Arquivo para leyla buk

Canibuk Apresenta: A Arte de Leyla Buk

Posted in Arte e Cultura, Entrevista, Ilustração, Pinturas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on março 8, 2018 by canibuk

Hoje é o dia internacional da Mulher e a série do Canibuk não podia deixar de apresentar a arte de uma das mulheres mais fortes, criativas e completas que já tive o prazer de conhecer.

Acompanho o trabalho de Leyla Buk faz, pelo menos, uma década, e cada nova fase dela me surpreendo com a franca evolução de seus trabalhos. Leyla é inquieta, está sempre na ânsia pela busca de se superar.

Autorretrato, 2018 (inédito).

Leyla, nascida em Recife/PE, é artista autodidata e desde a infância já se interessava por desenhos e pintura. Há pelo menos 9 anos trabalha em tempo integral, de modo profissional, com sua arte, experimentando vários meios, estilos e técnicas. É uma artista curiosa e dona de uma arte fenomenal, seja como desenhista, pintora ou escultora, fazendo um Monku, ou uma Buky, personagens que criou para explorar essa técnica – o que não a impede de aceitar encomendas com seu personagem preferido. Suas esculturas já estão em inúmeros países da América – USA e Canadá – e Europa – Finlândia, Inglaterra, Suécia e outros.

Já realizou exposições por vários estados do Brasil. Também foi capista da Editora Estronho e realizou cartazes para filmes, estando sempre aberta às mais variadas encomendas.

Agora Leyla se prepara para uma importante exposição coletiva em Porto Alegre que irá acontecer no mês de Maio próximo, ao lado de importantes artistas brasileiros. Em breve divulgarei aqui essa exposição e em maio estarei lá fazendo a cobertura. Adianto que é imperdível e tem a ver com o FantasPoa 2018.

Leyla Buk

Segue a entrevista que realizei com Leyla para o Canibuk.

Petter Baiestorf: Gostaria que você contasse como começou seu interesse pela arte e, também, sobre seus primeiros trabalhos.

Leyla Buk: Me interesso por arte desde que me entendo por gente. Minhas memórias mais fortes da infância são aquelas que envolvem algum tipo de arte, em casa ou no colégio. Não lembro muito dos meus primeiro trabalhos, mas eu desenhava o tempo todo. Eu fui uma criança estranha e que não se encaixava muito nas coisas. Desenhar me libertava. A arte pra mim é e sempre foi uma necessidade, uma busca por respostas, por algum tipo de salvação. E me salva. Sempre me salvou.

Buky

Baiestorf: Sua arte sofre influências de quais artistas e escolas estéticas. Fale o que te atraí neles, se quiser falar sobre os porquês seria muito interessante.

Leyla: A lista de influência é grande, de varias escolas, varias épocas e lugares, por varias razões. Eu bebo de muitas fontes, de renascentistas à artistas pop do “momento”, todos têm uma importância e fazem ou fizeram parte de algum momento meu. Eu gosto muito dos expressionistas do começo do século XX, quanto movimento, quanto proposta, quanto resposta. Artistas como Schiele sempre me influenciaram demais, pela coragem, pelo sentimento, pela angústia, pelo peso psicológico, pelo estilo. Sempre tive na arte um lugar onde posso buscar respostas e exorcizar meus demônios. Um lugar onde me encaixo e posso ser livre. Por isso me identifico muito com artistas assim. Picasso é um cara que tem uma importância enorme pra mim, porque com ele eu aprendi que não tem problema mudar, não tem problema ter muitas fases, não tem problema ser livre nesse sentido. Que meu compromisso maior é com o que sinto e com minha verdade. E eu tenho muitas fases, quem me acompanha sabe. Talvez um dia alguém vai nomear cada uma delas como fizeram com ele? “Essa é a fase preta”, “essa é a fase ocre”, “essa é a fase niilista” e arrumar justificativas pra cada uma (risos). Apenas deixem ser. Mas pra falar mais alguns nomes cito caras como da Vinci, Rembrandt, Caravaggio, Hans Memling, Bosch, Botticelli, Klimt, Van Gogh, Modigliani, Rothko. Muitos outros. Sempre da medo de esquecer alguém muito importante. E sei que esqueci. O mundo a minha volta, as pessoas com as quais eu convivo e sempre me ensinam algo, família, amigos próximos, quem eu amo e qualquer pessoa que faça o que gosta com vontade e paixão me inspira. Pode ser o maior artista vivo ou o tiozinho da esquina que vende pipoca. Gentileza, empolgação e sonhos me motivam. Inocência idem. Cinema, literatura e música também têm forte influência sobre meu trabalho, desenhos, pinturas, esculturas… Estão presentes em absolutamente tudo. Mas eu vou parar por aqui senão não vai acabar nunca essa resposta.

Stillness, 2018

Baiestorf: Com sua arte você está aberta a todo tipo de trabalho ou gostaria de se especializar somente em uma área? Porque?

Leyla: Assim, dentro da minha área eu estou aberta a tudo, porém cada coisa no seu tempo. Eu me interesso por muitas coisas, mas eu não me vejo fazendo varias coisas de áreas diferentes, eu jamais conseguiria fazer bem todas elas. Eu sou intensa demais no que eu faço então eu gasto toda energia naquilo, não conseguiria fazer isso com varias coisas. Algo sairia mal feito ou não teria a mesma atenção e cuidado que merece e eu iria sucumbir também, certamente (risos).

Baiestorf: Conte sobre suas exposições e como produtores poderiam levá-la para suas cidades/estados.

Leyla: Acho que minha primeira exposição foi em 2010, em Maceió. Num bar que reuniu vários artistas undergrounds de vários estilos. Na época eu estava forte na fase erótica e tinha acabado de começar a pintar (olha eu já definindo minhas fases tipo Picasso – risos). Depois expus em outros lugares também, todas exposições coletivas. Todas importantes, mas lembro com muito amor da exposição na Mondo Estronho que aconteceu em 2015 em Curitiba, onde expus umas 20 peças inspiradas no cinema de horror das décadas de 20 a 50, filmes que tem grande influência na minha vida e na minha arte. Depois, em 2016, expus em alguns eventos em Porto Alegre também. Se alguém tiver interesse em promover alguma exposição com meus trabalhos pode entrar em contato comigo pelo e-mail bukleyla@gmail.com e podemos acertar todos os detalhes.

Edgar Allan Poe, 2017

Baiestorf: Como é realizar trabalhos artísticos aqui no Brasil? Há reconhecimento? Oportunidades?

Leyla: Eu me sinto privilegiada por poder trabalhar com o que eu amo em tempo integral e me dedicar apenas a isso, isso pra mim já vale por qualquer reconhecimento, fama, o que for, porque eu sei que essa não é a realidade da maioria. Eu já trabalho nisso ha algum tempo e estou incansavelmente fazendo alguma coisa. A gente tem que abraçar qualquer oportunidade que apareça. A divulgação é nossa maior amiga nisso tudo e a internet oferece muitos meios pra isso. Eu tento aproveitar cada um deles.

Baiestorf: Você está com trabalhos em finalização? Poderia falar sobre eles e como o público poderá acompanhá-los?

Leyla: Eu sempre estou com trabalhos em andamento. No momento, estou trabalhando em algumas ilustrações novas e finalizando dolls de algumas encomendas. Quem quiser obter informações ou fazer pedidos (eu aceito encomendas das BukDolls, dos Monkus, das Bukys, de pinturas e de ilustrações também) pode entrar em contato através do e-mail bukleyla@gmail.com ou pelas minhas redes sociais no Instagram @leylabuk e Facebook @LeylaBukArt.

Mary Shaw (Dead Silence), 2018

Baiestorf: E seus projetos? É possível sabermos um pouquinho deles?

Leyla: Entre os outros trampos em andamento estou trabalhando também numas peças pra uma exposição que vai acontecer em maio. Darei mais detalhes em breve.

Baiestorf: Geralmente a arte no Brasil é produzida de forma independente e é difícil conseguir se manter. O que você gostaria de observar sobre isso.

Leyla: A gente tem que aprender a lidar com os altos e baixos disso tudo. Pesa mais pra gente quando pesa pra todo mundo. Mas o amor pelo o que faço é o que me move. Eu realmente não sei se saberia fazer outra coisa da minha vida! Então fica tudo muito pequeno quando penso no prazer que é poder fazer o que faço.

Baiestorf: O espaço é seu para as considerações finais:

Leyla: Obrigada, Petter, pelo espaço e pelo apoio sempre! Isso é muito importante quando a gente faz tudo por conta própria e não tem patrono, não tem arte em grandes galerias ou não morreu ainda pra que a obra, quem sabe, passe a valer alguma coisa. Valorizem os artistas enquanto vivos! Consumam sua arte! Divulguem! Apreciem! A arte salva.

Monkus, 2016

Contatos de Leyla Buk:

Email:  bukleyla@gmail.com

Instagram: @leylabuk

Instagram: @_monku_

Facebook: @LeylaBukArt

Artes de Leyla Buk:

 

Cat, 2018

Pennywise – It, 2018

Vampira e Bride of Frankenstein, 2017

Mina (Bram Stoker’s Dracula), 2017

Vanessa Ives – Possession, 2017

Edward Scissorhands Black and White, 2017

Vampira, 2016

A Cor que caiu do Espaço

Posted in Cinema, download, Vídeo Independente with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on setembro 23, 2016 by canibuk

Em 2015 fui convidado para realizar um dos episódios do longa-metragem coletivo “13 Histórias Estranhas”. No mesmo dia comecei a pesquisar projetos abandonados do cinema mudo e me deparei com um projeto de curta que iria adaptar o conto “The Colour Out of Space” de H.P. Lovecraft no ano de 1928. O roteiro de tal projeto era escrito pelo próprio Lovecraft adaptando seu conto escrito no ano interior. Achei que seria uma boa tentar fazer uma versão baiestorfiana daquela ideia e assim comecei a pré-produção do episódio “A Cor que caiu do Espaço”.

a-cor-que-caiu-do-espaco

Como estava completamente sem dinheiro por aquelas épocas (por conta da produção de “Zombio 2: Chimarrão Zombies“), apresentei o projeto para minha amiga Shunna (que foi uma das investidoras de “Zombio 2”) e ela disponibilizou o dinheiro necessário para levantar a produção e pagar atores/técnicos envolvidos no projeto. Filmamos tudo em uma madrugada com uma equipe bem pequena (se não me falha memória, no set estavam comigo apenas Leyla Buk, Carli Bortolanza e os atores Coffin Souza, Elio Copini, Jessy Ferran e o Airton “Chibamar” Bratz) e depois editei com o E.B. Toniolli em mais uns dois dias de trabalhos no intuito de sujar as imagens (hoje me arrependo de não ter sujado ainda mais).

a-cor-que-caiu-do-espaco1

Com “A Cor que caiu do Espaço” tentei realizar um mix entre cinema experimental, sci-fi e cinema marginal, que são três de minhas paixões. O resultado é este curtinha que vocês podem baixar aqui: A COR QUE CAIU DO ESPAÇO.

Quanto ao longa-metragem coletivo “13 Histórias Estranhas”, não faço ideia de quando será lançado oficialmente.

13-estorias-estranhas

Trailer de Zombio 2: Chimarrão Zombies

Posted in Cinema, Vídeo Independente with tags , , , , , , , , , , , , , , , on setembro 30, 2013 by canibuk

Nos últimos 10 meses estive envolvido na produção do longa-metragem “Zombio 2: Chimarrão Zombies”, não tendo conseguido arranjar tempo livre pra atualizar o Canibuk de modo satisfatório.  Ainda tem todo um trampo de tentar lançar o filme independente mesmo, mas o trabalho mais pesado já está feito e o filme já está por aí rodando (dia 16 de outubro, às 19:30, rola no Festival de Sitges, um dos maiores festivais do cinema fantástico do mundo e dia 23 de outubro abre o recém criado Festival FantasNor, na região Nordeste do Brasil).

Segue o trailer do filme para que todos tenham um gostinho do trabalho que realizamos (e abaixo a equipe técnica do filme, sem a ajuda e empenho de todos vocês este filme nunca teria sido realizado):

Equipe-técnica:

Este filme é uma produção independente que contou com o apoio financeiro das empresas

GlobalVilla, Shunna, Visual Serigrafia, Hotel Brasil, Mostra do Filme Livre.

canibal filmes em parceria com el  Reno fitas, camarão filmes e idéias caóticas, bulhorgia produções, sui generis filmes e com o apoio de fábulas negras produções artísticas, necrófilos produções artísticas, projeto zombilly e gosma

orgulhosamente apresentam

ZOMBIO 2: CHIMARRÃO ZOMBIES

Roteiro, Produção e Direção

Petter Baiestorf

Musa Inspiradora

Leyla Buk

Produção Executiva

Petter Baiestorf

Leo Pyrata

Sanzio Machado

Produtores Associados

Gurcius Gewdner

Leyla Buk

Airton Bratz

Elio Copini

Alexandre Brunoro

Flávio C. Von Sperling

Gisele Ferran

Cofin Souza

Diretor de Produção

CB Rot Bortolanza

Assistentes de Direção

CB Rot Bortolanza

Gabriel Zumbi

Estrelando:

Airton Bratz como Chibamar Bronx

Elio Copini como Américo Giallo

Gisele Ferran como Nilda Furacão

Coffin Souza como Klaus

PC como Suicide

Gurcius Gewdner como Pastor Davi

Raíssa Vitral como Amélia dos Santos

Adriano de Freitas Trindade como Rigão

Flamingo como o Cafetão de Nilda

Cristian Verardi como o Cheirador Alegre

Douglas Domingues como o Cheirador Bem Fodidinho

Jorge Timm como o Bodegueiro do sonho de Klaus

André Luiz como o Malandrão

Felipe M. Guerra como o Bispo

Miyuki Tachibana como Yoko

E.B. Toniolli como Técnico das Empresas Cronenberg 1

Marcel Mars como Técnico das Empresas Cronenberg 2

Alexandre Brunoro como o Colono 1

Sanzio Machado como o Colono 2

A produção deste filme só foi possível com a ajuda e paciência da zumbizada amiga que interpretou os zumbis podres:

Marcel Mars

Andye Iore

Gurcius Gewdner

Douglas Domingues

Raíssa Vitral

CB Rot Bortolanza

Felipe M. Guerra

Adriano de Freitas Trindade

Paulo Blob

Cristian Verardi

Minuano

Juliana Schiffrin

Charles Knaak

Alan Cassol

André Luiz

Leo Pyrata

Gabriel Zumbi

Gisele Ferran

Elio Copini

Marivan Lottermann

Jéssica Silva

Mary Hermes

Coffin Souza

Adriana Cigognini

José Pignat

Barbi Cauzzi

Marcos Perin

Milena Mergen

e os zumbis raivosos:

CB Rot Bortolanza

Marcel Mars

Sanzio Machado

Alexandre Brunoro

Gabriel Zumbi

Christian Schaefer

Rafael Picolotto

Alan Cassol

Juliana Schiffrin

Loures Jahnke

Andye Iore

Raimundo Lago

Técnica:

Direção de Fotografia:

Flávio C. Von Sperling

Leo Pyrata

Iluminação:

Flávio C. Von Sperling

Assistentes de Fotografia:

Sanzio Machado

Gabriel Zumbi

Rebatedor de Luz:

Leyla Buk

André Luiz

Gabriel Zumbi

Raimundo Lago

Cristian Verardi

Charles Knaack

Elio Copini

Adriano de Freitas Trindade

Maquiagens:

Alexandre Brunoro

Equipe de FX:

Alexandre Brunoro

Leyla Buk

CB Rot Bortolanza

Coffin Souza

Concepção dos Zumbis Raivosos:

Leyla Buk

Concepção dos Zumbis Podres:

Alexandre Brunoro

Próteses:

Rodrigo Aragão

Ricardo Ghiorzi

Luciano Irrthum

Maquilagem Facial:

Leyla Buk

Assistentes de FX:

Gisele Ferran

Marisa

Jessica Silva

Direção de Arte:

Uzi Uschi

Figurinos:

Gisele Ferran

Storyboards:

Leyla Buk

Locações:

Petter Baiestorf

Still:

Andye Iore

Alimentação:

Roberto Timm

Assistentes de Produção:

Iara B. Padilha Dreher

Leyla Buk

Douglas Domingues

Gabriel Zumbi

Gisele Ferran

Coffin Souza

Marcel Mars

Raimundo Lago

Adriano de Freitas Trindade

Líbera Oliveira

Elio Copini

Operadores de Som:

Leyla Buk

Flávio C. Von Sperling

Leo Pyrata

E.B. Toniolli

Douglas Domingues

Gabriel Zumbi

Cofin Souza

Cristian Verardi

Alexandre Brunoro

Edição:

Gurcius Gewdner

Assistente de Edição:

Mini-Mulamba

Consultores de Edição:

Elói Mattar

Leo Pyrata

Christian Caselli

Seleção Musical:

Petter Baiestorf

Música Original:

Erro

Concepção da Cerveja Lambidinha:

Petter Baiestorf

Executado por Gurcius Gewdner

Concepção da Empresa Cronenberg:

Petter Baiestorf

Executado por Ivandro Godoy

Concepção da Erva-Mate Cronenberg:

Petter Baiestorf

Executado por Gurcius Gewdner

Motoristas:

Airton Bratz

PC

Inácio Drescher

Felipe M. Guerra

CB Rot Bortolanza

Charles Knaak

Roberto Timm

Marivan Lottermann

Carpinteiros:

Raimundo Lago

PC

Alexandre Ribeiro

Marisa

Eletricistas:

Adriano de Freitas Trindade

Alexandre Ribeiro

Raimundo Lago

Continuista:

Uzi Uschi

Material Gráfico:

Gurcius Gewdner

Ivandro Godoy

Andye Iore

Contra-Regras:

Uzi Uschi

Sonho do Klaus:

Diretor de Fotografia e Iluminação:

Daniel Yencken

Pastor na TV:

Diretor de Fotografia e Iluminação:

Pablo Pablo

Zombio 2 foi produzido com o apoio financeiro de

GlobalVilla

Iara Magalhães

Shunna

Hotel Brasil

Visual Serigrafia

Fábula Negras Produções Artísticas

Mostra do Filme Livre

Mauro Mackedanz

Awildgarden

Diógenes Carvalho

Rubens Mello

Família Ferran

Diogo Cunha

Adnilson Rafael Telles (Art)

André Bozzeto Jr.

Aristides Rudnick Jr.

Laura Canepa

Thiago Macedo de Abreu Hortêncio

Ricardo Ghiorzi

Diogo Hayashi

Agradecimentos:

Monstro

Rodrigo Aragão

Mônica Perin

Ivandro Godoy

Rafael Araújo

Silvio Merk

Roberto Timm

Wilson Hoehne

Marivan Lottermann

FantasPoa

Mostra do Filme Livre

Mostra Cinema de Bordas

Mostra A Vingança dos Filmes B

Ricardo Ghiorzi

Guilherme Whitaker

Christian Caselli

Priscilla Menezes

Ivan Cardoso

Comunidade de Vila Ilha Redonda/SC

Central Lanches

Fazenda do Canelo

Cerveja Cretina

Canibal Vídeo Locadora

Mostra Cine Terror na Praia

Katásia

Flexstudio

Zé Nariz

Elói Mattar

Peter Gossweiller

Amêxa

Yama

Garganta

Maiara Pires

Zombio 2: Chimarrão Zombies é uma co-produção independente entre os estados de

Santa Catarina

Minas Gerais

Rio de Janeiro

Pernambuco

São Paulo

Rio Grande do Sul

Paraná

Espírito Santo

Filmado na Zona Autônoma de Canibal City

Canibal Filmes

El Reno Fitas

Camarrão Filmes e Idéias Caóticas

Bulhorgia Produções

Sui Generis Filmes

Com apoio de

Fábulas Negras Produções Artísticas

Necrófilos Produções Artísticas

Projeto Zombilly

Gosma

2013

Ajude a Patrocinar o Segundo Bloco de Filmagens de Zombio 2

Posted in Cinema, Vídeo Independente with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on março 5, 2013 by canibuk

ZOMBIO-2-PEntre os dias 06 e 19 de fevereiro estivemos filmando o longa-metragem gore “Zombio 2”. Este filme está sendo produzido por uma cooperativa informal formada pela Canibal Filmes (Coffin Souza, Leyla Buk, Elio Copini, Airton Bratz, Gisele Ferran, Paulo Cesar Rhoden, Minuano, Douglas Domingues, Adriano Trindade, Carli Bortolanza, E.B. Toniolli, André Luiz, Alan Cassol, Loures Jahnke, Taiz Ferran, Ivandro Godoy, Raimundo Lago, Marisa, Blob, Líbera Oliveira, Marcel Mars, Charles Knaak, Christian F. Schäfer, Juliana Seffrin, Cristian Verardi, Rafael Picolotto), El Reno Fitas (Leo Pyrata, Flávio C. Von Sperling, Sanzio Machado e Gabriel Zumbi), Camarão Filmes & Idéias Caóticas (Alexandre Brunoro e Raphael Araújo) e Bulhorgia Produções (Gurcius Gewdner), que conta com o apoio financeiro das empresas Globalville (escola de inglês), Visual Serigrafia, Hotel Brasil, Shunna e Fábulas Negras Produções Artísticas do maquiador Rodrigo Aragão e investidores particulares (fãs do cinema de horror) que ajudaram com pequenas quantias de dinheiro, como Elio Copini, Mauro Mackedanz, Awildgarden, Diógenes Carvalho, Rubens Mello, Família Ferran, Diogo Cunha, Adnilson Rafael Telles e André Bozzetto Jr. e ainda apoio com material de cenas e serviços da Necrófilos Produções Artísticas (Felipe Guerra) e Projeto Zombilly (Andye Iore).

45747_152951241529669_2091844507_n“Zombio 2” é uma produção que foi crescendo muito e foi se tornando bastante cara para os padrões do atual cinema realmente independente do Brasil. E é uma produção difícil com muito trabalho ainda pela frente. O plano original era ter finalizado a produção no primeiro bloco, mas não conseguimos por conta do clima chuvoso (simplesmente chovia todos os dias e enfrentamos duas tempestades bem violentas), tivemos problema com falta de água potável na locação (algo impensável em se tratando de Ilha redonda, estância hidromineral onde filmamos, mas que aconteceu e nos fez perder praticamente um dia de filmagens indo atrás dos responsáveis pela rede de água do município de Palmitos) e chegamos a filmar 36 horas seguidas sem pausas para descanso algum (sem comer nem dormir por puro amor ao cinema feito com culhões) na tentativa de recuperar algum tempo perdido. Assim, devido a inúmeros probleminhas, um segundo bloco se faz necessário.

Neste segundo bloco teremos que filmar completamente sem dinheiro porque nossos recursos financeiros já se esgotaram. Não há dinheiro nem para a comida do pessoal que está trabalhando nesta produção (ficamos devendo ainda R$ 500,00 para o restaurante que alimentou a equipe no primeiro bloco, depois de ter pago uma parcela de R$ 1.500,00). Alimentar uma equipe que muitas vezes ultrapassou o número de 40 pessoas no Set não é nada fácil, acreditem!

13092_10151472105229491_1716730588_n

Para este segundo bloco de filmagens de “Zombio 2” (com mais dez dias filmando é certeza que terminaremos o filme) ainda estamos aceitando doações. Se você quer/puder nos ajudar com qualquer quantia escreva para o e-mail baiestorf@yahoo.com.br para maiores informações sobre como nos ajudar a concluir este filme que está ficando muito divertido e com uma qualidade técnica bem superior aos nossos antigos filmes. Empresas podem comprar espaço publicitário (o nome de seu negócio irá aparecer no início do filme como apoiador) e pessoas físicas que ajudarem com pouco serão relacionadas nos créditos como apoiadores financeiros do filme.

Uma coisa é certa: Finalizar este longa-metragem é uma questão de honra para todos os envolvidos no projeto e, com ou sem comida, vamos dar um jeito de terminar este projeto coletivo e apresentar o filme concluído durante o FantasPoa no início de maio próximo na cidade de Porto Alegre/RS).

734885_10151472095469491_1159577853_n

escrito por Petter Baiestorf.

Abaixo confira algumas fotos do primeiro bloco de “Zombio 2”, o resultado final está ficando lindo e queremos entregar aos fãs dos filmes gore um filme muito divertido. Ajude-nos a tornar “Zombio 2” uma realidade!!!

Zombio 2_Tripas

Zombio 2_Noivos1

Zombio 2_Nilda Furacão

Zombio 2_Zumbis

Zombio 2_Noivos

SDC11424

14026_432901580123674_1196691081_n

14899_10200611352306722_1078075676_n

421822_256635034470712_456451179_n

525026_256238947843654_752936992_n

66412_234202606713955_2084958022_n-horz

225369_152951268196333_34492484_n

Zombio 2_Equipe7

Zombio 2_teste1_cortada

Zombio 2_Zumbis_Equipe4

Storyboard de uma cena de Zombio 2: Chimarrão Zombies

Posted in Nossa Arte, Vídeo Independente with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on dezembro 21, 2012 by canibuk

Em primeiro lugar quero pedir desculpas aos leitores do Canibuk pela falta de atualizações (colaborações de qualidade são bem vindas e serão publicadas), mas como todos sabem estou trabalhando na pré-produção do meu novo longa-metragem e o tempo livre pro blog tem sido nulo. Acho que após abril (que é quando quero editar o filme com o Gurcius Gewdner) tudo voltará ao normal aqui. Mesmo assim, em breve, publicarei pequenos artigos sobre filmes independentes (filmes como “Psicofaca – O Maníaco das Facas”, filmado em Iraí/RS, “Punhos em Ação” e “No Rastro da Gang”, de José Sawlo, cineasta de Queimadas/PB) e algumas HQs, como “Transação Macabra”, a pedidos).

Chibamar Bronx.

Chibamar Bronx.

A pré-produção do “Zombio 2: Chimarrão Zombies” segue com Coffin Souza elaborando os efeitos de maquiagens gores (nas filmagens contaremos com o maquiador Alexandre Brunoro, do “Confinópolis“, nos ajudando), Leyla Buk desenhando os figurinos e storyboard de algumas seqüências do filme e eu, Gisele Ferran e Elio Copini correndo atrás de outros detalhes.

Yoko.

Yoko.

A produção de “Zombio 2” é um pouco maior do que dos meus filmes anteriores, estou atrás de dinheiro que nos ajude a fazer este filme com maiores cuidados, se você tem interesse em nos ajudar, leia “Como Investir no Zombio 2” e entre em contato comigo no e-mail baiestorf@yahoo.com.br

Klaus.

Klaus.

As possibilidades de se fazer um filme ultra gore, divertido e cheio de referências a cultura underground são infinitas e “Zombio 2” vai seguir nesta linha! Para o elenco já temos confirmado Airton Bratz repetindo o papel do detetive Chibamar Bronx, Miyuki Tachibana no papel da viúva negra Yoko, Coffin Souza no papel do mendigo debochado Klaus, Elio Copini no papel do faconeiro Américo Giallo e Gisele Ferran no papel da sexy Nilda Furacão. Como diretor de fotografia teremos o genial Leo Pyrata que já fez inúmeros filmes de arte lindos. E o filme contará ainda com inúmeras participações especiais que vou divulgando em postagens futuras.

Nilda Furacão.

Nilda Furacão.

Segue o storyboard da seqüência 24 desenhado pela Leyla Buk, ansioso por começar as filmagens de mais este pequeno filme de guerrilha repleto de vísceras, humor cafajeste e nudez gratuita para as comemorações de 20 anos de produções da Canibal Filmes.

Por Petter Baiestorf.
Ilustrações e Storyboard de Leyla Buk.

Seq. 24_1

Seq. 24_2

Seq. 24_3

Seq. 24_4

Como Investir no “Zombio 2: Chimarrão Zombies”

Posted in Vídeo Independente with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on dezembro 3, 2012 by canibuk

Digitalizar0009Comecei a fazer filmes independentes em 1992, sempre produções pequenas com dinheiro de meu próprio bolso. Assim fiz 13 longa-metragens, uns 10 médias e uma infinidade de curtas. Agora estou pré-produzindo meu novo longa-metragem, “Zombio 2: Chimarrão Zombies”, filme que deverá ser extremamente gore e que, pela primeira vez nestes 20 anos de produções, estou atrás de investidores/patrocinadores para um filme meu ser filmado com maiores cuidados técnicos.

Quem me conhece sabe que sou contra essa política assistencialista do governo, por isso procuro investidores particulares, verdadeiros visionários que possam investir dinheiro particular numa produção da Canibal Filmes, a mais antiga produtora independente em atividade no Brasil.

Criei várias categorias possíveis de ajuda para que todos que queiram ajudar possam fazê-lo de acordo com suas possibilidades.

zombio2_espaçopublicitario

Para empresas tem duas formas de patrocínio:

1) Ajuda de R$ 500.00 com o logotipo da empresa aparecendo no início do filme bem destacado.

2) Ajuda de R$ 1.000,00 com logotipo da empresa aparecendo no início do filme, bem destacada e o produto aparecendo no decorrer do filme com propaganda explícita!

Para pessoas físicas tem duas maneiras de ajudar também:

1) Se tornando produtor associado, entra com parcela de R$ 1.000,00 (ou mais), tem nome nos créditos iniciais e dou porcentagem na exploração comercial do filme na região onde este produtor associado vive.

2) Apoio financeiro (que é onde mais gente está ajudando) que pode variar entre doações de R$ 100,00 à R$ 300,00 com o nome do doador financeiro aparecendo nos créditos finais do filme (e ganha DVD quando o filme estiver finalizado).

zombio 2 _ produtor associado

“Zombio 2: Chimarrão Zombies” é a continuação direta do clássico gore “Zombio“, cult-movie que escrevi/dirigi em 1998 e que entrou para a história do cinema de horror brasileiro por ser o primeiro filme genuinamente nacional com zumbis (aliás, antes de qualquer outro filme nacional com zumbis, eu já havia feito “Blerghhh!!!” em 1996; “Zombio” em 1998; “Raiva” em 2001; “Cerveja Atômica” em 2003 e “A Curtição do Avacalho” em 2006, todos filmes com zumbis melequentos podreiras). Com “Zombio 2: Chimarrão Zombies” sua marca/empresa e seu nome ficarão registrado numa produção que terá visibilidade por vários anos (“Zombio” foi lançado em 1999 e continua sendo exibido em tudo que é lugar), com distribuição em todo o Brasil, USA e Europa.

Não acredito em choradeiras e reclamações! Acredito na ação direta do cinema de guerrilha! Quem acredita neste meu sonho de um cinema brasileiro verdadeiramente independente, livre de politicagens, finalmente tem, agora, uma chance concreta de ajudar! Para maiores informações e para saber como depositar o dinheiro, me escreva no e-mail baiestorf@yahoo.com.br o quanto antes (as filmagens irão acontecer em fevereiro).

Pedido de ajuda de Petter Baiestorf, mentor intelectual da Canibal Filmes (ajude a compartilhar este post).

zombio 2 _apoio financeiro

Personas e Antler Girls.

Posted in Arte e Cultura, Arte Erótica, Buk & Baiestorf, Ilustração, Nossa Arte with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on novembro 14, 2012 by canibuk

Pintar e desenhar é, também, muito sobre minhas obsessões. Nos meus últimos esboços e quadros não pude fugir disso e tenho feito uma série de garotas galhadas, de selvagens que carregam um puta fardo na cabeça. Eu até diria que são atormentadas, embora elas jurem que não, mas, para mim, são únicas e fascinantes. Meio gente, meio bicho. A série é composta por ilustrações e pinturas – as pinturas se encaixam dentro de uma série-mãe chamada “Don’t Fit” que já tenho divulgado por aí.
Outra série de ilustrações que provavelmente não terá fim é a “Personas”, inspirada em Bergman e seus filmes, não só o “Persona”, mas vários deles. Filmes e autores teem me inspirado desde o começo e eu tenho uma verdadeira obsessão pelos filmes do Bergman, por sua visão, temáticas, me identifico com suas manias, então eu precisava extrair isso mais cedo ou mais tarde e fazer a minha homenagem. Como essas séries não tem um fim, fiquem ligados no meu site  e no facebook  para ver todas as novidades que forem surgindo, atualizo o tempo todo.

Aqui estão os primeiros esboços.

Antler Girls – nanquim sobre papel – 20x30cm – 2012

Antler Girl #1 –  Original à venda – com moldura – R$ 100,00, frete grátis para todo o Brasil. Para mais informações: bukleyla@gmail.com

Antler Girl #2 – Original à venda – com moldura – R$ 100,00, frete grátis para todo o Brasil. Para mais informações: bukleyla@gmail.com

Antler Girl #3 –  Original à venda – com moldura – R$ 100,00, frete grátis para todo o Brasil. Para mais informações: bukleyla@gmail.com

Antler Girl #4 –  Original à venda – com moldura – R$ 100,00, frete grátis para todo o Brasil. Para mais informações: bukleyla@gmail.com

Originais emoldurados à venda – R$ 100,00, frete grátis para todo o Brasil. Para mais informações: bukleyla@gmail.com

Personas (não estão à venda) – nanquim e acrílica sobre papel – 20x30cm – 2012

Há pouco tempo fiz outro blog, um pouco mais pessoal e onde falo mais sobre meus trabalhos e coisas que me inspiram. Atualizo sempre que dá. Me sigam por lá também: http://leylabuk.wordpress.com/

Site Oficial dos Trabalhos de Leyla Buk

Posted in Arte e Cultura, Ilustração, Nossa Arte, Pinturas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on outubro 22, 2012 by canibuk

Essa semana, mais precisamente hoje, estréia o site de Leyla Buk onde todos poderão acompanhar as novidades da arte de Leyla e pesquisar trabalhos antigos. O site é uma espécie de portfólio, local onde Leyla está compartilhando com o público experiências e experimentos numa série de estudos, agora pintando com tinta a óleo, onde está aprendendo muito ainda. Como nos conta Leyla em seu blog, “Quando comecei a pintar, há cerca de três anos, a tinta acrílica me pareceu a melhor opção. Pra um começo, pra quem só queria experimentar, era perfeito.Só que há um ano comecei a flertar com a tinta a óleo, uma tinta que seca mais lentamente me dando oportunidade de trabalhar melhor efeitos e detalhes.” Para ler mais sobre o processo de criação de Leyla acompanhe o Blog Leyla Buk.

Leyla Buk, para quem não sabe, é minha cara metade, minha melhor amiga, companheira no amor e aqui no Canibuk e de quem eu sinto muito orgulho. A arte de Leyla sempre me surpreende, está sempre em constante evolução! Leyla é uma artista autodidata, acho fantástico sua busca por conhecimentos, sempre experimentando técnicas, pesquisando e testando qualquer teoria na prática. Sua pintura – e ilustrações – sempre é inspirada em assuntos profundamente pessoais, as meninas de Leyla são um reflexo de si mesma, elas expressam seus sentimentos mais profundos. Paixão, curiosidade e intensidade são suas palavras de ordem.

O site de Leyla Buk traz galerias com pinturas, ilustrações, desenhos e esboços; milhares de fotos com o processo de criação de sua arte em seu estúdio de trabalho. Sempre que novos trabalhos dela forem disponibilizados você poderá acompanhar, agora, pelo site clicando aqui: Site Oficial de Leyla Buk. Se você gostou dos trabalhos dela, curta a página Leyla Buk Artwork no facebook, outro local onde as novidades estãoi sempre sendo postadas.

dica de Petter Baiestorf.

Veja alguns trabalhos de Leyla Buk aqui (para ver mais visualize o site):

Ambivalence

Barbara – Wild and Emotional

Extravagance

My Body

A Faca

From the Eye #2

Catálogo Canibal Filmes 2012

Posted in Arte e Cultura, Camisetas, Nossa Arte, Vídeo Independente with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on agosto 20, 2012 by canibuk

CAMISAS

Canibal FilmesSomente na cor preta, tamanho M, G ou GG. Preço: R$ 30.00 – É a camisa oficial da mais antiga produtora independente brasileira, responsável por clássicos sangrentos (como “O Monstro Legume do Espaço” (1995), “Eles Comem Sua Carne” (1996), “Blerghhh!!!” (1996), “Zombio” (1999) e “Raiva” (2001), entre outros), histéricos (como “Super Chacrinha e seu amigo Ultra-Shit em Crise Vs. Deus e o Diabo na Terra de Glauber Rocha” (1997), “Gore Gore Gays” (1998), “Sacanagens Bestiais dos Arcanjos Fálicos” (1998), entre outros), divertidos (como “Criaturas Hediondas” (1993), “Caquinha Superstar a Go-Go” (1996), “Cerveja Atômica” (2003), “Ninguém Deve Morrer” (2009), entre outros) e momentos da mais pura experimentação radical (como “Chapado” (1997), “Bondage 2 – Amarre-me Gordo Escroto” (1997), “Não há Encenação Hoje” (2002), “Palhaço Triste” (2005), “A Curtição do Avacalho” (2006) ou “Vadias do Sexo Sangrento” (2008), e mais inúmeros outros. É a produtora que deu ao Brasil o legado de filmes como “Vai Tomar no Orifício Pomposo” (2004), “Arrombada – Vou Mijar na Porra de Seu Túmulo!!!” (2007), “Que Buceta do Caralho, Pobre só se Fode!!!” (2007) e “O Doce Avanço da Faca” (2010). Ao comprar e andar vestido com a camisa oficial da Canibal Filmes, todos seus amigos saberão que você apoia e investe na produção de filmes independentes.

O Doce Avanço da FacaSomente na cor preta, tamanho M, G ou GG. Preço: R$ 25.00 – Essa é a camisa oficial, de tiragem limitada e que não voltará mais para nosso estoque, do média-metragem gore feminista “O Doce Avanço da Faca”. Neste pequeno filme Petter Baiestorf e sua equipe de dementes voltaram seus olhos ao controle que os evangélicos tentam impôr à vida de todos. É um dos filmes brasileiros mais censurados de todos os tempos (perde somente para outras obras da própria Canibal Filmes, como “Deus – O Matador de Sementinhas” (1997), “Gore Gore Gays” (1998), “Boi Bom” (1998) ou “Arrombada – Vou Mijar na Porra do Seu Túmulo!!!” (2007), outras obras polêmicas dos Canibais do Sul do Brasil). Ao usar a camisa de “O Doce Avanço da Faca” você estará deixando bem claro que você não faz parte do rebanho, que você é um homem de espírito rebelde que clama pela liberdade individual, e livre arbítrio, de cada homem que vive neste planeta, com todos respeitando as diferenças e se fortalecendo com o apoio mútuo. Na foto ao lado Leyla Buk dá uma mostra de como as meninas podem costumizar suas camisas no conforto de seus próprios lares e deixar as camisas da Canibal Filmes ainda mais sexys.

Vadias do Sexo SangrentoSomente na cor preta, somente tamanho G. Preço: R$ 25.00 – Essa é a camisa comemorativa do clássico underground transgressor “Vadias do Sexo Sangrento”, filme de humor negro da Canibal Filmes onde o elenco inteiro interpreta nú a mais incrível sucessão de cenas de bom gosto do cinema brasileiro. Poucas peças dela no estoque e não será mais feita nenhuma. Se você ver alguém usando essa camisa vai saber na hora que é um dos poucos felizardos do mundo a ter essa magnífica camisa que atraí olhares por onde quer que passe, ou melhor, se você comprar agora uma das últimas peças será, com certeza, a pessoa mais descolada da festa, a pessoa cujo todos olhares serão direcionados e que chamará toda atenção. “Vadias do Sexo Sangrento” é um cult da Canibal Filmes que deixa todos molhadinhos!

ZombioSomente na cor preta, tamanho M, G ou GG. Preço: R$ 30.00 – “Zombio” (1999) é o primeiro filme autenticamente brasileiro a mostrar zumbis na tela, é um dos grandes clássicos sangrentos e alucinados do cinema brasileiro, é o filme de zumbi onde moscas perseguem a carne putrefacta dos zumbis e mostra o que seria a realidade fedida de um verdadeiro holocausto zumbi. “Zombio” se tornou uma peça cult na filmografia brasileira, um filme barato cheio de cenas hilárias (como o herói fazendo embaixadinhas com uma cabeça decepada) e que continua extremamente jovem e sempre conquistando novos fãs. É a camisa ideal para você comprar, vestir e sair por aí fazendo mais amigos! Vestindo uma camisa do filme “Zombio” todos saberão que você tem um senso de humor sádio, uma pessoa divertida capaz de rir das piadas mais politicamente incorretas,  uma pessoa que realmente vale a pena conhecer e se relacionar!

CanibukSomente na cor preta, tamanho M, G ou GG. Preço: R$ 30.00 – Essa é a camisa oficial do blog Canibuk que tem os leitores mais especiais do mundo. Canibuk foi criado por Petter Baiestorf e Leyla Buk em 2010 para a divulgação de cultura obscura e desde então se tornou uma marca da verdadeira cultura outsider, ponto de encontro de pensadores transgressores e leitores sedentos por informações do maravilhoso mundo da cultura independente. Canibuk está entrando no seu terceiro ano e criou essa linda camisa, com arte original de Leyla Buk, para que os leitores do blog possam passar a vestir a camisa do blog. A escolha de um punk prá ilustrar a camisa tem tudo haver com o blog que explora o faça você mesmo dos anos 1970 e 1980. Petter e Leyla, mesmo editando um blog, são eternos zineiros! Vista a camisa do Canibuk!!!

Accion MutanteSomente na cor preta, somente tamanho G. Preço: R$ 30.00 – Este filme não é uma produção da Canibal Filmes, mas é um dos filmes preferidos de Petter Baiestorf que, na falta de uma camisa oficial deste lindo filme, quis homenagear os 20 anos da produção de Álex de la Iglesia com uma camisa deste inacreditável clássico do cinema de humor negro. Foram feitas somente 10 peças desta camisa e assim que todas as peças serem vendidas não será mais colocada de volta ao estoque. Se você ainda não assistiu este filme saiba que está perdendo um dos maiores filmes de sci-fi gore do cinema mundial, é o filme que marca a estréia como diretor do genial Iglesia e trás participação de Santiago Segura em pequeno papel. Imperdível!!!

FILMES:

A Curtição do Avacalho (2006, 73 min.) de Petter Baiestorf. DVD simples – R$ 10.00.

Refilmagem livre de “O Incrível Homem Que Derreteu” (“The Incredible Melting Man“) transformada em história ateísta de histeria-pop com fundos de comédia anarquista na melhor tradição do cinema udigrudi brasileiro dos anos 60/70. Mais do que uma simples homenagem, “A Curtição do Avacalho” prova que é possível dar continuidade às experimentações do cinema Marginal adicionando um caldo gore-transgressor. O DVD ainda inclui os fantásticos extras: galeria de fotos da produção, roteiro, cenas deletadas, erros de gravação, trailer de produções independentes, o documentário “Baiestorf: Filmes de Sangueira e Mulher Pelada” (2004) de Christian Caselli e o mais genial menu-pegadinha de todos os tempos.

O Monstro Legume do Espaço (1995, 77 min.) de Petter Baiestorf. DVD simples. R$ 12.00.

Clássico do cinema underground brasileiro precursor de todas as produções do gênero que ganharam lançamento independente após “O Monstro Legume do Espaço” tomar de assalto a grande mídia nos anos 90 provando que era possível realizar o sonho do cinema com pouquíssimos recursos. Aqui um alienígena constituído de fibras vegetais chega ao planeta Terra e é aprisionado por um cientista. Com ajuda do coprofago Caquinha ele consegue escapar e promove um banho de sangue carregado de vísceras humanas. O DVD é um programa duplo que trás as duas primeiras partes de “O Monstro Legume do Espaço” (a original de 1995 e a segunda parte de 2006), com legendas em inglês, making off, erros de gravação, vídeo-clips, galerias de fotos e trailers de outras produções independentes.

Arrombada – Vou Mijar na Porra do seu Túmulo!!! (2007, 38 min.) de Petter Baiestorf. DVD simples. R$ 12.00.

Um traficante condenado é obrigado por um juiz de direito eleito senador duas vezes pelo voto popular à seqüestrar uma menina para saciar seus mais baixos instintos bestiais na companhia de seu médico particular punheteiro e seu padre amado. Muita putaria e violência no retorno de Baiestorf aos filmes de sexploitation carregados de críticas sociais. Masturbe-se e goze gostoso com este festival de estupros e o peculiar humor bizarro da Canibal Filmes. Por ser um média-metragem, o fantástico DVD de “Arrombada” ainda traz os curtas: “Que Buceta do caralho, Pobre só se Fode!!!” (2007, de Baiestorf), “Manifesto Canibal – O Filme” (2007, de Baiestorf e Souza), “O Nobre Deputado Sanguessuga” (2007, de Baiestorf), “Amigo Imaginário” (2007, de Baiestorf e Gurcius), “Dark Angel” (2007), “O Manjar dos Deuses” (2007, de Gustavo Insekto), “Apagogia” (2007, de Moacir Siso) e “Tudo Começou Quando Mamãe Conheceu Papai” (2007, de Gurcius Gewdner). Mais os maravilhosos extras com legendas em inglês, trailers, making offs, erros de gravação, entrevistas com Baiestorf, faixas de comentário em áudio com Baiestorf, Coffin Souza e Gurcius Gewdner e o documentário “Um Arrombado na Estrada”.

Zombio/Eles Comem Sua Carne (1999-1996, 45 min.-73 min.) de Petter Baiestorf. DVD simples. R$ 12.00.

Incrível double feature com dois clássicos do cinema gore brasileiro. “Zombio” é o primeiro filme com zumbis produzido no Brasil, conta a história de um casal de playboys ecologistas que vai namorar numa ilha deserta e encontra uma horda de zumbis canibais. “Eles Comem Sua Carne” mostra a hilária história de vida de um grupo de canibais anti-sistema que vive em harmonia devorando fiscais da prefeitura de Palmitos que vão cobrar o IPTU atrasado. Traz de extra os curtas “Zumbis do Espaço de Lá” (2008, de Larissa Anzoategui), “Colt Romero” (2008, de Cristian Verardi), o documentário “Andy – Chegando ao Zombio”, documentário “Revisitando o Set de Zombio 10 Anos Depois”, faixas de comentário em áudio, trailers, testes de FX e making off de Eles Comem Sua Carne.

Vadias do Sexo Sangrento (2008, 31 min.) de Petter Baiestorf. DVD duplo – R$ 17.00.

Como todo bom macho que pensa com a cabeça do pau, Russ começa a perseguir sua ex-namorada Mirza que o trocou por Tura, uma lésbica boa de língua e de bunda. Muita sangueira e sadismo na comédia romantica onde Baiestorf discute o relacionamento amoroso em nossa sociedade de forma quase adulta debochando dos clichês do gênero. “Vadias do Sexo Sangrento” é experimentalismo radical que dá seqüência as teorias do livro “Manifesto Canibal” (de Baiestorf e Coffin Souza), grande bíblia profana do cinema underground brasileiro. O DVD duplo traz ainda os curtas “Rottina” (2008, de Rodrigo Pedroso), “Palhaço Triste” (2005, de Baiestorf), “Dia de Ano” (2005, de Gurcius Gewdner), “Dominação Bizarra” (2004, de Zé Colmeia), o documentário “Vadias no Cinehorror 3”, legendas em inglês, dublagem em inglês, making off, erros de gravação, faixas de comentário em áudio de Baiestorf e Coffin Souza e entrevistas com Carli Bortolanza, Lane ABC, Ljana Carrion, Elio Copini, Everson Schütz, PC e Petter Baiestorf.

Triunvirato (2004, 55 min.) de Gurcius Gewdner – DVD simples – R$ 10.00

O dramático documentário sobre o processo de criação de Gurcius Gewdner como diretor e com o conjunto musical Os Legais. Mostrando as duras verdades da vida, causou comoção e ódio em todos os cantos do planeta onde foi exibido. Sinta o sabor da dor e da verdade neste documento chocante, revelador e repleto de suspense, que irá embelezar o vazio de sua vida. Um filme que ensina de maneira soberba a arte de ser picareta, as lições estão aqui, é só você destilar tudo, ruminar, aplicar na sua vida e ficar famoso. Extras: Legendas em inglês, galeria de fotos, trailers, jogo dos sete erros, making off, discografia de Os Legais e Os Legais em estúdio.

Mamilos em Chamas (2007, 80 min.) de Gurcius Gewdner – DVD simples – R$ 10.00

A saga do homem que trocou o ritmo alucinante da noite latejante pelas alegrias iluminadas do amor. Um filme que fará seu corpo e toda sua família explodir em prazer com as mais excitantes cenas de sexo e ação já gravadas no cinema brasileiro. É a emocionante história de um coelho perversamente dividido entre as delícias sem fim do prazer pulsante, a dura realidade do trabalho assalariado e a mais completa bestialidade, tudo isso em conflito com a descoberta do amor resplandecente. Poderá este homem aceitar o passado negro de sua amada e ajudá-la a recuperar seu pobre filho das mãos de malignos malfeitores? Erótico! Dramático! Místico! Relaxante! Romântico! Frenético! Assustador! Sem extras!

Confinópolis (2012, 15 min.) de Raphael Araújo. DVD simples. R$ 15.00

“Confinópolis” é um curta de Raphael Araújo com base em uma HQ dele mesmo que havia sido publicada na revista Prego anos atrás. A HQ virou um filme político de primeira grandeza, teorizando sobre um povo que se deixa governar por um tirano (que pode ser qualquer político, mesmo os políticos “bonzinhos”). Aqui vemos um lugar fictício onde as criaturas possuem uma fechadura no lugar do rosto e todos tem a esperança de que a salvação virá na figura de uma chave. Essa é a pequena deixa para que Araújo teorize sobre a manipulação política, sobre a televisão (um lindo flashback em animação – cortesia do artista Felipe Mecenas – explica como a sociedade ficou hipnotizada por milhares de caixas de luz hipnótica) e sobre como ações individuais podem fazer a diferença em uma sociedade. Quem fica em silêncio concorda com as atrocidades cometidas por políticos, religiosos, militares e imprensa, que sempre caminham de mãos dadas pelo jardim da tirania. Leia mais sobre este ótimo curta em “Confinópolis – A Terra dos Sem Chave“.

A Noite do Chupacabras (2011, 105 min.) de Rodrigo Aragão. DVD simples. R$ 20.00

A história de Douglas Silva (Joel Caetano), que retorna ao seu berço familiar no interior do Espírito santo, acompanhado de sua namorada grávida (Mayra Alarcón). Mas as coisas não estão bem para sua família, a morte de vários animais, reacende um antigo conflito com seus vizinhos agressivos e rivais, os Carvalho. Um rotineiro conflito de bar, quebra a trégua na guerra familiar e entre agressões, tiros e facadas, todos vão descobrir que um mal muito maior está entre eles: uma monstruosa e faminta criatura escondida na mata. Os Silva e os Carvalho, vão se matar e serem mortos pelo monstro, e ainda encontrar no caminho a figura mítica e também perigosa do “Velho-do-Saco” (Cristian Verardi). Douglas vai ter que provar a força que não se transformou em típico rapaz covarde da cidade grande e enfrentar a fúria do Chupacabras (Walderrama dos Santos) e do perigoso e demente Ivan Carvalho (Petter Baiestorf). Novamente como em “Mangue Negro” (2008), Rodrigo Aragão assume a direção, roteiro e efeitos especiais de maquiagem com extrema competência e grande parte do elenco também se divide em múltiplas funções técnicas, típico do cinema independente e de guerrilha. Um elenco afinado (e principalmente, escolhido “a dedo”), cenários naturais e muito bem fotografados e uma trilha sonora composta por grupos regionais como Vida seca, Pé do Lixo, Manguerê e Panela de Barro, que acompanha a trama de vingança, suspense e ação, sem cair no lugar comum de músicas eletrônicas, Rock pesado ou música Clássica de arquivo . A trama se desenvolve de forma natural, e para os impacientes com a demora da entrada do personagem-título em cena, a magnífica e original maquiagem “full-body” e a performance de Walderrama dos Santos enche os olhos e mostra que apesar da trama central ser focada na guerra interiorana entre famílias, este é sim , um filme de Monstro! Um monstro nacional (ou nacionalizado) e com todas as chances de ter uma carreira internacional, como aliás já está acontecendo: devagar, sorrateiro como um ataque de um Chupacabras! Leia mais sobre “A Noite do Chupacabras” aqui. Extras: Making of, galeria de fotos, trailers.

Se você se interessou em algum DVD, deposite o dinheiro na conta

BANCO DO BRASIL

Ag. 0736-6

Conta 16.625-1

Em nome de Iara Beatriz Padilha Dreher

Para maior agilidade, mande comprovante de depósito pro e-mail baiestorf@yahoo.com.br (no caso de não enviar comprovante em anexo ao pedido, levamos até 10 dias úteis para confirmar depósito).

Tendo feito pedido, não esqueça de enviar seu endereço postal para entrega dos DVDs para o e-mail baiestorf@yahoo.com.br

ENTRE EM CONTATO PARA CALCULARMOS O VALOR DAS DESPESAS POSTAIS. COMPRAS ACIMA DE R$ 100.00 O CORREIO É POR NOSSA CONTA.

Qualquer dúvida escreva solicitando informações para o e-mail baiestorf@yahoo.com.br

Roteiro de Ninguém Deve Morrer

Posted in Roteiro, Vídeo Independente with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on julho 20, 2012 by canibuk

Com a proximidade do Guarú Fantástico resolvi postar aqui o roteiro de “Ninguém Deve Morrer”, western musical que escrevi/produzi/dirigi em 2009 e que ganhou no Guarú prêmio de melhor direção, produção e edição pelo voto popular. “Ninguém Deve Morrer” teria sido um filme bem ruim se numa das minhas conversas com a Leyla Buk ela não tivesse me enviado a música “Porque Brigamos?” de Diana e essa música deu um estalo do que eu precisama fazer prá transformar uma idéia de jerico em algo, no mínimo divertido. Ao fazer um filme minha primeira preocupação é a de divertir quem for ver o filme, acho que por isso dificilmente vocês verão um filme de Petter Baiestorf metido a sério, pois eu realmente não curto filmes metidos à sério. Aliás, como eu adorei a experiência de produzir um musical, é mais fácil eu fazer outro novo musical, a idéia me persegue desde 1996 quando falhei tentando realizar o muito ruim “Caquinha Superstar a Go-Go” como musical.

Segue o que teria sido o segundo roteiro (a primeira idéia do que seria um projeto chamado “Ninguém Deve Morrer” é outro argumento, mas como é algo que ainda quero filmar não vou colocar a idéia aqui), antes de incluir a estética musical no projeto:

Tela escura com créditos: CANIBAL FILMES & BULHORGIA PRODUÇÕES apresentam.

Tela escura com créditos: UM FILME DE PETTER BAIESTORF.

Seq. 01 – estrada seca com pedras (Rancho baiestorf)/ Dia – Sol intenso.

Música:

Cena:

Câmera estática mostrando pedras e sol, respinga sangue, muito sangue sobre as pedras, personagem solta grito abafado, escuta-se um corpo caindo. Outro personagem está gemendo, nota-se pelo som que está ferido, câmera se ergue um pouco e consegue pegar o Ninguém caindo contra o barranco do local da luta com a barriga aberta por um faconaço, pedaços de tripas são vistas na tela entre os dedos da personagem. Câmera se aproxima do rosto suado em agonia e dor, permanece por alguns segundos sobre ele.

Personagem recoloca suas tripas para dentro, com um pedaço de arame retirado de seu bolso e um barbante de amarar fumo ele se costura. Closes explícitos nessa operação. Estando pronto ele pega seu facão e se levanta olhando para o cadáver ensangüentado ao seu lado.

E sai cambaleante pela estrada de pedras determinado na sua sede de vingança.

Câmera colocada rente ao chão, em primeiro plano os pés com tripas do morto e em segundo plano, se distanciando, a personagem sem nome cambaleante.

Seq. 02 – estrada seca com pedras (rancho baiestorf)/dia – Nublado intenso.

Música: ZORBA the Gregus

Cena:

Ninguém segue cambaleante (ao ritmo da música) pela estrada, segurando suas tripas e deixando pedaços caídos pela estrada.

Closes em seu rosto suado nojento.

Closes em seu estômago arregaçado com moscas dançarinas ao redor.

Closes em pedaços de tripas que por ventura caírem na estrada.

Respingos de sangue pelo chão.

Ninguém para sua caminhada, câmera caminha em direção ao personagem, enquadra seu rosto na tela.

VOZ em off de NINGUÉM: “Eu sinto um gosto de sangue em minha boca… Somente a vingança saciará minha sede de violência!!!”

Depois de sair cambaleando de novo, corte brusco para câmera caída no chão, por trás de pedras, como uma visão voierística dos espectadores filhos da puta.

Ou algo assim.

Seq. O3 – estrada seca (rancho baiestorf)/dia – chuva controlada pelo pensamento.

Música:

Cenas:

Ninguém cambaleante para novamente, olha fixo para o nada em direção ao céu, se ajoelha (mais caindo pela dor do que por querer se ajoelhar)…

  • aparição da NOSSA SENHORA APARECIDA (aqui chamada de Circe Circense)… (Filmar em separado essa joça).

Ninguém esfrega os olhos, não acredita em sua aparição, era Ateu.

Câmera permanece enquadrando meio Ninguém por um bom tempo

VOZ em off de NINGUÉM: “Puta que o pariu, assim não dá, preciso de um trago!!!… Preciso matar meia dúzia de cristão filho da puta!!!… Preciso sentir meu facão rasgando a carne desses filhos duma égua!!!”

Ninguém se levanta e continua sua caminhada cambaleante.

Câmera do alto de uma colina mostrando Ninguém na estrada caminhando, um corpo de pobre entra na visão da câmera, carregava uma foice, sai em direção à Ninguém com rapidez…

Seq. 04 – Estrada seca – canavial (rancho baiestorf/dia do jeito que estiver

Musica:

Cenas:

Câmera em close no rosto de Ninguém, afasta-se para registrar o Colono da foice chegando por trás e dando o golpe. Ninguém cai ao chão…

Colono com foice parado (filma-lo meio de lado, com tripé).

Close no sangue escorrendo pela foice.

Ninguém coloca sua mão nas costas e olha para seus dedos. CLOSE nos dedos ensangüentados. Ele se levanta apoiando-se em seu facão.

Os dois estão se estudando (ao fundo se vê um canavial).

ENXERTO: da Circe Circense-nossa senhora olhando de longe a briga…

Ninguém parte para cima do colono e acerta o primeiro faconaço (Se eles não conseguirem lutar, filmar de longe alternando planos bem fechados e editar a porqueira do jeito que der e foda-se).

Colono cai ao chão com sua tripas meio que vazando do peito (isso mesmo mane, do peito né!!!), fica ajoelhado de costas pro Ninguém, que se aproxima dele e com o facão corta a jugular do colono fazendo o sangue respingar bonito.

Colono fica com as mãos no pescoço enquanto o sangue verte grosso.

Plano aberto dele se levantando e saindo com as mãos no pescoço em direção ao canavial, entra no canavial e Ninguém entra logo atrás. Arranca e come o olho do Colon0.

Ver qual que é do canavial e bolar uma perseguição meio comprida dentro do canavial.

Câmera na mão o tempo todo, closes nas feridas, expressões de medo, pavor, etc…

ENXERTOS ALEATÓRIOS da Circe Circense

Terminar essa desgraça de cena com Ninguém Dando várias faconaços no Colono dentro do canavial. Colono não morre. Ninguém sai do canavial em direção a old house.

Seq. 05 – Casa Velha do Blerghhh/ dia

Música:

Cenas:

Câmera filma de longe Ninguém vindo em direção a casa onde filmamos o Blerghhh (desta vez filmada do lado da árvore grande).

Câmera na mão caminhando junto do Ninguém, ele para…

ENXERTO de Circe Circense sentada ao lado da casa…

Close do rosto de Ninguém.

Casa sem Circe – Nossa Senhora…

Ninguém caminha até a casa, encontra cachaça e bebe generosos goles.

Ninguém senta-se na sujeira, limpa seu rosto suado/ensangüentado…

Câmera sai caminhando de Ninguém, mostrando o chão, depois erguendo à altura de um metro e sessenta até chegar e enquadrar um cabeludo metaleiro futurista decadente mendigo portando uma motosserra já ligada sobre sua cabeça. Imitando um viking o Cabeludo grita e sai correndo em direção a casa velha, câmera tenta acompanha-lo… Tremedeira do caralho, barulho da motosserra, copada das árvores, correria, gritos, essas porras prá editar depois…

Corta para Ninguém se levantando rápido, se desviando do ataque.

Close na parte da serra da motosserra entrando com fúria dentro de uma madeira.

Ninguém ergue o facão e acerta nas costas do cabeludo (agora tipo facada, tem de arrumar uma cabo de facão para prender nas costas do cabeludos).

Close no rosto do cabeludo que grita de dor largando a motosserra ligada para tentar inutilmente tentar tirar o facão de suas costas.

Cabeludo se afasta um pouco.

Ninguém fica olhando-o.

Cabeludo tentando tirar o facão.

Ninguém pega a motosserra e parte contra o cabeludo.

Closes de muito sangue, motosserra penetrando o corpo do cabeludo (ver manequim ou algo assim vestido com a roupa do cabeludo), tripas e sangue a rodo, muito.

Closes no cabeludo gritando com muito sangue contra ele.

Closes no Ninguém com baldes e baldes de sangue contra ele.

TRABALHAR ESSA CENA TODA NO TRIPÉ

Terminar com o cabeludo desmembrado caindo no chão entre tripas e seus membros decepados. Mesmo depois de morto Ninguém continua a violência contra o corpo.

Um enxame de moscas pousando no corpo do cabeludo para deliciarem com as imundices.

Ninguém larga a motosserra, pega seu facão retirando-o das costas do cabeludo morto e caminha entre as árvores…

XXXXXXXXXXXX (fim do primeiro final de semana de filmagens)

Seq. 06 – rancho baiestorf/qualquer lugar

Música:

Cenas:

Ninguém para ao lado de uma árvore, senta-se contra ela, olha fixo para sua visão santa

Plano médio da Circe-Nossa Senhora olhando para Ninguém, ela começa a caminhar em direção ao moribundo. Ao lado de Ninguém um batedor de terra de construção.

Plano aberto de longe mostrando a Circe/Nossa Senhora chegando próximo à Ninguém, parando em frente dele.

Fechado em Ninguém se abraçando à Nossa Senhora, abraçando-a toda nas pernas, ele olha para cima.

Close no rosto dela olhando-o.

Plano aberto com os dois, a mão de Ninguém larga o facão e desliza para baixo do vestido/pano extravagante da Nossa Senhora esfregando e apalpando as coxas dela.

Ninguém agarra a Nossa senhora e a puxa para si, fazendo-a sentar em seu colo.

Close em Ninguém babando sua taradice.

Esfrega sua mão (por baixo do vestido) no ventre de Nossa Senhora, fazendo-a ofegar meio assustada.

Mão esquerda aperta os seios de Nossa Senhora, abrindo o pano ele aperta os bicos do seio da Nossa Senhora…

Ninguém se levanta e abre seu zíper.

Close na Nossa Senhora olhando-o séria.

Ninguém puxa o rosto da Nossa Senhora contra seu ventre.

Close em Nossa Senhora abrindo a boca.

Close no rosto de Ninguém sentindo prazer.

Plano médio com a Nossa Senhora ajoelhada na frente de Ninguém simulando um boquete.

Close no rosto de Ninguém que goza de prazer.

Durante o Gozo suas mãos apertam com força a cabeça de Nossa Senhora contra seu ventre.

Plano médio com Nossa Senhora se afastando do ventre de Ninguém.

Close no rosto de Nossa Senhora, de sua boca escorre esperma (Souza, arranjar alguma coisa com cor e consistência de porra) pelo canto da boca…

NOSSA SENHORA: Você não devia ter feito isso!!!

NINGUÉM: Porque não vagabunda???

NOSSA SENHORA: Porque eu vim à Terra para anunciar que você é o novo profeta e será sacrificado pelos homens…

Ninguém Gruda um tapão no rosto dela derrubando-a no chão.

Plano aberto dos dois, ele ergue o vestido dela, arranca as calcinhas e enraba a Nossa Senhora.

Nossa senhora grita de dor.

Sangue escorre pelas pernas de Nossa Senhora.

Plano fechado no rosto de Nossa Senhora e Ninguém por trás estuprando-a…

NINGUÉM: Sempre quis comer uma santinha!!!

NOSSA SENHORA: Isso não irá mudar em nada a profecia… (neste momento ela solta um suspiro de prazer)… Aí desgraçado… Faz Dois mil anos que ninguém me come direito… hãããããããããã…

Ninguém Goza pela segunda vez, deita-se ao lado dela…

NINGUÉM: Na verdade eu odeio Santas…

NOSSA SENHORA: Eu não sou santa, eu sou a Nossa Senhora, mãe, irmã, amante do escolhido… (diz isso com um sorriso de satisfação nos olhos)

NINGUÉM: Sério vadia ??? … Me chupa de novo então… (e puxa com sua mãos ela em direção ao ventre)…

Nossa Senhora lambe sua barriga, passa a língua pela pele, chupa seus pelos em close (de maneira erótica, com pouco de cuspe), até chegar ao ventre…

Ninguém segura-as pela cabeça, apertando-a contra seu ventre, delirava de prazer…

Close em Ninguém, que de repente grita de dor.

Sangue espirra de seu ventre.

Nossa Senhora ergue a cabeça com o pênis amputado dentro da boca, sangue escorre pelos lábios.

Ninguém segura seu ventre decepado/inutilzado…

Gritando de dor se levanta e pega o batedor de chão de construções e ataca a Nossa Senhora batendo com vontade nela.

Muito sangue contra ele, exagerar o máximo possível que pudermos.

Closes de Nossa Senhora gritando de dor diante das porradas que levava com o batedor de terra.

Sangue, muito sangue espirrando para todos os lados, tripas e amontoados de melecas, violência até sobrar apenas as vestimentas dela completamente ensangüentadas com carne esmigalhada e merda para todos os lados.

Ninguém tinha muito sangue em suas calças saídas de seu ventre agora sem pênis…

Pega seu facão e sai dali…

Seq. 07 – créditos:

Música:

‘NINGUÉM DEVE MORRER’

Seq. 08 – qualquer lugar.

MúSica:

Cenas:

Um ferro em brasa contra uma ferida em carne viva.

Plano aberto para ninguém largando o ferro quente ao chão, de seu ventre saia uma fumaça com cheiro de queijo mofado com cobertura de morangos silvestres batidos com açúcar caramelizado.

Ninguém bebe generosos goles de cachaça.

Ninguém estava ensandecido, sai caminhando com muita raiva.

XXXXXXXXXXXXX

Primeiro dia de filmagens com:

Coffin Souza (Ninguém)

Primeiro Morto (Cláudio Baiestorf)

Colono com Foice (Elio Copini)

Cabeludo da Motoserra (Petter Baiestorf)

Neste ponto eu já havia desistido de escrever essa porcaria de roteiro que, com certeza, não iria prá lugar algum. Quando desisti deste roteiro que aconteceu da Leyla Buk me enviar a música que deu estalo na cabeça, faíscas explodiram os neurônios, tudo pegou fogo e ficou claro na cabeça como eu deveria fazer o filme. Segue o roteiro oficial de “Ninguém Deve Morrer”:

Seq. 01 – Dia/Mato Rancho Baiestorf

Música:

Elenco:

Cenas:  Artista plástico Uzi Uschi apresenta para câmera sua nova intervenção anti-carros na natureza.

UZI USCHI: Meu nome é Uzi Uschi e estou aqui hoje para organizar os carros anti-frutos, um protesto anti-carros, essas caixas de poluição ambulantes que acredito que deveriam ser exterminadas do Planeta Terra enquanto ainda temos planeta.

Usando roldanas, o carro (carcaça batida) é levantado numa árvore e colocado ali como um fruto do progresso em uma árvore da natureza e esse blá blá blá de sempre.  Alguém vestido de modo extravagante é parte da intervenção tendo que segurar a corda do carro.

Câmera perto do rosto de Uzi Uschi (em primeiro plano), com carro pendurado ao fundo.

UZI USCHI: Esta caixa de poluição ambulante agora oprime essa árvore. Esta caixa de poluição ambulante é um peso para esta árvore e para todo o globo terrestre.  Esta caixa de poluição ambulante que você transformou em um altar do progresso precisa ser modificada… (Câmera começa a se afastar)… Ei, prá onde você está indo… Volte aqui, volte aqui que ainda não terminei minha explanação contra o uso dos carros, tenho mais coisas para falar… Volte aqui!!!!… Porra, sempre assim, quando se fala do problema das caixas de poluição ambulante ninguém quer ouvir, ninguém se importa…

E a câmera chega até o lugar onde Olga está sentada com Ninguém numa mesa. Olga chorando.

Seq. 02 – Noite/Pátio da casa do Blerghhh/Rancho Baiestorf

Música: BARROS DE ALENCAR – “Prometemos não Chorar”.

Elenco:

Cenas: Elaborar a cena como um vídeo clip prá música “Prometemos não chorar” de Barros de Alencar. Decupar todos os ângulos desta cena em separado. Usando NINGUÉM, Olga (mulher de Ninguém), 3 caras travestidos para fazer o backing vocal da música + um Garçon. Este cenário é composto de duas cadeiras e uma mesa de bar somente. Minimalismo total. Cenário sem cenário.

Terminar a cena com Ninguém saindo do Bar. Olga fica na mesa chorando com as mãos no rosto, desesperado porque perdeu seu grande e único amor.

Seq. 03 – Dia/ Mangueira

Música:

Elenco:

Cenas: Ninguém chega até na mangueira onde a equipe-técnica de filmagens do Coronel Bajon o aguardava (coronel, operador de câmera S-8, iluminador com rebatedor, boizinho).

Travelling até rosto do Coronel Bajon.

CORONEL BAJON: Porra Ninguém, onde tu tava? Estamos aqui te esperando prá filmar!!!

NINGUÉM: “Eu estou cansado (pausa), vamos falar sobre isso amanhã!”*

CORONEL BAJON: Tudo bem, preparem o boi e vamos filmar.

Equipe começa a filmar. Ninguém começa a passar a mão no boi. Mão dando a impressão que vai descer até no pau do boi.

Alternar closes do Coronel dirigindo e da equipe filmando.

Ninguém para a ação no meio e se levanta olhando para o Coronel.

CORONEL BAJON: Porra, quem mandou parar seu viado!!!

NINGUÉM: “Vá pro inferno!”*

CORONEL BAJON: O que? Perdeu a cabeça, tá me desrespeitando??? Faz o que eu mandei!!!

NINGUÉM: “Seu Canalha!”*

E começa a chutar e a bater no Coronel que caí no Chão. Derruba os técnicos também e saí correndo d’onde estava.

Coronel se levanta limpando o sangue que saia de sua boca.

CORONEL BAJON: Sinto um gosto de sangue em minha boca!!!… (pega no ombro do iluminador)… Chame o Vieira… Esse puto vai levar chumbo quente no rabo!!!

Câmera permanece tempinho no rosto em close do Coronel Bajon.

Seq. 04- Créditos Iniciais/pintados.

Música:

Cenas:  Pinturas da Leyla com desenhos de pistoleiros atirando e morrendo (enviar antes, prá ela, personagens caracterizados prá ela se basear) com os nomes:

PINTURA UM:  Canibal Filmes e Bulhorgia Produções apresentam:  (FUNDO VERMELHO COM DOIS  PISTOLEIRO PRONTOS PRÁ SACAR AS ARMAS, UM OLHANDO PRO OUTRO, CENA CLÁSSICA DE DUELO, COLOCAR SOM DO TIRO QUANDO SACAR A ARMA DE UMA SEQUENCIA PRÁ OUTRA, NO CORTE DAS IMAGENS).

PINTURA DOIS: NINGUÉM DEVE MORRER (FUNDO VERMELHO COM UM DOS PISTOLEIROS COM MÃO SOBRE ESTOMÂGO, FERIDO, CAMBALEANDO PRÁ CAIR, COM SOM DE ALGUÉM FERIDO JUNTO DA MÚSICA).

PINTURA TRÊS: roteiro, produção e direção: Petter Baiestorf (FUNDO VERMELHO COM O PISTOLEIRO MORTO DEITADO ESTILO MORTO COM MÃOS CRUZADAS SOBRE PEITO COM UMA FLOR BRANCA SAINDO DE SUAS MÃOS).

Seq. 05 – Noite/casebre beira de rio/puteiro.

Músicas: DIANA – “Porque Brigamos?”

Elenco:

Cenas: Ajeitar aquele casebre como se parecesse uma casa pobre de ninguém e Olga. Uma rede de dormir à vista, fogo no fogão com fumaça, etc…

Olga sozinha, pós briga no bar, canta de maneira bem brega a música “Por Que Brigamos?” de Diana.

Alternar com Ninguém correndo pelo campo, Coronel Bajon mandando o iluminador ir buscar os capatazes (decidir se no puteiro).

Terminar a cantoria com Olga ainda em casa, Ninguém correndo pelo potreiro que dá prá casa de Olga e os Capatazes chegando na mangueira set de filmagem do Coronel Bajon.

O GRUPO DE CAPATAZES ENCONTRA FRAGA APÓS A MÚSICA TER TERMINADO, METROS ANTES DA MANGUEIRA, SEGUE ESTE DIÁLOGO E PÓS O DIÁLOGO ELES VÃO ATÉ O CORONEL BAJON COMO DESCRITO NA PRÓXIMA SEQÜÊNCIA:

VIEIRA: “Esporro-me todo ao vê-lo!”*

FRAGA: “Satisfação prá caralho!”*

Seq. 06 – Dia/mangueira.

Música:

Elenco:

Cenas: Capatazes chegando junto do Coronel Bajon e do operador de câmera. (Tony) Vieira (magrela afeminado com visual pós-punk feito por garota), (ody) Fraga (cara grande estilo gigôlo anos 70), (ozualdo) Candeias (colonão com capim na boca) e (Francisco) Cavalcanti (pistoleiro estilo gaúcho) + o iluminador.

CORONEL BAJON: Mil reais pela cabeça de Ninguém!!!

VIEIRA: “O Negócio é provocar uma confusão e pegar ele de calça curta!”*

FRAGA: “Deixa com a gente que não tem Xabu!”*

ILUMINADOR: “Vamos embora… Mas não me comprometa, meu negócio é outro!!!”*

CORONEL BAJON: Vivo ou morto!!!

CANDEIAS: “Cortar a garganta de uma garotinha é como cortar manteiga quente!”*

VIEIRA: “Ele Vai queimar no fogo do inferno quando eu acabar!”*

CAVALCANTI: “E você acredita que ele nos vá criar qualquer problema!”*

CORONEL BAJON: Vai criar problema nenhum… Matem o desgraçado!!!

Todos os capatazes (incluindo o Iluminador) montam em seus cavalos imaginários (DUBLAR AQUI CAVALOS) e saem dali em cavalgada.

Seq. 07 – dia/casebre beira do rio

Música:

Elenco:

Cenas: Ninguém abraçado de modo clássico em filme de westerns com Olga.

NINGUÉM: “Tenho que cumprir meu destino!”*

OLGA: “Não vá, pode ser perigoso!”*

Ninguém pega sua espingarda e seu facão. Sobre em seu cavalo.

NINGUÉM: “Tchau querida!… Tchau amor!”*

E sai galopando com seu cavalo imaginário também.

Câmera se volta prá Olga.

OLGA: “Ai eu to tão nervosa, eu quero um sorvete!”*

E fica abanando em despedida ao seu grande amor.

Seq. 08 – dia/mangueira

Música:

Elenco:

Cenas: Coronel Bajon e o operador de câmera abrem um isopor de cerveja e começam a beber algumas.

CORONEL BAJON: O negócio agora é esperar pela vingança bebendo uma cervejinha!!!”

OPERADOR DE CÂMERA: “É Vivendo que se aprende!”*

E mete o gargalo da cerveja goela abaixo.

Seq. 09 – Noite/casebre beira do rio.

Música: ADILSON RAMOS – “Olga”.

Elenco:

Cenas:

Os capatazes chegam até a casa de Olga que estava parada olhando-os chegar.

Todos param de frente prá ela, descem dos cavalos imaginários. Empunham seus facões.

Vieira chega próximo de Olga.

VIEIRA: “Eu tenho uma coisa prá dar prá você que vai gostar!”*

OLGA: “Sai da minha casa!”

VIEIRA: “Onde está seu amigo?… Eu perguntei prá onde ele foi!”* (e já dá uns tapas fazendo Olga cair).

Olga em primeiro plano. Vieira caminha até ela e a pega pelos cabelos. Filete de sangue escorre da boca dela.

VIEIRA: “Vamos, seja boazinha!!!”*

OLGA: “E daí?… Sou mulher até debaixo d’água, rola prá mim tem que ser por metro!!!”*

FRAGA: “Caralho!”*

VIEIRA: “Vou te mandar prá puta que te pariu!” (risadas e todos os capatazes sacam seus facões) e começam a chutar e a bater nela com eles.

CORTA PRÁ NINGUÉM SOBRE SEU CAVALO IMAGINÁRIO QUE COMEÇA A CANTAR “Olga” de Adilson Ramos.

NÃO ESQUECER DO TRIO DE DRAG QUEENS AQUI PRÁ FAZER BAKING VOCAL DA MÚSICA, ESTARÃO NO CENÁRIO QUE NINGUÉM ESTÁ E TAMBÉM NO CENÁRIO EM QUE OCORRE O ESPANCAMENTO.

Alternar Ninguém cantando “Olga” com Olga apanhando dos capatazes, elaborar chutes, faconaços, etc… tudo com cortes bem rápidos.

Ao encerrar a música os capatazes deixam Olga caída no chão cheia de cortes e sangrando. Montam em seus cavalos imaginários e saem cavalgando em linha reta, e logo alguns metros mais a frente começam a se separar em direções contrárias.

A Música “Olga” servirá de trilha pro espancamento e para mostrar o quanto Ninguém ainda amava sua mulher.

Seq. 10 – dia/potreiro estilo pampas.

Música:

Elenco:

Cenas: Ninguém tomando seu chimarrão. Estava sentado sobre pedras. Quando o chimarrão roca anunciando seu final, ele o coloca de lado. Pega sua espingarda e começa a acaricia-la. Coloca-a entre suas pernas e começa a masturbar o canos da espingarda até o jorro de um líquido branco acontecer de maneira inesperada.

Era ninguém mostrando ao público sua intimidade com suas armas.

Seq. 11 – dia/casebre de beira do rio

Música:

Elenco:

Cenas: Puta encontra Olga no casebre toda ensaguentada, coloca-a de pé e deixando que ela se apóie em seu ombro, leva-a consigo.

(TALVEZ EDITAR ESSA CENA COM MENOS QUADROS POR SEGUNDO PRÁ DIALOGAR COM CINEMA MUDO).

Seq. 12 – dia/potreiro estilo pampas.

Música:

Elenco:

Cenas:  Ninguém escuta o relinchar e cavalo e pega sua espingarda. Caminha até atrás de uma grande pedra.

Vê o iluminador bebendo água agachado num riozinho. Ninguém faz mira (câmera subjetiva mostrando o tiro) e mata o iluminador com um tiro certeiro pelas costas. O Iluminador cai ensangüentado e já morto dentro do rio. Fica boiando.

Close no iluminador morto dentro do rio. Ninguém se levanta de trás das pedras e volta para se acampamento e sobe sobre seu cavalo imaginário e se manda dali.

(TALVEZ EDITAR ESSA CENA COM MENOS QUADROS POR SEGUNDO PRÁ DIALOGAR COM CINEMA).

Seq. 13 – dia/potreiro estilo pampas.

Música:

Elenco:

Cenas: Vieira encontra o iluminador morto na água, puxa-o para fora da água e revista os bolsos do iluminador tirando as moedas que ele trazia no bolso.

Termina de roubar os pertences do iluminador e acende um cigarro quando os outros capatazes (Fraga, Candeias, Cavalcanti) chegam ali também fazendo barulho com seu cavalos imaginários.

Close no rosto do iluminador, que abre os olhos e diz:

ILUMINADOR: “Me enterre, não me deixe pros animais!”*

VIEIRA: “Queres tomar no cú outra vez?”*

E Vieira mete o dedo dentro do ferimento do tiro na garganta do iluminador…

ILUMINADOR: “HAAAAAAAAAAA!!!”* (morrendo devagar).

CAVALCANTI: “Lá se foi meu cú prá merda, porra!”*

VIEIRA: “Negócio é o seguinte meu irmão, o dono do pedaço aqui sou eu, falou!”*

FRAGA: “Mas é claro, eu sou esperto!”*

VIEIRA: “Vamos!”*

E todos eles saem com seus cavalos. Câmera tendo em primeiro plano o rosto morto do iluminador.

Seq. 14 – dia/puteiro

Música:

Elenco:
Cenas:
Capatazes chegam no puteiro e começam a barbarizar as quatro putas mais Olga enfaixada sobre uma cama. Cada capataz com suas taras que não são sexuais.

Vieira molesta sexualmente com uma banana Olga enfaixada. Pouco antes ele obriga Olga a se ajoelhar e limpar seus sapatos com um lenço onde ele cuspiu.

Fraga derruba outra puta contra uma cama e com um chicote ou pá de madeira espanca na bunda, como um pai que pune a filha.

Caprichar no visual de Olga com suas bandagens. Filmar essas cenas de estupro como se filma naqueles faroestes antigos, meninas vestidas com grande vestidões prendados e etc…

Terminar com os capatazes montando  em seus cavalos e seus cavalos e saindo dali.

Trabalhar essa cena ainda. (TALVEZ EDITAR ESSA CENA COM MENOS QUADROS POR SEGUNDO PRÁ DIALOGAR COM CINEMA MUDO).

Seq. 15 – Noite/pátio da casa do blerghhh!!!

Música:  LOS LOBOS – “Só Vejo Você”

Elenco:

Cenas: Ninguém chega na casa abandonada de alguém. Procura algo prá comer, encontra um velho pão e parte um pedaço com suas próprias mãos e come.

Enquanto está comendo é empurrado por Vieira por um chute nas costas, cai no chão deixando seu pão voar pela terra. Vieira fica chutando-o fazendo rolar pelo chão. Os outros capatazes vão aparecendo aos poucos.

Vieira começa a cantar “Só vejo você” dos Los Lobos. DESTA VEZ OS BACKING VOCALS SERÃO FEITOS PELOS OUTROS CAPATAZES.

Durante a música, Ninguém fica sendo espancado. Na parte do backing vocal (perto do final), Vieira e amarrado ao estilo de filmes de faroeste e os capatazes ficam socando-o e cantando.

Ver storyboards.

Seq. 16 – dia/puteiro

Música:

Elenco:

Cenas: Olga se levanta do chão totalmente enfaixada com suas gazes, Sangrava por alguns pontos. Ajuda outra das putas levantar. Puta limpa sangue que escorria da boca.

Olga pega um pedaço de tábua com pregos . Olha prá suas amigas do puteiro e diz:

OLGA: A gente mesmo precisa acabar com esses filhos da puta!!!

As outras putas concordam com a cabeça. Uma pega um garrafa de cachaça já quebrada (uma garrafa de cachaça de plástico, cortar ela em formato clássico de garrafa quebrada) e outra uma xícara.

As putas saem dali lideradas por Olga enfaixada.

Seq 17 – dia/pátio da casa do Blerghhh!!!

Música:

Elenco:

Cenas: Ninguém estava amarrado com cordas presas no teto. Aquele estilo clássico de westerns.

Só Candeias estava por ali cuidando de Ninguém com uma grande faca. Ninguém consegue imobiliza-lo com os pés e obriga-o a cortar uma das cordas.

NINGUÉM: “Está com medo, valentão!”*

CANDEIAS: “Caralhos que me fodam!!!”*

NINGUÉM: “Não tem cu vai tu mesmo!!!”*.

E Candeias corta a corda. Ninguém dá gravata nele com apenas uma das mãos e corta a outra corda.

Vieira aparece com os outros dois capatazes (Fraga e Cavalcanti).

VIEIRA: “Merdinha!”*

FRAGA: “Pode Matar!”*

Vieira dá tiro que explode algo atrás de Ninguém e ele sai correndo dali.

CAVALCANTI: “É um gigante prá ninguém botar defeito!”*

Vieira e Fraga olham prá ele. Candeias levanta ficando em primeiro plano.

VIEIRA: “Você é um cornô sem-vergonha!”*

Seq. 18 – dia/mato rancho baiestorf

Música:

Elenco:

Cenas:

Mesmo cenário onde Uzi Uschi falava sobre sua intervenção anti-carros.

Ninguém passa correndo por baixo da árvore onde havia o carro de Uzi Uschi e ao passar o carro cai sobre ele.

Fazer essa seqüência com câmera sobre tripé, ao estilo dos cortes bruscos de monty python.

Deixar aparecendo no ângulo o carro pendurado (sem aparecer as cordas), Ninguém correndo por baixo. Corta imagem quando ele está reto embaixo do carro e sem mudar ângulo nenhum já coloca carro despencando sobre a cabeça de ninguém (no mesmo estilo que Monty Python filmava aquele peso de 16 toneladas caindo sobre seus membros).

Corta prá expressões de felicidade no rosto dos capatazes.

Seq. 19 – Noite/mato rancho baiestorf

Música: FÁBIO – “Lindo Sonho Delirante”

Elenco:

Cenas:

Capatazes chegam até no carro que estava sobre Ninguém quase morto. Metade do seu corpo estava esmagado sobre o carro. Tripas e merda por todo o corpo e rosto de Ninguém. Seus braços se debatiam um pouco ainda.

Começa o som de Fábio – “Lindo sonho delirante”. Ninguém mesmo quem canta.

Enquanto ninguém canta, alternar com os capatazes arrancando seus braços aproveitando para puxa-lo pelos braços já que ele estava preso nas ferragens.

Alternar também as putas saindo do puteiro armadas com armas ridículas a definir ainda.

Quando termina a música os capatazes saem cada um prá um lado e Ninguém morre de vez.

Seq. 20 – dia/mangueira

Música:

Elenco:

Cenas:

Coronel Bajon e o operador de câmera estavam filmando outro freak zoofílo comendo o boizinho, engatadão atrás do boi.

Câmera filmava alucinadamente.

Coronel bebia cerveja se babando de prazer.

Vieira chega até ali.

CORONEL BAJON: Corta!!! (se virando pro Vieira completa)… Mataram o filho da puta???

VIEIRA: “Deu merda novamente, mas o problema já foi resolvido!!!”*

OPERADOR DE CÂMERA: “Meu jovem, você é mais perigoso que a bomba atômica!”*

VIEIRA: “Mas é claro, eu sou esperto!”*

Coronel Bajon gargalha. Todos gargalham.

CORONEL BAJON: Ação!!!!!

E recomeça as filmagens.

Seq. 21 – dia/mato rancho baiestorf

Música:

Elenco:

Cenas:

Olga e as putas caminhando devagar. Colocar aqui um som dos El mariachis tocando Queen (ou algo com clima assim).

Elas passam por um cara penitente que chicoteava suas próprias costas já ensaguentadas. Câmera passa pelo penitente devagar, alternando closes do rosto das meninas com as chicoteadas nas costas.

Caminham mais um pouco em encontram um engravatado com seus pés presos em blocos de cimento tentando caminhar mas não conseguindo por causa do peso.

Olga e as putas encontram Ninguém morto, despedaçado, com as tripas saindo debaixo do carro.

Olga se ajoelha perto de Ninguém e coloca a cabeça dele contra seu colo.

OLGA: A gente vai vingar você amor!!!

Outra puta pega do chão os dois braços arrancados de ninguém e fica olhando-os. Começa a levantar os braços…

Seq. 22 – dia/barreira

Música: ENNIO MORRICONE & SERGIO CORBUCCI – “Il Grande Silenzio”.

Elenco:

Cenas:

Contra o céu azul os dois braços de Ninguém são cruzados formando um “X” mórbido.

Câmera abre a revela que as putas estão na barreira, desertinho, com os braços de Ninguém como uma espécia de símbolo de uma novo culto que estaria surgindo naquele axato momento. Um culto enebriante que a igreja católica se empenharia com seu representante máximo a tomar prá si.

Puta segurava os braços ao alto. Outra segurava a bandeira que já usamos em filmes como “A Curtição do Avacalho” e “Arrombada”.

Olga com seu pedaço de tábua com pregos na ponta ergue-o e grita:

OLGA: “vamos a matar companheiros!!!”* (começa a tocar a música exatamente no diálogo de Olga).

As três putas saem cavalgando seus cavalos imaginários, cada uma prá um lado. Enquanto toca a música de Morricone/Corbucci.

Olga encontra Fraga e o mata com pauladas da tábua com prego.

Puta 1 encontra Candeias e o mata com uma xícara na testa.

Puta 2 encontra Cavalcanti e o mata com um balde escrito “lixo nuclear”.

Queima completamente o Cavalcanti que vira uma massa de pus e sangue e foge para avisar seus amigos que as putas estão rebeladas. Fazer referências aqui ao Toxic Avenger pós ter caído dentro do tonel de lixo tóxico.

Seq. 23 – dia/potreiro estilo pampas.

Música:

Elenco:

Cenas:

Cavalcanti correndo cheio de pústulas de pus e sangue e gosmas pelo corpo. Filmar que remeta àqueles filmes dos anos 70. Bolar essa coisa toda depois no set de filmagem. O ritmo da cena aparece com a maquiagem gore no infeliz.

Seq. 24 – dia/mangueira

Música: The Bob Crewe Generation Orchestra – “The Black Queen’s Beads”.

Elenco:

Cenas:

Cavalcanti chega capenga até onde estão filmando.

Close em seu rosto que grita:

CAVALCANTI: Corta!!!

Todos param o que estavam fazendo e se viram prá ele.

CORONEL BAJON: Porra Cavalcanti, não atrapalha a filmagem caralho!!!

CAVALCANTI: Coronel, as putas se uniram e estão caçando todos nós!!!

VIEIRA: “Lá se foi meu cu prá merda, porra!!!”*

CORONEL BAJON: Calma lá… Eu sei o que fazer!!!

Coronel Bajon se ajoelha e dá as mãos prá Vieira, Cavalcanti derretido, operador de câmera, freak zoófilo e começam a rezar o Pai Nosso.

Todos ajoelhados de mãos dadas rezando o pai nosso:

VOZES DELES EM CORO: Pai Nosso que estais no céu, santificado seja o nosso nome e blá blá blá…

As vozes deles ficam sobre a imagem do sol quase se pondo. Câmera no tripé. Fazer aqueles cortes sem mudar a imagem e aparece a silhueta de dois caras. O Papa Católico e o Padre Marricone contra o sol. Padre Marricone de quatro e o papa de pé segurando o padre por uma coleira de cachorro, hehehehehehehehehehehehehe

Volta pros caras rezando ajoelhados.

Papa e Padre Marricone (padre Marricone usa uma máscara de Zorro na cara) na frente deles. Papa coloca a mão sobre seus protegidos e eles param de rezar.

CORONEL BAJON: Meu santo pai, precisamos de sua ajuda!!!

Padre Marricone ergue um espelho onde tem uma carreira de cocaína que o Papa cheira com um canudinho feito de uma cédula de dinheiro.

PAPA: Não se preocupem meus filhos, já sei como resolver este pequeno problema de vocês!!!

Papa cheira nova carreira de cocaína, mete mão dentro de prato de óstias e bebe cálice de vinho. Tudo em edição rápida. Começa a tocar “The Black Queen’s Beads” do The Bob Crewe Generation Orchestra. Tudo bem anos 70 e dançante.

PAPA (limpando nariz com mão): Venham meus filhos!!!

E todos saem caminhando atrás dele, numa divertida procissão de malditos.

Seq. 25 – dia/potreiro estilo pampas

Música: MENINOS DE DEUS – “Que é que fez Jesus”

Elenco:

Cenas:

Putas estão caminhando com a bandeira e os braços de ninguém pelo campo. De direção oposta estão vindo o grande Papa e seus amigos, com cruzes cristãs.

Grupo de pessoas com o Papa aparece de frente. Os dois grupos se encontram. Filmar isso de longe, de perto, câmera subjetiva e muitos outros planos, prá ter um bom material prá editar usando o som dançante da seqüência anterior que ainda estará tocando sobre essas imagens.

Os dois grupos para um na frente do outro. Realizar diversos closes em todos os rostos, editar isso de maneira rápida. Vários rosto de alternando cada vez em ritmo mais veloz.

Close no rosto do Papa. Ele aponta pro céu e diz:

PAPA: Olhem!!!… um disco-voador!!!

Assim que todos olham pro céu, Padre Marricone ergue o espelho com uma carreira de pó e o Papa cheira gostosamente. Os presentes olham de volta prá ele.

PAPA: Minhas filhas, meus filhos, estou aqui para trazer a paz do menino Jesus Cristo, nosso senhôzinho todo poderoso. A vingança é um instrumento do diabo, todos deverão viver em harmonia, o pobre na pobreza e o rico fazendo proveito disso!!!

Corta prá Padre Marricone com um violão na mão, ele começa a tocar.

Todos começam a dançar e cantar Meninos de Deus – “Que é que Fez Jesus?”.

Alternar closes de todos felizes cantando, braços de Ninguém, cruzes, e tudo mais.

Ao terminar a música todos estão felizes e se sentindo bem. As putas já esqueceram da vingança.

VIEIRA: “Bem, agora que todos se conhecem, vamos tomar um sorvete de Bucereja prá comemorar!”*

Seq. 26 – dia/mangueira

Música:

Elenco:

Cenas:

Corte seco prá o Freak Zoófilo comendo o terneiro, as putas fazendo que estão chupando Vieira e o Padre Marricone ao fundo da cena, o operador de câmera filmando tudo com o derretido Cavalcanti segurando o rebatedor de luz.

Papa e o Coronel Bajon seguravam na mão litros de pinga e grandes baseados.

PAPA: Meu filho, pode me pagar com esses teus filmes aí que eles são do balakobako!!!

E os dois ficam gargalhando. Bebendo pinga e fumando seus grande baseados.

Seq. 27 – créditos finais.

Música:

Veja “Ninguém Deve Morrer” aqui e compare com o roteiro: