Arquivo para canibuk

Site Oficial dos Trabalhos de Leyla Buk

Posted in Arte e Cultura, Ilustração, Nossa Arte, Pinturas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on outubro 22, 2012 by canibuk

Essa semana, mais precisamente hoje, estréia o site de Leyla Buk onde todos poderão acompanhar as novidades da arte de Leyla e pesquisar trabalhos antigos. O site é uma espécie de portfólio, local onde Leyla está compartilhando com o público experiências e experimentos numa série de estudos, agora pintando com tinta a óleo, onde está aprendendo muito ainda. Como nos conta Leyla em seu blog, “Quando comecei a pintar, há cerca de três anos, a tinta acrílica me pareceu a melhor opção. Pra um começo, pra quem só queria experimentar, era perfeito.Só que há um ano comecei a flertar com a tinta a óleo, uma tinta que seca mais lentamente me dando oportunidade de trabalhar melhor efeitos e detalhes.” Para ler mais sobre o processo de criação de Leyla acompanhe o Blog Leyla Buk.

Leyla Buk, para quem não sabe, é minha cara metade, minha melhor amiga, companheira no amor e aqui no Canibuk e de quem eu sinto muito orgulho. A arte de Leyla sempre me surpreende, está sempre em constante evolução! Leyla é uma artista autodidata, acho fantástico sua busca por conhecimentos, sempre experimentando técnicas, pesquisando e testando qualquer teoria na prática. Sua pintura – e ilustrações – sempre é inspirada em assuntos profundamente pessoais, as meninas de Leyla são um reflexo de si mesma, elas expressam seus sentimentos mais profundos. Paixão, curiosidade e intensidade são suas palavras de ordem.

O site de Leyla Buk traz galerias com pinturas, ilustrações, desenhos e esboços; milhares de fotos com o processo de criação de sua arte em seu estúdio de trabalho. Sempre que novos trabalhos dela forem disponibilizados você poderá acompanhar, agora, pelo site clicando aqui: Site Oficial de Leyla Buk. Se você gostou dos trabalhos dela, curta a página Leyla Buk Artwork no facebook, outro local onde as novidades estãoi sempre sendo postadas.

dica de Petter Baiestorf.

Veja alguns trabalhos de Leyla Buk aqui (para ver mais visualize o site):

Ambivalence

Barbara – Wild and Emotional

Extravagance

My Body

A Faca

From the Eye #2

Catálogo Canibal Filmes 2012

Posted in Arte e Cultura, Camisetas, Nossa Arte, Vídeo Independente with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on agosto 20, 2012 by canibuk

CAMISAS

Canibal FilmesSomente na cor preta, tamanho M, G ou GG. Preço: R$ 30.00 – É a camisa oficial da mais antiga produtora independente brasileira, responsável por clássicos sangrentos (como “O Monstro Legume do Espaço” (1995), “Eles Comem Sua Carne” (1996), “Blerghhh!!!” (1996), “Zombio” (1999) e “Raiva” (2001), entre outros), histéricos (como “Super Chacrinha e seu amigo Ultra-Shit em Crise Vs. Deus e o Diabo na Terra de Glauber Rocha” (1997), “Gore Gore Gays” (1998), “Sacanagens Bestiais dos Arcanjos Fálicos” (1998), entre outros), divertidos (como “Criaturas Hediondas” (1993), “Caquinha Superstar a Go-Go” (1996), “Cerveja Atômica” (2003), “Ninguém Deve Morrer” (2009), entre outros) e momentos da mais pura experimentação radical (como “Chapado” (1997), “Bondage 2 – Amarre-me Gordo Escroto” (1997), “Não há Encenação Hoje” (2002), “Palhaço Triste” (2005), “A Curtição do Avacalho” (2006) ou “Vadias do Sexo Sangrento” (2008), e mais inúmeros outros. É a produtora que deu ao Brasil o legado de filmes como “Vai Tomar no Orifício Pomposo” (2004), “Arrombada – Vou Mijar na Porra de Seu Túmulo!!!” (2007), “Que Buceta do Caralho, Pobre só se Fode!!!” (2007) e “O Doce Avanço da Faca” (2010). Ao comprar e andar vestido com a camisa oficial da Canibal Filmes, todos seus amigos saberão que você apoia e investe na produção de filmes independentes.

O Doce Avanço da FacaSomente na cor preta, tamanho M, G ou GG. Preço: R$ 25.00 – Essa é a camisa oficial, de tiragem limitada e que não voltará mais para nosso estoque, do média-metragem gore feminista “O Doce Avanço da Faca”. Neste pequeno filme Petter Baiestorf e sua equipe de dementes voltaram seus olhos ao controle que os evangélicos tentam impôr à vida de todos. É um dos filmes brasileiros mais censurados de todos os tempos (perde somente para outras obras da própria Canibal Filmes, como “Deus – O Matador de Sementinhas” (1997), “Gore Gore Gays” (1998), “Boi Bom” (1998) ou “Arrombada – Vou Mijar na Porra do Seu Túmulo!!!” (2007), outras obras polêmicas dos Canibais do Sul do Brasil). Ao usar a camisa de “O Doce Avanço da Faca” você estará deixando bem claro que você não faz parte do rebanho, que você é um homem de espírito rebelde que clama pela liberdade individual, e livre arbítrio, de cada homem que vive neste planeta, com todos respeitando as diferenças e se fortalecendo com o apoio mútuo. Na foto ao lado Leyla Buk dá uma mostra de como as meninas podem costumizar suas camisas no conforto de seus próprios lares e deixar as camisas da Canibal Filmes ainda mais sexys.

Vadias do Sexo SangrentoSomente na cor preta, somente tamanho G. Preço: R$ 25.00 – Essa é a camisa comemorativa do clássico underground transgressor “Vadias do Sexo Sangrento”, filme de humor negro da Canibal Filmes onde o elenco inteiro interpreta nú a mais incrível sucessão de cenas de bom gosto do cinema brasileiro. Poucas peças dela no estoque e não será mais feita nenhuma. Se você ver alguém usando essa camisa vai saber na hora que é um dos poucos felizardos do mundo a ter essa magnífica camisa que atraí olhares por onde quer que passe, ou melhor, se você comprar agora uma das últimas peças será, com certeza, a pessoa mais descolada da festa, a pessoa cujo todos olhares serão direcionados e que chamará toda atenção. “Vadias do Sexo Sangrento” é um cult da Canibal Filmes que deixa todos molhadinhos!

ZombioSomente na cor preta, tamanho M, G ou GG. Preço: R$ 30.00 – “Zombio” (1999) é o primeiro filme autenticamente brasileiro a mostrar zumbis na tela, é um dos grandes clássicos sangrentos e alucinados do cinema brasileiro, é o filme de zumbi onde moscas perseguem a carne putrefacta dos zumbis e mostra o que seria a realidade fedida de um verdadeiro holocausto zumbi. “Zombio” se tornou uma peça cult na filmografia brasileira, um filme barato cheio de cenas hilárias (como o herói fazendo embaixadinhas com uma cabeça decepada) e que continua extremamente jovem e sempre conquistando novos fãs. É a camisa ideal para você comprar, vestir e sair por aí fazendo mais amigos! Vestindo uma camisa do filme “Zombio” todos saberão que você tem um senso de humor sádio, uma pessoa divertida capaz de rir das piadas mais politicamente incorretas,  uma pessoa que realmente vale a pena conhecer e se relacionar!

CanibukSomente na cor preta, tamanho M, G ou GG. Preço: R$ 30.00 – Essa é a camisa oficial do blog Canibuk que tem os leitores mais especiais do mundo. Canibuk foi criado por Petter Baiestorf e Leyla Buk em 2010 para a divulgação de cultura obscura e desde então se tornou uma marca da verdadeira cultura outsider, ponto de encontro de pensadores transgressores e leitores sedentos por informações do maravilhoso mundo da cultura independente. Canibuk está entrando no seu terceiro ano e criou essa linda camisa, com arte original de Leyla Buk, para que os leitores do blog possam passar a vestir a camisa do blog. A escolha de um punk prá ilustrar a camisa tem tudo haver com o blog que explora o faça você mesmo dos anos 1970 e 1980. Petter e Leyla, mesmo editando um blog, são eternos zineiros! Vista a camisa do Canibuk!!!

Accion MutanteSomente na cor preta, somente tamanho G. Preço: R$ 30.00 – Este filme não é uma produção da Canibal Filmes, mas é um dos filmes preferidos de Petter Baiestorf que, na falta de uma camisa oficial deste lindo filme, quis homenagear os 20 anos da produção de Álex de la Iglesia com uma camisa deste inacreditável clássico do cinema de humor negro. Foram feitas somente 10 peças desta camisa e assim que todas as peças serem vendidas não será mais colocada de volta ao estoque. Se você ainda não assistiu este filme saiba que está perdendo um dos maiores filmes de sci-fi gore do cinema mundial, é o filme que marca a estréia como diretor do genial Iglesia e trás participação de Santiago Segura em pequeno papel. Imperdível!!!

FILMES:

A Curtição do Avacalho (2006, 73 min.) de Petter Baiestorf. DVD simples – R$ 10.00.

Refilmagem livre de “O Incrível Homem Que Derreteu” (“The Incredible Melting Man“) transformada em história ateísta de histeria-pop com fundos de comédia anarquista na melhor tradição do cinema udigrudi brasileiro dos anos 60/70. Mais do que uma simples homenagem, “A Curtição do Avacalho” prova que é possível dar continuidade às experimentações do cinema Marginal adicionando um caldo gore-transgressor. O DVD ainda inclui os fantásticos extras: galeria de fotos da produção, roteiro, cenas deletadas, erros de gravação, trailer de produções independentes, o documentário “Baiestorf: Filmes de Sangueira e Mulher Pelada” (2004) de Christian Caselli e o mais genial menu-pegadinha de todos os tempos.

O Monstro Legume do Espaço (1995, 77 min.) de Petter Baiestorf. DVD simples. R$ 12.00.

Clássico do cinema underground brasileiro precursor de todas as produções do gênero que ganharam lançamento independente após “O Monstro Legume do Espaço” tomar de assalto a grande mídia nos anos 90 provando que era possível realizar o sonho do cinema com pouquíssimos recursos. Aqui um alienígena constituído de fibras vegetais chega ao planeta Terra e é aprisionado por um cientista. Com ajuda do coprofago Caquinha ele consegue escapar e promove um banho de sangue carregado de vísceras humanas. O DVD é um programa duplo que trás as duas primeiras partes de “O Monstro Legume do Espaço” (a original de 1995 e a segunda parte de 2006), com legendas em inglês, making off, erros de gravação, vídeo-clips, galerias de fotos e trailers de outras produções independentes.

Arrombada – Vou Mijar na Porra do seu Túmulo!!! (2007, 38 min.) de Petter Baiestorf. DVD simples. R$ 12.00.

Um traficante condenado é obrigado por um juiz de direito eleito senador duas vezes pelo voto popular à seqüestrar uma menina para saciar seus mais baixos instintos bestiais na companhia de seu médico particular punheteiro e seu padre amado. Muita putaria e violência no retorno de Baiestorf aos filmes de sexploitation carregados de críticas sociais. Masturbe-se e goze gostoso com este festival de estupros e o peculiar humor bizarro da Canibal Filmes. Por ser um média-metragem, o fantástico DVD de “Arrombada” ainda traz os curtas: “Que Buceta do caralho, Pobre só se Fode!!!” (2007, de Baiestorf), “Manifesto Canibal – O Filme” (2007, de Baiestorf e Souza), “O Nobre Deputado Sanguessuga” (2007, de Baiestorf), “Amigo Imaginário” (2007, de Baiestorf e Gurcius), “Dark Angel” (2007), “O Manjar dos Deuses” (2007, de Gustavo Insekto), “Apagogia” (2007, de Moacir Siso) e “Tudo Começou Quando Mamãe Conheceu Papai” (2007, de Gurcius Gewdner). Mais os maravilhosos extras com legendas em inglês, trailers, making offs, erros de gravação, entrevistas com Baiestorf, faixas de comentário em áudio com Baiestorf, Coffin Souza e Gurcius Gewdner e o documentário “Um Arrombado na Estrada”.

Zombio/Eles Comem Sua Carne (1999-1996, 45 min.-73 min.) de Petter Baiestorf. DVD simples. R$ 12.00.

Incrível double feature com dois clássicos do cinema gore brasileiro. “Zombio” é o primeiro filme com zumbis produzido no Brasil, conta a história de um casal de playboys ecologistas que vai namorar numa ilha deserta e encontra uma horda de zumbis canibais. “Eles Comem Sua Carne” mostra a hilária história de vida de um grupo de canibais anti-sistema que vive em harmonia devorando fiscais da prefeitura de Palmitos que vão cobrar o IPTU atrasado. Traz de extra os curtas “Zumbis do Espaço de Lá” (2008, de Larissa Anzoategui), “Colt Romero” (2008, de Cristian Verardi), o documentário “Andy – Chegando ao Zombio”, documentário “Revisitando o Set de Zombio 10 Anos Depois”, faixas de comentário em áudio, trailers, testes de FX e making off de Eles Comem Sua Carne.

Vadias do Sexo Sangrento (2008, 31 min.) de Petter Baiestorf. DVD duplo – R$ 17.00.

Como todo bom macho que pensa com a cabeça do pau, Russ começa a perseguir sua ex-namorada Mirza que o trocou por Tura, uma lésbica boa de língua e de bunda. Muita sangueira e sadismo na comédia romantica onde Baiestorf discute o relacionamento amoroso em nossa sociedade de forma quase adulta debochando dos clichês do gênero. “Vadias do Sexo Sangrento” é experimentalismo radical que dá seqüência as teorias do livro “Manifesto Canibal” (de Baiestorf e Coffin Souza), grande bíblia profana do cinema underground brasileiro. O DVD duplo traz ainda os curtas “Rottina” (2008, de Rodrigo Pedroso), “Palhaço Triste” (2005, de Baiestorf), “Dia de Ano” (2005, de Gurcius Gewdner), “Dominação Bizarra” (2004, de Zé Colmeia), o documentário “Vadias no Cinehorror 3”, legendas em inglês, dublagem em inglês, making off, erros de gravação, faixas de comentário em áudio de Baiestorf e Coffin Souza e entrevistas com Carli Bortolanza, Lane ABC, Ljana Carrion, Elio Copini, Everson Schütz, PC e Petter Baiestorf.

Triunvirato (2004, 55 min.) de Gurcius Gewdner – DVD simples – R$ 10.00

O dramático documentário sobre o processo de criação de Gurcius Gewdner como diretor e com o conjunto musical Os Legais. Mostrando as duras verdades da vida, causou comoção e ódio em todos os cantos do planeta onde foi exibido. Sinta o sabor da dor e da verdade neste documento chocante, revelador e repleto de suspense, que irá embelezar o vazio de sua vida. Um filme que ensina de maneira soberba a arte de ser picareta, as lições estão aqui, é só você destilar tudo, ruminar, aplicar na sua vida e ficar famoso. Extras: Legendas em inglês, galeria de fotos, trailers, jogo dos sete erros, making off, discografia de Os Legais e Os Legais em estúdio.

Mamilos em Chamas (2007, 80 min.) de Gurcius Gewdner – DVD simples – R$ 10.00

A saga do homem que trocou o ritmo alucinante da noite latejante pelas alegrias iluminadas do amor. Um filme que fará seu corpo e toda sua família explodir em prazer com as mais excitantes cenas de sexo e ação já gravadas no cinema brasileiro. É a emocionante história de um coelho perversamente dividido entre as delícias sem fim do prazer pulsante, a dura realidade do trabalho assalariado e a mais completa bestialidade, tudo isso em conflito com a descoberta do amor resplandecente. Poderá este homem aceitar o passado negro de sua amada e ajudá-la a recuperar seu pobre filho das mãos de malignos malfeitores? Erótico! Dramático! Místico! Relaxante! Romântico! Frenético! Assustador! Sem extras!

Confinópolis (2012, 15 min.) de Raphael Araújo. DVD simples. R$ 15.00

“Confinópolis” é um curta de Raphael Araújo com base em uma HQ dele mesmo que havia sido publicada na revista Prego anos atrás. A HQ virou um filme político de primeira grandeza, teorizando sobre um povo que se deixa governar por um tirano (que pode ser qualquer político, mesmo os políticos “bonzinhos”). Aqui vemos um lugar fictício onde as criaturas possuem uma fechadura no lugar do rosto e todos tem a esperança de que a salvação virá na figura de uma chave. Essa é a pequena deixa para que Araújo teorize sobre a manipulação política, sobre a televisão (um lindo flashback em animação – cortesia do artista Felipe Mecenas – explica como a sociedade ficou hipnotizada por milhares de caixas de luz hipnótica) e sobre como ações individuais podem fazer a diferença em uma sociedade. Quem fica em silêncio concorda com as atrocidades cometidas por políticos, religiosos, militares e imprensa, que sempre caminham de mãos dadas pelo jardim da tirania. Leia mais sobre este ótimo curta em “Confinópolis – A Terra dos Sem Chave“.

A Noite do Chupacabras (2011, 105 min.) de Rodrigo Aragão. DVD simples. R$ 20.00

A história de Douglas Silva (Joel Caetano), que retorna ao seu berço familiar no interior do Espírito santo, acompanhado de sua namorada grávida (Mayra Alarcón). Mas as coisas não estão bem para sua família, a morte de vários animais, reacende um antigo conflito com seus vizinhos agressivos e rivais, os Carvalho. Um rotineiro conflito de bar, quebra a trégua na guerra familiar e entre agressões, tiros e facadas, todos vão descobrir que um mal muito maior está entre eles: uma monstruosa e faminta criatura escondida na mata. Os Silva e os Carvalho, vão se matar e serem mortos pelo monstro, e ainda encontrar no caminho a figura mítica e também perigosa do “Velho-do-Saco” (Cristian Verardi). Douglas vai ter que provar a força que não se transformou em típico rapaz covarde da cidade grande e enfrentar a fúria do Chupacabras (Walderrama dos Santos) e do perigoso e demente Ivan Carvalho (Petter Baiestorf). Novamente como em “Mangue Negro” (2008), Rodrigo Aragão assume a direção, roteiro e efeitos especiais de maquiagem com extrema competência e grande parte do elenco também se divide em múltiplas funções técnicas, típico do cinema independente e de guerrilha. Um elenco afinado (e principalmente, escolhido “a dedo”), cenários naturais e muito bem fotografados e uma trilha sonora composta por grupos regionais como Vida seca, Pé do Lixo, Manguerê e Panela de Barro, que acompanha a trama de vingança, suspense e ação, sem cair no lugar comum de músicas eletrônicas, Rock pesado ou música Clássica de arquivo . A trama se desenvolve de forma natural, e para os impacientes com a demora da entrada do personagem-título em cena, a magnífica e original maquiagem “full-body” e a performance de Walderrama dos Santos enche os olhos e mostra que apesar da trama central ser focada na guerra interiorana entre famílias, este é sim , um filme de Monstro! Um monstro nacional (ou nacionalizado) e com todas as chances de ter uma carreira internacional, como aliás já está acontecendo: devagar, sorrateiro como um ataque de um Chupacabras! Leia mais sobre “A Noite do Chupacabras” aqui. Extras: Making of, galeria de fotos, trailers.

Se você se interessou em algum DVD, deposite o dinheiro na conta

BANCO DO BRASIL

Ag. 0736-6

Conta 16.625-1

Em nome de Iara Beatriz Padilha Dreher

Para maior agilidade, mande comprovante de depósito pro e-mail baiestorf@yahoo.com.br (no caso de não enviar comprovante em anexo ao pedido, levamos até 10 dias úteis para confirmar depósito).

Tendo feito pedido, não esqueça de enviar seu endereço postal para entrega dos DVDs para o e-mail baiestorf@yahoo.com.br

ENTRE EM CONTATO PARA CALCULARMOS O VALOR DAS DESPESAS POSTAIS. COMPRAS ACIMA DE R$ 100.00 O CORREIO É POR NOSSA CONTA.

Qualquer dúvida escreva solicitando informações para o e-mail baiestorf@yahoo.com.br

Lua de Mel, Vinhos, Gemidos, Amor, Lambidas e Canibuk Volta em Julho!

Posted in Buk & Baiestorf with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on junho 16, 2012 by canibuk

Leyla e eu estamos em festa até início de julho, até lá Canibuk vai permanecer sem atualizações porquê queremos abrir um vinho e curtir umas caipirinhas com muitas cervejas acompanhadas de beijos quentes, lambidinhas deliciosas no paraíso, respirações ofegantes nas 24 horas de madrugadas delirantes, corpos suados em comunhão sexual, malícia molhadinha e melequenta em dias de sacanagem e cumplicidade se curtindo sem lembrar que existe um mundo fora do nosso quarto.

 

Enquanto não voltamos a postar no Canibuk, nossa sugestão é de que as postagens antigas estão aí para serem (re)descobertas. Em menos de dois anos de blog postamos 688 artigos sobre cultura obscura em geral. São 210 postagens sobre cinema não convencional, 60 dicas de vídeos independentes, 98 quadrinhos resgatados diretamente do passado, 23 entrevistas com artistas que tem o que dizer e mostrar, 120 dicas de literatura, 60 toques sobre música underground, 23 artigos sobre ilustradores com técnicas únicas, 58 amostragens de arte erótica e mais uma infinidade de material sobre anarquismo, animações, bizarrices, body modification, colagens, contos, cordel, culinária vegetariana, fan films, fanzines, fetiche, fotografia, fotonovelas raras, raridades do museu coffin souza, orações, pinturas, poesias, rádio, roteiros, sex symbols, soundtracks, televisão e mais 90 posts com arte que, Leyla Buk e eu, produzimos.

Até julho Canibuqueiros… Se não sumirmos em nossa felicidade!

 

Lua de Mel no Nordeste Brasileiro

Posted in Buk & Baiestorf with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , on fevereiro 10, 2012 by canibuk

Nos últimos 20 dias estive com Leyla Buk passando uma nova lua de mel em Recife, Olinda e Maceió, nos divertindo com caipirinhas, vinhos, cervejas, cafés, comidas típicas (quem for ao Nordeste precisa experimentar o maravilhoso pirão de queijo, simplesmente genial), sexo, cigarros, comidinhas preparadas por nós (adoramos cozinhar juntos, em breve iremos postar algumas receitas que fizemos nesta lua de mel), filmes undergrounds, músicas bregas lindas, artes em camisetas e mais sexo melequento delicioso!!!

Cheguei em Recife no dia 23 de janeiro e fomos prá casa dos meus sogros (adoráveis!). Logo Leyla e eu já fomos abrindo um vinho e bebericando dele entre amassos e um filme rodando na TV (não lembro qual filme era) e ficamos assim boa parte da semana, só no vinho (ela) e cerveja (eu), sexo e filmes, cafés com cigarro e na cozinha criando/recriando receitinhas de comidas vegetarianas deliciosas. Cozinhar com a Leyla me trás uma paz interior indescritível!!!

No sábado, dia 28 de janeiro, fomos visitar a cidade histórica de Olinda que é um lugar maravilhoso (apesar do sol intenso), com construções lindas, cores vivas vibrantes e suas ruazinhas estreitas com cheiro de artesanato. Olinda é bela, visitá-la é uma pequena viagem no tempo e percorrer as ruazinhas acompanhado da pessoa que você ama é bom demais, faz bem pro coração e prá mente e te rejuvenesce. E ver a Leyla subindo a ladeira que dá acesso ao Alto da Sé, quase sem ar e fazendo pausa para fumar, é algo único, filosofia de vida completamente bukowskiano!!! A única coisa negativa em Olinda é que a paz e tranqüilidade de suas ruazinhas históricas é quebrada pelas caixas de poluição ambulantes, os barulhentos e incômodos automóveis tão cultuados pelos humanos, que na minha opinião deveriam ser proibidos de circular em qualquer local histórico. Olinda histórica é pequena e percorrê-la a pé é essencial para curtir a cidade, além de ser um programa saudável do mais alto nível. Após conhecer Olinda fomos para um restaurante à beira mar onde experimentei um caldinho de feijão divino e saí de lá cambaleando por ter bebido cerveja demais, abraçado em Leyla, igualmente cambaleante, cortesia das inúmeras caipirinhas que ela bebeu.

Nosso domingo acabou sendo para curar a ressaca e cozinhar com a Biba, amiga da família de Leyla, que fez um delicioso caldinho de abóbora, acompanhado de um queijo coalho à milanesa, combinado com um feijão verde que Leyla e eu preparamos. Fechou o domingo de maneira espetacular!!!

Durante a nova semana Leyla e eu retomamos nossos afazeres de lua de mel: Beber vinho, fumar cigarros, fazer sexo tarado, beber cervejas, ver filmes brasileiros e cozinhar (e mais sexo, sexo, sexo!!!). Como o pai de Leyla entrou de férias por estes dias, fomos jantar fora mais vezes. Foi bem interessante experimentar a culinária de Recife (o pirão de queijo é espetacular e o queijo coalho crocante também, engordei alguns quilos). Só não experimentei tudo porque, infelizmente, as opções para os vegetarianos são reduzidas (se eu fosse vegan não teria opção alguma).

Na quinta-feira, dia 02 de fevereiro, encontramos Osvaldo Neto (do ótimo blog Vá e Veja) e ficamos pela orla do bairro de Candeias bebericando cervejinhas. Osvaldo é um cara gente fina prá caralho e foi ótimo conhecê-lo pessoalmente, inclusive foi ele quem linkou meu “Arrombada – Vou Mijar na Porra de Seu Túmulo!!!” para download quando fiz o protesto anti-sopa e em breve irá disponibilizar, também, o média “O Doce Avanço da Faca”.

Na sexta-feira Leyla e eu acordamos extremamente cedo (após uma noite em que declaramos guerra aos pernilongos) e pegamos um busão prá Maceió/AL onde iria acontecer “A Noite dos Malditos” no Sesi local. Prá minha surpresa, quando chegamos, Erivaldo Mattüs me informou que os ingressos para a exibição dos filmes “Zombio” (1999), “O Doce Avanço da Faca” (2010), ambos com direção minha, e “A Noite do Chupacabras” (2011) de Rodrigo Aragão, onde interpreto o vilão Ivan Carvalho, já estavam esgotados desde o dia anterior (163 lugares no cinema já vendidos). Como meus filmes não são muito conhecidos na região Nordeste fiquei extremamente feliz com isso e a recepção do público foi linda: “Zombio” arrancou várias risadas, mas “O Doce Avanço da Faca” levou o público presente ao delírio, com altas gargalhadas, gritos histéricos, aplausos ensandecidos em algumas cenas (na morte do Minuano pelos seios gigantes de Gisele Ferran, Jorge Timm explodindo e a cena final deixaram o público eufórico!). Foi lindo, obrigado Maceió!!! Depois dos filmes rolou um rápido bate-papo comigo e a exibição do já Cult “A Noite do Chupacabras” do genial Rodrigo Aragão, que fez o público ficar completamente absorvido durante suas quase 2 horas de duração. Com o término da sessão passamos por um mercado 24 horas (eram umas 4 da manhã), compramos vinho e pizza, e fomos prá casa do Erivaldo Mattüs ver o sol nascer. Leyla desmaiou de canseira e eu também, logo depois dela. Na casa do Erivaldo está o quadro “Bloody Catrina” que Leyla pintou para ele e que eu conhecia apenas por fotos. Ver o “Bloody Catrina” ao vivo, de pertinho, é uma experiência fantástica, o quadro é maravilhoso, um grande trabalho de meu amor, garota linda e talentosa, por quem fico a cada dia mais apaixonado.

Algo me chamou atenção na viagem de busão entre Recife-Maceió (eu só conhecia o Nordeste viajando de avião): O interior nordestino é verde e produtivo, cheio de vida e cidadezinhas coloridas, bem diferentes do Nordeste seco e sem vida mostrado pelos filmes e/ou canais de TV. Fica a dica, viaje de busão pelo Nordeste para conhecer mais da região, é uma experiência bem interessante e rica.

De volta em Recife, Leyla e eu resolvemos ficar caseiros. Recusamos os convites que os pais dela fizeram para sair e ficamos os próximos dias no nosso ritmo de bebidinhas, comidinhas e sexo gostoso. Queríamos nos aproveitar ao máximo antes da minha volta para o Sul do Brasil, namorar à distância é horrível e no momento de separar bate uma tristeza profunda muito ruim de controlar! Espero que em breve estejamos morando juntos para não ter mais que sofrer com a distância!

 

Grandes Problemas não representam Grandes Problemas

Posted in Buk & Baiestorf, Literatura, Nossa Arte with tags , , , , , , , , , , on dezembro 13, 2011 by canibuk

O ser sem inspiração sentou-se diante do espelho e olhou longamente seus próprios olhos. Deixou que o vento desarranjasse seus cabelos e se perdeu em devaneios nostálgicos, onde pensou:

“Sou prisioneiro de mim mesmo. Vivo vinte e quatro horas por dia preso a minha existência medíocre. E minha mediocridade existencial é meu purgatório. E vegeto com a certeza de não ter como fugir de mim mesmo. E vou viver por infinitas eternidades. E serei torturado por mim mesmo até o fim dos tempos. E tentarei, a todo custo, esquecer como pensar. E talvez então, com a mente vazia, me tornarei a felicidade pura e simples…”

Os quatro manguaceiros do apocalipse olhavam o ser sem inspiração e cada qual, a sua maneira única, tinha sua opinião sobre a tristeza quase contagiante que rondava os humanos ainda pensantes.

E o sensato pensou:

“Os prazeres intelectuais não me são suficientes!”

E o ateu resmungou:

“O Vazio é a lei que domina o homem movido pela fé!”

E o puro de coração falou:

“Eu nasci para rir da humanidade!”

E o niilista otimista gritou:

“Por favor, alguém destrua a humanidade, não servimos para nada!”

E o ser sem inspiração ficou ali, em silêncio, para todo o sempre até criar raízes e se tornar uma frondosa árvore solitária em uma planície também solitária.

E eu pensei no quanto achava triste as pessoas que desistem de lutar, que se entregam ao comodismo, que deixam de experimentar novas sensações por medo, vergonha, timidez; que deixam de tentar a expansão da mente e se entregam de corpo e alma aos casulos que prometem uma vida pacata cheia de uma felicidade que pode ser comprada com seu trabalho escravo e sua cabeça baixa. E eu me lembrei de uma frase, não sei de quem, escrita no livro “Sociobiologia ou Ecologia Social ?” do Murray Bookchin que dizia “Ficar alheio, mesmo conscientemente, ao mundo, ou não ficar e intervir, é uma opção de cada um.”. E tinha certeza de que continuar a luta pela igualdade dos seres, para qualquer homem ainda pensante, era uma questão de honra, uma virtude pela qual vale a pena lutar.

escrito por Petter Baiestorf.

O autor em momento de brinde supremo.

Os Bons Tempos da Dureza Literária

Posted in Arte Erótica, erótico, Literatura, Livro with tags , , , , , , , , , on outubro 7, 2011 by canibuk

Algumas noites atrás eu falava com a Leyla sobre o ato de bater uma saborosa punheta, quando me lembrei como eram as noites de punhetas (todas as noites e dias, pois sempre é hora e lugar para uma punheta), antes de existir Internet, quando tínhamos que ir atrás de quadrinhos pornográficos, livros eróticos, ou torcer para alguma estação de TV programar um filme com peitinhos e buceta aparecendo (de longe, com pentelhos escuros, que alimentavam os sonhos adolescentes) ou, ainda, apelar prá imaginação e, como um Mr. Teas espinhento, imaginar as mulheres que tu viu durante o dia peladinhas. CACETE UP,  fricciona, fricciona, fricciona, aaaaaaaaaahhhhhhhhhhhhhhhhhh!!!!!!!

No meu tempo de adolescência (e nem sou tão velho assim), muitas vezes, cara batia punheta lendo livro (isso mesmo, livros, aquelas coisas de papel e letrinhas e idéias e ideologias com inúmeras páginas), pegava o livro erótico (quantos mais pornográfico e sujo melhor), segurava ele com uma mão e com a outra mão livre, mexia no pau: Cabecinha do pau ficava lubrificada e tu deslizando suavemente seus dedos sobre ela enquanto a mente viajava nas linhas de putaria do livro. Bons tempos onde até batendo punheta você estava exercitando o hábito da leitura (na época não existia essa facilidade de baixar filme pornô em alguns minutos no computador, que eram aparelhos inexistentes, aliás, nem os aparelhos de VHS eram tão populares assim e prá pegar pornô em vídeo-locadora tu tinha que, antes, convencer um adulto a pegar para você – era mais fácil comer uma amiguinha da mesma idade do que ver um pornô).

Naquela época, com 14 ou 15 anos, lembro que eu e amigos quando bebíamos juntos, um dos papos mais recorrentes era este: “Não seria maravilhoso se tívessemos aqui na cidade uma biblioteca com todos os livros, todos os discos, todos os filmes do mundo?”… Porra, na época nem sonhávamos que aquele papo viria a se tornar realidade com a criação da internet. Mas hoje vejo que toda essa informação disponível não significa nada. Antigamente cara conseguia um disco por mês, um livro, algumas revistas de HQ, via vários filmes com cortes na TV e assimilava as coisas, as idéias, bem ao contrário dos dias de hoje em que os jovens tem no HD todos os discos, todos os livros, todos os filmes, tudo, tudo, TUDO e simplesmente nem assistem. Hoje o quente é dizer: “Tenho toda a discografia da banda X no meu HD, só não ouvi ainda!”. Tá, vai se foder piralho!

Mas voltando às delícias da punheta, depois deste papo com a Leyla (que me inspira sempre), lembrei de um livro chamado “Swing – Sexo Sem Limites” (130 páginas, editora Top-Livros), assinado por Eurico Félix, que li quando tinha uns 12 prá 13 anos e era um dos meus preferidos. Reproduzo aqui algumas passagens do “Swing” para você conhecer e, se possível, bater uma punhetinha gostosa aqui na frente do computador:

“(…)

Descansou o copo no canto do bar e de um único gesto tirou o vestido, mostrando-se inteiramente despida. Colocou os braços para trás, ao longo do corpo, cruzando as mãos à altura das nádegas. Com isso, empinou os seios. De pés juntos, curvou um pouco para frente o joelho esquerdo, sorrindo. Ted verteu na garganta um gole maior, dando graças aos céus por ter uma mulher tão sensual, apetitosa. Levantou-se e a abraçou. Em seguida, levou-a para o quarto, onde também se despiu. Lea estava excitada só de vê-lo apontando para ela. Mas Ted não veio de imediato. Controlou seus impulsos e primeiro visitou o banheiro, onde deu uma bela cagada. Ao voltar, todo cagado, pois a pressa era acentuada e o fez esquecer-se do detalhe, Lea estava se retorcendo na cama, amarfanhando os lencóis. Ted perdeu de vez o controle ao vê-la com a mão brincando dentro de si mesma. Esmagou-a sob seu peso e substituiu os dedos dela pelos dele, para ir no fundo, no âmago da sua quentura, buscar o início para o delírio que chegava nele e passava a ela em descargas elétricas que quase em seguida começaram a resultar em tremores e convulsões incontidas.”

(…)

“- Para, para! – Mas Julius continuava. Seu rosto bateu contra a areia, o corpo todo ia arriar, quando Julius chegou ao seu orgasmo final, forte e impetuoso. Mas, quando o fazia, descuidou-se e soltou o corpo de Rebeca. Com isso a mulher foi à areia, mole. Os fortes esguichos quentes do esperma de Julius, então, foram se alojar, gosmentos, nas suas costas. Ficou quieta, a mulher-fêmea satisfeita, por quase 10 minutos com o esperma a escorrer pelas costas até seu pescoço. Depois, foi ao riacho, onde lavou-se, tirando lenta e prazeirosamente o esperma ressequido das costas. De Julius, nem sinal. Melhor. Vestiu o short e a blusa, já quase secos. Quando sentiu as pernas bem firmes, dirigiu-se à casa.”

(…)

“Lea do seu quarto foi onde supunha encontrar Ted. Lá estava, isto sim, o Gordo, deitado, olhos fechados, braços e pernas abertos, uma figura cômica. Procurando não fazer ruído, Lea chegou perto da cama. Gordo abriu os olhos e ficou admirado, com a reação instantânea do seu membro. Se antes, no rio, a vira nua e não sentiu desejo, agora a situação era outra. Lea estava ali, na sua frente, sorrindo, os seios apontando para seu rosto. E agora ele podia trepar com ela. Agora podia beijá-la, acariciar suas formas. A mão dela agarrou seu pênis e deu pequenos apertões. Lea subiu sobre ele, para fazer sumir dentro dela o pênis rijo. Então, a abraçou com força, unindo os lábios aos delas, macios e quentes, quase tão quentes quanto a sensação que sua vagina lhe dava.”

(…)

Moral do post: Não tenha tudo, mas conheça a fundo tudo que você tem!

escrito por Petter Baiestorf. Ilustrações de Leyla Buk (originalmente feitas para o filme “O Doce Avanço da Faca”, 2010).

1 Ano de Canibuk

Posted in Buk & Baiestorf, Nossa Arte with tags , , , , on setembro 2, 2011 by canibuk

Hoje o Canibuk está em festa!

Os Canibuks: Leyla Buk & Baiestorf.

Estamos completando nosso primeiro ano de existência neste dia 02 de setembro de 2011. Exatamente um ano atrás, em 2010, Leyla Buk sugeriu que começássemos um blog. Escolhemos um nome e combinamos que íamos falar apenas do que a gente curte no blog e está sendo ótimo este espaço para divulgármos, principalmente, a arte que apreciamos. Um anos depois, 445 posts depois (o que dá uma média de mais de um post por dia), 181.692 acessos depois (sendo que o dia 08 de junho teve o maior número de acessos num único dia com 1.967 visitas), continuo achando lindo como nossa parceria continua funcionando de maneira maravilhosa!

Então, se você é leitor habitual do Canibuk, hoje é dia de abrir um vinho, pedir uma caipirinha, pegar uma cerveja, bebericar uma cachaça ou um chopp geladinho e comemorar com a gente este primeiro ano de existência do blog. Se depender da gente vamos continuar trazendo dicas de cultura underground por muitos vários anos ainda! E somos agradecidos à todos que estão sempre aqui no Canibuk lendo os posts e comentando. Um brinde à todos nós…

Cash com café!

Posted in Música with tags , , , on outubro 15, 2010 by canibuk

Atualização rápida aqui só pra postar uns vídeos do Johnny Cash.                                                                                                                                                        Indo tomar um café  mas deixo antes esses sons lindos pra embalar o final da tarde dessa sexta.