durante toda a prova dedicando à maquiagem de extraterrestre que foi feita no Gustavo Saulle que, no final, ficou irreconhecível. Essa maquiagem foi feita com papel higiênico e látex que, com ajuda de um soprador térmico, secou a tempo para que pudéssemos pintar de verde. Fazer isso foi extremamente desgastante ao Gustavo que ficou com dificuldades de respirar em alguns momentos devido ao cheiro forte do látex, o que nos levou a improvisar um canudo que colocou na boca, a fim de aliviar e facilitar a respiração dele. Durante essa prova recebemos o desafio surpresa de realizar também um estripamento e, desesperada por causa do tempo, no momento em que fui montar o efeito cortei o microfone de lapela que estava presa ao corpo do Gustavo. Isso apenas me mostrou a importância de não deixar o desespero e a pressa me guiarem. Confesso que hoje dou risadas do episódio, mas no dia fiquei em pânico.

Alien do Cinelab realizado por Alice e companheiros de equipe.

Baiestorf: Como foi sua percepção quanto ao mercado paulista de vídeo?

Alice: Tive um choque com a diferença do mercado e do interesse das pessoas em produzir em relação à Minas Gerais. No pouco tempo que estive em São Paulo conheci pessoas maravilhosas que estavam empenhadas em colocar “a mão na massa” (ou no sangue, nesse caso) e me convidaram para participar de projetos independentes, trabalhar e manter estadia em São Paulo. Ainda acredito que seja um objetivo e sei que terei mais facilidade em me dedicar na área, mas tudo precisa de planejamento e isso requer uma atenção e cuidado, considerando que o mercado da arte (que nunca foi valorizado), tende a oscilar e decisões precisam ser tomadas visando também o futuro. A maior diferença que encontrei é o risco que as pessoas estão dispostas a correr para colocar um projeto em prática, mesmo que seja assustador ou chocante, o mercado paulista não se inibe. Talvez pelo gore ser mais explorado ou por ser uma cidade com um público diverso, de forma que sempre haverá consumidor pra qualquer gênero que seja, ainda que cause estranheza em muitos lugares.

Baiestorf: Você tem feito maquiagens em vídeo clips, pode falar deles?

Alice: Trabalhar com vídeo clips tem sido uma experiência maravilhosa. Como o mercado pro gore no cinema ainda é escasso em Belo Horizonte, os clips são uma forma de apresentar às pessoas essa possibilidade e mostrar também que o gore pode ser usado de diversas maneiras. O trabalho nesse sentido se difere de um curta, por exemplo, por ser muito rápido. Em um dia tudo tem que estar pronto e geralmente no mesmo dia que começa, termina. São trabalhos rápidos, mas que exigem muita colaboração do set e cumplicidade dos envolvidos, inclusive da banda que está focada na sua parte e precisa confiar nos demais e, principalmente, na maquiagem. Só assim o trabalho consegue ser desenvolvido de maneira fluida e resultar em algo que agrade os fãs da banda, os músicos e as demais pessoas que trabalharam na produção.

Baiestorf: Você está realizando um ensaio fotográfico, em parceria com o artista Maxwell Vilela, que envolve crianças interpretando zumbis em situações de extremo gore. Como está sendo a realização deste trabalho? Pode contar situações dos bastidores?

Alice: A ideia surgiu de uma conversa despretensiosa e foi se transformando conforme desenvolvíamos o diálogo. Trabalhar com o Max é sensacional, assim como toda a equipe presente (Cadu Passos e Éric Andrada), que são pessoas dedicadas e empenhadas. Tive muita liberdade pra desenvolver a maquiagem desse projeto, as ideias foram tomadas junto com o Max, mas toda a identidade, o sangue e a construção foram pensadas por mim, onde pude desenvolver uma maquiagem agressiva, mesmo que tenha sido feita em uma criança de 9 anos, a Ayla. A pequena modelo demonstrou muita personalidade ao abraçar a ideia e não se incomodou com o sangue ou até mesmo pelo fato de ter seu coração “arrancado” de seu corpo. A foto abaixo foi feita em um parque público e, como imaginávamos, as pessoas naturalmente se espantaram, até então era compreensível, afinal, não é sempre que você encontra uma garotinha segurando o próprio coração por aí, o incômodo real surgiu dos comentários infelizes de algumas senhoras que usaram a religião de subterfúgio para proferir comentários ácidos sobre o trabalho (como dizer que ela estava horrível, que aquilo não era de Deus e coisas mais absurdas), o que gerou um desconforto não só na equipe, mas também na Ayla, que decidiu encerrar e darmos continuidade em outro momento. Temos como objetivo chocar, causar estranheza, mas acima de tudo questionar a adultização da infância, uma vez que maquiagens pesadas em garotinhas, sexualização, privação da infância dentre outras coisas são naturalizadas e não assustam. Destruir a idealização da princesinha encantada foi um objetivo comum e, com certeza, alcançado.

Baiestorf: Quando e onde sairá este ensaio?

Alice: Todos os envolvidos são artistas multitarefas a fim de manter a subsistência, por isso as datas são incertas, precisamos terminar o que começamos e pra isso temos a necessidade de abrir mão de trabalhos rentáveis, mas temos planos para lançar isso em breve! Inclusive novas ideias surgiram nesse processo e, com certeza, esse projeto se tornará maior do que a proposta inicial. De inicio vamos expor onde nos couber, pensamos em expor uma das fotos no metrô de Belo Horizonte o que causará um impacto em quem passa diariamente por lá e as vezes fica alheio ao meio. Talvez seja o momento de sacudir e chocar um pouco.

Baiestorf: Além do ensaio será editado também um curta? Pode falar sobre isso?

Alice: O curta tem sido um exemplo do cinema de guerrilha. Sem verba, sem uma grande equipe, mas muita motivação e esforço pessoal de cada envolvido. O acordo é que manteríamos suspense, por isso só posso adiantar que vai ter muito sangue. Tem sido um processo divertido, mas sujo!

Baiestorf: Além de maquiadora você também realiza ilustrações, tatua e cria roupas. Como é conciliar tudo no seu dia a dia?

Alice: As pessoas tendem a padronizar comportamentos, profissões e até a rotina se faz necessária. Por causa dessa construção demorei a compreender que é sim possível fazer tudo o que tenho vontade, basta ter organização e paciência, já que às vezes as coisas parecem sair um pouco do controle. Contudo, trabalhar com arte requer jogo de cintura e quase te obriga a explorar novas áreas, de maneira que seja possível ter um retorno financeiro aceitável. O que torna tudo mais prazeroso e possível é que são trabalhos dos quais tenho liberdade de horários, flexibilidade de organização e remanejamento. Acredito sim na possibilidade de trabalhar com aquilo que ama e, mesmo que sejam muitas tarefas, nada é desgastante, mas sempre muito divertido. Me envolver em áreas distintas permite que eu conheça muitas pessoas e aprenda diariamente, cada conhecimento adquirido pode auxiliar em outros projetos e, desta forma, sinto que consigo estabelecer uma conexão entre todas as áreas que resolvi me envolver.

Baiestorf: Algum projeto envolvendo ilustrações?

Alice: Constantemente projeto ideias para as ilustrações, mas ironicamente elas nunca saíram do papel. Imagino mil possibilidades com as ilustrações, mas nunca consegui estruturar algo para elas, senão me auxiliar na tatuagem, encomendas ou alguns storyboards mal feitos, dos quais esboço de forma bem simplista as maquiagens que tenho que fazer. Algumas anotações que faço costumam acompanhar pequenos esboços e rabiscos, que foi uma forma que encontrei de memorizar tarefas e me organizar no dia a dia. Tenho a pretensão de desenvolver algum projeto voltado para as ilustrações, mas ainda preciso pensar a respeito.

Baiestorf: Você ainda não está trabalhando com látex e animatrônicos em seus projetos, certo? Algum plano, ou testes, nessa direção?

Alice: Os trabalhos com látex e animatrônicos tem sido o meu principal objetivo na maquiagem, venho estudando e testando as próteses de látex e glicerina, o que tem gerado bons resultados. Já sobre os animatrônicos ainda não tive oportunidade de começar a desenvolver, mas pretendo até o final do ano ter dado início aos estudos e testes, de maneira que, em 2019, eu consiga me dedicar integralmente às maquiagens.

Baiestorf: Como o pessoal faz para acompanhar seu trabalho?

Alice: Sempre publico as maquiagens nas redes sociais e venho tentado dialogar com quem acompanha. Instagram: www.instagram.com/aliceaustriaco Facebook: www.facebook.com/aliceafm

Baiestorf: Como te contratar para futuros projetos?

Alice: Sempre respondo todos através das redes sociais, mas para trabalhos e afins disponibilizo o e-mail: aliceaustriaco@gmail.com

Baiestorf: Alice, gostaria de te agradecer pela entrevista. O espaço é seu para falar sobre algo que eu não tenha perguntado.

Alice: Petter, gostaria de agradecer o espaço e a consideração por mim e pelo meu trabalho. Suas produções sempre me motivaram, principalmente em trabalhar com o gore, me mostrando que é sim possível valorizar o gênero em solo nacional. Seus trabalhos construíram parte da minha identidade dentro da maquiagem e sigo me espelhando e aprendendo constantemente com o que me oferece. É uma grande honra fazer parte disso e ter essa oportunidade. Muito obrigada!

Dica de Alice:

ingredientes para a massa:

Vaselina sólida

Pó compacto da cor desejada

Amido de Milho

para o sangue:

Glucose de milho

Corante em pó vermelho

Corante em pó marrom (ou achocolatado em pó)

Corante em pó preto

modo de preparo:

Em uma vasilha acrescente duas colheres de vaselina sólida, pó compacto em pequena quantidade (até que alcance a cor desejada) e, aos poucos, o amido de milho. A consistência final é uma massa moldável e firme.

Para o sangue basta misturar na glucose de milho, o corante vermelho e, aos poucos, acrescentar o corante marrom. As quantidades podem variar de acordo com a cor desejada pela pessoa, por isso é necessário acrescentar todos os ingredientes devagar, sempre misturando e conferindo a cor.

Espalhe a massinha e, com ajuda do dedo úmido, molde de acordo com o formato do corpo. Com um lápis ou palito úmido faça pequenos furos na massa.

Com um pincel espalhe o sangue por toda a massa de maneira desuniforme, deixando alguns pedaços sem e outros buraquinhos que foram feitos com o lápis preenchidos de vermelho. Por fim, com o auxilio de uma esponja úmida, dê pequenas batidinhas por toda a maquiagem com o corante em pó preto, até que chegue a um resultado satisfatório.

Canibuk Apresenta: A Arte de Vanessa Arendt

Posted in Arte e Cultura, Ilustração with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on abril 9, 2018 by canibuk

Pouco mais de um mês atrás  fui exibir meus filmes no Festival Maledetta Notte em Teutônia/RS e conheci o Maurício da Silva da Blasphemic Art Distribuidora, de Carazinho/RS. Batendo papo sobre nossas produções, comentei sobre uma série de entrevistas que estava realizando com artistas gráficas e ele sacou o celular e me mostrou o trabalho fantástico que Vanessa Arendt realiza. Saí do festival com a certeza de que tentaria entrevistá-la para divulgar seus trabalhos aqui no blog.

Vanessa é autodidata, começou a desenhar como hobby e, pela insistência de amigos e familiares, começou a aceitar encomendas de retratos realistas ou caricaturas. Nas palavras dela: “Assim fui aprimorando minhas técnicas a cada pedido e cultivando um desejo cada vez maior de transformar o hobby em uma profissão para a vida toda.”

Mesmo tendo vivenciado experiências em outras áreas profissionais, sempre continuou com a produção de ilustrações, pinturas e caricaturas. Vanessa completa, “E por aprender que felicidade e realização só se conquistam fazendo o que se ama, hoje me dedico integralmente às artes, trabalhando com encomendas e criações autorais, proporcionando sempre obras únicas com atendimento personalizado.”

Não deixe de acompanhar a arte de Vanessa via redes sociais como facebook ou instagram e, se gostar, faça suas encomendas.

Vanessa Arendt

Entrevista com Vanessa Arendt:

Petter Baiestorf: Gostaria que você contasse como começou seu interesse pela arte e, também, sobre seus primeiros trabalhos.

Vanessa Arendt: A arte sempre esteve presente em minha vida. Começou como a brincadeira preferida na infância e naturalmente foi se tornando uma profissão na medida em que chamava a atenção das pessoas a minha volta. Os primeiros pedidos foram de retratos a grafite e pinturas a óleo. Mais tarde comecei a trabalhar também com caricaturas e ilustrações para diversos fins.

Baiestorf: Sua arte sofre influências de quais artistas e escolas estéticas. Fale o que te atrai neles, se quiser falar sobre os porquês seria muito interessante.

Vanessa: Sempre busquei pelo realismo. Queria dominar proporção, anatomia, profundidade, reproduzir efeitos de iluminação no objetivo de chegar cada vez mais próximo do real. As Pinturas clássicas e renascentistas como as de Leonardo Da Vinci foram as primeiras que me inspiraram. Admiro de artistas que conseguem captar detalhes que passam despercebidos ao olhar comum, às vezes até emoções, trazendo um realismo impressionante.  E admiro mais ainda aqueles que conseguem associar essa habilidade com criatividade, criando obras únicas e com personalidade. Alguns exemplos são Emanuelle Dascanio, Guillermo Lorca e Gottfried Helnwein.

Raven

Baiestorf: Você está aberta a todo tipo de trabalho ou gostaria de se especializar somente em uma área? Porque?

Vanessa: Não gosto de limitar minhas criações. Faço tudo o que tenho vontade, gosto criar sempre algo novo e tento atender às diferentes necessidades dos meus clientes. Mas se surge um pedido que exija uma técnica que eu não domine ou uma ideia de algo que vejo que não vai ficar bom, obviamente não irei aceitar; pois o comprometimento com a qualidade, com um trabalho que agrade ao cliente e que me represente positivamente é essencial.

Baiestorf: Conte sobre suas exposições e como produtores poderiam levá-la para suas cidades/estados.

Vanessa: Já fiz exposições individuais e coletivas. Mas sempre com parcerias, não tenho recursos para organizar uma exposição por conta própria, então sempre que posso aproveito as oportunidades que surgem.

Baiestorf: Como é realizar trabalhos artísticos aqui no Brasil? Há reconhecimento? Oportunidades?

Vanessa: O reconhecimento vem de poucos, e destes nem todos podem pagar o real valor de uma obra de arte. O resultado disso é ter que vender a valores muito baixos para o tempo e dedicação que foram necessários para realizar cada obra. Por isso que a divulgação é tão importante, para poder alcançar um maior número de pessoas e chegar até aqueles que ainda não o conhecem.

Baiestorf: Você está com trabalhos em finalização? Poderia falar sobre eles e como o público poderá acompanhá-los?

Vanessa: Sim, sempre estou criando algo, seja encomenda ou trabalho autoral. Com exceção daqueles que são para presente e que por isso não posso divulgar, publico tudo em tempo real no meu Instagram. Faço bastante Stories principalmente, compartilhando as etapas de cada trabalho, faço vídeos desenhando, explico o processo, acho que é interessante mostrar como tudo é feito, as pessoas gostam de acompanhar.

Baiestorf: E seus projetos? É possível sabermos um pouquinho deles?

Vanessa: Coleciono uma porção de ideias que gostaria de concretizar, mas que vou deixando sempre em segundo plano. São ideias para ilustrações, portfólio, pinturas em tela que tenho feito tão pouco nos últimos anos e que gostaria de retomar. Minha meta é realizar tudo isso. Não será de uma vez, mas já estou preparando as primeiras novidades.

Retrato de pet

Baiestorf: Geralmente a arte no Brasil é produzida de forma independente e é difícil conseguir se manter. O que você gostaria de observar sobre isso.

Vanessa: Realmente é difícil. Mas o sucesso nunca veio para quem desistiu perante as dificuldades. Quem sonha em viver de arte e ter seu trabalho valorizado precisa em primeiro lugar estar ciente do próprio valor, e ignorar aqueles que tentam convencê-lo do contrário.

Baiestorf: O espaço é seu para as considerações finais:

Vanessa: Quero Agradecer ao Petter pela oportunidade desta entrevista, e pelo apoio aos artistas. Também quero agradecer a você que dedicou um pouco do seu tempo para conhecer meu trabalho, espero que tenha gostado!

Contatos de Vanessa Arendt:

Site:  vanessaarendt.wixsite.com/artista

Instagram: @van.arendt

Facebook: facebook.com/van.arendt

E-mail: arendtart@gmail.com

Artes de Vanessa Arendt:

Ilustração

Millie Bobby Brown

Harald Finehair

Kiko Loureiro