Arquivo para download

A Dançante Versão Musical de Guerra dos Mundos

Posted in Livro, Música with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , on julho 9, 2012 by canibuk

Adriano Trindade me deu toque sobre a existência de uma versão musical do livro “The War of the Worlds” de H.G. Wells que eu desconhecia completamente. Gravado em 1978 por Jeff Wayne, é um álbum conceitual que conta, em forma de música, a invasão do planeta Terra por hordas de marcianos sedentos por sangue humano usando ótimas rimas e um instrumental que bebe da fonte do rock progressivo com uma batida disco que deixa o cara querendo dançar, penso que com alguns arranjos mais disco daria um lindo sci-fi musical blaxploitation, estrelado por atores negros, ambientado em 1976.

O musical foi composto por Jeff Wayne (um autor de jingles publicitários) com ajuda de Gary Osborne (ex-letrista de Elton John) criando as letras rimadas por onde os sentimentos de várias personagens são cantadas. A banda que Wayne conduz ficou conhecida pelo nome Black Smoke Band e o jornalista da história, principal narrador, é interpretado pelo ator Richard Burton.

“Forever Autumn” (que ficou no top 5 londrino), “The Eve of the War”, “Thunder Child” e “The Spirit of Man” são as canções mais conhecidas do álbum que já vendeu mais de dois milhões de cópias. Existem algumas versões do álbum em espanhol (uma com Anthony Quinn no papel do jornalista e outra com Teófilo Martinez na mesma função). Em 1980 foi lançado uma versão em alemão com Curd Jürgens, que foi ator no clássico “Et Dieu… Créa la Femme/… E Deus Criou a Mulher” (1956) de Roger Vadim, no papel do jornalista. Além disso, em 1984 o CRL Group PLC lançou um video game baseado no musical de Wayne. Existe também, ainda em produção, uma animação em CGI inspirada no álbum.

Não deixe de conferir “The Jeff Wayne’s Musical Version of War of the Worlds“.

No post original sobre “The War of the Worlds” não falei que em 30 de outubro de 1971 os funcionários da rádio e TV difusora de São Luís/MA repetiram, desta vez em português, a experiência de Orson Welles e transmitiram um programa de 45 minutos de duração baseado em “A Guerra dos Mundos”, assim como nos USA em 1938, a cidade de São Luís também acreditou que estava sendo invadida por marcianos e o pânico e o caos se instalaram. Após o término do programa o exército fechou a rádio e prendeu os responsáveis. Para saber mais sobre essa linda experiência do rádio brasileiro, consiga o livro “Outubro de 71 – Memórias Fantásticas da Guerra dos Mundos”.

Hard Rock Zombies

Posted in Cinema, Soundtracks with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on maio 27, 2012 by canibuk

“Hard Rock Zombies” (1985, 98 min.) de Krishna Shah. Com: E.J. Curcio, Geno Andrews, Sam Mann, Mick Manz, Lisa Toothman, Jack Bliesener e Phil Fondacaro.

Lá por 1989 eu vi na TV um filme chamado “American Drive-In” (1985), que depois descobri ser dirigido por Krishna Shah, uma comédia adolescente que imitava “American Graffiti/Loucuras de Verão” (1973, Universal Home Video) de George Lucas. O filme do indiano Shah era muito mais divertido do que o de Lucas e no filme exibido na tela do Drive-in americano em questão, pipocavam umas intrigantes cenas de um anão deformado se auto-devorando e de outro anão zumbi maluco tentando comer uma vaca viva. Por anos fiquei tentando saber mais sobre o filme até que um dia, sem querer, encontrei numa locadora o filme “Hard Rock Zombies” e, para minha surpresa, era o filme que era projetado naquele divertido “American Drive-In”. “Hard Rock Zombies” se tornou meu trash-movie de estimação e foi uma grande influência para mim quando filmei “Criaturas Hediondas” (1993).

Como não gostar de um filme que tem hard rock farofa grudento e completamente brega, Hitler casado com uma Eva Braun lobiswoman, anões tarados, zumbis mongolóides, humor retardado na linha do genial “Attack of the Killer Tomatoes/O Ataque dos Tomates Assassinos” (1978) de John DeBello, anão deformado comendo sua própria carne com saleiro e colherzinha, entre muitas outras cenas hilárias. A história do filme (que tem um roteiro do próprio diretor em parceria com David Allen Ball, bagunçado e bem confuso) é mais ou menos assim: Depois de um show onde nossa banda de hard rock tem a dura obrigação de tirar fotos com meninas, eles partem para Grand Guignol, uma pequena cidadezinha que não gosta de hard rock e cabeludos abusados. No caminho Jesse (interpretado por E.J. Curcio), líder da banda, compõe uma música que ressuscita os mortos (provado na hora por um mosquito que é morto e ressuscita dentro da van onde eles viajavam). No caminho eles dão carona à uma loira fatal e são convidados para ficar na mansão da família dela, onde descobrimos que Hitler, então com 95 anos e ainda traçando Eva Braun com grande categoria, está vivo e, com ajuda de seus netos anões, tem um novo grande plano de dominação da América.

“Hard Rock Zombies” é um filme que defende o rock’n’roll, mostra a sociedade das pequenas cidadezinhas como um bando de caipiras fascistas com medo do que não conhecem. Este filme tem muitas cenas memoráveis: O anão deformado se auto-devorando é a melhor cena de “Hard Rock Zombies, o outro anão tentando comer uma vaca também é divertida, a banda transformada em zumbis (que caminham dando passinhos de dança) fazendo um show para o olheiro de uma grande gravadora, todos os números musicais, a garota atrás da cabeça decepada de seu namorado, o plano para escapar dos zumbis envolvendo cartazes com grandes cabeças de ídolos americanos (Jimi Hendrix, Marilyn Monroe, Elvis Presley, entre outros), as mortes mal filmadas, os membros decepados claramente de látex, a virgem que é dada aos zumbis como se fosse uma oferenda de um ritual religioso primata, os zumbis sendo mortos numa câmera de gás colorido, e muito mais, fazem deste filme o clássico bagaceiro que se tornou.

A trilha sonora do filme é uma delícia de tão grudenta, todos os sons foram compostos por Paul Sabu inspiradíssimo. Sua banda Only Child fez relativo sucesso nos anos de 1980, mas foi como músico de apoio de estrelas como David Bowie e Alice Cooper que Sabu ganhou dinheiro. Sua música aparece na trilha de vários filmes, como “Ghoulies 2” (1988) de Albert Band (com produção de seu picareta filho Charles Band), “Meatballs 4” (1992) de Bob Logan e “To Die For/Um Sonho Sem Limites” (1995) de Gus van Sant (que conta com uma participação especial de David Cronenberg em divertido papel). Sabu já ganhou o prêmio Emmy, uma pequena mancha na carreira do compositor da trilha sonora de “Hard Rock Zombies”.

Krishna Shah nasceu na Índia mas, após graduação em Yale e UCLA, começou a trabalhar em peças de teatro da Broadway. Em 1972 realizou seu primeiro filme, “Rivals”, um drama psicológico que é tido como um clássico do gênero (ainda não assisti). Seu filme seguinte, “The River Niger” (1976), estrelado por Cicely Tyson, James Earl Jones e Louis Gossett Jr., ganhou vários prêmios e o levou a dirigir “Shalimar” (1978), uma aventura estrelada por John Saxon e filmada em sua terra natal. Com “Cinema Cinema” (1979) realizou um documentário sobre o cinema indiano. Aí algo saiu errado e Shah fez simultaneamente os dois trash-movies, “American Drive-In” e “Hard Rock Zombies”, clássicos da bagaceirada cinematográfica que o mantiveram afastado da direção até 2011, quando voltou a função com a série de TV “Dance India Dance Doubles”.

Os efeitos especiais de “Hard Rock Zombies” (e também a direção da equipe de segunda unidade) são de John Carl Buechler, nascido em Belleville, Illinois, fez sua estréia em 1978 no departamento de maquiagens do filme “Stingray” de Richard Taylor. Em 1980 trabalhou na comédia fantástica “Dr. Heckyl and Mr. Hype” de Charles B. Griffith já no departamento de efeitos especiais. Com Roger Corman trabalhou em alguns filmes divertidos como “Forbidden World/Mutant” (1982) de Allan Holzman com roteiro de Tim Curnen inspirado numa história de Jim Wynorski e R.J. Robertson. Fez sua estréia na direção de um segmento no filme em episódios “Ragewar” (1984), que também trazia episódios de cineastas como Dave Allen, Charles Band, Steven Ford, Peter Manoogian, Ted Nicolaou e Rosemarie Turko. Sua primeira direção solo foi com o incrivelmente ruim “Troll” (1986), seguido do mais ruim ainda “Cellar Dweller/O Monstro Canibal” (1988) e seu filme mais conhecido: “Friday the 13th part VII: The New Blood/Sexta-Feira 13 parte 7 – A Matança Continua” (1988), uma verdadeira inutilidade que não agrada nem aos fanáticos pela série do Jason. No total, até agora, Buechler já dirigiu/destruíu 17 filmes, incluindo um remake de “Troll” em fase de pré-produção mas que aposto que vai ficar pavoroso. Entre seus melhores trabalhos de efeitos especiais estão produções como “TerrorVision/A Visão do Terror” (1986) de Ted Nicolaou; “From Beyond/Do Além” (1986) de Stuart Gordon; “Slave Girls from Beyond Infinity/Rebelião nas Galáxias” (1987) de Ken Dixon, os três produções de Charles Band; “A Nightmare on Elm Street 4: The Dream Master/A Hora do Pesadelo 4: O Mestre dos Sonhos” (1988) de Renny Harlin; “Bride of the Re-Animator/A Noiva de Re-Animator” (1990) de Brian Yuzna; “Carnosaur” (1993), uma produção de Roger Corman dirigida pela dupla Adam Simon e Darren Moloney; “Dinosaur Island” (1994) da dupla Fred Olen Ray e Jim Wynorski em uma produção de Corman reciclando o dinossauro usado em “Carnosaur”; e, “Bikini Drive-In” (1995), pequeno clássico inspirador de Fred Olen Ray.

Nos USA “Hard Rock Zombies” foi distribuido pela Cannon Group Inc.; aqui no Brasil saiu em VHS pela América Vídeo em 1988.

resenha de Petter Baiestorf.

Abbracciare Zimbo Trio: EP – Una Anima D’Amore

Posted in Música with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on maio 18, 2012 by canibuk

Parem tudo!!! Essa semana não saiu do meu aparelho de som a música “Non c’e Piu Niente da Fare” gravada pelo Abbracciate Zimbo Trio que é simplesmente a melhor música que já ouvi em anos (ou na vida inteira). Este som é hipnótico, com um clima romântico que o POP mundial tinha nos anos 60/70 e depois perdeu. Encontrei em “Non c’e Piu Niente da Fare” a música perfeita para ser o tema do meu novo filme, “O Fanzineiro”, em fase de roteirização e logo em pré-produção (ainda sem elenco definido).

Abbracciate Zimbo Trio é formado por Gurcius Gewdner (“Os Legais”) nos vocais, Peter Gossweiler (“Colorir”) na percussão com copinho de pinga e Yama, que ninguém sabe direito de quem se trata, no violão. Este EP “Una Anima D’Amore” traz o trio recriando as canções de Bobby Solo, o imitador italiano de Elvis Presley que fez sucesso na década de 60 em festivais da canção promovidos pela Europa.

Em entrevista exclusiva para o Canibuk, Gurcius afirma que “Abbracciare Zimbo Trio é um grupo acústico romântico que busca resgatar o amor na música POP”, e continua, “Neste momento a música mundial tem medo de errar, tem medo de ser ridícula, tem medo de ser autêntica, tem medo de tudo. Não temos medo de errar e nosso EP é uma celebração da paixão, é ótimo para dançar coladinho com seu amor, para fazer serenatas à sua amante fogosa!”. Sobre Yama, parceiro de banda, Gurcius explica, “Não sei quem é o Yama, ele estava no estúdio do Amexa e gravou com a gente essas duas canções, tendo que sair imediatamente após a sessão porque iria perder seu avião prá não sei onde!”.

A fantástica “Non c’e Piu Niente da fare” foi gravada em duas versões mas, infelizmente, Amexa apagou uma das versões logo após as gravações. Essa gravação que ouvimos no EP está sendo executada com grande sucesso pelas rádios do Brasil inteiro, tendo virado hit instantâneo. Você pode ligar para a sua rádio preferida e pedir a canção. Além do CD, em breve a banda estará lançando em vinil este pequeno trabalho que já nasceu clássico.

Você também pode baixar o EP do Abbracciare Zimbo Trio:

ABBRACCIARE ZIMBO TRIO – Una Anima D’Amore (2012) – Download autorizado pela banda.

Lado A – Non c’e Piu Niente da Fare

Lado B – Una Anima Sul Viso.

Trilha sonora oficial do longa-metragem “O Fanzineiro” (com previsão de lançamento para 2013).

Dica de Petter Baiestorf.

Músicas de Amor Pulsante

Posted in Música with tags , , , , , , , , , , , , on abril 9, 2012 by canibuk

Alguns dias atrás postei aqui links de download para discos da banda Os Legais, de Gurcius Gewdner, que o próprio disponibilizou para seus fãs se deliciarem com as demências sonoras que fizeram a alegria das crianças dos anos 90. Hoje estou disponibilizando 3 discos, de três bandas diferentes, que contam com participação de Gurcius Gewdner em sua formação. Se você odiou a música de Os Legais aqui está uma grande oportunidade de você gostar destas músicas, já que as mesmas em nada tem haver com a imbelicidade de Os legais.

Spindove – “Uma Só Carne” (2005)

Segundo disco do respeitado projeto experimental Spindove.

Com vocais de convidados e especialmente de Gurcius Gewdner (que faz os vocais femininos e masculinos do casal principal simultaneamente), o disco é inteiramente baseado no roteiro e sessões de gravação de Mamilos em Chamas. Muito tem se falado acerca desse filme, “…todo tipo de boato, brigas nos bastidores, conflitos morais, retaliações por parte de grupos straight-edges alcoólatras descontrolados, obsessão espiritual e por aí afora. O próprio conceito do filme tem algo de nefasto que incita e propicia e degeneração da moral.” Nos conta Gurcius.

O disco conta com várias falas do filme como letras, dando uma idéia do que vem pela frente, além de dezenas de homenagens espalhadas pelo álbum que vão de John Waters à Monty Python. “A história tem um potencial que vai muito além da mera pornochanchada: o de uma metáfora para a condição humana, em sua incapacidade de entender os desígnios do sagrado através dos meios de percepção comuns. Guiados por essa visão, concebemos esse disco”, explica J.W.K.

UMA SÓ CARNE já um trabalho cultuado e de um sabor único, nunca antes experimentado em lançamentos desse porte.

Tzodoma Popo – “Tzodoma Popo” (2005)

“Tzodoma Popo é música afrodisíaca, perturbadora e melancólica para se escutar olhando para as vacas que ruminam o pasto mal mastigado, chorei, hó céus, como chorei enquanto escutava esses clássicos da tristeza infantil.” Petter Baiestorf (nota do Canibuk: Essa declaração eu dei na época do lançamento deste maravilhoso disco e Gurcius Gewdner usou como frase de divulgação do disco).

Com Gurcius Gewdner nos vocais, uma dupla de japoneses e membros da formação original de Os Legais: o Tzodoma Popo é completamente oposto aos trabalhos musicais anteriores destes doentes, mas simplesmente um prato cheio pra quem gosta de música doente de tanta qualidade, brotando pelas entranhas e genitálias. São nada menos que 14 canções Afrodisíacas Infanto Juvenis que farão sua sala de estar ferver de erotismo e prazer, transformando as populações das novas gerações, fazendo do mundo um grande berço de bem estar suado. Altamente recomendado aos adoradores de Serge Gainsburg, Liquid Sky (O Filme), Goblin, The Residents, Kaada, SMES e Fabio Frizzi. Tzodoma é romântico, erótico, dançante, maligno, belo, excitante, indigesto, emotivo e amoroso.

Tzodoma Popo foi utilizado como trilha sonora do curta “Porque?… Porque sou Brasileiro!!!” (2004, 15 min.) de Ivan Pohl, que infelizmente continua inédito em DVD.

Gurcius Gewdner & Orchestra Zé Felipe – “Tatuada” (EP, 2011)

O poeta Fabio Turnis.

Outro emocionante EP que volta ao ar para alegria da juventude. São 5 músicas, 3 sucessos do consagrado disco “Universo em Desespero: a cultura irracional” de 2009, o início da parceria de Gurcius com Zé Felipe:

1 – Tatuada (“onde estou eu, abismo da dor”);

2 – Solidão (“eu queria tanto que você desaparecesse, você é doença”)

3 – Derreto Libbidus (“moça, da pele morena, do jeito oleoso”)

e duas músicas inéditas, produzidas especialmente para este lançamento:

4 – Sounds of my beloved death (com o melancólico irmão de Gurcius, Amauri Gewdner, nos vocais [que se apresentou a vivo semana passada na TV, graças ao Pablo Souza] em uma canção inicialmente destinada ao disco ainda inédito “Amauri Convida”).

5 – Pense Menos (uma releitura da música composta e imortalizada por Tim Maia, aqui em uma versão lounge relax).

Com arranjos inesquecíveis de Zé Felipe (Zumbi do Mato, Rogério Skylab) e letras em parceria com um dos maiores poetas dos tempos atuais: Fabio Turnis.

Download de Produções Canibal Filmes

Posted in Nossa Arte, Vídeo Independente with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on janeiro 19, 2012 by canibuk

Ontem teve uma megamobilização de net contra o projeto de lei SOPA que acabou sendo barrada pelo Obama. Não vou me adentrar aqui em discusões sobre a lei, nem sobre censura, nem nada! Só sei que qualquer meio de controle, qualquer tipo de proibição, qualquer método de fiscalização das informações me assusta (sou daqueles que pensa que a maioria dos problemas podem ser resolvidos com educação de qualidade, aprender a interpretar um texto te ajuda em muito na vida, estudar história para conhecer o futuro, etc…). Sou produtor de filmes independentes, pouco da minha produção está disponível na internet para download, mas devido a esse projeto de lei sem noção, resolvi divulgar alguns links de filmes que estão na net e podem ser baixados gratuitamente (tenho todos estes filmes em DVDs colecionáveis, se alguém quiser eles com capinha escreva para baiestorf@yahoo.com.br solicitando informações).

Segue links de alguns filmes que estão disponíveis na net para download:

Zombio (1999) – escrevi e dirigi este média-metragem em 1998, ele foi produzido pelo Coffin Souza em nossa última parceria pela Canibal-Mabuse Produções. Aqui contamos a história de um casal que vai namorar numa ilha e acabam descobrindo zumbis carniceiros. “Zombio” acabou sendo considerado o primeiro filme brasileiro com zumbis (não concordo com este título, já que em 1996 produzi/escrevi/dirigi o “Blerghhh!!!” onde já explorava a temática zumbi). Leia mais sobre isso AQUI.

DOWNLOAD de ZOMBIO

Fragmentos de uma Vida (2002) – Este curta-metragem nem era prá existir! Em 2000 escrevi o longa-metragem “Mantenha-se Demente” que comecei a filmar e não consegui concluir por falta de dinheiro. As cenas vistas neste curta foram filmadas para fazer parte do longa abortado e, como sou contra desperdiçar material, resolvi transformar num curta-metragem que acabou fazendo considerável “sucesso” em mostras de botecos e shows de grind. Em cena temos a oportunidade de acompanhar o Loures Jahnke (que fez o papel do Monstro Legume em 1995) e o PC desmembrando a Juliana (que trabalhou conosco em apenas este filme).

DOWNLOAD de FRAGMENTOS DE UMA VIDA

O Monstro Legume do Espaço 2 (2006) – Após eu ter filmado o longa-metragem porra-louca “A Curtição do Avacalho” (também de 2006) a grana em caixa na Canibal Filmes era praticamente nenhuma, mas a gente tem problemas e mesmo assim resolvemos fazer a continuação do “O Monstro Legume do Espaço” (1995). Sem dinheiro, com meia dúzia de amigos me ajudando, filmando no mais completo improvisso, finalizamos uma verdadeira porcaria completa. Aqui, um veterinário (Elio Copini) encontra o Monstro Legume (desta vez interpretado pelo Everson Schütz) ferido e o ajuda, assim a amizade entre Monstro Legume e o humano bonzinho desperta a fúria de um bando de colonos do Oeste Catarinense preconceituosos. Mesmo sendo ruim que dói, está na programação da Retrospectiva Canibal Filmes 20 Anos.

DOWNLOAD de O MONSTRO LEGUME DO ESPAÇO 2

Arrombada – Vou Mijar na Porra do seu Túmulo!!! (2007) – Esse média-metragem marca a volta da Canibal Filmes na produção de sexploitations. Escrevi este filme em 3 dias, chamei a Ljana Carrion para ser a atriz (parceria que continuamos com “Vadias do Sexo Sangrento” e “Ninguém Deve Morrer”), filmamos tudo em 4 dias com PC, Coffin Souza, Gurcius Gewdner e Vinnie Bressan, foi divertido demais a produção deste pequeno exercício de humor negro. Agora meu amigo Osvaldo Neto colocou o média prá download em comemoração ao SOPA.

DOWNLOAD do trailer de ARROMBADA

DOWNLOAD de ARROMBADA

Vadias do Sexo Sangrento (2008) – Este é o média-metragem onde mais me diverti filmando, não tive nenhum problema de produção, o orçamento era mais alto do que costumo ter na mão, não precisei mudar nenhuma cena do filme e os 5 dias de filmagens foram extremamente calmos. Tenho que agradecer aqui, publicamente, pela grande ajuda de Coffin Souza, Ljana Carrion, Lane ABC, PC, Jorge Timm, Elio Copini, Gurcius Gewdner, CB Rot e meu pai Claudio Baiestorf que deram duro para que o filme ficasse essa diversão toda. Aqui no filme duas lésbicas são perseguidas pelo ex-namorado de uma delas e acabam cruzando o caminho do psicótico Esquisito.

DOWNLOAD de VADIAS DO SEXO SANGRENTO