Arquivo para Dia dos Mortos

Zumbizada do Romero

Posted in Cinema with tags , , , , on novembro 2, 2010 by canibuk

George A. Romero nasceu nem New York no ano de 1940 e se formou em Pittsburgh (estado da Pensilvânia, USA) onde passou boa parte dos anos 60 dirigindo comerciais. No final dos anos 60 ele e alguns amigos fundaram a produtora Image Ten Productions e levantaram cerca de 100 mil dólares para a produção do “The Night of the Living Dead” que inaugurou o gênero moderno de zumbis podres canibais devoradores de carne humana que fazem nossa festa (antes os zumbis não faziam porra nenhuma nos filmes).

George A. Romero

Nos anos 70, depois de alguns filmes em outras temáticas (dos quais destaco “The Crazies”, que poderia muito bem ser um filme de zumbis, e o clássico “Martin”), Romero voltou aos zumbis com uma mãozinha da família Argento (Claudio e Dario produziram o filme) e do maquiador Tom Savini e realizou o melhor de todos eles, “Dawn of the Dead”. Na década seguinte realizou o “Day of the Dead” (depois de ter feito o filmaço “Knightriders” com Savini num dos papéis principais) e se consodalizou como o “King of the Zombie Movies”.

Já pós anos 2000 Romero realizou 3 novos filmes com a temática zumbis, são produções bem elaboradas mas que não possuem aquele charme podreira dos filmes anteriores, abaixo segue informações sobre os seis filmes de zumbis dirigidos por ele e seus trailers.

“The Night of the Living Dead” (1968)

Mortos começam a andar no mundo todo e acompanhamos as aventuras de um grupo de humanos que ficou isolado numa fazenda. Filmado em preto e branco, o filme redefiniu o gênero horror. Carregado de críticas sociais e com tom pessimista ele representa bem o fim de uma era nos USA. Romero mesmo já disse em entrevistas que o clima todo do filme foi inspirado no obscuro “Carnival of Souls” (1962) de Herk Harvey (que já assisti e é uma filmaço), mas Romero aumentou esse clima e conseguiu uma tensão que permeia o filme durante toda sua metragem. O co-roteirista, John A. Russo, escreveu o livro que deu origem ao roteiro de Dan O’Bannon para o “The Return of the Living Dead” e, para 2011, promete um filme chamado “Escape of the Living Dead”). “Night of the Living Dead” foi refilmado duas vezes já, a ótima versão do Tom Savini que conseguiu atualizar o roteiro todo em 1990 e uma picaretagem em 3D chamada, obviamente, “Night of the Living Dead 3D” de Jeff Broadstreet que eu gostei bastante por trazer nudez e fumadores de maconha fazendo coisas idiotas. Recomendo as 3 versões.

“Dawn of the Dead” (1978)

Produzido pelo Claudio e Dario Argento (produtores italiano responsáveis por clássicos como “Suspiria”, “Phenomena”, “Opera” e muitos outros), “Dawn of the Dead” é cheio de um humor sarcástico e os maravilhosos efeitos gores do Tom Savini (que aparece aqui também como ator, ele é um dos motoqueiros). Para fugir da zumbizada, grupo de humanos se refugia num shopping, qualquer semelhança com a realidade de hoje em dia não é mera coincidência (só trocar zumbis por ladrões e temos o shopping como um suposto local seguro). Em 2004 o filme ganhou um ótimo remake assinado pelo diretor Zack Snyder (que depois não fez mais nada que prestou, na minha opinião, claro). O filme original já foi lançado em DVD aqui no Brasil pela Dark Side.

“Day of the Dead” (1985)

Com o planeta dominado pelos mortos, militares e cientistas vivem em bunkers tentando controlar a epidêmia. Uma boa sacada nesta seqüência é o Bud, o zumbi amestrado pelo chefe dos cientistas. Essa produção contou com bem mais grana que as duas anteriores, mas grandes orçamento, grandes problemas e o filme não ficou como originalmente planejado por Romero e foi fracasso comercial nos cinemas. Aliás, nos anos 80 Romero não conseguiu emplacar filme nenhum, seu filme seguinte foi o pavoroso “Monkey Shrines” que quase sepultou prematuramente sua carreira. Em 2007 “Day of the Dead” ganhou um remake pelas mãos do diretor de aluguel Steve Miner (responsável pelas partes 2 e 3 da série “Sexta-Feira 13”) que é ruim demais. “Day of the Dead” está disponível em DVD aqui no Brasil.

“Land of the Dead” (2005)

Aqui Romero já reaparece em cena como o “rei dos filmes de zumbis” sendo aclamado por jovens fãs de filmes de horror do planeta inteiro. “Terra dos Mortos”, apesar de algumas boas idéias e do bom orçamento para efeitos e cenas mais díficeis, eu acho bem fraco pois perdeu aquele estilão pessimista dos filmes anteriores, virou mais uma produção “sessãozinha da tarde”. Neste roteiro aqui, os mortos-vivos já dominaram o planeta inteiro, estão mais inteligentes e obrigaram os humanos a viverem em cidades isoladas (uma espécie de condomínios de luxo fechados com várias divisões de classes). É um bom ponto de partida, mas achei as críticas rasas demais, talvez um mal característico do atual cinema americano. No elenco temos Asia Argento, filha do diretor Dario Argento que nos anos 70 produziu o “Dawn of the Dead” e prestem atenção na participação especial da dupla Simon Pegg e Edgar Wright (ator e diretor, respectivamente, do genial “Shaun of the Dead”).

“Diary of the Dead” (2007)

Aqui grupo de jovens cineastas vão registrando a invasão dos mortos-vivos com suas câmeras e jogando isso tudo na internet. Na minha opinião o mais fraco de todos os filmes de zumbis do Romero, no mesmo ano foi lançado o espanhol “Rec”, com temática similar e infinitamente superior. Mas o “Diário dos Mortos” conta com os eficientes efeitos de maquiagens do Greg Nicotero, que sempre é sinônimo de competência.

“Survival of the Dead” (2009)

A pseudo continuação do “Diary of the Dead” é bem superior. Aqui vemos os moradores de uma ilha entre meio ao caos gerado pelos mortos que levantam. Gostei bastante do “A Ilha dos Mortos” (título nacional) porque temos um Romero mais sarcástico de volta e dá prá perceber que ele usou influências do cinema italiano (que por sua vez, nos anos 70 e 80, foi muito influênciado pelas produções do Romero) ao realizar o filme e tudo ficou mais podreira (dá prá perceber ecos de filmes como “Zumbie” do Lucio Fulci ou “Dr. Butcher M.D.” de Marino Girolami). Recentemente foi lançado em DVD aqui no Brasil e recomendo uma espiada.

Sylvia Ji

Posted in Uncategorized with tags , , , on novembro 2, 2010 by canibuk

Pra esse dia dos mortos selecionei pinturas da artista Sylvia Ji. Seu trabalho é focado em mulheres (eu, como pintora de mulheres, admiro todas que fazem o mesmo tipo de trabalho e em breve farei um post com uma seleção especial de mulheres pintoras que têm como tema principal o feminino, mulheres fortes, sexys e transgressoras) e ela tem uma serie de pinturas onde mescla mulheres lindas e sensuais com aquelas caveiras mexicanas que são uma caracteristica do Dia dos Mortos que acontece no México (que, assim como no Brasil, também rola no dia 02 de novembro).

La Catrina, figura popular no Dia dos Mortos Mexicano. Representa uma mulher da alta sociedade e sua função é lembrar que diferenças sociais não representam nada diante da morte.


Sylvia Ji tem apenas 28 anos, é formada em ilustração na Universidade de Arte de São Francisco e, segundo ela, sua arte reflete sua personalidade ou a personalidade de pessoas conhecidas que estão a sua volta, sempre com muita beleza, sexualidade e um toque de horror, tudo retratado com muita sutileza!