Arquivo para independente

Canibuk Apresenta: A Arte de Pomba Claúdia

Posted in Arte e Cultura, Cinema, Entrevista, Ilustração, Pinturas, Vídeo Independente with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on março 13, 2018 by canibuk

Conheci a Pomba tem uns 15 anos em andanças por Porto Alegre. Possivelmente nos conhecemos em algum boteco cultural. Ou em alguma mesa de bar pós-exibições de filmes transgressores onde meus filmes eram programados, não lembro. Mas uma coisa é certa, assim que comecei a conhecer o trabalho de Pomba fui ficando fã e acompanhando na butuca.

Pomba faz de tudo. Além de desenhista, já fez música (“Pedra” é um punk hilário), curtas-metragens (“Pé de Cabra” é um dos episódios de “13 Histórias Estranhas” e agora está produzindo “Monstro”, de Magnum Borini), escreve contos e poesias. E desde 2006 participa do grupo de cartunistas GRAFAR, que edita diversos livros de cartuns (sempre coletivos). Mas para viver Pomba é professora de português e literatura.

Já tem livros publicados, participa do evento de cartum Cartucho em Santa Maria e atualmente gosta de desenhar coelhos. Fiquem com a entrevista que realizei com Pomba, é fantástico poder divulgar o pensamento iconoclasta desta fantástica artista livre.

Pomba Claúdia

Petter Baiestorf: Gostaria que você contasse como começou seu interesse pela arte e, também, sobre seus primeiros trabalhos.

Pomba Claúdia: Eu acho que sempre tive uma pira por tudo fora da realidade. A realidade consistia em ver meus pais brigando, horários políticos, notícias de televisão (mesmo que fossem mentira) ou tudo que tivesse alguma relação com o chato e burocrático mundo adulto. Fui uma criança solitária, filha única, guria de apartamento, criada pela televisão. Uma menina gordinha comendo milhopã na cama bagunçada aguardando os adultos voltarem do trabalho. Mas os adultos nem sempre foram esses monstros que estou pintando. Meu pai gostava (e gosta) muito de filmes, de desenhos animados e também de videogames… Absorvi estes gostos. Aos sete ou oito anos comecei a ganhar fitas VHS dos desenhos da Disney. Ao final do desenho animado da Branca de Neve tinha o making off do filme… Eu pirei com aquilo, foi tipo a primeira paixão platônica. Era aquilo que eu queria fazer. Mas aquilo mexeu muito comigo. Revi diversas vezes. Não me interessava o príncipe, não me interessava os sete anões (isso eu já assistia no “Histórias que Nossas Babás não Contavam”). Meu primeiro trabalho surgiu nessa época, na 1ª série, quando a professora levou meu desenho inspirado na música da “Dona Aranha” para a TV Cultura local junto com o de outros colegas. Eu liguei a TV por acaso e ela estava mostrando meu desenho. Isso me deixou muito feliz, pois eu não era uma criança lá muito enturmada e me senti valorizada. Acho que aí comecei a descobrir quem eu era… Mas ao falar para os meus pais, exaustos do trabalho, de saco cheio, que eu tinha decidido ser artista/desenhista/criadora de jogos e desenhos, eles me disseram que aquilo era coisa pra gente rica e que eu não teria me sustentar com aquilo. Como toda paixão, esse foi meu primeiro soco na cara dos sonhos “oquevocêquerserquandocrescer” que eu levei (e levo até hoje… muitos ainda). Acredito que isso deva acontecer com muitas crianças, mas eu continuei recortando da realidade esses sonhos, essas piras… Meus melhores brinquedos eram os lápis de cor, minha melhor companhia eram os desenhos animados, gibis, livros ilustrados e os joguinhos da Atari. Desenhava compulsivamente. Se isso é arte? Só depois me disseram…

Baixe essas artes em alta qualidade:

Scan0003 (2)

Scan0004 (2)

portfolio Cláudia

Baiestorf: Sua arte sofre influências de quais artistas e escolas estéticas. Fale o que te atraí neles, se quiser falar sobre os porquês seria muito interessante.

Pomba: Minha arte sofre. E sofrer influências é um dilema. Porque quando vi já estava sofrendo, roubando, parafraseando, recortando, fazendo um mosaico de coisas bonitinhas e ogras. Acredito que os melhores artistas são as crianças e os bêbados. As melhores escolas estéticas são os bares. Mas tentando organizar o grande pobre roubo de ideias, posso retomar o lance da Disney. Falem o que quiser da Disney, foi ali o pontapé inicial. Mas é claro, você cresce, vira adolescente e quer queimar todos os discos da Xuxa, quer inverter a cruz, jogar o jogo do copo, beber cachaça com gemada.  Comigo não foi diferente. Por não ter amigos, nem internet, provavelmente o que influenciou foram os filmes que passavam na Sessão da Tarde e no Cinema em Casa. Podem rir, mas a estética de filmes de Tim Burton, assim como “Elvira – A Rainha das Trevas” e “A Família Addams” podem ter me inspirado… Minhas princesas perderam os braços, ganharam chifres. Meus quadros ganharam cores escuras. Eu pintava com qualquer coisa em qualquer lugar. Era libertador… Mas tudo foi jogado fora por mamãe. Só lá por 2001 comecei a organizar minhas influências e comecei a me identificar com a arte surrealista. A seguir, meus desenhos ainda tratando de temas mórbidos, começaram a ter um teor mais zueiro. Em 2004, busquei um curso de desenho animado que serviu para que finalmente conhecesse outras pessoas que desenhavam. Até ali não conhecia ninguém. Meu amigo e ilustrador Guilherme Moojen então me apresentou em 2006 a GRAFAR, um grupo de cartunistas e grafistas aqui de Porto Alegre que se reuniam semanalmente no bar Tutti Giorni. Apesar dos meus desenhos sem muita técnica, eles me acolheram e logo me convidaram para participar de um livro, chamado “Sem Trégua” em 2006. Considero esse boteco minha escola de arte. Esses senhores, Edgar Vasques, Eugênio Neves, Ubert, Hals, Ruben, Santiago, Pedro Alice, Lancast, Moa e, posteriormente, Carla Pilla, foram os meus primeiros e melhores professores. Inspirada no trabalho desses amigos meus desenhos sombrios ganharam cor, meu traço foi ganhando e ainda ganha a cada dia mais personalidade. Cada um com seu estilo me inspira de uma forma. O traço brusco do Ruben e a segurança da linha e simplicidade humorística do Santiago. O volume através das hachuras do Eugênio Neves, as aquarelas da Carla Pilla, enfim… Todas as terças eu saía desse bar mais inspirada e feliz de ter encontrado pessoas que gostam de desenhar enquanto conversam. O meu desenho, assim como textos, manteve um humor sádico, ácido e, em alguns casos, erótico. Descobria a cada encontro novas técnicas, novos estilos e novas inspirações como as ilustrações fodas da Mariza Dias e as putarias da Melinda Gebbie.

Baiestorf: Com sua arte você está aberta a todo tipo de trabalho ou gostaria de se especializar somente em uma área? Por quê?

Pomba: Quem me conhece sabe que também curto fazer filmes, músicas, poemas, contos, produzir eventos… Além de ser professora de português (o que pode parecer chato pra caralho, mas como envolve linguagem tá valendo). Então acabo diversificando meu trabalho em outras áreas também. É um surubão de áreas. Um estilo esquizofrênico. Por isso, sou bem aberta (rará). Sendo o espaço para arte independente (que é meu caso) tão limitado financeiramente, eu curto mesmo é chutar o balde. Às vezes me sinto uma fraude. E acho que isso faz parte de mim e justifica por eu ter trabalhos tão diferentes uns dos outros… Além disso, acho uma lindeza essa coisa de misturar cheiros, gostos, texturas, barulhos… Animação, cinema, música, uma explosão sensorial. Acredito que quebrar um estereótipo artístico ajude a tirar esse bundamolismo da arte. A arte teria que ser o grito de expressão, arte é cortar a orelha e brigar no bar, arte é chorar em cima da tinta e borrar tudo… Arte teria que ser algo que te atinja individualmente, mas que também atinja os outros, seja para agradar ou para incomodar. Algumas pessoas acreditam que primeiro você aprende a técnica e depois você cria. Eu prefiro brincar com as ideias, jogá-las no papel, na tela, no caderno e depois pensar no que pode ser feito – ou não. Elevar o padrão limita a criação. Há liberdade na ignorância, assim você se inspira de forma mais inocente e inconsequente. Se eu me especializasse em uma área, creio que perderia um pouco disso.

Assista o curta-metragem Pé de Cabra:

Baiestorf: Conte sobre suas exposições e como produtores poderiam levá-la para suas cidades/estados.

Pomba: Até agora só fiz exposições coletivas. Muitas em Santa Maria, em um evento de cartunistas chamado Cartucho, organizado pelo querido Máucio Rodrigues.  Devo ter participado de pelo menos umas cinco exposições lá. Todos os anos é sorteado um tema e a gente faz cartuns sobre aquilo em 24 horas. É bem massa. Pra falar a verdade, tenho poucos desenhos para expor. Os melhores estão em cadernos pautados ao lado de anotações de aula ou em guardanapos de bar… Para uma exposição de folhas pautadas rabiscadas e guardanapos sujos com desenhos eu teria muita coisa. Mas às vezes vêm momentos de luz e faço algo a mais, um quadro com objetos colados, uma aquarela bonitinha… Daí esses guardo, reproduzo em forma de imã, zine e o que mais for… Eu romerobritizo minha arte. Mas no fundo eu sou a desenhista de bar, ou de alguma sala de aula… Faço desenho e dou de presente. Talvez eu devesse omitir essas coisas, mas acho que é um traço da essência do que faço, um desapego. Até porque, não tenho espaço para acervo, moro num apartamento de 30m²… Se alguém tiver um espaço para eu pintar grandes quadros e paredes, ficarei muito feliz. Quem quiser me chamar pruma exposição, propor um tema ou juntar meus esboços e artes existentes meu email é claudiadrb@gmail.com ou pelo telefone 55 51 992792662. Meu trabalho pode ser visto no meu site https://claudiadrb.wixsite.com/borborini/copia-inicio, na página do Facebook: https://www.facebook.com/pombadesenhos/ e alguma coisa no Instagram: @pombaclaudia

Baiestorf: Como é realizar trabalhos artísticos aqui no Brasil? Há reconhecimento? Oportunidades?

Pomba: Como eu disse, meus pais me deram o soco de realidade aos sete anos quando falei com inocência que eu gostaria de ser artista. E cresci com esse pensamento. Pra não me iludir acabei virando professora de língua portuguesa, o que também não tem reconhecimento (risos). Então o que move minhas criações não é bem o reconhecimento, mas a necessidade de criar, de me sentir parte de algo que eu goste, que me faça me sentir eu. Claro que quando ganho dinheiro com meus desenhos, meus filmes ou meus textos eu me sinto incrivelmente feliz pelo reconhecimento, ao mesmo tempo em que acho estranho, pois, como eu disse, isso não foi construído em mim. E confesso que não me orgulho de ser assim, gostaria de poder falar com firmeza o valor de um quadro e passar um orçamento convicto de uma ilustração. Ainda assim, as oportunidades não caem no colo. Vejo uma galera muito mais talentosa e empenhada do que eu, investindo, trampando muito pra poder aperfeiçoar e assim conseguir um retorno de sua arte, ainda mais quando se trata da arte impressa, tendo em vista que hoje em dia temos muita coisa pronta no computador, que é só imprimir e pendurar na parede da sala. Portanto, considero desproporcional o número de oportunidades para a arte em relação ao desejo de se investir nisso. Acaba que muitos trabalhos fodas e autorais acabam virando logos com cara de trampo de design gráfico, assim como muito filme independente fica com a maior pinta de propaganda publicitária. Por essas e outras, eu me pego vergonhosamente acreditando que pra ganhar grana com arte você já precisa ter grana. Conheço gente que só pinta com material caríssimo, eu uso guache, pinto no papelão, uso a sobra da tinta que usei pra pintar a parede da sala de casa… Acabo me inscrevendo em concursos e festivais gratuitos, catando oportunidades de graça e tentando me enfiar onde dá. Mas os reconhecimentos e oportunidades são que nem uma cova, tem que cavar para achar algo.

Zumbizinhu Inédito

Baiestorf: Você está com trabalhos em finalização? Poderia falar sobre eles e como o público poderá acompanhá-los?

Pomba: Meu próximo e mais desejável trabalho é sobre Coelhos. Não tenho como falar muito sobre ele no momento, mas vou colocar o primeiro quadro que me inspirou a desenvolver uma série sobre esse rico animalzinho.

Baiestorf: E seus projetos? É possível sabermos um pouquinho deles?

Pomba: Esse ano pretendo montar junto a outras garotas um coletivo chamado Útero Underground. É uma ideia que ainda está no útero (rá), mas que em breve será melhor desenvolvida e que consistirá não apenas nas artes visuais, mas também na elaboração de músicas, barulhos, vídeos e o que mais vier ao encontro de construir um espaço libertador e sem tantos pudores em relação ao que a gente entende por arte. Paralelo a isso, estou aguardando o contato de alguns amigos da GRAFAR para a pintura de painéis, pretendo fazer um desenho animado e uma exposição de coelhos tarados.

Baiestorf: Geralmente a arte no Brasil é produzida de forma independente e é difícil conseguir se manter. O que você gostaria de observar sobre isso.

Pomba: Cara, acho que é o que falei antes… A gente se enfia onde dá, claro, em alguns casos a gente pensa nos princípios e não vai se enfiar de cabeça quando estão envolvidas pessoas escrotas que só pensam em explorar e lucrar a custa dos outros. Fora isso, nem todo mundo tem a oportunidade de fazer uma faculdade de arte. Vou falar da de cinema também, pois sabemos que cinema é caro pra cacete. Daí a gente acaba fazendo muita coisa de graça na troca de experiência, para apoiar os amigos que também não tem grana e isso vira um grande ciclo da horripilante mágica de se fazer arte de graça sem ganhar nada em troca. Acho que essas iniciativas como o teu blog, assim como rádios online, coletivos independentes, financiamentos coletivos, formas preliminares da gente sair do limbo e começarmos a desenvolver uma estrutura que pague nossas contas. Mas não só isso. O que eu vejo e que pouca gente comenta é como o artista independente muitas vezes está alienado do povo, da galera da periferia que também faz parte da outra margem independente da arte, como é caso da pixação, grafite, stencil chamem como quiser. O perfil da galera “independente” “underground” muitas vezes é branco, classe média, universitário. E a outra área independente? Fico pensando que louco seria toda essa galera se reunindo, aprendendo uns com os outros, compartilhando cultura, técnica, fugindo dessa aprendizagem acadêmica muitas vezes elitista e enfadonha. Exposição de arte é aquele perfil de homem de coque, magrinho, segurando a taça de Salton e conversando com a garotinha esnobe que admira pra caralho Miró, ambos intrigados com a popularidade do Romero Britto, expondo algo dito independente . Enquanto do lado de fora do prédio algum garoto leva um pau da polícia por fazer um desenho em um muro. Talvez o que falte para a arte independente conseguir se manter é incomodar um pouco, ter uma voz mais ousada, mais politizada, mais envolvente e que convide diferentes grupos ditos independentes a se observarem. Enfim, é manjado, mas é isso, a união faz a força.

Boteco de Ideias

Baiestorf: O espaço é seu para as considerações finais:

Pomba: Eu gostaria de agradecer ao Petter Baiestorf por essa oportunidade de eu falar sobre minha arte. Às vezes não sei como consegui conhecer tanta gente foda e incrível, pois soa estranho pra mim ser chamada de “artista”. Sempre achei que artista fosse ou Picasso, Salvador Dalí, ou na contemporaneidade alguma Big Brother que pousou nua. Então essa palavra me deixa com uma certa crise de personalidade. Alguns lugares dão desconto se você diz que é da “classe artística” aqui em Porto Alegre. Acho isso um sarro, pois o que te faz artista? Se eu colocar meu dedo no nariz e dizer que é uma performance serei artista? É muito louco isso. Outra coisa que muitas vezes me deixa desconfortável com o termo artista é quanto ao rebuscamento da arte em relação ao gênero. Tem homens que limpam a bunda e expõem em uma parede e afirmam seguramente que é “arte”. Mulheres desenham a sujeira da unha da modelo-vivo e se questionam se a sujeira está na proporção correta ao tamanho da unha. Eu não sei as outras, mas sinto essa pressão ao perfeccionismo. Você não pode ousar dirigir, tocar guitarra, desenhar, fazer um filme se você não fizer algo incrivelmente bem. Você não pode tocar os acordes errados ou errar o local da luz em um quadro.  Confesso que isso me incomodava, pois muitas vezes deixei de fazer as coisas por não me sentir boa o bastante, por não me sentir pronta o bastante, enquanto simplesmente eu deveria ter feito e mandado todo mundo à merda com suas técnicas, medidas e manuais.

Contatos de Pomba Claúdia:

email: claudiadrb@gmail.com

Telefone: 55 51 992792662.

Site: https://claudiadrb.wixsite.com/borborini/copia-inicio

Facebook: https://www.facebook.com/pombadesenhos/

Instagram: @pombaclaudia

facebook: https://www.facebook.com/claudia.pigeon

Mais: https://claudiadrb.wixsite.com/borborini/sobre

Artes de Pomba Claúdia:

Canibuk Apresenta: A Arte de Daniela Távora

Posted in Arte e Cultura, Ilustração, Vídeo Independente with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on março 1, 2018 by canibuk

Conheci a Daniela Távora por conta do Cine Bancários de Porto Alegre, onde ela é gerente e eu, geralmente, faço a primeira exibição de meus novos filmes. Pouco depois tomei contato com a arte de Daniela através de um fanzine sem título que ela lançou (aliás, sem nenhuma palavra escrita, somente imagens) e que passei a admirar os traços dela. Daniela é das minhas, nada contra a corrente e não tá interessada em entregar as coisas para o público de mão beijada.

Daniela é formada em Artes Visuais pela UFRGS e um tempo atrás começou a experimentar em todo o tipo de arte, inclusive vídeo e fotografia, como essa abaixo, de uma série ainda inédita feita em parceria com o Itapa Rodrigues.

Daniela Távora

Atualmente produz vídeos, fotografias, zines, histórias em quadrinhos, ilustrações e baralhos de tarô. Sua pesquisa artística se apropria da linguagem cinematográfica de horror, terror e suspense, norteadas por abordagens fantásticas e micro narrativas pessoais.

Fiz uma entrevista com Daniela para apresentá-la aos leitores do Canibuk. Se você gostou do trabalho dela, entre em contato e encomende alguma peça.

Petter Baiestorf: Gostaria que você contasse como começou seu interesse pela arte e, também, sobre seus primeiros trabalhos.

Daniela Távora: Meu interesse pela arte surgiu logo após os primeiros esculachos que a vida fez comigo. Revolta, frustração e sentimento de impotência, ainda na adolescência, me fizeram sacar que se eu xingasse todos os escrotos que haviam ao meu redor, em uma folha de papel, apesar de nada acontecer com os alvos da minha raiva, eu poderia ter alguns textos mais ou menos interessantes. Tentei o teatro, mas era muito tímida, não deu certo. Além da escrita, descobri no desenho uma maneira de expressar o que sentia. Sempre tive a mente muito poluída pelas porcarias que passavam na televisão, logo comecei a ver muitos filmes, o que aos poucos foi me despertando o interesse pelo vídeo e fotografia.

Baiestorf: Sua arte sofre influências de quais artistas e escolas estéticas. Fale o que te atraí neles, se quiser falar sobre os porquês seria muito interessante.

Daniela: Praticamente tudo na minha vida aconteceu por acidente inclusive a arte. Quando pequena por algum motivo, eu estava entediada e abri um livro, que era da minha mãe, da Gnosis (aquela seita esquisita), onde haviam várias ilustrações da divina comédia. Fiquei apaixonada e apavorada. Eu era tão preguiçosa que nem me prestei a ler o nome do cara que tinha feito os desenhos. Tarde demais, eu já tinha aquelas imagens tão profundamente impressas no meu cérebro que só conseguia desenhar coisas muito parecidas. Muito tempo depois que fui descobrir que eram do Gustave Doré. Mais tarde conheci Eddie Campbell, Hitoshi Iwaaki, Harry Clarke, Jake e Dinos Chapman e William Kentridge que me influenciaram muito. Meus filmes preferidos sempre foram os mais baratos, diferentes ou com roteiro doidão. O Bandido da Luz Vermelha e Abismo de Rogério Sganzerla, Os Idiotas de Lars Von Trier, Filme Demência de Carlos Reichenbach, A Noite dos Mortos-Vivos, de George Romero foram muito importantes para mim, praticamente uma escola. Vendo filmes de Zé do Caixão, da Boca do Lixo, pornochanchadas e Petter Baiestorf descobri que o que eu queria estava muito perto de mim, e que eu poderia fazer o vídeo que eu quisesse, onde eu bem entendesse, com a câmera de qualquer amigo e a participação de todos os malucos (que eu amo) que estão só esperando um convite para fazer cenas de terror, morte e nudez. O terror me interessou mais, pois temas como família, convivência em sociedade, egoísmo, solidão, desigualdade e amor são explorados a partir de rupturas sinistras com a realidade. Histórias do universo White Trash, a burrice e a tosquice das pessoas, dramas comuns a adultos frustrados, adolescentes feios e sem perspectiva de futuro e crianças largadas aos próprios cuidados, pertencentes a famílias dissolvidas pelo capitalismo é como se fossem histórias feitas em homenagem a mim, meus amigos de infância e meus irmãos.

Baiestorf: Com sua arte você está aberta a todo tipo de trabalho ou gostaria de se especializar somente em uma área? Porque?

Daniela: Prefiro estar aberta a todo o tipo de loucura. Por meu próprio interesse fiz desenho, fotografia e vídeo. Ok. Mas por força da vida e convite de amigos doidos já me envolvi com serigrafia, música, cinema, até cover da Gretchen já acabei fazendo. Ou seja, acho que aprendo (e me divirto) mais quando foco menos.

Baiestorf: Conte sobre suas exposições e como produtores poderiam levá-la para suas cidades/estados.

Daniela: Quando comecei a expor os trabalhos eram em desenhos/ilustrações e foto, e as galerias eram em Porto Alegre. Hoje eu produzo mais vídeos do que coisas físicas, o que facilita, pois é só mandar o link com os arquivos para qualquer lugar do Brasil onde for rolar a exibição. Isso acontece bastante com festivais de cinema, que abrem muito mais espaço para vídeo experimental do que galerias de arte, diga-se de passagem.

Baiestorf: Como é realizar trabalhos artísticos aqui no Brasil? Há reconhecimento? Oportunidades?

Daniela: Só vejo trabalho requentado em galerias de arte, pois é mais fácil de vender. E eu entendo. Tem que ser muito corajoso ou corajosa para montar uma galeria pensando em exibir arte autoral, sabendo que o público é saudosista e que só vai comprar coisas já legitimadas há no mínimo uns 30 anos, ou cópias atuais de obras que fizeram sucesso há 30 anos. Faço minhas coisas de teimosa mesmo e não estou nem aí. E tenho muito pouca inserção, pois ainda não se descobriu como vender vídeos em galerias de arte. Às vezes me inscrevo em editais de espaços públicos e festivais de cinema com programação para vídeo experimental, e acabo sendo selecionada em alguns, pois nesse tipo de local é mais comum existir interesse pelo trabalho artístico de pesquisa, não pelo que é mais comercializável. Reconhecimento e oportunidades: de amigos queridos que valem ouro, fazem as coisas em parceria, ajudam, divulgam e compram. Ano passado tive a alegria de ser convidada para participar de uma mostra por alguém que não era diretamente um amigo de bar, “Ao lado dela, do lado de lá”, que aconteceu no Instituto Goethe, em Porto Alegre. Fiquei muito feliz.

Baiestorf: Você está com trabalhos em finalização? Poderia falar sobre eles e como o público poderá acompanhá-los?

Daniela: Tenho um vídeo sendo construído em parceria com a Pomba Claudia e Itapa Rodrigues que se chama “O estranho caso do rato que se achava águia”. Também estou produzindo uma série fotográfica com muito sangue, nudez e simbologias que nem eu mesma entendo, que ainda não tem nome, talvez quando eu terminar tenha um nome. Mas por enquanto, tem este site aqui que está em construção https://danielatavorao.wixsite.com/arte onde se pode ver o que tenho pesquisado nos últimos anos.

Baiestorf: E seus projetos? É possível sabermos um pouquinho deles?

Daniela: Meus projetos tem a mania de aparecer na minha cabeça do nada, e eu vou fazendo e então vão ficando bem diferentes do que imaginei conforme o processo, que faz com que fiquem mais maravilhosos. Além do vídeo com a Pomba e Itapa que estou montando e das fotos, estou interessada por pesquisar as personagens de mulheres monstruosas do cinema japonês, e agregar este “conceito” às minhas personagens, em vários suportes, como vídeo, desenho e foto.

Baiestorf: Geralmente a arte no Brasil é produzida de forma independente e é difícil conseguir se manter. O que você gostaria de observar sobre isso.

Daniela: Eu tenho um emprego para poder manter minhas necessidades básicas. O dinheiro que me sobra eu torro com equipamentos, tintas, figurinos, maquiagens e cenários para minhas ideias de arte. Ainda não vejo uma forma de conseguir se manter com trabalhos artísticos no sistema atual. Por um lado é ruim, pois se faz arte quando se consegue (grana, espaço, tempo, energia mental…). Ao mesmo tempo me sinto livre para fazer coisas esquisitas sem me preocupar em “pentear” meu trabalho para que ele se torne mais comercializável. Quanto a tentar editais para projetos de arte, sinceramente, tenho preguiça. Independente é mais gostoso para mim.

Baiestorf: O espaço é seu para as considerações finais:

Daniela: Gosto do feio, do sujo e do mal acabado. Ponto. Para mim é um modo de romper e de me expressar além de cânones estéticos vigentes. Não me importa o que os outros estão fazendo, vou fazer o que eu quiser fazer, pois a vida já nos obriga a fazer coisas chatas e por obrigação demais. Para mim é libertador trabalhar com o que quero e não me dobrar para tendências artísticas contemporâneas. Só se vive uma vez, já diria a canção do escroto do Roberto Carlos. Eu quero é decolar toda a manhã (Arnaldo Baptista).

Siga Daniela Távora no youtube:

https://www.youtube.com/channel/UCCSykLJu4vHHhftw-c33wuA/featured

Contatos de Daniela:

E-mail: daniela.tavora.o@gmail.com

Fone: 51 996061060

https://danielatavorao.wixsite.com/arte

danielatavora.tumblr.com

Artes de Daniela Távora:

Dedo Semovente

Canibuk Apresenta: A Arte de Ariane Nunes

Posted in Arte e Cultura, Entrevista, Pinturas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , on fevereiro 26, 2018 by canibuk

Ariane Nunes é mineira, natural de Governador Valadares, apaixonada por desenhos, filmes e boa música (em suas palavras, “cara, heavy metal é uma loucura!”), começou a trabalhar sua arte, bastante original, a pouco tempo – aproximadamente um ano atrás. Se mantém trabalhando num escritório de advocacia enquanto faz faculdade de enfermagem. Mas não seria incrível e gratificante se artistas pudessem viver se dedicando somente à sua arte?

Conheci Ariane por conta dos filmes que produzo e passei a acompanhar seus perfis de redes sociais para acompanhar a evolução de seus trabalhos. Sou um grande apreciador da técnica de pintura envolvendo linhas e ondas, então imaginem minha alegria/satisfação quando ela resolveu pintar O Monstro Legume do Espaço, talvez minha personagem mais conhecida no underground nacional.

O Monstro Legume

Segue uma pequena entrevista que realizei com Ariane, ao fim das perguntas deixo os contatos dela para quem gostar dos trabalhos poder entrar em contato e fazer encomendas.

Petter Baiestorf: Gostaria que você contasse como começou seu interesse pela arte e, também, sobre seus primeiros trabalhos.

Ariane Nunes: Sempre me interessei pela arte em suas diversas vertentes, seja música, filmes, teatros, e ilustrações, é claro! Comecei a fazer como forma de terapia e passar tempo, a fim de me tornar uma pessoa mais paciente e com menos vontade de explodir a cidade em que moro. Peguei meu caderno de anatomia (que comprei pra faculdade e usei apenas 10 folhas) e comecei a fazer desabafos, com imagens, nas folhas que restaram. Isso me fez gostar cada vez mais de desenhar e colocar no papel tudo aquilo que a boca queria gritar e não conseguia. Então, conheci uma pessoa que me mostrou essa técnica cheio de linhas e ondas que podem se transformar na viagem que eu quiser! A partir daí, comecei a fazer telas, e me encantei com essa coisa de dimensões, universos, abismos e devaneios. Meu primeiro trabalho foi um quadro referenciando o filme “Pulp Fiction”, do Tarantino. Gostei do resultado e não parei mais de rabiscar aquelas linhas simetricamente perturbadoras! Posso dizer que meu real interesse por fazer arte começou quando percebi que ela substituiria um bom psiquiatra. Desde então, as paredes da sala da minha casa podem causar tonturas.

Ariane Nunes

Baiestorf: Sua arte sofre influências de quais artistas e escolas estéticas. Fale o que te atraí neles, se quiser falar sobre os porquês seria muito interessante.

Ariane: Aprendi essa técnica de linhas e ondas com um grande amigo do coração, então diria que ele foi um fragmento de influência. Procuro referências na música, na natureza, filmes, no meu estado mental… não procuro me espelhar em ninguém, mesmo parecendo ser presunçoso juro que não é! Os trabalhos que faço tem fragmentos de minha alma. São artes com sentimentos bem pessoais. Procuro colocar na tela o que minhas mãos e mente pedem na hora. Por exemplo, quando me encomendam um quadro referenciando algum personagem, uso, e o resto é viagem. Feito sem rascunho, livre, como tem que ser! Mas gosto bastante da arte expressionista abstrata, gosto do que faz a cabeça sair do corpo e entrar em transe! Gosto de obras perturbadoras, que mexem com o estado de espírito (não que eu faça exatamente e exclusivamente isso).

Baiestorf: Conte sobre suas exposições e como produtores poderiam levá-la para suas cidades/estados.

Ariane: Faço minhas exposições online, através de Instagram e Facebook. Ainda não fiz uma exposição física, não tem muito tempo que comecei a divulgar meus trabalhos. Meu tempo, aqui na cidade mais quente do Brasil, é um pouco limitado. Estou me formando agora em um outro tipo de arte (de cuidar das pessoas), por isso existe essa limitação. Mas caso surja interesse de algum produtor, é só entrar em contato através de redes sociais. Seria um prazer e também seria minha primeira vez em alguma exposição.

Baiestorf: Como é realizar trabalhos artísticos aqui no Brasil? Há reconhecimento? Oportunidades?

Ariane: Difícil, pessoalmente dizendo. Tudo que é um pouco diferente do comum as pessoas têm certa resistência em aceitar, principalmente se tratando de trabalhos manuais que não tem o valor reconhecido por muitos. Porém, meu trabalho tem me deixado satisfeita. Já mandei telas para algumas cidades no sudeste e nordeste, e já tenho encomendas para o sul! Apesar de achar difícil realizar trabalhos independentes aqui no país, acredito que mesmo com os obstáculos e falta de ‘’ empurrões’’, a oportunidade quem faz somos nós!

Baiestorf: Você está com trabalhos em finalização? Poderia falar sobre eles e como o público poderá acompanhá-los?

Ariane: Sim! Tenho trabalhado em uma tela que estou apaixonadíssima em fazer! Estou finalizando esse trabalho que tem sido um dos meus maiores desafios. Tem a ver com noite, castelo, almas e florestas. Parece um tema clichê pra caramba, mas estou tentando buscar uma atmosfera única, bela e sombria. Eu só publico nas redes sociais quando está pronto, porque cada traço me dá uma ideia, e quando termino, as vezes sai algo completamente diferente da ideia inicial. Como disse anteriormente, gosto de deixar a mente guiar as mãos. Mas assim que terminar, vou estar postando no Instagram e espero ter boa aceitação e resultado.

Baiestorf: E seus projetos? É possível sabermos um pouquinho deles?

Ariane: Claro! Estou com a ideia de um projeto ‘’ Senhores do Horror’’, onde farei 6 telas em tamanho 30×40 com personagens dos filmes clássicos do terror. Já decidi todos os personagens que usarei, e espero que vá para parede de um fã incondicional dos clássicos do medo. Esse projeto já está na minha cabeça a algum tempo, mas só agora vou conseguir concretiza-lo. Estou ansiosa para ver o resultado! Posteriormente, quero realizar em apenas uma tela, um trabalho com várias referências musicais. Um mix de bandas clássicas com uma atmosfera psicodélica. Vamos ver…

Baiestorf: Geralmente a arte no Brasil é produzida de forma independente e é difícil conseguir se manter. O que você gostaria de observar sobre isso.

Ariane: Existem políticas de apoio à arte no país, mas o público está cada vez mais desinteressado, no meu ponto de vista. As pessoas também estão desistindo de fazer, seja pelo desânimo ou mesmo pela falta de retorno de seus investimentos. Não generalizando, claro. Hoje em dia se faz música no computador, monta desenhos, imprime e emoldura, faz efeitos especiais, mudam vozes, acrescentam dragões. Isso é bom, óbvio. É ótimo ter recursos para melhorar o trabalho de um artista, mas por outro lado, o público desvaloriza financeiramente falando, o trabalho manual de quem ainda o faz, aquele trabalho que não são feitos de pixels. A maior dificuldade é ainda a falta de retorno, principalmente financeiro. Isso acaba desanimando muita gente fazendo com que o artista desista do seu sonho e faça da arte apenas um hobbie, e não um trabalho.

Baiestorf: O espaço é seu para as considerações finais:

Ariane: Gostaria de agradecer pela oportunidade de estar divulgando meu trabalho através do blog. É extremamente gratificante esse reconhecimento e foi de grande prazer responder cada pergunta. Principalmente, quando se trata de alguém o qual tem minha total admiração pelos trabalhos realizados! Espero contribuir de alguma forma com o crescimento do seu trabalho, e também do meu. Agradeço também, antecipadamente, a todos que lerão essa entrevista, gostando ou não! Não sou muito boa em palavras, então é isso! Vida longa a todos, e que a loucura sempre esteja presente na vida de cada um.

Contatos de como comprar/encomendar (e acompanhar) seu trabalho:

E-mail: Ariane-nr@hotmail.com

Tel/whatsapp: 033 991995704

Facebook: https://www.facebook.com/ariane.nunes.1238

Instagram: @arianenr6

Trabalhos de Ariane Nunes:

Canibuk Apresenta: A Arte de Talita Abreu

Posted in Arte e Cultura, Entrevista, Ilustração, Pinturas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on fevereiro 19, 2018 by canibuk

Talita Abreu é uma artista que acompanho a algum tempo e me impressiona sua dedicação às artes gráficas, sempre em constante evolução em seus trabalhos que são bem ecléticos – algo que admiro muito nos artistas gráficos – e que vão de trabalhos infantis até ilustrações fetichistas de BDSM, como essa abaixo que ela fez exclusivamente para o Canibuk.

BDSM

Nascida em 1984 no Rio de Janeiro/RJ, ainda jovem fixou residência em Resende/RJ, cidade próxima de São Paulo, a capital paulista onde passou a frequentar inúmeros cursos de arte.

Talita realiza trabalhos de freelancer aceitando encomendas de quadros, grafite, ilustrações para livros e contos, ilustração editorial, capas, incluindo até encomendas pessoais de apreciadores e colecionadores de arte.

Paralelamente cursa a faculdade de licenciatura em Artes Visuais a fim de complementar seu trabalho como professora de artes, desenhos e pinturas para adultos, crianças e pessoas com necessidades educativas especiais.

Abaixo uma pequena entrevista que realizei com Talita Abreu para apresentá-la aos leitores do Canibuk. Se você gostou da arte de Talita ao final da entrevista deixo os contatos para que possa encomendar as artes originais desta brilhante artista.

Talita Abreu

Petter Baiestorf: Gostaria que você contasse como começou seu interesse pela arte e, também, sobre seus primeiros trabalhos.

Talita Abreu: Eu simplesmente sinto que nasci artista, e não que me tornei uma. Ballet, fotografia, violino, escrita, teatro, desenho, tudo isso sempre fez parte do meu dia-a-dia, então eu não sei onde eu começo ou a arte termina. Transformar isso em uma profissão é que é a batalhe dos séculos. Com os anos fui me aprimorando e isso é uma constante, acredito que deva ser. Me dedico a cursos e à horas intermináveis de estudo, até que comecei a conseguir realizar projetos e me expressar melhor através da mídia que eu queria. Eu sei que precisamos almejar coisas grandiosas, mas eu sou simplesmente muito feliz trilhando o caminho.

Baiestorf: Sua arte sofre influências de quais artistas e escolas estéticas. Fale o que te atraí neles, se quiser falar sobre os “porquês” seria muito interessante.

Talita: Eu amo o que vai além da cópia perfeita, gosto de sentir a textura dos lápis e das tintas, das estilizações com proporções harmoniosas, distorcidas ou não, do movimento, da fluidez da composição de um desenho ou pintura, de composições cromáticas perfeitas, mas acima de tudo da criatividade. Uma boa ideia que foi bem executada pode te levar a uma reflexão infindável, pode te fazer se apaixonar instantaneamente.
Dos artistas que mais me inspiram a suma maioria são mulheres fantásticas: Chiara Bautista, Loish, Michael Huassar, Chris Hong, Lora Zombie, Bianca Nazari e Ursula Dourada.

Baiestorf: Com sua arte você está aberta a todo tipo de trabalho ou gostaria de se especializar somente em uma área?

Talita: Não consigo olhar pra mim mesma e me encaixar em uma área só. Eu amo tudo e tenho curiosidade por tudo! A ilustração é minha área de atuação e mesmo dentro dela eu adoro transitar entre materiais diferentes e conhecer e estudar tudo o que eu puder. Essa é a beleza de uma mente que não para, mesmo que a gente precise se forçar ao extremo para segurar o foco no topo da lista.

Sad Devil 1

Baiestorf: Conte sobre suas exposições e como produtores poderiam levá-la para suas cidades/estados.

Talita: De aquarelas de todos os temas, ilustrações e histórias infantis, ilustrações de horror, BDSM, retratos femininos de modelo vivo, séries de pinturas de personagens Star Wars, aulas e workshops de desenho e aquarela, eu possuo um acervo que pode agradar a públicos do 8 ao 80 e estou sempre aberta a propostas e projetos. Basta entrar em contato e com certeza algo bacana nasce.

Baiestorf: Como é realizar trabalhos artísticos aqui no Brasil? Há reconhecimento? Oportunidades?

Talita: É muito complicado e não acredito que isso seja segredo pra ninguém. A coisa vem com muita luta, pouco apoio, pouquíssimo reconhecimento. É legal que trabalhemos por amor, mas pagar as contas não é uma condição que a gente possa abrir mão. A maioria das “oportunidades” são na verdade pessoas oportunistas querendo trabalho de graça, mas também existem algumas poucas pessoas incríveis que sabem dar oportunidades reais a artistas.
Precisamos de uma conscientização maior sobre o que é viver de arte para que as pessoas entendam que não é um caminho fácil… Ouvir coisas do tipo “você só desenha ou trabalha também?” mostra o quanto o brasileiro ainda está meio que “lá atrás” quando se trata de arte, ver a galera pagando 500 reais no ingresso do artista internacional tal mas não consegue despender 50 conto no livro do amigo que mora na tua cidade, diz muito sobre como a nossa mentalidade alcança um ponto limitado às vezes. Precisamos muito de reconhecimento, sim, mas mais oportunidades de ser o que somos.

Trio de Doces

Baiestorf: Você está com trabalhos em finalização? Poderia falar sobre eles e como o público poderá acompanhá-los?

Talita: Estou terminando um livro que espero que seja lançado até o final de 2018 e ilustrando para um autor de horror maravilhoso e pretendemos lançar em Setembro também desse ano. Não posso falar muito desses, mas logo logo uma coisa ou outra começa a apontar por aí.

Faço atualizações constantes nas minhas redes sociais que são minha página no facebook e instagram: @talitaabreu.art

Pra comprar material meu, fazer encomendas ou falar sobre projetos, as pessoas podem entrar em contato comigo por essas redes sociais ou irem direto no site:
http://www.capitaodoce.com.br

Baiestorf: E seus projetos? É possível sabermos um pouquinho deles?

Talita: Tenho um projeto em andamento com mulheres voluntárias que posam para mim e contam suas histórias de abuso e uma série de ilustrações sobre BDSM também em andamento. Qualquer mulher que queira participar do projeto Ser Mulher, pode entrar em contato via e-mail:
talitaabreu.art@gmail.com

Baiestorf: Geralmente a arte no Brasil é produzida de forma independente e é difícil conseguir se manter. O que você gostaria de observar sobre isso.

Talita: A arte independente depende de vários fatores e pra ser um apoiador, claro que você pode comprar os produtos, mas a divulgação não custa nada e também é fundamental. Se você gosta de um artista, divulgue a arte dele, fale dele pros seus amigos, comente e compartilhe suas postagens, vá a seus eventos, mostre ele por aí, porque assim você não só faz a arte circular e se tornar algo vivo, como ajuda a gerar renda para esses artistas para que eles continuem fazendo arte! Assim você literalmente faz a arte existir.

Sad Devil 2

Baiestorf: O espaço é seu para as considerações finais:

Talita: Queria primeiro agradecer ao Petter por todo o carinho e consideração com os artistas. É difícil ver alguém que não gira em torno dos próprios projetos e está sempre procurando uma forma nova de entrar em contato com os outros e fazer a arte deles crescer. É de pessoas assim que podemos fazer um país onde a arte prospere e se expanda. A oportunidade de estar aqui no seu blog e inaugurar esse hall de entrevistas me põe um baita sorriso no rosto… Obrigada Petter! Se você é um aspirante a artista, eu só posso te dizer… Lute pela sua arte, mas antes de mais nada, estude, estude sempre, estude MUITO!!! A gente nunca vai ser o melhor no que fazemos, então a humildade é um órgão vital a partir do momento em que você se compromete com você mesmo e com a verdade. Fale com outros artistas, saia da sua zona de conforto. E obrigada a você que leu minha entrevista e se deu uma oportunidade de ver as coisas desse ponto de vista. Queria deixar o canal aberto para a comunicação comigo por qualquer meio que te for mais confortável. E não se esqueça… Apoie os artistas!

Contatos:

Facebook: http://www.facebook.com/talitaabreu.artwork
Instagram: @talitaabreu.art

site: www.capitaodoce.com.br

e-mail: talitaabreu.art@gmail.com

Artes de Talita Abreu:

Marie Antoinette

 

Nosferatu

 

Sketchbook page 2017-2018 – 5G-E

 

Suculentas

Por um Punhado de Downloads

Posted in Cinema, Música, Vídeo Independente with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on outubro 14, 2016 by canibuk

Atenção, muita atenção!

logo-canibal-001Você está penetrando no Mondo Trasho da Canibal Filmes, clicando em qualquer um destes links abaixo disponibilizados você adentrará num universo onde o mal feito é glorificado como o mais valioso dos objetos sagrados, onde a falta de talento é incentivada, onde até mesmo o faxineiro de um grande estúdio conseguiria virar diretor de uma produção. Aqui ninguém é excluído do sonhos de virar uma estrela de cinema. Todas a produções abaixo disponibilizadas foram realizada nos anos de 1990, quando ainda não existiam bons equipamentos de filmagem que fossem baratos e a edição era feita se utilizando de dois vídeo cassetes, o que torna estes filmes ainda mais mongoloides. Estejam avisados, estes links contem o pior do pior, se você acha que possuí bom gosto, clique somente no link da Cadaverous Cloacous Regurgitous. Os links para download estão nos títulos em letras maiúsculas.

Cadaverous Cloacous Regurgitous (1993)

cadaverous-cloacous-regurgitous

Demo-Tape

Antes de fazer um filme eu era fanático-radical por noise grind e, junto de meu amigo Toniolli, planejamos montar a banda mais suja do mundo, ou algo assim, afinal éramos apenas uns guris sem nada pra fazer. Eis que nas férias escolares de 1993 fomos para a casa dos pais de Toniolli e gravamos e mixamos a demo-tape “Ópera Indústrial” e intitulamos nossa banda de noise com o belo nome de “CADAVEROUS CLOACOUS REGURGITOUS“. Além de instrumentos tradicionais, também usamos folhas de zinco, motosserras, uma guitarra quebrada com uma corda e, no vocal, uma gravação que Toniolli tinha feito meses antes de porcos sendo castrados. Não satisfeito com essa primeira experiência envolvendo música, em 1999 – desta vez ajudado por meu amigo Carli Bortolanza – gravamos a demo-tape “Anna Falchi”, colocando pra funcionar um projeto de industrial harsh intitulado “Smelling Little Girl’s Pussy” que está junto no zip. “Smelling” não utilizou nenhum instrumento musical, todo o som é produzido com microfonias que criamos com estática de rádio, sujeira sonora e gravamos nos utilizando de uma ilha de edição de vídeo, muitos dos barulhos estranhos captados são oriundos de uma câmera de VHS apontando pra uma tela de TV.

 

Açougueiros (1994)

acougueiros

Petter Baiestorf em 1994

Logo após finalizar e lançar “Criaturas Hediondas” (1993), oficialmente minha primeira tentativa de fazer um filme, reunimos a mesma turma e fomos para uma casa abandonada (que depois foi reutilizada como cenário para as filmagens de “Eles Comem Sua Carne”) passar dois dias, tempo em que filmamos o “AÇOUGUEIROS“, sendo atacados por terríveis aranhas assassinas durante as madrugadas. Já na primeira noite percebemos que as aranhas era inteligentes e estavam a nossa espreita. Deitávamos em nossos colchonetes e, ligando as lanternas contra o chão, víamos as aranhas se aproximando de nossos corpos com suas oito patas famintas por carne humana. Não dormimos. No dia seguinte filmamos quase todas as cenas do “Açougueiros”, já montando o filme na própria câmera. Anoiteceu novamente. Com medo da volta das aranhas assassinas, todos da equipe dormimos em cima de uma mesa de sinuca. Tão logo desligamos as lanternas, já começamos a escutar os cochichos das malditas aranhas. A madrugada foi louca, com a gente correndo das aranhas pela casa e as eliminando sempre que possível. Lá pelas tantas as aranhas se tornaram mutantes com asas e vinham voando famintas contra a gente. O cozinheiro da produção foi o primeiro a tombar morto diante da fúria das aranhas malignas, tendo convulsões até desfalecer completamente sem vida. Sim, as aranhas haviam se organizado e queriam um banquete… E o banquete era nossa equipe!

 

Criaturas Hediondas 2 (1994)

criaturas-hediondas2_1994

Crianças Hediondas

Imediatamente após as filmagens de “Açougueiros”, resolvemos fazer uma continuação do primeiro filme e “CRIATURAS HEDIONDAS 2” tomou forma. As filmagens desta produção aconteceram no sítio de Walter Schilke, que entre outros, foi diretor de produção em “A Dama do Lotação” e de vários filmes de Os Trapalhões. Essas filmagens foram completamente sossegadas, com tudo dando certo e novos colaboradores aparecendo para ajudar o grupo. Após cada dia de filmagens todos retornávamos aos trailers da produção, ganhávamos massagens terapêuticas e participávamos de jantares de gala enquanto uma orquestra de querubins tocava sucessos de Beethoven. Depois de pronto foi exibido, no ano seguinte, na I HorrorCon em São Paulo com relativo sucesso. Neste mesmo ano explodiu a moda Trash no Brasil e ficamos bilionários fazendo filmes ruins.

 

2000 Anos Para Isso? (1996)

eles-comem-sua-carne_1996

Toniolli em banho de sangue

Sabe-se lá porque, até 1995 eu só pensava em fazer longas-metragens (devia ser algum problema de ego). Mas em 1995 fiz uma experiência em curta-metragem e realizei “Detritos” (curta que atualmente está perdido, mas que continuo tentando achar uma cópia para disponibilizar), gostando bastante da simplificação dos problemas que uma filmagem sempre tem. Então, logo no início de 1996 filmamos “Eles Comem Sua Carne” e um festival de curtas gore da Espanha, tendo assistido “O Monstro Legume do Espaço”, me escreveu solicitando um curta para incluir no festival. Como “Detritos” não era gore, resolvi montar algumas cenas do “Eles Comem Sua Carne” no formato de curta e, assim, surgiu este “2000 ANOS PARA ISSO?“, meu primeiro flerte com cinema experimental.

 

Assista “O Monstro Legume do Espaço” aqui:

Bondage 2 – Amarre-me, Gordo Escroto!!! (1997)

digitalizar0033

Denise e Souza

Após as filmagens de “Blerghhh!!!” (1996), tive uma ideia fantástica que rendeu um belo punhado de reais: Fazer um filme de putaria assinado por uma diretora, então combinei com a atriz principal de “Blerghhh!!!”, Madame X, que ela iria assinar nosso próximo filme. Com orçamento mínimo escrevi um roteiro fácil de filmar (sob pseudônimo de Lady Fuck e Carla N. Toscan, afinal, melhor que uma mulher tarada, só três, não?). Fomos pra casa do Jorge Timm, nos trancamos lá durante uns quatro dias e cometemos “BONDAGE 2: AMARRE-ME, GORDO ESCROTO!!!“, com climão de filme de Boca do Lixo final dos anos 70. É uma produção extremamente simples, mas na época do lançamento alardeamos tanto que era escrito e dirigido por mulheres que todo mundo quis assistir.

jose-mojica-e-seu-livro-preferido

José Mojica Marins e seu livro preferido.

 

Fase 98 (1997-98)

Ácido (1997) – este curta filmamos durante as gravações de “Blerghhh!!!” e só montamos um ano depois. Os efeitos de cores sobre as imagens captadas foram inseridas via uma ilha de efeitos analógicos. Acredito que foi meu primeiro vídeo arte, a concepção deste vídeo foi desenvolvida em parceria com o Coffin Souza.

Deus – O Matador de Sementinhas (1997) – No ano de 1997 Carli Bortolanza e eu cuidávamos do castelo da Canibal Filmes, local onde todo o equipamento de filmagem, maquiagens, iluminação e figurinos estavam guardados. Como o tempo de tédio era muito enquanto montávamos guarda para que ninguém invadisse nosso estúdio para roubar ideias e bens materiais, começamos a filmar vários curtas experimentais inspirados em Andy Warhol e Paul Morrissey e, assim, surgiram pequenas brincadeiras como “Crise Existencial”, “O Homem Cu Comedor de Bolinhas Coloridas”, “A Despedida de Susana – Olhos e Bocas” (1998), “9.9 (nove.nove)” e este “Deus – O Matador de Sementinhas”.

“Boi Bom” (1998) – Possivelmente meu filme mais polêmico. Antes de me tornar vegetariano realizei este brutal filme sobre a figura do homem se valendo de assassinato para se alimentar em pleno século XX. Em uma bebedeira falei com Jorge Timm e Carli Bortolanza sobre minha intenção de rodar algo extremamente brutal sobre alimentação envolvendo a matança de animais, mas a ideia ficou ali. Alguns meses depois o Jorge Timm apareceu com tudo combinado, ele já tinha encontrado um abatedouro clandestino que iria nos deixar filmar desde que não identificássemos o local. Chamei o Bortolanza e o Claudio Baiestorf e fomos até o abatedouro filmar. Em tempo: a carne deste boi que aparece no filme foi vendida pra um restaurante – pelo abatedouro, não pela gente – após as filmagens, só vindo a reforçar o que acho da alimentação envolvendo assassinatos. Hoje eu não faria outro filme com este teor, mas não renego o curta, está feito, faz parte de uma fase que eu me preocupava mais em chocar. PACK ÁCIDO+DEUS+BOIBOM.

Assista “A Despedida de Susana – Olhos e Bocas” aqui:

Mantenha-se Demente!!! (2000)

mantenha-se-demente-fx

Bortolanza aplicando fx em Loures

Logo após lançar “Zombio” (1999) escrevi o roteiro insano de “Mantenha-se Demente!!!”, um longa gore que misturava a cultura da região oeste de SC com os delírios japoneses envolvendo putaria com tentáculos. Levantei uma parte do dinheiro necessário para as filmagens e chegamos até a rodar algumas cenas do filme. Mas tudo estava tão capenga e caótico que acabei abandonando o projeto para rodar o “Raiva” (2001). O material filmado acabou por se tornar o curta-metragem “FRAGMENTOS DE UMA VIDA“, montado em 2002. Particularmente, gosto bastante do resultado de surrealismo gore alcançado neste cura improvisado, o que sempre me faz pensar que poderia voltar, hora dessas, a realizar experiências nesta linha.

 

Entrevista com Petter Baiestorf no Set de Zombio 2 (2013)

Acabei de encontrar essa ENTREVISTA que o Andye Iore realizou comigo durante as filmagens de “Zombio 2” (2013). Estou visivelmente cansado mas até que bem lúcido falando sobre o caos que foram os primeiros 12 dias de filmagens de “Zombio 2”. Estou compartilhando com vocês essa entrevista de 17 minutos mais como uma curiosidade mesmo, ela deveria estar nos extras de “Zombio 2” mas por um estranho motivo foi esquecida durante a autoração do DVD oficial de “Zombio 2“. Enfim, palhaçadas de uma produtora de cinema completamente atrapalhada.

Memórias em tom de realismo fantástico de Petter Baiestorf.

zumbi-e-petter-baiestorf_foto-andye-iore

O Beco das Almas Famintas

Posted in Literatura, Livro with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on outubro 1, 2016 by canibuk

img022Acabei a leitura do romance “O Beco das Almas Famintas” de uma tacada só, curtinho e envolvente, escrito pelo Erivaldo Mattüs que por anos editou o fanzine “Spermental” e que já foi ator de Gurcius Gewdner no fantástico curta-metragem “Erivaldo – O Astronauta Místico”. Drogas, sexo e fanatismo religioso de um mundo pervertido contado em  linguagem direta e sem rodeios quase como se fosse um roteiro de um grindhouse transformado em romance.

Sinópse: “Quando alguns mendigos são misteriosamente assassinados no centro da Cidade Sereia, três cidadãos bem sucedidos têm suas vidas progressivamente destruídas: Antenor, um executivo playboy egoísta; Cláudio, um luxurioso técnico em eletrônica e Sauro, um pastor evangélico que tem a ganância por sobrenome. O enredo, mostra a escalada do trio rumo ao fracasso, de seu presente estável até suas quedas meteóricas; seguindo em narrativas paralelas até cruzar o destino dos personagens no abandonado e famigerado “Beco dos Invisíveis”, lugar no centro de Sereia onde as desgraças são mais cotidianas e inacreditáveis do que sonha nossa vã filosofia.”

O Beco das Almas Famintas é o primeiro romance de E. Mattüs. A narrativa traz elementos que vão desde a marginalidade de Bukowski ao horror de Edgar Allan Poe, tudo ambientado em um absurdo universo kafkiano. Em tiragem numerada de 150 exemplares, a edição usa e abusa de papéis de qualidade duvidosa e estética “trash”, ao longo de 48 páginas, encadernadas em costura de 3 pontos. O livro foi lançado pela editora independente recifense Livrinho de Papel Finíssimo e é o sexto volume da coleção romanesca LiteraTara.

O que?

O Beco das Almas Famintas. Autor: E. Mattüs. Editora: Livrinho de Papel Finíssimo. Ano: 2016. Preço: R$20,00 (Envio simples: 22,00; Carta Registrada: R$25,00). Contato: katarru_podre@hotmail.com/ (82) 99945-8090. Facebook: MattüsMattüs. Instagram: @mattus.ausente

img023

Abaixo o primeiro capítulo de “O Beco das Almas Famintas”:

Quando a esmola é uma chuva de balas.

Quem transita pelo centro da cidade Sereia pode encontrar tudo o que precisa para exercer o materialismo a rigor. De cama, mesa e banho a eletroeletrônicos e made in china, o comprador pode desfrutar de todas as visões necessárias para abrir a carteira e deixar parte de sua fortuna em qualquer recinto. Odor suave de esgoto pairando no calçadão das ofertas vazias. Queima de estoque. Ao comprar, o ser humano adquire existência. Todavia, aberta a embalagem, o sentimento de satisfação é transformado numa estranha sensação de engano ou frustração. Com a realização do desejo consumista, o objeto adquirido perde o encanto e cede sua vez a uma nova fantasia material.

Porém, nem todos os transeuntes têm o poder aquisitivo necessário para existir. E para esta estirpe maldita é reservado o chamado “Beco dos Invisíveis”. Um reduto dos ignorados, criaturas das quais não se pode vampirizar qualquer espécie de lucros. Habitat natural dos moradores de rua e criaturas inexistentes aos olhos bem sucedidos dos consumidores. Numa viela, ao final de um labirinto com ruas curtas, fica este ambiente inóspito. Um forte cheiro de esgoto misturado ao de eletrônicos embalados acaba resultando num cheiro de merda tão natural quanto a fumaça da combustão automotiva. Uma pocilga abandonada aos seus 6 residentes. Caixas de papelão formam casas. Carrinho de supermercado vira armário. Uniformes velhos e camisetas de políticos ditam a moda. Eis o bendito lar de Alex, José e Simão. Os três reis magros que, na melhor das hipóteses, podem ofertar ao mundo uma pequena faceta da miséria criada por uma sociedade cruel.

São dez da matina e uma chuva rasa antecede o Sol picante. O vapor se eleva do concreto criando uma sauna natural. Pessoas andam mais rápido, enquanto lojas de ar condicionado faturam mais. Alex devora meia quentinha, Zé tasca a primeira pedra do dia no cachimbo e Simão continua a soltar suas profecias esquizoides:

— Este beco é a chave da penitência humana. Toda dor e culpa desse mundo maldito veio parar aqui e nós pagamos o preço! Só estamos aqui por culpa de todos vocês, seus desgraçados! Vocês são os culpados! Berrava o velho vagabundo.

— Cala a boca, porra! Nem tá doido de cana e já está falando merda! Explodiu Zé, depois do primeiro beijo na lata.

E explodiu mesmo! A fumacinha com gosto de plástico invadia seu corpo de forma devastadora. Paranoia, alucinações e mania de perseguição por fora, mas dizem que o que conta é como somos por dentro. Quanto a isso, Zé se sentia o rei do mundo. Um príncipe em seu reinado a céu aberto. Sensação esta, semelhante à de Alex que não reclamava nem repreendia, apenas soltava pequenos arrotos em sinal de total satisfação.

Refeições, drogas e ideias expostas em mais um fatídico dia que chega à metade. O trio desventurado compartilha a primeira lata de cachaça, Simão era o mais alvoroçado. Cada gole descia com a urgência de um antídoto ao mais maldito de todos os venenos, a sociedade. Zé — Caralho! A fissura tá voltando, mas dá pra segurar com a cana. Simão — Maldito sejas tu que trocasses o néctar divino pela pedra do diabo! Alex — Essa porra tá me deixando enjoado, acho que vou deixar uma bacia aqui de lado porque, se eu vomitar, é só jogar uma farinha por cima que já tenho a janta…

Simão — A autossuficiência é o segredo do sucesso! Os três soltam uma gargalhada uníssona.

No horário de almoço, o trânsito humano aumenta. Os ébrios cabisbaixos nem percebem que alguém passa pela calçada em que descansam e atira em cima dos três uma verdadeira chuva de balas. Framboesa, morango e abacaxi. Acho que o indivíduo veio de mão cheia e simplesmente abriu a palma em cima de nossos heróis. Ao erguerem a vista, só perceberam o anônimo de costas prosseguindo seu destino. Usava uma camiseta estampada com flores, daquelas bem bregas que se compram em brechós. Apesar do mau gosto, abençoadas sejam as almas generosas que habitam a selva de pedra.

— Deus lhe dê em dobro! Alex foi cordial em nome do trio.

É óbvio que os doces viraram tira-gosto. Zé perambulou meia hora e já voltou com duas pedrinhas, sinal de que a sociedade era realmente caridosa… Em eliminá-lo!

— Ainda tem confeitinho?

— Claro! Segura aí!

Alex era um jovem de quase um metro e oitenta, beirando os trinta e portador de um ar amistoso. Graças às drogas e descuidos com a vaidade, ele aparentava quase quarenta. O Sol e o clima seco também corroíam sua aparência, igualzinho aos prédios do centro da cidade. Os cabelos loiros ficaram quase marrons. Algumas mechas se juntavam em dreads; o que para a grande maioria lhe dava uma aparência suja, fato negativo aos negócios de pedinte. Os amigos pouco sabiam de seu passado. Só existiam alguns boatos sobre ele ter vindo do interior do estado trabalhar como servente de pedreiro e ter arranjado uma mulher que destruiu sua vida. Um belo dia, ele chegou com uma trouxa de roupas e uma garrafa de vinho pela metade. Perguntou a Simão se poderia ficar no Beco e foi aceito de bom grado. Por ser o único habitante do recinto, o patriarca da ralé apenas ditou-lhe algumas regras de convívio e até ensinou a arte da mendicância ao recém-chegado.

Já José Silva era vítima dos químicos, a família bem que tentou, mas a paixão pela pedra falou mais alto. Zé estava largado no mundo e pedindo esmolas em prol de seu culto aos deuses da lata. Cara chupada. Metade dos dentes o abandonou. A gordura era pouca e as veias saltavam pelos braços até desparecerem nas falanges proximais. Talvez seus familiares estejam a sua espera, aguardam um desejo de abstinência ou a providência divina, mas quem fuma a unha do capeta assina um contrato com o tinhoso para se entregar de corpo e alma ao prazer.

Simão sempre existiu no Beco dos Invisíveis. Desde que a terra é terra, o mar é mar e a cachaça passou a ser vendida em latas. Ele vivia sozinho e largado pelo centro da cidade Sereia. Aparentava ser um homem de conhecimento, a longa barba amarelada pelo tabaco exibia a experiência de um ser que, caso não estivesse usando uma blusa do candidato perdedor a prefeito, bem que poderia se passar por sábio hindu. O cabelo branco simulava algodão, os dentes eram mais amarelos que o sol no fim de tarde e sua mente cansada somente questionava o sentido amargo da vida. Em alguma parte de sua existência, Deus o abandonou. Por manter as mesmas roupas por muito tempo, Simão tinha cheiro de urina envelhecida. Sempre profético em suas palavras, o álcool exorbitava suas filosofias. Bêbado, ele conseguia ser pior que muito pregador de praça, mas, com certeza, o pedinte dizia bem mais verdades que um pastor charlatão.

Drogas, esmolas para comida e mais entorpecentes. Estabelecimentos em horário comercial encerram seu expediente. Os outros habitantes do beco retornam ao lar. Em sua maioria, fazedores de bicos. Uns quatro ou cinco companheiros chegam com histórias, violão e caninha para adoçar o amargo da vida. O parceiro com violão toca Raul Seixas. Todos cantam os trechinhos que se recordam da música “Ouro de Tolo”. “Essa música explica o sentido da existência de todos que circulam por aqui com grana!” discursou Simão para a plateia desatenta. A mensagem musical era conceitual e poderia até mudar a vida de todos eles, mas a única mudança desejada era sair da caretice e adentrar a algum estado alterado de espírito. Companheirismo, boa música e aguardente descendo na garganta. Aos noiados, a lata de cachaça só servia vazia. E mesmo em pleno estado de paranoia, nunca se viu uma confusão, todo mundo seguia a lei da cordialidade. Caso contrário, o bagunceiro amanhecia com a boca cheia de formigas…

Eram quase 22 horas, quando uma estranha figura entrou no beco. Uma jovem mulher com aparência de tiazona derrubada. Pela cara chupada era óbvio que pertencia ao grupo dos “beija-lata”. Cambaleante e desnorteada, ela suplicava por sua paixão: — Dou a xoxota pra quem me der um pega na lata! Cadê os machos dessa merda? Eu quero só um peguinha… Deixa eu beijar a lata que eu beijo outra coisa bem gostosa depois!

Zé nem precisou de cavalheirismo. Apenas levantou a mão empunhando o recipiente metálico e sua deusa entendeu o recado. Depois de uma chupada na lata, a musa entregou-se ao amor paranoide. Fizeram tudo ali mesmo, numa caixa de papelão improvisada como palácio de Vênus. O pico do Zé. A mansão do amor abrigou aqueles dois corpos psicóticos por um breve delírio chamado felicidade. O amor de dois zumbis embalado por deliciosos tragos de cigarro Oscar no pós-coito. A fêmea sai estonteada com sua microssaia suja de areia e tentando pôr o que parecia um top. Ela caminha cambaleante sob o efeito do amor e da pedra. Os companheiros do beco sorriam para José em nome de sua sorte. Enquanto a jovem adicta dava seus passos, os outros mendigos enfiavam a mão direita dentro dos farrapos para homenagear a deusa do lixo com o sexo dos solitários.

Apesar do vazio das ruas, no centro da Sereia sempre existem olhos maldosos à espreita. O resultado disso foi que, menos de dez minutos após a saída da mulher do Zé, a polícia já chegou descendo o cacete em todo mundo que via no beco. Somente ouviam-se os gritos dos repressores seguidos de pancadas secas do cassetete. “Vaza cambada de vagabundo! Vão fazer gandaia na casa do caralho”. Exceto por Simão, que saiu assim que viu os praças ao longe, todos sentiram o bastão perseguidor tocar suas costelas de forma emocionante. Zé correu alucinado levando sua moradia na mão, enquanto Alex se escondeu dentro de uma pilha de lixo. As ruas não eram violentas, já seus protetores pareciam salivar por carne fresca para o espancamento.

Meia-noite, o relógio recomeça a contagem. Todos se dispersam, exceto os três companheiros. Eles resolvem voltar ao beco pela certeza do descanso ser tranquilo. A barra estava limpa. Nada de coxinhas. Um deserto de concreto e lixo, onde com alguns papelões, nossos reis mendicantes resguardavam suas existências na esperança de um dia com mais grana, drinks, pedras e Raul Seixas.

Por ainda ter a audição em bom estado, Simão deve ter sido o único que teve tempo de abrir os olhos no momento em que alguém passava pela calçada. Três balas na cabeça de cada um! Alex nem se mexeu e parecia prosseguir em seu sono, que duraria a eternidade. Zé abriu os olhos, mas já estava puxando ar num ato mecânico de seu corpo; vivenciando os últimos momentos de resistência biológica após a morte cerebral. Simão conseguiu ver seu algoz e teve tempo de gritar “Deus…” antes de cair em estado de óbito. Seus olhos pareciam perder a sabedoria e expressavam decepção. Sentimento que foi alimentado por reconhecer a mesma camisa florida que viu meio dia. O benfeitor virou malfeitor. E, pela permutação no estado de espírito, ele apenas trocou as balas.

Apoie os independentes comprando seus lançamentos!

Assista aqui ao curta “Erivaldo – O Astronauta Místico” (2013) de Gurcius Gewdner com Erivaldo Mattüs atuando:

A Cor que caiu do Espaço

Posted in Cinema, download, Vídeo Independente with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on setembro 23, 2016 by canibuk

Em 2015 fui convidado para realizar um dos episódios do longa-metragem coletivo “13 Histórias Estranhas”. No mesmo dia comecei a pesquisar projetos abandonados do cinema mudo e me deparei com um projeto de curta que iria adaptar o conto “The Colour Out of Space” de H.P. Lovecraft no ano de 1928. O roteiro de tal projeto era escrito pelo próprio Lovecraft adaptando seu conto escrito no ano interior. Achei que seria uma boa tentar fazer uma versão baiestorfiana daquela ideia e assim comecei a pré-produção do episódio “A Cor que caiu do Espaço”.

a-cor-que-caiu-do-espaco

Como estava completamente sem dinheiro por aquelas épocas (por conta da produção de “Zombio 2: Chimarrão Zombies“), apresentei o projeto para minha amiga Shunna (que foi uma das investidoras de “Zombio 2”) e ela disponibilizou o dinheiro necessário para levantar a produção e pagar atores/técnicos envolvidos no projeto. Filmamos tudo em uma madrugada com uma equipe bem pequena (se não me falha memória, no set estavam comigo apenas Leyla Buk, Carli Bortolanza e os atores Coffin Souza, Elio Copini, Jessy Ferran e o Airton “Chibamar” Bratz) e depois editei com o E.B. Toniolli em mais uns dois dias de trabalhos no intuito de sujar as imagens (hoje me arrependo de não ter sujado ainda mais).

a-cor-que-caiu-do-espaco1

Com “A Cor que caiu do Espaço” tentei realizar um mix entre cinema experimental, sci-fi e cinema marginal, que são três de minhas paixões. O resultado é este curtinha que vocês podem baixar aqui: A COR QUE CAIU DO ESPAÇO.

Quanto ao longa-metragem coletivo “13 Histórias Estranhas”, não faço ideia de quando será lançado oficialmente.

13-estorias-estranhas

Pus Diet

Posted in Fanzines, Quadrinhos with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on setembro 9, 2012 by canibuk

“Pus Diet” foi um zine de humor que editei na primeira metade dos anos de 1990 que era bem curtinho, só prá se manter ocupado. “Pus Diet #1” era uma folha de ofício tamanho grande só com textos, acho que co-editado com Leomar Wazlawick ou Carli Bortolanza (ou Airton Bratz), não consigo lembrar. “Pus Diet #2” trazia 8 páginas com capa de Airton Bratz, textos de humor negro, a HQ “O Ser Eterno” de Gerson Mendes e algumas tirinhas de Bratz com um herói molenga criado por ele. “Pus Diet #3”, com capa de George Frizzo, trazia uma HQ desenhada com caneta BIC pelo Anderson, tiras de Sandro, Bratz, Laudo Ferreira Jr. e Anderson, mais textos de humor macabro e nenhuma pretensão de entrar prá história, era apenas um zininho que eu editava nas horas vagas entre um e outro número do “Arghhh”, meu fanzine principal.

Resolvi resgatar aqui as páginas ilustradas!

Petter Baiestorf.

Fernando Rick: Jesus Mendigo, Michael Jackson e o Cinema Biriteiro

Posted in Cinema, Entrevista, Vídeo Independente with tags , , , , , , , , , on maio 18, 2011 by canibuk

Faz 10 anos que o Fernando Rick está em franca evolução com sua obra cinematográfica e resolvi entrevista-lo. Fernando diz que foi influênciado (para começar a fazer filmes) principalmente pela Troma e pelos meus filmes, não é o melhor modo de começar a fazer filmes mas ele provou com seu trabalho que até mesmo os bêbados malditos evoluem na sua arte. E como evoluí, seu “Guidable – A Verdadeira História do Ratos de Porão” e, principalmente, seu novo curta-metragem “Ivan”, estão profissionais e continuam peças divertidíssimas do cinema underground brasileiro. Fernando fala na entrevista que gostaria de conhecer outra pessoa que tenha gostado do seu novo curta, bem, já encontrou, fiquei de quatro diante do filmaço, mostra um artista amadurecido em sua arte. Conheço o cinema de Fernando Rick desde quando ele lançou o tosco “Rubão – O Canibal” e virei fã na hora, na época fiquei extremamente feliz porque finalmente surgia alguém no Brasil fazendo filmes na linha dos meus (tanto ele quanto eu fomos/somos influênciados pela Troma) e, na minha cabeça de produtor independente alucinado, já começava a ver um mercado alternativo de cultura gore se esboçando na minha frente. Delírios de uma mente que alucina!!!

eu e Fernando Rick em 2007

Sem mais delongas, segue uma ultra entrevista com o Fernando Rick:

Baiestorf: Como você acabou dirigindo filmes? O que tu fazia antes? Conte como foi isso!

Fernando Rick: Como a maioria dos que se envolvem nisso, eu colecionava filmes, era aficcionado por filmes de terror e filmes violentos. Tinha uma coleção enorme, na época era VHS, vivia comprando e trocando fitas, filme alemão de necrofilia sem legenda em português, filme japonês simulando Snuff sem legenda nem em inglês e por ai vai… Era fanático por Lucio Fulci, Dario Argento, Takashi Miike, Jorg Buttgereit, mas os meus favoritos sempre foram a trilogia Evil Dead (devo ter umas 3 ou 4 tatuagens desse filme espalhadas pelo corpo) e os primeiros filmes do Petter Jackson. Minha vontade de fazer algo começou ai mas foi vendo os filmes da Troma (trilogia Toxic Avenger, Terror Firmer, Tromeu e Julieta, Sgt Kabukiman NYPD, Surfistas Nazistas Devem Morrer, e por ai vai) que comecei a me dar conta do tipo de filme que eu poderia e gostaria de fazer, e quando conheci os filmes da Canibal Produções e seu mentor Petter Baiestorf, comecei a ver que ja existia alguém fazendo este tipo de coisa no Brasil, ai foi o estopim de tudo. Quando era moleque eu fazia uns videos em VHS, com aquelas cameras grandonas de ombro, coisa que todo moleque que se interessa pelo assunto também ja fez algum dia. O primeiro um pouco mais significativo veio mais tarde, certa época eu tinha um site sobre filmes de terror que era bem famosinho, chamava Schizophrenia Horror Website, era antes de existir Boca do Inferno e esses portais de horror que existem hoje em dia. Eu passava meu tempo basicamente enchendo a cara com meus amigos e curtindo som pesado, resolvi juntar o pessoal e gravar algo, depois de algumas tentativas frustradas, conseguimos fazer nosso primeiro video, totalmente influenciado pelas tralhas da Troma, se chama Rubão – O Canibal, e claro, eu não tinha noção nenhuma do que eu estava tentando fazer.

Baiestorf: “Rubão – O Canibal” vai ser lançado em DVD pelo Gurcius Gewdner, como foram as filmagens dele?

Fernando Rick: Isso foi em 2001, eu tive essa idéia de fazer um filme sobre dois irmãos caipiras canibais necrófilos nazistas, queria misturar o máximo de absurdos possíveis e por umas bandas de metal nacional que eu gostava na trilha. Na época estava barateando o custo dessas hand cams MINI-DV e equipamento de edição, placa de captura, etc. Mas eu não tinha nada disso, e nem sabia como funcionava, pedi uma câmera emprestada pra um amigo, falei com um outro se ele poderia editar pra mim, juntei o bando de amigos bêbados que viviam chapados comigo pra cima e pra baixo e começamos a gravar a bagaça. Ficou um vídeo bem tosco, é demorado pra caralho, lento, sei lá como isso funcionou, mas rolou que por causa da trilha sonora, acabou tendo uma divulgação e saiu uns reviews falando bem na revista Rock Brigade, que pouco tempo antes havia feito uma puta matéria de 2 páginas sobre o Baiestorf, ou seja, começou abrir as portas pra esse tipo de filme para um público que ainda não conhecia e não sabia da existência de alguém fazendo esse tipo de coisa no Brasil. Nós fazíamos uns flyers toscos em xerox  e distribuíamos em shows de metal, lembro bem da gente entregando isso num show do Kreator e Destruction, todo mundo ficava curioso pra saber que porra era aquela. Isso já era 2002, quando saiu o filme, e caiu no gosto dos roqueiros bebuns de plantão, começaram a exibir isso em botecos, festinhas de amigos e der repente, todo mundo tinha uma cópia do VHS.

Baiestorf: “Feto Morto” é numa linha completamente Troma e foi o primeiro lançamento independente brasileiro em DVD, como foi realiza-lo?

Fernando Rick: Nessa época eu era extremamente bitolado em Troma, e queria muito fazer algo do tipo, queria mulher pelada, putaria, escatologia. Como eu não tinha noção de filmagem nem porra nenhuma, já sabendo que seria tosco, o negócio era assumir a tosquice, não tentar fazer algo sério, ou seja, era tudo ultra escrachado propositalmente. Essa época eu lembro q tava assistindo muito Toxic Avenger 4, Terror Firmer e seus making offs (que são melhores que os filmes), e claro, queria fazer igual! Inventei essa história sobre um cara que tem um feto morto grudado na cabeça pois seu pai trepou com a irmã. O resto é basicamente um monte de desculpa pra mostrar mulher pelada, escatologia e violência, tudo cheio de humor negro. O cara que faz o papel do Feto Morto é o Rui Villani, ele é o segredo do sucesso desse filme, o cara é meu herói até hoje. Ele tem um irmão gêmeo, que é quem faz o EXU do Feto Morto no filme, o Exu ensina o cara a lutar karatê pra se vingar de um grupinho que vivia azucrinando o protagonista (ta vendo só, nós tratávamos de bullying muito antes disso virar moda no Brasil [risos]). Esse filme conta com a ilustríssima presença da Denise V., que era famosa por seu trabalho nos filmes do Baiestorf, a idéia era ela ficar pelada andando de tetas de fora pra cima e pra baixo durante o filme. Contratamos mais uma putas horrendas pra aparecerem peladas fazendo nojeiras, todas pelo justíssimo preço de 50 reais cada, juntei novamente a cambada de bêbados que andavam comigo na época e começamos a gravar. Por causa do Rubão, muita banda queria ter trilha sonora no meu próximo vídeo, o então Feto Morto. Além da trilha original feita pelo Fabio Ribeiro,  é cheio de bandas de metal de cabo a rabo, o que novamente ajudou muito na divulgação. As gravações foram uma bagunça sem fim, em todas nós estávamos ultra bêbados, nada era sério, era tudo pura diversão, principalmente as gravações com as meninas peladas. O negócio do VHS era foda, era caro pra cacete enviar VHS por correio, dava um trabalho maldito gravar um por um, nessa época os gravadores de DVD para computador estavam barateando  e resolvi investir. Acabei sendo o primeiro cara a lançar essas tralhas em DVD no Brasil. Era mais rápido para gravar e mais barato pra enviar, só que tinha um problemão, muitos dos aparelhos de DVD naquela época ainda não liam DVD-R e sempre tinha problemas com caras reclamando que o DVD não funcionava. De qualquer forma, o Feto Morto também foi lançado em VHS, fizemos uma parceria com a Mutilation Records, eles pagaram as impressões das capas e vendiam os filmes na loja, mas tiveram que parar de vender os DVDs, pois muita gente reclamava que os DVDs não funcionavam. Fizemos uma festa de lançamento do Feto Morto, com bandas tocando, exibição de filmes extremos, cerveja barata (era Lecker, ruim e quente, mas era barata) e foi um sucesso! A Denise V. estava na festa pra alegria dos cuecas de plantão, e logo que saiu Feto Morto já se tornou um Cult absoluto! É incrível pensar a repercussão que este vídeo teve, até hoje é difícil achar alguém que não viu ou não conhece alguém que tenha uma cópia entre fãs de filmes extremos ou fãs de musica pesada. Começou a sair uma caralhada de matérias em revistas, fanzines, TV, internet e, como no Rubão, o boca a boca foi essencial, exibições públicas em botecos e festinhas, gente que sabia várias frases do filme de cor e salteado, lembro que me pagaram muita cerveja por causa desse filme, foi demais! E é um filme ultra tosco, feito sem recurso nenhum por um monte de moleques bêbados e sem noção alguma do que estávamos fazendo. Nessa época de Rubão/Feto Morto, eu era bem novo, devia ter entre 17, 18 anos. Um fato legal é que nós curtíamos muito os programas do Alborghetti e colocamos um trecho de um dos programas dele no filme, tínhamos uma fita com umas 6 horas de Alborghetti gravadas e vivíamos assistindo aquela porra, era tipo uma coletânea dos casos mais escabrosos que rolou nos programas dele. Depois, com o advento do You Tube, ele voltou a ser moda (risos).

Baiestorf: Como foi trabalhar com a Denise V.? Posso estar enganado, mas acho que “Feto Morto” foi o último filme de destaque que ela fez antes de abandonar as produções independentes e seu trabalho de atriz!

Fernando Rick: Foi muito divertido, pois eu era fã dela por causa dos filmes do Petter, já tinha assistido vários e me correspondia com ele por carta (isso ai, carta mesmo, não e-mail). Eu tinha mandado o Rubão pro Petter e ele escreveu uma resenha muito legal no fanzine que ele editava na época chamado ARGHHH. A Denise V. estava vindo pra São Paulo, acho que quem nos colocou em contato foi um amigo em comum o José Salles, que era outro realizador da época, fazia zines, vídeos, etc. As gravações foram uma zona total, bebedeiras e muito barulho, a Denise era doidona e nos demos muito bem, como não era um lance sério e profissional, passávamos a maior parte do tempo falando merda e rindo do que trabalhando de fato. Era uma época divertida. Ela costumava andar com os Abutres (os motoqueiros) e vivia contando histórias de putaria e esbórnia com esses caras, e por ai vai. Se me lembro bem, as lindas garotas que aparecem nuas no filme nos foram apresentadas pela Denise.

Baiestorf: “Coleção de Humanos Mortos” tem um puta clima e de certo modo representa seu amadurecimento como realizador, foi um passo natural?

Fernando Rick: Nessa época eu já havia começado a trabalhar de verdade com TV e cinema, eu era ajudante do Kapel, um dos maiores efeitistas do Brasil e já estava trabalhando na TV Cultura. Então resolvi fazer um curta de verdade, mesmo por que, nunca tive interesse em ficar fazendo a mesma coisa, até hoje cada um dos meus trabalhos é bem diferente do anterior, não gosto de me repetir muito. Queria fazer um filme de terror, com atores de verdade, efeitos legais, fotografia ajeitada, então fiz o roteiro do Coleção, baseado nas coisas que eu andava vendo na época. Em 2004 o Killjoy, vocalista da banda Necrophagia, veio pro Brasil para gravar um clipe com o Mojica e ficamos a semana toda indo pra esbórnia, ele tinha trazido com ele o DVD que eles tinham gravado com o Jim VanBebber e lá eu vi o curta The Last Days of John Martin. Eu pirei naquilo. Eu já conhecia o trabalho do cara nos filmes Deadbeat By Dawn e My Sweet Satan, mas esse ai foi foda, e todo o DVD do Necrophagia era do caralho, então resolvi fazer algo naquela pegada, misturado com alguns fatos de Serial Killers reais, nesta época também eu era meio viciado em coisas relacionadas a isso, lia um monte de livros do Harold Schechter, Helter Skelter do Manson, documentários, ouvia muito a banda Macabre, tudo que tinha a ver com Charles Manson, Ed Gein, Jeffrey Dahmer, Albert Fish e afins, me interessava.

Baiestorf: As filmagens do “Coleção de Humanos Mortos” duraram quanto tempo e qual foi o orçamento dele?

Fernando Rick: As gravações duraram 2 fins de semana e foram ultra conturbadas. Eu não tinha experiência de SET, não tinha equipe, não tinha porra nenhuma. Minha equipe era o André ZP (diretor do curta “Sozinho”) fazendo câmera, o Kapel nos efeitos, Rodrigo Terra e Renato Tado, dois caras que na época eram estagiários comigo na TV Cultura, fazendo luz e alguns outros amigos ajudando com todo o resto, áudio, produção, etc, entre eles o Rui Villani, que fez o Feto Morto. Eu tinha que fazer de tudo, sem ter tempo e experiência e a situação ia ficando tensa, tudo atrasava, dava problema, a luz não ficava como eu queria, tínhamos que remontar tudo, não tinha comida pros atores e equipe, só tinha bebida (herança das épocas de Feto Morto) e o povo todo ia ficando bêbado e ia rolando discórdia. E pra ajudar, o único cara que não era ator de verdade ali, era justamente quem eu tinha escolhido como ator principal, o Ulisses Granados do Putrescine. E ele gostava de encher a cara até cair, ai você já pode imaginar o desastre que foi o primeiro fim de semana de gravação. Foi difícil fazer tudo funcionar e as pessoas colaborarem, primeiro porque estava todo mundo trabalhando de graça, inclusive as atrizes que ficam peladas, segundo que estava todo mundo ultra cansado e com fome, terceiro que estava todo mundo meio chapado e foi bem neste primeiro fim de semana que gravamos aquela cena do estupro. Primeiro fim de semana foi um desastre, então tive que me preparar mais para o segundo fim de semana, ensaiei bastante com o Ulisses, comprei um mínimo de comida pro povo, menos bebidas dessas vez, e lá fomos nós. Gravamos a cena da Luciana tomando banho, tudo calmo e tranqüilo, sem efeitos, sem nada, só ela sem roupa e o banheiro, tudo rolou bem e a Luciana estava achando o máximo ter que ficar só ali, tomando banho quente enquanto ficávamos movimentando a câmera num travelling pelo trilho improvisado com madeira e um carrinho com rodinhas de skate. De lá fomos para uma casa em construção, onde gravamos as cenas que no filme são a casa do Serial Killer, onde tem aquela zona toda de corpos, cabeças, etc. Cena esta onde pela primeira vez tive o prazer de ter em um filme meu a participação do Gurcius Gewdner, fazendo figuração como um dos cadáveres da sala ao lado da Didi Babinski, outra amiga que me ajuda nos meus trabalhos dês da época do Rubão. De lá pra cá, tanto o Gurcius quanto a Didi me ajudaram ou participam de alguma forma de todos os meus trabalhos. Bom, lá estávamos nós no terceiro andar de uma casa em construção, sem janelas, num frio do caralho, altas horas da madrugada, a maior parte do tempo tudo ocorreu bem nesse dia, no máximo demorava para arrumar a luz do jeito que eu queria, mas cedo ou tarde o pessoal fazia, só que as meninas, tanto a Luciana quanto a Tiara, que faz a primeira vítima, estavam apenas de calcinha, num frio do cão, cobertas com aquele sangue fake do Kapel que é uma mistura de Glicose de milho com corante, um negócio grudento que incomoda e a Luciana que passa por vários tipos de tortura nas mãos do Ulisses no filme, coberta com aquele sangue, gritando a madrugada toda, tendo que chorar, atuar e o caralho a quatro, começa a surtar de verdade e de repente resolve abandonar as gravações, gritando que não agüenta mais essa tortura, que quer ir embora, que aquilo é um absurdo, etc. Então após conversar um pouco e acalmar a garota, tivemos que fazer o resto todo do filme as pressas o que prejudicou muito as cenas, alguns efeitos que ficaram bem toscos no filme são por causa disso, como quando o cara bate com a espingarda na cara dela, etc. Tudo que é feito na correria fica uma merda, não tem jeito. O resultado final não é uma obra prima mas também não é de se jogar fora. Foi lançado em DVD pela Mutilation Records, junto com os curtas de horror (“Sozinho” de André ZP e “6 Tiros, 60 Ml” do André Kapel), e foi a primeira vez que curtas de horror brasileiros foram lançados em DVD numa coletânea apenas de curtas. Com o passar dos anos parece que o pessoal começou a dar mais atenção pra esse filme, várias vezes foi convidado a ser exibido em Mostras de cinema no Brasil e exterior e basta você dar uma procurada no Google que vai ver o tanto de lugares que tem pra baixar o filme, sendo a maioria em sites gringos. La fora parece que dão mais valor aos filmes do DVD 3 Cortes, tem um monte de reviews legais espalhados pela Internet de tudo quanto é país, menos do Brasil. Aqui ninguém da muito valor e a maioria do pessoal deve achar uma merda.

Baiestorf: Como surgiu o convite para fazer o vídeo clip do Ratos de Porão?

Fernando Rick: Quando o Ratos estava gravando o disco Homem Inimigo do Homem, quem mixou a bagaça foi o Bernardo (Elma, ex Are You God?), ai entreguei um 3 Cortes para ele mostrar pro Gordo e ver se ele não queria fazer um clipe. O Gordo gostou dos filmes e disse que já tinha visto o Feto Morto e também gostava, ai fez o convite pra fazer um clipe pra música Covardia de Plantão que fala sobre a violência de grupos tipo Skinheads, Punks, etc. A idéia já era fazer algo pesado e que seria censurado, mas o que rolou foi fazer um clipe baratíssimo, porque a Deck Disc tinha dado só 1.500 reais pra fazer o vídeo e apesar de ser um pouco violento, usar uma violência caricata e meio engraçada. Ai foi aquela historia de sempre, junta um monte de gente pra trabalhar de graça, correria do caralho pra fazer tudo sem dinheiro, equipamento emprestado.Gravamos duas diárias, uma que foi a banda tocando no Cerveja Azul, um bar La na Mooca, e outra que é a parte das brigas. Sem grandes acontecimentos nestas gravações, só o usual. No fim das contas corremos pra tentar fechar o clipe a tempo de entrar no VMB, ai que vem o recado da gravadora – A Deck Disc não irá compactuar com a violência. Censuraram o clipe, ele não foi exibido em lugar nenhum, só na internet. Hoje tem ele no disco de Extras do Guidable também. E é isso ai.

Baiestorf: Este clip pro Ratos de Porão serviu prá ti tomar contato com o Gordo, certo? Como surgiu a idéia pro documentário “Guidable – A Verdadeira História do Ratos de Porão”?

Fernando Rick: No processo de realização do clipe do Ratos, acabei me tornando amigo do Gordo e me veio essa idéia de fazer um documentário sobre a trajetória do Ratos. O Gordo disse que vários caras tentaram fazer, mas nenhum conseguia, pois era MUITO material, era trabalho que não acabava mais. Resolvi assumir a bronca e de forma totalmente independente, produzindo tudo eu e o Gordo, comecei a fazer o filme.

Baiestorf: Como foi o processo de seleção de imagens e edição que tu e o Marcelo Appezzato realizaram pro “Guidable”? Deve ter sido uma loucura, porque olhando o filme dá prá perceber que foi um trabalho monstro!

Fernando Rick: A maioria do material usado no filme é do arquivo pessoal do Gordo, ele tem caixas e caixas de arquivos da banda, vídeos de todo formato que você pode imaginar, VHS em NTSC, VHS em PAL, VHS em PAL-M, DVD, Beta, Mini DV, DVD, fotos que não acabavam mais e, mesmo assim, ainda fomos caçar mais material por fora e conseguimos reunir muita coisa inédita e importante, não foi fácil, mas isso enriqueceu muito o filme e o resultado final é muito bom. Comecei recrutando algumas pessoas pra me ajudar a gravar as entrevistas, um cara pro áudio, dois caras pra fazer câmera e luz, e logo no início das gravações convidei o Marcelo Appezzato, vocalista do HUTT, para tirar fotos das gravações e acabou que ele sempre ajudava nas pautas e dava boas idéias, ai começou ajudar na produção, ligava pras pessoas, agendava entrevistas, dava idéias, etc. As gravações foram o máximo pois tivemos a chance de conhecer muitos caras que somos fãs e muita gente importante pra música, mas a melhor de todas foi a da Vila Piauí, bairro de onde surgiu o Ratos de Porão, lá gravamos as entrevistas com o Jabá e o Betinho, dois membros da primeira formação do Ratos. A gravação foi dentro de um boteco na beira da favela e tinha um monte de gente da vila assistindo, sem contar o pessoal do tráfico, os bebuns de plantão, etc. Foi legal ver a reação do pessoal que mora ali, que são vizinhos dos caras e nem sabiam quem eles eram, como quando o Jabá estava contando que uma das maiores conquistas dele foi quando eles tocaram com o Ramones, e você ouve um monte de moleques atrás de você comentando – “Caralho, o cara é meu vizinho e tocou com o Ramones!”. Quando terminamos as gravações, chamei ele pra editar o filme comigo e passamos 1 ano inteiro pra decupar e editar o filme, no fim das contas o cara virou Co-Diretor e ele foi essencial pra obtermos esse resultado final. Decupar essas fitas foi um inferno, foi um trabalho de pesquisa gigantesco, a idéia era ter uma edição dinâmica, e tudo muito ilustrado, quando um cara comentava sobre algum assunto, queríamos ter a imagem exata na hora certa e ficar achando 3,4 segundos de uma imagem X no meio de 500 vhs´s bolorentos, cansa!

Baiestorf: E como foi a carreira do “Guidable” nos festivais e mostras de filmes?

Fernando Rick: Fizemos umas sessões de lançamento do filme no Cine Olido graças ao nosso amigo Alex Andrade que armou tudo, e todas sessões de lançamento foram esgotadas, tinha gente sentado no chão, etc. Foi lindo. Depois o filme começou a rodar alguns festivais legais tipo a primeira edição brasileira do IN-EDIT, o Indie Festival em BH e em um monte de mostras ao redor do Brasil, conseguimos vender um monte de sessões de exibição do filme em diversos estados também, com diversas sessões esgotadas no Brasil todo e o filme entrou em cartaz no Cine Olido. Tivemos uma mídia espontânea fantástica, saímos em uma sexta feira, no mesmo dia, em todos grandes jornais– Folha, Estadão, Jornal da Tarde, Correio Brasiliense. Uma página inteira no mínimo, em cada jornal. Também rolou matéria em vários programas de TV, rádio, zines, internet, foi foda! Alias, várias dessas matérias estão disponíveis no nosso site http://www.blackvomit.com.br.

Baiestorf:  A distribuição do “Guidable” foi feita pela independente Läjä Rekords do incansável Mozine em edição dupla luxuosa, tu pode contar como foram as negociações? Lembro que a Monstro Discos e a Universal Music também estavam interessadas em lançá-lo!

Fernando Rick: No começo, antes do BOOM da mídia, ninguém queria saber do documentário. Oferecemos pra Deck Disc e um monte de gente, ninguém quis. Ai depois das matérias um monte de gente começou a se interessar.  Fizemos umas reuniões mas nenhuma era muito interessante, pois nossa idéia era o DVD ser DUPLO, com encarte e BARATO, custando no máximo 25 reais. Tínhamos até fechado com a Monstro mas acabei desistindo, pois os caras queriam lançar o DVD a 40 reais, encheram o saco pra eu mudar a capa (que foi feita pelo Gabriel Renner especialmente para o documentário), queriam por um desenho do Marcatti e o caralho, não adiantava eu falar que não, eles continuavam insistindo, puta falta de respeito e puta idéia burra. Aí na mesma semana apareceu o Mozine que, junto com o Felipe da Ideal Records, resolveram aceitar todas nossas condições, fizemos uma reunião com o João Gordo e voltei atrás e fiz com eles ao invés da Monstro, ai o tal do Márcio veio todo cheio de pompa me falar um monte de merda, que isso não se faz,  várias insinuações idiotas tipo – achava que você mandava em alguma coisa ai, etc. Depois falou um monte de merda sobre o Mozine, e começou cantar de galo como eles são foda, como eles fazem isso e aquilo, totalmente idiota, como se alguém dependesse dele pra alguma coisa. Tentei até falar na boa com o cara, mas parecia que eu estava lidando com o dono da Sony ou da EMI, ridículo. Depois, mais pra frente, eles lançaram o DVD ao vivo do Ratos e, cara, acho que é o lançamento mais ridículo que já vi na vida, lançaram o show com TIMECODE na tela, um menu cheio de pau, uma capa ridícula, dá até dó. Difícil lidar com os donos do mundo. Bom, lançamos pela Ideal Records + Laja Records, tudo saiu bem, o DVD ficou ótimo e vendeu pra caralho, vendeu uns 3.000 em pouco mais de 2 meses. Na época em que saiu, mesmo o preço de atacado sendo ultra baixo pra poder ser vendido a 25 reais, haviam várias lojas vendendo por 40, 50 e até 60 reais! E mesmo assim vendia muito e rápido. Depois começaram a piratear, colocar na internet, ai nos camelôs tinha o DVD Duplo por 10conto, ai começa a cair, não tem jeito. Teve umas pisadas na bola do Felipe da Ideal Records também com alguns lojistas e com divulgação, não imprimiram 1 poster pra colar em lugar algum, nem flyer, mas estou satisfeito com o resultado.

Baiestorf: Algum plano para o “Guidable” ser exibido em alguma rede de TV brasileira?

Fernando Rick: Ainda não, mas também nem tentamos negociar ainda. Com certeza faremos isso mais pra frente.

Baiestorf: “Guidable” foi lançado em outros países?

Fernando Rick: Mesma coisa que a resposta anterior.

Baiestorf: Confesso que não sou um grande admirador da banda Ratos de Porão (tinha parado de acompanhar eles depois do “Brasil”), mas teu documentário me fez voltar à ouvi-los. Como foi a recepção do público?

Fernando Rick: Foi demais! A repercussão que este documentário teve e continua tendo é inimaginável, muitas vezes estou na rua, em algum bar ou na fila de alguma coisa e ouço alguém comentando sobre o filme. E quando alguém fica sabendo que fui eu quem fez e as pessoas dizem o quanto gostam do filme, que viram no cinema sei lá de onde e depois compraram o DVD, que já emprestou pra 30 amigos e blá bla blá, isso não tem preço!

Baiestorf: E o piloto para programa de TV “Gurcius Gewdner Show”? Como surgiu essa idéia de usar o Gurcius como apresentador? No que consiste este projeto?

Fernando Rick: Eu tive essa idéia de tentar fazer um programa de TV pra web, a idéia original era fazer um programa apresentado pelo João Gordo. Cheguei a falar com ele sobre isso, tivemos algumas idéias, mas no fim acabou não rolando. Conheço o Gurcius a algum tempo, e sou UM, entre seus diversos fãs espalhados mundo a fora. Todo mundo que conhece o cara sabe que ele é uma figura única, e não sei de onde tive essa idéia de ao invés do João Gordo, colocar o Gurcius para apresentar o programa, aliás, era mais que isso, era um programa DO Gurcius, ele faria TUDO no programa. Então eu e o Marcelo Appezzato começamos a bolar as idéias de quadros e toda identidade visual do negócio, queríamos fazer algo simples, barato e divertido. Um dos primeiros quadros que criamos era um chamado Na Banheira do GUGUrcius, onde o Gurcius entrevistaria celebridades lado B em uma banheira e o primeiro que tentamos foi o Kid Bengala. Só que começamos a ter vários empecilhos, o cara queria cobrar cachê para dar a entrevista, não estávamos achando uma banheira legal, etc. Ai desencanamos desse quadro e começamos a pensar em algumas coisas pra fazer em Chroma, pensamos nesse quadro onde o Gurcius explicaria do seu ponto de vista, obras literárias, música e grandes mistérios do universo. O assunto escolhido para o piloto foi a Cultura Racional, aquela do disco do Tim Maia. Então eu vim com essa idéia de fazer uma mesa redonda de bebuns na praça da Sé, colocaríamos uma mesinha lá no meio e daríamos pinga pros caras ficar discutindo assuntos corriqueiros com o Gurcius. Fizemos uma pauta falando desde Michael Jackson até muro de Berlin e entregamos pro nosso herói de bigode. Foi tudo muito divertido com exceção da parte que, enquanto gravávamos naquele antro de pinguços e nóias, sem que percebêssemos, roubaram um case de câmera com uma lente e um microfone dentro. Foi isso o que acabou deixando o programa meio caro, porque todo o resto não gastamos praticamente nada. Gravamos o programa inteiro em um fim de semana e ficamos sabendo que o Sérgio Mallandro estaria fazendo um show de Stand Up bem no fim de semana em que marcamos a gravação. Claro que não poderíamos perder isso, então nossa produtora conseguiu por a gente pra assistir ao show e entrevistar o cara. Quando avisamos o Gurcius que ele iria entrevistar o Sérgio Mallandro, quase que ele teve um treco, ele é ultra fã do cara. Lembro que estávamos assistindo ao Stand Up e o Marcelo estava achando uma merda e começou a ficar azucrinando os caras do palco, ai eu fiquei irritado e discutimos lá no meio, ele saiu andando e largou a gente, antes de gravar, só que ele tinha levado um vinil do Mallandro pro cara autografar e deixou lá, ai o Gurcius pegou e depois da entrevista – “tem como o senhor assinar meu disco? Põe ai – pra Gurcius , um abraço!”, no disco do Marcelo.

Baiestorf: E como é dirigir o Gurcius? Tu já dirigiu ele em vários filmes, se não me falha a memória ele faz pontas no “Coleção de Humanos Mortos”, clip do Ratos de Porão e agora no ainda não lançado “Ivan”!

Fernando Rick: Ah, dirigir o Gurcius é fácil, nada que uns xingos e uns tapas não resolvam. Brincadeira, é bem fácil trabalhar com o cara, ele é ultra dedicado e esforçado, eu uso ele nos meus trampos a bastante tempo, desde o Coleção pra cá, o único que não tem ele acho que é o Guidable. Mas ele tava na sessão reservada que teve do filme antes da estréia, que foi só para imprensa e convidados. Gosto de ter ele fazendo pontas nos meus filmes, é tipo um amuleto da sorte, mas não posso dar muito destaque pra ele se não o cara rouba a cena do protagonista ou qualquer que seja o foco. Mas agora eu inventei um programa só pra ele, então tá tudo certo.

Baiestorf: Alguma TV se interessou em comprar o “Gurcius Gewdner Show”? Pode falar sobre isso?

Fernando Rick: Oferecemos e fizemos umas reuniões em canais de TV tipo a FOX, onde os caras até se interessavam, mas o departamento de marketing sempre barrava, dizia que era difícil vender, etc. Todo mundo pergunta se mostramos pra MTV, nós tentamos mas ninguém lá nem se deu ao trabalho de ver.  Sei lá, talvez só eu tenha gostado dessa merda… (risos).

Baiestorf: Faz alguns dias que vi teu novo curta “Ivan” e ele não sai da minha cabeça, achei o roteiro maravilhoso e me identifiquei com os artistas fodidos que tu retratou. Como surgiu a idéia para fazê-lo?

Fernando Rick: A idéia era tentar fazer um curta barato, que envolvesse um ator de teatro e se passasse dentro de um cortiço, só que o roteiro foi crescendo e tomando proporções muito maiores do que a idéia original. Ai coloquei o curta na Lei Rouanet, fomos aprovados pra captar 90 mil reais, mas eu não quis esperar, ai resolvi fazer com meu próprio dinheiro enquanto tentávamos captar pela lei. Pedi pra um monte de gente trabalhar de graça, apenas os atores foram pagos e mesmo assim foi cachê simbólico.  Tínhamos por dia cerca de 60 pessoas trabalhando no SET, isso só de parte técnica, pois teve dias em que tínhamos um monte de figurantes, atores, etc. Conseguimos diversos apoios para realizar o filme, a TV Cultura apoiou emprestando toda parte de figurino e cenografia, tivemos diversos apoios pra aluguel de equipamento, etc. Toda equipe foi formada por profissionais da área e todo mundo trabalhou de graça com a maior vontade do mundo, nunca na minha vida tinha trabalhado com uma equipe tão esforçada e olha que eu já havia trabalhado com todo esse pessoal antes. Tudo isso foi essencial para o resultado final do filme. Bom, voltando ao roteiro, resolvemos fugir novamente do que estávamos acostumados a fazer. Não queríamos fazer outro filme de terror, nem outro documentário, fizemos um drama misturado com humor negro, onde colocamos a situação do artista no Brasil num curta totalmente situado no centro velho de São Paulo, com personagens marginais. Todo o filme faz uma analogia com a bíblia e seus personagens, colocamos Jesus como um ator de teatro velho e decadente que vive em um cortiço imundo, Maria Madalena é um travesti de meia idade, os apóstolos são os amigos de Ivan, o ator decadente, entre eles um Michael Jackson cover fuleiro e um negro caolho de cadeira de rodas, e ai mostramos a trajetória deste ator que tem que entregar panfletos vestido de Mickey embaixo da luz do sol pra pagar seu sustento, até o momento em que tem uma iluminação e resolve mudar sua vida e de seus amigos.

Baiestorf: Essa versão que vi na tua casa (em companhia do Rodrigo Aragão) ainda não esta finalizada, certo? Quando o curta ficará pronto? Alguma previsão de lançamento?

Fernando Rick: Sim, a versão que você viu era a final, o curta já esta pronto, em 35mm e Dolby SR-D, neste exato momento esta a caminho de sua estréia num festival no Sul! Agora deve percorrer o circuito de festivais e é ai que vou descobrir se alguém além de mim gostou dessa bagaça, por que tem muita gente que mostrei o curta e não fizeram cara de quem gostou muito não (risos).

Baiestorf: A parte técnica do “Ivan” está fantástica, o trabalho dos atores (em especial do cara que faz o Ivan – não lembro nome dele – e do Rubens Mello) está genial!!! Qual foi o orçamento do curta? Como tu levantou essa grana?

Fernando Rick: Sim, a parte técnica foi exaustivamente estudada para conseguirmos esse resultado. Figurino, cenografia, fotografia. O trabalho dos atores também foi incrível, o primeiro cara que eu ofereci o papel do Ivan foi o Ivan Cabral, ator e dono do grupo de teatro Satyros, o cara fechou comigo, me deu certeza… e adivinha? Faltando um mês para começarmos as filmagens, o cara simplesmente sumiu, parou de atender minhas ligações, etc. Beleza, bola pra frente, tentei então o Carlos Mossy, que se interessou, mas como ele mora no Rio, ia ficar muito caro e então me deparei com o André Ceccato! Esse cara caiu do céu, ele ficou perfeito no papel e quero trabalhar muitas outras vezes com ele. Puta ator, com A maiúsculo. Quem ver o filme, verá. O Rubens Mello foi o primeiro que escolhi para o papel do travesti Darlene Starr e nem precisei procurar mais ninguém, ele ficou com o papel de cara. O cara que faz o Ronaldo, o Judas da história, é o Beto Bellini, que também foi o cara que criamos o papel pensando nele e rolou dele fazer e ficou ótimo também.  O curta esta orçado em 90 mil, mas gastamos cerca de 18, 19 mil reais contando com o Transfer para 35mm, etc. Só conseguimos fazer por este preço com esse esquema de todo mundo trabalhando de graça, se não, não ia ter jeito, é 90 mil pra cima. De qualquer forma, estamos conseguindo captar a grana graças a WHEATON do Brasil, que esta patrocinando o projeto através da Lei Rouanet. No site da Black Vomit tem um making of bem legal feito pelo nosso amigo Armando, que mostra um pouco de como foram as filmagens, vale a pena conferir.

Baiestorf: É bom ver cineastas independentes, como Rodrigo Aragão com seu longa “A Noite do Chupa Cabras” e você com o curta “Ivan”, fazendo filmaços. Tu acha que se rolasse mais grana nas produções independentes a gente teria mais grandes diretores realizando bons filmes?

Fernando Rick: Não sei não cara, com alguns até funcionaria, com outros não. O dinheiro funciona quando o cara sabe fazer e tem o que mostrar, tem muito moleque hoje que se prendeu a isso de “eu faço cinema de Bordas…” e o cara acha que porque faz uns videozinhos de 50 reais, não precisa se importar com parte técnica, etc. E os filmes desses caras geralmente não tem nada pra acrescentar, são historinhas de terror bobinhas, sem protesto, sem crítica, sem mensagem, sem finalidade, sem porra nenhuma. Hoje em dia tá cheio de caras assim.  Não sou contra filme tosco, sem recursos, sem equipamentos, sou contra filme bobo, pau mole. Eles deviam aprender mais com você e com o Gurcius. (risos).

Baiestorf: Aliás, tu acredita em cinema de gênero? Há público prá esse tipo de cinema no Brasil?

Fernando Rick: Sim, cada dia cresce mais o número de adeptos do cinema de gênero. A prova disso é o crescente número de festivais de gênero que nascem no Brasil a cada ano, Fantaspoa, Cinefantasy, RioFan, SP Terror, Mostra de Cinema de Bordas, etc. Até pouco tempo atrás não tinha nada disso. Graças à internet, o público tem mais acesso a esse material e vai rolando esse tipo de evento.  E todos eles são muito legais, é uma via de mão dupla, é bom pra quem produz, que divulga o trabalho e sempre tem mais lugares onde exibir os filmes e para os fãs é ótimo poder conferir uma produção crescente não só no Brasil, como no mundo, de um tipo de cinema específico que o cara gosta. Este ano, por exemplo, o FantasPoa esta trazendo o Lamberto Bava! Quando na vida a gente ia imaginar ver esse cara exibindo e comentando seus filmes e os clássicos do pai dele no Brasil? E claro, como não posso deixar de vender meu peixe, estou trazendo pela minha produtora o Lloyd Kaufman da TROMA, numa retrospectiva com os maiores clássicos dos caras e uma MASTER CLASS de 5 horas GRATUITA! Sem contar que ouvi fortes boatos de que até o fim do ano também tem uma mostra do Takashi Miike em SP. Tudo isso no mesmo ano! Ou seja, só temos a ganhar com o fácil acesso a esse material.

Baiestorf: “Ivan” vai ser exibido em festivais e mostras, certo? Há planos de lançar ele em DVD (talvez na linha do DVD “3 Cortes” que reunia 3 curtas de 3 diretores diferentes)?

Fernando Rick: O foco principal são os festivais ao redor do mundo, que é onde a gente consegue divulgar o trabalho, etc. Depois que rodar todo lugar que eu conseguir enfiar o filme, ai com certeza eu coloco ele na íntegra na internet. O que acho mais fácil acontecer é algum doido querer lançar uma coletânea de trabalhos da Black Vomit, reunindo trampos novos, antigos, etc, e o Ivan entrar no meio, com making of e tal.

Baiestorf: Vocês da Black Vomit estão trazendo o Llloyd Kaufman pro Brasil, tu pode falar sobre isso? Passar detalhes?

Fernando Rick: Bom, como já disse, a Troma sempre foi grande influência pra mim, foi em partes por causa deles que comecei a fazer filmes. O Lloyd Kaufman é uma das poucas pessoas que considero um herói de verdade. O que rolou foi que íamos tentar trazer o cara pra Virada Cultural em SP, mas abortamos o projeto e resolvemos fazer em parceria com a prefeitura esta mostra retrospectiva da TROMA, exibindo durante uma semana inteira os maiores clássicos da produtora e de quebra, uma MASTER CLASS de 5 horas com nosso mestre, e o negócio vai ter tradução simultânea, coffe brake e tudo mais. O melhor é que é totalmente de graça! É um sonho pra mim poder trazer um cara que sou fã desde criança e ainda por cima dar essa chance única de ter uma aula de cinema com ele, para um monte de fãs do cara pelo Brasil que virão pro evento. Isso tudo só foi possível graças a ajuda do nosso ultra brother Alex Andrade e o Cine Olido. E preparem-se que isso é só o começo, pretendemos trazer mais gente legal!

Baiestorf: Próximos projetos? O que tu planeja fazer depois do filmaço “Ivan”???

Fernando Rick: Temos um curta, chamado Estopim, que Foi aprovado antes do IVAN na Lei Rouanet e trata desse assunto de massacre em colégio, na época fizemos baseado no Massacre de Columbine, e eis que agora surge esse moleque xarope no Rio e fez o mesmo aqui. É um curta de humor negro, mais adolescente e pra variar, totalmente diferente do Ivan. É um monte de cabeças explodindo, corpos pegando fogo, etc. Vamos tentar captar grana pra fazer esse filme, essa é a única coisa certa até agora. Projetos temos de kilo, mas não adianta ficar contando com o ovo no cu da galinha, quando algo tiver certo, eu solto as novidades!

Lloyd Kaufman da Troma