Arquivo para elias f. pacheco

Quem Sabe

Posted in Literatura with tags , , , , , , , , , , on julho 27, 2012 by canibuk

Perdi minha branquela magrela.

Para sempre eu perdi.

.

E isso me tem custado

2 maços de marlboro,

150 mg de sertralina

e 4 de clonazepam

por dia.

Fora a bebida e os filmes pornôs,

e tudo o mais.

.

Perdi pra sempre minha magrela branquela

ou talvez…

(já é a bebida quem diz).

.

Quem sabe daqui dez anos nos reencontremos?

Nos perdoemos? Que eu mandei chamá-la

(padecendo do meu câncer ou efisema pulmonar)

e ela virá (se não tiver casada e com filhos,

se tiver: disfarça, e virá…)

.

Receberei-a sorrindo:

“a sua foi a bundinha mais linda que já tive,

e o seu foi o melhor tratamento que recebi…”

.

Um silêncio… A paz enfim…

.

Mas ela explode:

“Você foi um tremendo filho da puta!”, em lágrimas

enquanto chacoalha o cadáver nas pequenas,

delicadas mãos.

E será um belo final.

.

O mais provável (e menos bonito), por enquanto,

é que nunca mais nos encontremos,

eu vá morar noutra cidade

e pare de fumar.

poesia de Elias F. Pacheco.

Leia também “Cereja do Bolo“, de Elias F. Pacheco.

* Se você escreve poesias, textos, pinturas, ilustrações, quadrinhos ou quer divulgar seu filme, sua banda (e isso tudo tiver alguma coisa haver com a linha editorial do Canibuk), mande prá gente no e-mail baiestorf@yahoo.com.br que podemos publicar/divulgar.

Cereja do Bolo

Posted in Literatura with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on julho 14, 2012 by canibuk

Nosso amor de banco detrás do carro

onde transavamos alegremente…

.

Frequentamos todos os escuros da cidade.

A melhor hora do dia: foder

no banco detrás.

.

Também me apertava pra levá-la ao motel duas vezes por mês.

E eu fazia tudo pra que nos variássemos,

inventava tanta coisa pra que não se estafasse.

.

Jamais esporrei-a com desdém.

O sêmen corria-lhe viscoso por suas coxas, seios, rosto…

Escorria volumoso e era um outro afago,

forte, em sua pele.

Parecia dizer-lhe “estou aqui! Me derramo em você!”.

.

“Quentinho…”, ela respondia.

Era nosso amor.

.

Quanto quis comer aquele cu e me segurei!

O que veria em dar-me o cu?

.

Eu olhava aquele cuzinho lindo

e o amava como

amo

a cereja do bolo que deixei pro final.

.

Depois de mil fodas acrescentei

mil brigas, ciumes e traições

ao nosso amor.

Assim não nos entediávamos.

.

E ela foi embora

com seu cuzinho quase

quase intacto.

.

Como é triste

e é sem sentido

o amor.

Poesia de Elias F. Pacheco.