Arquivo para bollywood

Purana Mandir

Posted in Cinema with tags , , , , , , , , , , on março 29, 2012 by canibuk

“Purana Mandir” (1984, 145 min.) de Tulsi Ramsay e Shyam Ramsay. Com Aarti Gupta, Mohnish Behl, Pradeep Kumar e Ajay Agarwal.

O filme começa com o cortejo real de Raja Harimansingh, sultão de Bijapur, perto de Kali Pahari (traduzindo: “montanha negra”) onde a filha do sultão, princesa Rupali, se perde perto do covil do adorador do diabo Samri (Ajay Agarwal), que logo se encarrega de matar a princesa. Após ser aprisionado pela guarda do sultão, Samri é levado a julgamento e, antes de ser morto, amaldiçoa Raja Harimansingh e suas futuras gerações. 200 anos depois Suman (Aarti Gupta), descendente do sultão, é uma estudante de faculdade prestes a se casar com Sanjay (Mohnish Behl) e com ele passa a maior parte do tempo se divertindo em piscinas, praias e discotecas. Mas o pai de Suman (interpretado pelo veterano Pradeep Kumar) não aprova o namoro porque Sanjay não vem de uma linhagem real. Assim nosso casal dançante de heróis empreende uma viagem até Kali Pahari com o nobre intuito de quebrar a maldição de Samri e, com isso, Sanjay ser aceito como esposo de Suman.

Clássico do cinema de horror indiano, “Purana Mandir” é uma ótima introdução ao peculiar cinema popular indiano onde, sempre, sensacionais números musicais fazem parte das mais mirabolantes tramas familiares. Na Índia um bom casamento é a principal preocupação das família e essa trama, menina rica casando com rapaz de casta inferior, é explorada em praticamente todas as produções de Bollywood. Com “Purana Mandir” os Ramsay Brothers, como são conhecidos, definiram os elementos necessários para o cinema de horror da indústria local fazer sucesso popular. Tudo neste filme é over: Os efeitos sonoros, os efeitos especiais, as maquiagens, a duração, os números musicais, figurinos, até as interpretações canastronas. Tudo extremamente exagerado com aquele delicioso sabor Kitsch, ou seja, são gargalhadas garantidas durante seus longos 145 minutos de duração. No cinema indiano tudo é grande!

Tulsi Ramsay e seu irmão Shyam são filhos do lendário FU Ramsay (seus outros irmãos são Kumar, Keshu e Kiran) e, em parceria, dirigiram vários filmes de horror como “Tahkhana” (1986), “Veerana” (1988) e “Bandh Darwaza” (1990) que se tornaram cult movies (principalmente no mercado de vídeo americano e europeu). Os Ramsay Brothers geralmente filmam com baixo orçamento, o que explica os exageros cômicos em suas produções.

Pradeep Kumar se tornou conhecido do público indiano quando ganhou um importante papel no filme “Anand Math” (1952) de Hemen Gupta, uma produção patriótica hindi sobre a revolução Sannyasi que aconteceu no leste da ìndia no final do século 18. Kumar faleceu em 2001. Aarti Gupta hoje não trabalha mais na indústria cinematográfica indiana, seu filme mais popular é “Purana Mandir” (ela trabalhou em vários filmes dos Ramsay) e ao se casar desistiu da carreira de atriz, revelando uma terrível faceta da sociedade machista indiana onde o marido controla as escolhas de esposa.

“Purana Mandir” foi lançado em DVD – uma versão double feature com “Bandh Darwaza” – nos USA pelas mãos da distribuidora Mondo Macabro em uma edição dupla que vale a pena adquirir. O filme também está completo no youtube, coloque carregar e prepare-se para dançar requebrando com este delirante exemplar do horror dançante indiano.

Disco Dancer

Posted in Cinema, Música with tags , , , , , , , , , , , on setembro 26, 2011 by canibuk

“Disco Dancer” (1982, 135 min.) de Babbar Subhash. Com: Mithun Chakraborty, Rajesh Khanna e Kim.

Ontem assisti ao fantástico “Disco Dancer”, um Bollywood Movie por excelência, inspirado no “Saturday Night Fever” (“Os Embalos de Sábado à Noite”), só que infinitamente mais divertido.

“Disco Dancer” conta a história de Jimmy, um artista de rua acusado de ser ladrão quando criança, que tem sua grande chance no mundo da música quando Sam, o astro do momento, se recusa a fazer um show e Jimmy é colocado para substituí-lo por um esperto empresário. A nova carreira de Jimmy vai bem até que capangas contratados pelo pai de Sam (que, numa trama de dar inveja às novelas da Globo, é o mesmo homem que acusou Jimmy de ser ladrão quando criança) passam à persegui-lo. Numa cena engraçadíssima por seu exagero a la indianos, a mãe de Jimmy morre eletrocutada por uma guitarra na frente dele, fazendo-o desenvolver uma hilária doença chamada “guitarphobia” que pode destruir sua carreira de sucesso. Os primeiros 45 minutos do filme possuem um ritmo alucinante, com vários números musicais, um mais inspirado do que o outro, se atropelando. Inclusive, quem for assistir ao “Disco Dancer”, chamo atenção aqui para os inventivos movimentos de câmera no número musical que abre o filme, que são muito bem bolados (segue a cena no vídeo abaixo). Depois o filme dá uma pequena decaída porque, por um bom tempo, esquece os números musicais para se concentrar nos dramas de Jimmy (mas é drama indiano, ou seja, você vai dar muitas gargalhadas).

“Disco Dancer” foi um sucesso mundial na época do seu lançamento, sendo até hoje um dos filmes indianos com maior bilheteria na Rússia (Ex-União Soviética) e, na China, sua trilha sonora ganhou até prêmios. A produção foi dirigida por Babbar Subhash que se tornou uma lenda do cinema de Bollywood exatamente por este filme, e, realizou ainda outros filmes no estilo, como “Dance Dance” (1987). Mithun Chakraborty, que interpreta o dançante Jimmy, é um ator extremamente famoso e requisitado na indústria cinematográfica indiana, tendo em sua filmográfia mais de 350 títulos. Em 1988 o grupo americano Devo lançou uma música chamada “Disco Dancer”, inspirada na música “I am a Disco Dancer” da ótima trilha sonora de “Disco Dancer”, toda composta pelo músico Bappi Lahari, considerado o pioneiro no uso da música disco no cinema indiano.

capa do LP com soundtrack do Disco Dancer.

Se você procura uma diversão dramática musical cheia de cenas de ação, com lutas marciais e romance, “Disco Dancer” é seu filme!

Segue algumas cenas deste clássico de Bollywood: