Arquivo para merda

Sewer Boy

Posted in Arte Erótica, erótico, Fetiche, Quadrinhos with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on dezembro 20, 2016 by canibuk
tokyo-gran-guignol

Poster de “Tokyo Grand Guignol”.

Em postagens antigas já apresentamos o artista Suehiro Maruo aqui no Canibuk. Também já havíamos postado aqui a HQ “Shit Soup“. Hoje postamos a HQ “Sewer Boy”. Visite Maruo Jigoku.

ultra-gash-inferno-sewer-boy-p23

ultra-gash-inferno-sewer-boy-p24

ultra-gash-inferno-sewer-boy-p25

ultra-gash-inferno-sewer-boy-p26

ultra-gash-inferno-sewer-boy-p27

ultra-gash-inferno-sewer-boy-p28

ultra-gash-inferno-sewer-boy-p29

ultra-gash-inferno-sewer-boy-p30

ultra-gash-inferno-sewer-boy-p31

ultra-gash-inferno-sewer-boy-p32

ultra-gash-inferno-sewer-boy-p33

ultra-gash-inferno-sewer-boy-p34

ultra-gash-inferno-sewer-boy-p35

ultra-gash-inferno-sewer-boy-p36

ultra-gash-inferno-sewer-boy-p37

ultra-gash-inferno-sewer-boy-p38

ultra-gash-inferno-sewer-boy-p39

ultra-gash-inferno-sewer-boy-p40

ultra-gash-inferno-sewer-boy-p41

ultra-gash-inferno-sewer-boy-p42

Assista aqui documentário sobre Suehiro Maruo:

 

Veja aqui o média-metragem “Midori” (1992):

 

Sangue, esperma, revolta e excrementos.

Posted in Bebidas, Bizarro, canibalismo, Música with tags , , , , , , , , on agosto 10, 2011 by canibuk

Se não existisse algo como rock ‘n roll, Cristo, eu seria, não sei, um Serial Killer, sabe? Alguma coisa… eu tenho toda essa raiva dentro de mim. Vou lhe dizer, minha música sempre soou dessa maneira. Eu não estava a espera de uma moda ou tendência, eu fazia por conta própria.

Depois de passar a madrugada toda ouvindo no Repeat o álbum “Freaks, Faggots, Drunks & Junkies” do GG Allin. tinha que postar qualquer coisa aqui desse podrão, coisa que já queria ter feito tem um tempo, mas sempre fui adiando.

GG Allin tinha pais religiosos e recebeu o nome de Jesus Christ Allin ao nascer no dia 29 de agosto de 1959 (em agosto só nasce gente foda e doida, não? ahahaha), nome que foi mudado por sua mãe logo antes dele entrar na escola. Ela achou que  o nome não combinava muito com a personalidade do filho. Mais tarde o mundo veria.

GG  teve várias bandas punk e acho que a palavra que define bem o cara artisticamente e pessoalmente é CAOS! Os shows eram famosos porque GG exagerava nas bizarrices, cagando no palco e comendo a merda, enfiando microfone no próprio cu, se cortando com cacos de vidro, batendo punheta e daí pra mais. O shows começaram a terminar sempre do mesmo jeito, com a polícia invadindo  e o  levando  preso.  O cara foi banido de praticamente todo o lugar onde tocou. GG era aquele tipo de pessoa que fugia completamente daquilo que a sociedade chama de convencional e, claro, começou a ser perseguido por isso, era perigoso, ia contra o que era pregado como moral e bons costumes. Era o mal exemplo ou “uma celebridade por todos os motivos errados”, como dizia seu boletim da condicional .

“São as pessoas do poder tentando delimitar e cercear, dizendo “ok, isso é aceitável, mas isto não é” e eu sou o que não é aceitável, porque eu não estou em uma grande gravadora. Em outras palavras estão dizendo o que é o underground. Eu sou o verdadeiro undergorund, e eles sabem, mas não querem que você saiba sobre mim, então eles estabelecem o limite. Eles dizem”qualquer coisa pior que isso é ilegal”, então ninguém irá olhar além, mas lá estou eu, eu sou o que está além do aceitável.”

Sua música não fugia do que ele era, uma guerra contra os valores sociais.  Letras depravadas e agressivas, com sangue, sexo,  violência e porrada.

Todos os discos são diferentes, cada um é um retrato do que eu vivia no momento. Eu sempre acho que o último é sempre o melhor.  “Freaks, Faggots, Drunks and Junkies ” ainda é maravilhoso.  Eu estava enlouquecendo na época, tinha gente querendo me matar. Eu estava mandando cartas desaforadas pra todo mundo que eu conhecia na época, xingando todo mundo. “Eat My Fuck” era jóia. A versão original acho que lancei 1500 cópias e fiz as capas eu mesmo durante um dia inteiro.  Eu comprei capas totalmente brancas e aí fiz o contorno do meu pau em cada uma delas com um pincel atômico, depois desenhei o esperma sendo ejaculado. A garota que eu estava na época ficou me fazendo sexo oral o dia todo, aí pude mantê-lo sempre no mesmo tamanho.  Mas isso já faz muito tempo, meu lance agora é muito mais político“.

O cara fazia o que queria e não se arrependia disso, propagava suas idéias e vontades e, claro, pagava as consequências, coisa que qualquer um que decide viver por sua própria conta e cabeça acaba passando em maior ou menor escala, seja sofrendo censura, preconceito, sendo ignorado ou chamado e tratado como louco e ameaça. Você pode mudar e  se moldar todo ou continuar sendo você mesmo, cagando,  jogando a merda no planeta e ficando de cara dura e erguida pra receber os respingos que voltam!

GG Allin morreu de uma overdose de heroína em junho de 1993.

O que você quer que o cidadão comum saiba sobre você?

Que eu estou falando sério. Que eu irei preso, que eu vou morrer pelo que acredito. Mas não sei se eles vão entender. Tire toda a merda do Rock ‘n roll e o que sobra sou eu.  Não preciso de mais ninguém, não tenho influências, não tenho heróis, é só eu mesmo. Eu vou mais além, acho que tenho feito tudo o que me propus a fazer. Faço o que quero. Quantas pessoas podem dizer o mesmo?

Censurado “O Doce Avanço da Faca” em Vila Velha

Posted in Vídeo Independente with tags , , , , , , , , , , , , , on julho 26, 2011 by canibuk

Amanhã, dia 27 de julho, às 20 horas, o Cineclube Central organiza a exibição do “Ninguém Deve Morrer” (2009, 30 min.) e show da banda Morto pela Escola no Teatro Municipal de Vila Velha/ES, que fica no endereço Praça Duque de Caxias (centro).

O que mais me deixou chateado foi que mudaram o filme que vai ser exibido na última hora. Até alguns dias atrás seria exibido meu último média-metragem, “O Doce Avanço da Faca” (2010, 35 min.), estrelado pela Gisele Ferran e Coffin Souza, uma crítica bem humorada aos fanáticos religiosos com algumas ceninhas de sexo. Uma verdadeira comédia baiestorfiana. Ontem recebi aviso do organizador da exibição me dizendo que tiveram que mudar o filme porque direção do teatro Municipal de Vila Velha achou “O Doce Avanço da Faca” impróprio. Quando recebi aviso da mudança do título, perguntei ao organizador Ariel Fonseca: “Foi uma censura, né?” e Ariel respondeu “Tipo isso!”, completando em seguida: “A banda também mudou. Era o Merda, mas fechamos como o Morto pela Escola”. Agora será exibido o filme, também meu, “Ninguém deve Morrer”, musical western com poucas críticas, ou seja, inofensivo!!!

Em mês de polêmica com advogados e juízes proibindo a exibição do “A Serbian Film” no Brasil, creio que a direção do teatro Municipal de Vila Velha achou melhor não se arriscar por um zé ninguém como eu, melhor exibir uma comédia com todo mundo vestido do que um filme claramente ateu com pessoas peladas no elenco!E depois dizem que a ditadura é passado!!!

Por enquanto “O Doce Avanço da Faca” só foi exibido de forma completa pelo Cine Clube Ida Becker em Florianópolis/SC (minha terra, meio que provando que “santo” de casa também faz milagre). Na terceira Mostra de Cinema de Bordas, que acontece todo ano em São Paulo no Itaú Cultural, foi exibido com 10 minutos de cortes (um filme de 35 minutos com 10 minutos de cortes é foda). Mas parece que ele vai ser exibido sem cortes na Mostra Espantomania do meu amigo Iam Godoy. Ponto para os paulistas!!!

A justiça brasileira deveria fazer o trabalho deles (que deveria ser prender político corrupto, prender padres pedófilos, prender policial bandido, acabar com advogados e médicos criminosos, etc…) e não ficar perdendo tempo dizendo o que o cidadão adulto pode ou deve assistir. Todas as pessoas que iriam na exibição do “O Doce Avanço da Faca” no Teatro Municipal de Vila Velha amanhã de noite seriam adultas e acredito que eles gostariam de ser livres para escolher o que vão assistir!!! Você pode odiar (ou adorar) “O Doce Avanço da Faca”, desde que tenha a oportunidade de assisti-lo!!!

Ando cada vez com mais vontade de só fazer exibições de meus filmes em botecos sujos, como eu costumava fazer nos anos 90, somente para bebuns desgraçados, putas histéricas e travestis desavisados. Por causa dessas censuras que não inscrevo mais meus filmes em festival nenhum, inscrever prá que? Prá receber depois aviso que filme não vai ser exibido ou, se for exibido, seria bom cortar algumas ceninhas? Prefiro ficar com meus iguais, bebendo, em botecos malditos, em paz comigo mesmo… E quem quiser ver os filmes, menos mal!

Poster do "O Doce Avanço da Faca" pintado pela Leyla Buk.