Arquivo para garage

Cigar Box Guitars

Posted in Entrevista, Música with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on agosto 20, 2018 by canibuk

Imagine usar pedaços de madeira, isqueiros, arames, parafusos, pregos e utensílios de cozinha para fabricar um instrumento único e com excelente sonoridade? Esses são alguns materiais que o músico Lincoln Samarina (RJ) reutiliza na Oficina de Construção de Guitarra para ensinar os alunos a construírem seu próprio instrumento de forma caseira, com poucas ferramentas e estimular a criatividade com o uso das adaptações.

“A oficina de Cigar Box Guitar vai além da construção de um instrumento musical. Assuntos como a origem do Blues e o surgimento desses instrumentos primitivos serão peças para montar essa transmissão de conhecimento e cultura, relacionado a este universo dos negros descendentes de escravos que viviam no sul dos USA e construíam seus próprios instrumentos de forma arcaica para se expressar. Além disso, a vivência também abrange a temática da sustentabilidade, do meio ambiente e do reaproveitamento de material reciclado. É uma forma de ampliar o acesso ao universo da música e produzir um instrumento exclusivo, sem abrir mão do consumo consciente”, destaca Samarina.

Origem

A Cigar Box Guitar é um instrumento musical cordofônico, que surgiu por volta dos anos 30, quando houve a Guerra Civil – momento histórico conhecido como a grande depressão. Devido à dificuldade de adquirir materiais importados nessa época e também pela falta de condições financeiras, os negros trabalhadores da zona rural utilizavam as caixas de charuto e outros materiais para construir seus próprios instrumentos, fazendo adaptações, já que a estética não era tão importante, e sim o som. Foi a necessidade de se expressar que deu origem ao surgimento das Cigar Box Guitar, quando o Blues ainda não tinha se tornado elétrico e seu estilo era bem primitivo e rural, assim como a sua essência. Mais tarde, o Blues se propagou com suas vertentes e variações.

(Intro retirada do release da oficina ministrada por Samarina que rolou na casa de Alexandre Brunoro).

Entrevista

Entrevistei o Brunoro, maquiador gore e músico, sobre a oficina de Cigar Box Guitars, com Samarina. Em novembro tem nova oficina, se você quer aprender como construí-las, recomendo manter contato com o Brunoro.

Petter Baiestorf: Você é envolvido com a cena musical brasileira a muitos anos, poderia fazer uma pequena apresentação?

Alexandre Brunoro: Toco em banda desde os 15 anos de idade, já comecei atuando na cena goregrind nacional, com a banda Gory Gruesome, tivemos nossa estréia no clássico bar de Curitiba 92º, ocasião em que conheci você e o grande amigo Coffin Souza. Fomos tocar junto com outra banda aqui do ES, I Shit On Your Face, onde depois de uns anos eu acabei virando o baixista, quando o grande brother Gustavo Argentino faleceu. Toquei uns 7 anos no ISOYF, durante esse tempo eu toquei no Chuck Norris, que posteriormente virou Chico Noise, já tive também uma banda chamada “foda-se e morra” que era um crossover thrash core muito divertido. Após o término do ISOYF eu montei o projeto ERRO, que era basicamente umas músicas do ISOYF que eu compus e ainda não haviam sido gravadas. Mas a banda durou pouco tempo, logo os caras tiveram que se dedicar a outras coisas da vida, tipo filho, faculdade, emprego, essas táticas que o sistema utiliza pra foder com lindos projetos (risos). Depois de tocar nessas bandas de grind que eu citei, tive minha primeira experiência tocando na cena Surf/Garage com a banda Los Muertos Vivientes, onde pude conhecer uma galera massa dessa cena, tive a chance de abrir o show de bandas que eu gostava muito, como por exemplo o Agent Orange. Foi durante esse circuito que conheci a sonoridade da Cigar Box Guitar, vi uns vídeos do Lendário Chucrobillyman e pirei. O Colt Cobra foi meu último projeto, foi durante esse tempo que conheci o Lincoln Samarina, através de um anúncio do Facebook. Nessa época eu tava vendo muito vídeo de artistas que usam esse tipo de instrumento.

Baiestorf: lembro que quando gravamos juntos o curta-metragem “Você, Morto”, de Raphael Araújo, em 2017, você já estava sempre dedilhando numa Cigar. Como surgiu seu interesse pela Cigar Box Guitars?

Brunoro: Surgiu logo depois de eu ter assistido uma apresentação do Klaus Koti, com seu projeto onemanband “O Lendário Chucrobillyman”. Foi amor à primeira vista, aquela guitarra de caixa de charuto e taco de sinuca, com uma corda de baixo e uma de guitarra me deixou doido. Depois eu pesquisei bastante sobre o assunto, aí então que cheguei até o Samarina. Logo comprei uma guitarra na mão dele, e tivemos a idéia de produzir a primeira oficina de cigar Box guitar do Espírito Santo (não sei se isso já aconteceu em outro lugar no Brasil). Desde o primeiro dia que peguei ela, não parei de tocar, estudo todos os dias a sonoridade dessa maravilha de instrumento.

Baiestorf: Lincoln Samarina esteve em Vila Velha, na sua casa, ministrando uma oficina sobre como produzir essas belezinhas. Como foi isso?

Brunoro: O Lincoln é uma pessoa iluminada bicho, cara sagaz demais! A primeira edição da oficina foi feita no ano passado, no extinto espaço Prego, do amigão Alex Vieira. Lá foi algo mais expositivo, pois a estrutura do local não suportava. Aí desde então ficamos com essa ideia na mente, que deveríamos fazer aqui no meu ateliê e tal. Esse ano conseguimos concretizar o projeto, tivemos oito alunos que em quatro dias construíram suas guitarras com restos de madeira, refugo de madeireiras, partes de móveis antigos, tamos de gaveta e até um vídeo cassete antigo entrou na roda (risos). Foi muito foda a experiência, devemos repetir a oficina em novembro num outro espaço, dessa vez maior, com mais materiais e ferramentas disponíveis.

Baiestorf: Vocês gravaram a oficina, certo? Como pessoal de outros estados pode ter acesso a este material?

Brunoro: Infelizmente não conseguimos gravar na íntegra, mas fizemos bons registros que em breve estarão circulando nas redes sociais.

Baiestorf: Alguma idéia de montar um grupo musical só com Cigar Box Guitars?

Brunoro: Já tenho em mente isso a algum tempo, agora que não to com banda, pretendo fechar umas músicas e gravar um material ainda esse ano. A idéia é ter um projeto onemanband e sair em tour junto com o Samarina, levando a oficina e os shows.

Baiestorf: E uma trilha sonora? Fica aí o convite, inclusive!

Brunoro: Trilha sonora é uma coisa que eu acho maravilhosa, adoro pensar no clima que a cena pede, e traduzir isso pra música! Quem quiser me contratar é só mandar um e-mail pra alexandre.brunoro@gmail.com que eu cobro baratinho se falar que viu meu contato no Canibuk (risos).

Baiestorf: Você está produzindo os Instrumentos? Aceita pedidos? Como proceder para encomendar?

Brunoro: Ainda estou fechando minhas primeiras guitarras, to na fase de encontrar uma fórmula ideal, onde eu vou conseguir replicar as peças iguais. Fechei uma parceria com um amigo marceneiro aqui de vila velha, que inclusive participou dessa última oficina. Assim que tivemos as primeiras guitarras montadas e funcionando eu vou começar a vender e aceitar encomendas, a idéia é montar uma empresa nesse ramo!

Baiestorf: Obrigado Brunoro. Espaço é seu para incentivar as pessoas a fazerem por si próprias:

Brunoro: Eu só tenho a agradecer aqui pelo espaço mais uma vez, gostaria de agradecer muito ao Samarina pelo conhecimento e pela amizade valiosa que ele proporciona pra todo mundo que tá ao alcance. Quem quiser construir a sua própria guitarra, tenham uma coisa em mente, tudo que você aprender sobre luthieria é balela, dá pra fazer instrumentos com lixo sim, sem ferramentaria pesada, só com uma faca de pão, uma régua e uma furadeira já rola! Procurem vídeos no youtube, ouçam as músicas de artistas que usam esse tipo de guitarra, façam vocês mesmo! Se libertem do mercado de instrumentos, pois as possibilidades são infinitas!

Contatos: alexandre.brunoro@gmail.com ou Facebook.

Links para as atividades da oficina:

https://www.facebook.com/alexandre.brunoro/videos/10216907290698774/?t=6

https://www.facebook.com/alexandre.brunoro/videos/10216963398741440/?t=13

https://www.facebook.com/alexandre.brunoro/videos/10216963402621537/?t=27

https://www.facebook.com/alexandre.brunoro/videos/10216914750445263/?t=17

Links para as bandas onde Brunoro já tocou:

LOS MUERTOS VIVIENTES:

COLT COBRA:

https://coltcobra.bandcamp.com

GORY GRUESOME:

ERRO:

I SHIT ON YOUR FACE:

CHUCK NORRIS:

Do Sudeste ao Sul Vivendo na Estrada Selvagem do Rock

Posted in Literatura, Livro with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on setembro 2, 2013 by canibuk

“Do Sudeste ao Sul – Na Estrada Selvagem do Rock” (2013, 200 páginas, Editora VirtualBooks), escrito por Roger Pixixo.

Este ano de 2013 está sendo repleto de boas surpresas no que diz respeito ao lançamento de livros e álbuns em quadrinhos de amigos. A mais nova surpresa é este livro maravilhoso e de alto astral escrito pelo Roger Pixixo, mineiro que conheci no início dos anos 2000.

Do Sudeste ao SulEm 200 páginas Pixixo realiza uma maravilhosa viagem de volta aos bons tempos do underground dos fanzines, trocas de fitas k-7 com sons de bandas obscuras, correspondências com cartas via correio, viagens intermináveis de ônibus para ver bandas em outros estados e muito mais aventuras que contam a história do, principalmente, Psychobilly nacional e sua festa máxima, o Psycho Carnival. Quem nasceu entre a década de 1970 e 1980, com certeza vai se emocionar com este livro que conta muito da história underground de Belo Horizonte e relembra o surgimento de inúmeras bandas do cenário metal mineiro (por conta do sucesso que bandas como Sepultura e Sarcófago) levantando a questão do radicalismo que havia no cenário nacional dos anos 80/90; relembra também os primeiros psychos de BH e suas dificuldades em conseguir material e até amigos para beber uma cervejinha conversando sobre bandas bagaceiras. Em linguagem simples e direta Pixixo consegue nos fazer relembrar da gostosa adrenalina que é descobrir uma boa banda nova, da felicidade de compartilhar descobertas com os amigos e da maravilha que é gostar de uma cultura obscura, algo que nos torna tão especial diante da grande massa humana medíocre que vegeta no marasmo do lugar comum.

roger pixixoQuem é Roger Pixixo?… Conheci o Pixixo no início do ano 2000, na época que ele era editor de fanzines e até chegou a elaborar o primeiro site da minha produtora Canibal Filmes (que ficou no ar por alguns anos). Aliás, nesta época ele se chamava Roger Psycho (no livro conta a história de como ele ganhou o ótimo apelido de Pixixo). Metaleiro nascido e criado em Belo Horizonte, conheceu The Cramps e Ramones e partiu com tudo pro divertido cenário apolítico do Psychobilly e Rockabilly (que não tem aquele povo xarope vomitando regrinhas como nas cenas do Metal e do Punk, por exemplo), comprou um baixo e tocou em inúmeras bandas de BH, como “Osmose”, “Rock Mountain Fever”, “Scary Scums”, “Marrones”, entre outras. Também, após entrar para a Gang da Caveira Rock’n’Roll Club, começou a organizar eventos em Belo Horizonte, como o “BH Rumble”. Ou seja, Pixixo é um cara que faz a cena acontecer, não se limitando apenas a curtir sons e cervejinhas com amigos.

Segue uma pequena entrevista que realizei com Pixixo sobre seu empolgante livro.

Petter Baiestorf: Pixixo, obrigado por este lançamento , voltei a me sentir adolescente ao ler “Do Sudeste ao Sul – Na Estrada Selvagem do Rock”, relembrando muita coisa divertida do underground nacional antes dos anos 2000, época que para se conseguir material obscuro cara tinha que apelar para trocas via correio. Teu livro fala justamente desta época de transição no meio alternativo onde a Internet começou a aparecer e a mudar a forma como o pessoal conseguia material. O que você constata daquela época em relação aos dias de hoje, que basta saber o nome de alguma banda e baixar seus discos?

Roger Pixixo: Naquela época além dos correios para se conseguir material das bandas e mesmos filmes, a gente tinha também que ir aos shows. Você conhecia as bandas através dos shows e também conhecia gente desta maneira. Naquela época foi assim que conseguir angariar muita informação e conhecer gente interessante. Hoje em dia é tudo muito fácil. O cara baixa a discografia inteira de qualquer banda, baixa filmes… o HD do cara tem lá não sei quantos mil Giga de material e o cara acaba que não consegue ouvir tudo e nem assistir nada. Resultado, não assimila nada e pra mim não passa de um colecionar de mídia. O cara senta a bunda na cadeira em frente ao computador e não sai para ver shows undergrounds porque de alguma forma o cara vê isso no youtube e prefere ficar ali no conforto do lar.   

1

Baiestorf: Seu livro está muito bem escrito e é diversão certeira. Como surgiu a idéia de escrever e lançar o “Do Sudeste ao Sul – Na Estrada Selvagem do Rock”?

Pixixo: Sempre gostei de escrever. Mas mantinha as coisas pra mim… resenhas de shows, filmes ou mesmo lembranças de casos e tudo mais. Eu tinha muito material e resolvi montar um quebra cabeça com elas de forma cronológica meio que na brincadeira e percebi que podia fazer um livro com tudo. Algo biográfico e também uma pequena pesquisa histórica da cena underground da qual participei como músico, observador e produtor. Me achei no direito de contar minha história, da cena e dos meus amigos. O original para você ter uma ideia tinha quase 300 páginas mas fui cortando algumas coisas e cheguei com este formato de 200 páginas que ficou bem bacana, fácil de ler e que prende o leitor. Estou tendo um feedback bem bacana do livro e estou muito feliz por ele.  

Baiestorf: Iniciativas assim são ótimas para a cena underground brasileira, seu livro é um registro histórico imperdível para quem se interessa pela cultura alternativa de BH e, também, do Psychobilly brasileiro. Como anda a cena atual em BH? E pelo Brasil?

Pixixo: Em BH o Psychobilly nunca teve uma força considerável seja por bandas ou público. O Baratas Tontas foi a primeira, depois de muitos anos fundei o Scary Scums, logo depois o Dead Goblins que teve vida curtíssima e hoje temos o Drunk Demons que mantêm o Psychobilly ainda vivo por aqui.  Aliás, BH neste quesito sempre foi forte e reconhecido pela cena Metal desde o inicio dos anos 80 e até hoje é forte tendo shows constantes e ainda com uma gama enorme de bandas e de muita qualidade, e o público também é imenso e fiel. Aqui se gosta de tudo e se mistura tudo, tirando o Metal, as outras vertentes andam juntas, por isso sempre fizemos os festivais e shows misturando tudo, Psychobilly, Surfe, Garage Rock e Rockabilly e sempre deu certo. Pelo Brasil a nata do Psychobilly ainda é o Sul, mais especificamente em Curitiba que sempre foi o polo do estilo no Brasil e com grandes festivais e as melhores bandas sempre saíram de lá. Em São Paulo também há muito do estilo mas nunca um festival emplacou por lá.

Baiestorf: Quem quiser conhecer as suas bandas, tanto antigas quanto novas, como faz?

Pixixo: Pode entrar em contato comigo direto pelo Facebook ou me mandar um e-mail no rogerpixixo@gmail.com porque eu tenho material de todas disponível para passar para o pessoal.

Baiestorf: Para o lançamento do livro você organizou o “Pixploitation”. Tu pode nos resumir como foi essa festança? Quais bandas tocaram?

Pixixo: E foi uma festança mesmo ! A casa tava lotada e o pessoal se divertiu muito… até eu que tive trabalho pra caramba durante todo o dia. Para dar um charme a mais eu passei em primeira mão em BH o Zombio 2 : Chimarão Zombies. A casa ainda tava meio vazia mas quem esteve lá aplaudiu o filme. Ele passou no telão na área dos shows, mas nas TV’s que tem ao longo da casa o pessoal que não tava vendo pelo telão pode ver nelas e como o som estava em toda a casa deu pra acompanhar tudo. Eu divulguei que para frescos e pudicos o filme não servia e felizmente não tinha gente assim lá. No decorrer da noite inteira o filme continuou a passar no telão. O dono da casa, o Edmundo pirou com o filme e quer que eu mantenha esta tradição lá. Estou até estudando uma noite especial com filmes da Cannibal por lá. Eu convidei para a festa as bandas Drunk Demons de Psychobilly, o Vô Diddley que é um Duo muito Louco que toca versões sujas e podres de Bo Diddley e The Cramps, o Drákula que é uma banda de malucos de Campinas oriundos de bandas como Muzzarelas, Calibre 12 dentro outras que toca um mescla de Surfe com Garage e Punk muito barulhento e pesada. Foi um show fodástico. Pra fechar a noite teve As Múmmias do Agito que é uma banda picareta de gente picareta que toca clássicos da Surfe como Link Wray, Ventures, Dick Dale, dentre outras, de forma como não se deve tocar ou ter uma banda. Mas foda-se, é divertido e sempre é sucesso, se a gente ensaiar perde o foco e o charme da coisa. No decorrer do show quando não se dá pra tocar mais músicas porque a gente não sabe, não se lembra ou por estarmos muito bêbados, tocamos “Comanche” o resto do show… nesse acho que ficamos tocando ela por uns 15 minutos. De surpresa eu acabei tocando com o Marrones lá também porque tava todo mundo da banda lá e usamos o pequeno tempo para mostrar em primeira mão algumas de nossas músicas próprias. Começamos a banda tocando só Ramones mas gradativamente vamos tocar só sons próprios. Vou manter a “Pixploitation!”, algo a rolar sempre de dois em dois meses. Deu muito certo. Foi muito divertido !

Pixploitation_Exibição do zombio 2

Baiestorf: Quando custa o livro e como o pessoal pode encomendar seu exemplar? Aliás, como anda as vendas?

Pixixo: O livro custa R$30,00, para quem é fora de BH custa R$35,00 devido ao custo com os Correios e para encomendar é só depositar a grana na seguinte conta :

 Banco Itaú

Agência 3158

Conta Corrente 79872-2

Rogério Andrade de Souza

Tem a página no Facebook também : https://www.facebook.com/estradaselvagemdorock

As vendas e o feedback tem sido bons. Na Pixploitaton! eu vendi todos os exemplares do livro que carreguei pra lá ! Melhor impossível. Espero mais encomendas !

2

Baiestorf: O que podemos esperar de novos projetos do Pixixo?

Pixixo: Eu estou preparando um outro livro com sobras de histórias que não entraram neste e acréscimo de outras. Coisas que escrevi para o Zine Horror Gore que fazia muitos anos atrás. Algumas histórias sujas que ando escrevendo, tendo como referencia, o velho Buk. Tá divertido fazer esta compilação e será um lance não cronológico ou especifico. Até o fim do ano sai. Estamos eu e a TrashCan Records que também está por trás no lançamento do livro impresso trabalhando também na versão estendida e on line do livro com vídeos e depoimentos que pretendemos colocar no ar até o fim do ano também. Na área da música estou focado no trabalho com o Marrones que estamos preparando algo especial para o fim do ano com lançamento de um EP. Continuo como produtor de shows… minha cabeça fica o tempo todo cheio de ideias e tenho muitos projetos pra dar vida.

Baiestorf: Pixixo, mais uma vez obrigadão por este livro, eu realmente me diverti muito lendo ele (li tudo de uma sentada só). Fica o espaço aqui do Canibuk para você falar o que quiser sobre o livro e a cena underground brasileira:

Pixixo: O livro serve muito para todo mundo que tem o que falar e mostrar do que vê e viu de alguma coisa. Eu não sou escritor e nem tenho a ambição de me tornar um, é apenas um relato de histórias que coloquei no papel e que todo mundo também pode fazer. E isso é direcionado para música também e produção de shows. Tem muito mimimi e pouca gente fazendo algo. Faça… que seja uma bosta, um lixo… foda-se, o lance é colocar a cara pra bater mesmo e sempre fazer e produzir algo.  Meu livro conta sobre isso e espero ver iniciativas parecidas por aí.

3