Arquivo para mina

A Coletiva das Mina

Posted in Arte e Cultura, Entrevista, Pinturas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on outubro 1, 2018 by canibuk

Coletiva das Mina iniciou como um evento, mas não demorou muito para mudarmos o conceito e transformar isso num Movimento, onde queremos não só expor o trabalho e talento de mulheres como também queremos ser o pontapé inicial para que as mesmas consigam crescer e empreender dentro do seu próprio negócio. A ideia do Coletiva é dar vazão a diversidade, mostrar que somos mulheres, podemos ser independentes e empreendedoras. E achamos muito importante propagar essa ideia de ter autonomia, onde elas percebam que são capazes de gerir seu negócio.

Coletiva das Mina.

Canibuk: O que é a Coletiva das Mina?

Coletiva das Mina: A Coletiva das Mina é um movimento que propõe reunir mulheres que precisam de um pontapé inicial para divulgar seus trabalhos/talentos e se posicionar dentro do mercado de trabalho.

Canibuk: Quem pode participar da Coletiva das Mina? E como fazer isso?

Coletiva das Mina: Todas as mulheres que querem empreender e ser donas do seu próprio negócio.  Para fazer parte da Coletiva, basta entrar em contato pela nossa página do Facebook.

Arte de Ana (feita com nanquim)

Canibuk: Está aberto a qualquer expressão artística?

Coletiva das Mina: Sim, mas não só artística. É um nicho que engloba várias ideias. Tem Mina que trabalha com stringArt, que produz caricatura, como também tem Mina que faz drinks, que trabalha com massagem por exemplo.

Canibuk: Você estão recebendo apoio para o evento?

Coletiva das Mina: Sim. No segundo dia de divulgação já conseguimos um apoio da coordenadora do Projeto Novos Talentos – SC Games e Canibuk.

Bruna Caricaturas

Canibuk: A Coletiva das Mina é um evento, mas ele pode se tornar permanente, como um ponto de divulgação e apoio às artistas?

Coletiva das Mina: Na verdade, começamos a divulgar como se fosse um evento, mas devido à procura em grande proporção, decidimos que se encaixaria melhor como sendo um movimento, que visa justamente essa divulgação e apoio a essas mulheres, futuras empreendedoras.

Canibuk: O Brasil vive um momento tenso, em que um político machista de extrema direita está dando voz aos fascistas e seu ódio contra artes e minorias. Gostaria de fazer algumas observações sobre isso?

Coletiva das Mina: Conversamos bastante sobre isso e chegamos a conclusão de que é um assunto bem delicado. Por isso, neste primeiro momento, estamos tentando não envolver a atual questão política do país, ainda que influencie (e muito) na ideia do nosso movimento. Queremos focar na estruturação dele, até isso ganhar força. Mas só pra reforçar: #EleNão.

Arte digital de Ana.

Canibuk: Como é ser artista independente no Brasil?

Coletiva das Mina: Difícil! Somos um nicho que carece muito na questão de valorização do trabalho. Nós, fundadoras do movimento, somos o próprio exemplo desta desvalorização.  A Ana, que trabalha com StringArt, e eu (Bruna), com caricaturas, sentimos muito na pele o que é você dar o preço do produto ao cliente e ele retrucar com um “Nossa, mas tá cobrando tão caro por uma “coisinha” tão simples!”. Mas ninguém leva em conta que por traz desse produto, estão o preço dos materiais utilizados, o tempo gasto em cima daquilo, o planejamento, a criatividade e principalmente o que todo cliente quer: a qualidade.

Canibuk: Paralelo ao Coletiva das Mina vocês estão com outros projetos?

Coletiva das Mina: Sim. Estamos na reta final do nosso curso de Design voltado para Jogos e Entretenimento Digital e estamos na correria trabalhando nos projetos de Trabalho de Iniciação Científica. Fora isso, somente a Ana está trabalhando em um projeto pessoal de curta metragem baseado em fragmentos do folclore de Florianópolis.

Vampira em stringArt por Ana

Canibuk: Fale um pouco sobre as produções das integrantes.

Coletiva das Mina: Ana e eu temos uma questão em comum: gostamos de experimentar. Apesar de gostar de produzir diversas coisas, aos poucos moldamos nossos focos. A Ana agora está focada nas produções com String Art. O foco dela é misturar técnicas, tipo pinturas. Ela ama pintura, desde criança, e vê em tudo isso uma forma diferente de poder “brincar” fazendo o que curte e ganhando dinheiro com isso.  E eu, Bruna, estou focada no Bruna Caricaturas, negócio que comecei no final de 2017 e desde então venho evoluindo. Inicialmente comecei apenas com caricaturas por encomenda, mas agora já estou perdendo o medo de me aventurar em eventos onde trabalho com caricaturas ao vivo. Acho importante dizer que a ideia do Movimento surgiu exatamente a partir disso, da nossa vontade de ganhar a vida trabalhando no que mais gostamos de fazer ao invés de ficar por aí procurando se encaixar em alguma vaga de emprego.

Bruna Caricaturas

Canibuk: Obrigada pela entrevista. O espaço é de vocês para considerações finais.

Coletiva das Mina: Nós agradecemos imensamente o espaço oferecido. É disso que precisamos neste começo, de apoio total para difundir essa ideia. Queremos levar esse movimento para outras cidades como um modelo de negócios futuramente, onde outras mulheres consigam contar com nosso apoio para ter mais autonomia como futura empreendedora. Quem quiser, pode nos contatar pela nossa página oficial no Facebook (https://www.facebook.com/coletivadasmina) ou pelo instagram(@coletivadasmina)e também pode deixar seu comentário, dicas e sugestões de como podemos fazer este negócio crescer ainda mais. Obrigado mesmo Canibuk, por abraçar as Mina neste começo tão importante.

Endereços para contatos:

Ana Camillo – Perfil de facebook.

Ana Camillo – StringArt no facebook.

Ana Camillo – StringArt no instagram.

Bruna Cristina – Perfil de facebook.

Bruna Caricaturas – Perfil de facebook.

Bruna Caricaturas – Perfil de instagram.

Bruna Cristina FC no instagram.

Canibuk Apresenta: A Arte de Leyla Buk

Posted in Arte e Cultura, Entrevista, Ilustração, Pinturas with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on março 8, 2018 by canibuk

Hoje é o dia internacional da Mulher e a série do Canibuk não podia deixar de apresentar a arte de uma das mulheres mais fortes, criativas e completas que já tive o prazer de conhecer.

Acompanho o trabalho de Leyla Buk faz, pelo menos, uma década, e cada nova fase dela me surpreendo com a franca evolução de seus trabalhos. Leyla é inquieta, está sempre na ânsia pela busca de se superar.

Autorretrato, 2018 (inédito).

Leyla, nascida em Recife/PE, é artista autodidata e desde a infância já se interessava por desenhos e pintura. Há pelo menos 9 anos trabalha em tempo integral, de modo profissional, com sua arte, experimentando vários meios, estilos e técnicas. É uma artista curiosa e dona de uma arte fenomenal, seja como desenhista, pintora ou escultora, fazendo um Monku, ou uma Buky, personagens que criou para explorar essa técnica – o que não a impede de aceitar encomendas com seu personagem preferido. Suas esculturas já estão em inúmeros países da América – USA e Canadá – e Europa – Finlândia, Inglaterra, Suécia e outros.

Já realizou exposições por vários estados do Brasil. Também foi capista da Editora Estronho e realizou cartazes para filmes, estando sempre aberta às mais variadas encomendas.

Agora Leyla se prepara para uma importante exposição coletiva em Porto Alegre que irá acontecer no mês de Maio próximo, ao lado de importantes artistas brasileiros. Em breve divulgarei aqui essa exposição e em maio estarei lá fazendo a cobertura. Adianto que é imperdível e tem a ver com o FantasPoa 2018.

Leyla Buk

Segue a entrevista que realizei com Leyla para o Canibuk.

Petter Baiestorf: Gostaria que você contasse como começou seu interesse pela arte e, também, sobre seus primeiros trabalhos.

Leyla Buk: Me interesso por arte desde que me entendo por gente. Minhas memórias mais fortes da infância são aquelas que envolvem algum tipo de arte, em casa ou no colégio. Não lembro muito dos meus primeiro trabalhos, mas eu desenhava o tempo todo. Eu fui uma criança estranha e que não se encaixava muito nas coisas. Desenhar me libertava. A arte pra mim é e sempre foi uma necessidade, uma busca por respostas, por algum tipo de salvação. E me salva. Sempre me salvou.

Buky

Baiestorf: Sua arte sofre influências de quais artistas e escolas estéticas. Fale o que te atraí neles, se quiser falar sobre os porquês seria muito interessante.

Leyla: A lista de influência é grande, de varias escolas, varias épocas e lugares, por varias razões. Eu bebo de muitas fontes, de renascentistas à artistas pop do “momento”, todos têm uma importância e fazem ou fizeram parte de algum momento meu. Eu gosto muito dos expressionistas do começo do século XX, quanto movimento, quanto proposta, quanto resposta. Artistas como Schiele sempre me influenciaram demais, pela coragem, pelo sentimento, pela angústia, pelo peso psicológico, pelo estilo. Sempre tive na arte um lugar onde posso buscar respostas e exorcizar meus demônios. Um lugar onde me encaixo e posso ser livre. Por isso me identifico muito com artistas assim. Picasso é um cara que tem uma importância enorme pra mim, porque com ele eu aprendi que não tem problema mudar, não tem problema ter muitas fases, não tem problema ser livre nesse sentido. Que meu compromisso maior é com o que sinto e com minha verdade. E eu tenho muitas fases, quem me acompanha sabe. Talvez um dia alguém vai nomear cada uma delas como fizeram com ele? “Essa é a fase preta”, “essa é a fase ocre”, “essa é a fase niilista” e arrumar justificativas pra cada uma (risos). Apenas deixem ser. Mas pra falar mais alguns nomes cito caras como da Vinci, Rembrandt, Caravaggio, Hans Memling, Bosch, Botticelli, Klimt, Van Gogh, Modigliani, Rothko. Muitos outros. Sempre da medo de esquecer alguém muito importante. E sei que esqueci. O mundo a minha volta, as pessoas com as quais eu convivo e sempre me ensinam algo, família, amigos próximos, quem eu amo e qualquer pessoa que faça o que gosta com vontade e paixão me inspira. Pode ser o maior artista vivo ou o tiozinho da esquina que vende pipoca. Gentileza, empolgação e sonhos me motivam. Inocência idem. Cinema, literatura e música também têm forte influência sobre meu trabalho, desenhos, pinturas, esculturas… Estão presentes em absolutamente tudo. Mas eu vou parar por aqui senão não vai acabar nunca essa resposta.

Stillness, 2018

Baiestorf: Com sua arte você está aberta a todo tipo de trabalho ou gostaria de se especializar somente em uma área? Porque?

Leyla: Assim, dentro da minha área eu estou aberta a tudo, porém cada coisa no seu tempo. Eu me interesso por muitas coisas, mas eu não me vejo fazendo varias coisas de áreas diferentes, eu jamais conseguiria fazer bem todas elas. Eu sou intensa demais no que eu faço então eu gasto toda energia naquilo, não conseguiria fazer isso com varias coisas. Algo sairia mal feito ou não teria a mesma atenção e cuidado que merece e eu iria sucumbir também, certamente (risos).

Baiestorf: Conte sobre suas exposições e como produtores poderiam levá-la para suas cidades/estados.

Leyla: Acho que minha primeira exposição foi em 2010, em Maceió. Num bar que reuniu vários artistas undergrounds de vários estilos. Na época eu estava forte na fase erótica e tinha acabado de começar a pintar (olha eu já definindo minhas fases tipo Picasso – risos). Depois expus em outros lugares também, todas exposições coletivas. Todas importantes, mas lembro com muito amor da exposição na Mondo Estronho que aconteceu em 2015 em Curitiba, onde expus umas 20 peças inspiradas no cinema de horror das décadas de 20 a 50, filmes que tem grande influência na minha vida e na minha arte. Depois, em 2016, expus em alguns eventos em Porto Alegre também. Se alguém tiver interesse em promover alguma exposição com meus trabalhos pode entrar em contato comigo pelo e-mail bukleyla@gmail.com e podemos acertar todos os detalhes.

Edgar Allan Poe, 2017

Baiestorf: Como é realizar trabalhos artísticos aqui no Brasil? Há reconhecimento? Oportunidades?

Leyla: Eu me sinto privilegiada por poder trabalhar com o que eu amo em tempo integral e me dedicar apenas a isso, isso pra mim já vale por qualquer reconhecimento, fama, o que for, porque eu sei que essa não é a realidade da maioria. Eu já trabalho nisso ha algum tempo e estou incansavelmente fazendo alguma coisa. A gente tem que abraçar qualquer oportunidade que apareça. A divulgação é nossa maior amiga nisso tudo e a internet oferece muitos meios pra isso. Eu tento aproveitar cada um deles.

Baiestorf: Você está com trabalhos em finalização? Poderia falar sobre eles e como o público poderá acompanhá-los?

Leyla: Eu sempre estou com trabalhos em andamento. No momento, estou trabalhando em algumas ilustrações novas e finalizando dolls de algumas encomendas. Quem quiser obter informações ou fazer pedidos (eu aceito encomendas das BukDolls, dos Monkus, das Bukys, de pinturas e de ilustrações também) pode entrar em contato através do e-mail bukleyla@gmail.com ou pelas minhas redes sociais no Instagram @leylabuk e Facebook @LeylaBukArt.

Mary Shaw (Dead Silence), 2018

Baiestorf: E seus projetos? É possível sabermos um pouquinho deles?

Leyla: Entre os outros trampos em andamento estou trabalhando também numas peças pra uma exposição que vai acontecer em maio. Darei mais detalhes em breve.

Baiestorf: Geralmente a arte no Brasil é produzida de forma independente e é difícil conseguir se manter. O que você gostaria de observar sobre isso.

Leyla: A gente tem que aprender a lidar com os altos e baixos disso tudo. Pesa mais pra gente quando pesa pra todo mundo. Mas o amor pelo o que faço é o que me move. Eu realmente não sei se saberia fazer outra coisa da minha vida! Então fica tudo muito pequeno quando penso no prazer que é poder fazer o que faço.

Baiestorf: O espaço é seu para as considerações finais:

Leyla: Obrigada, Petter, pelo espaço e pelo apoio sempre! Isso é muito importante quando a gente faz tudo por conta própria e não tem patrono, não tem arte em grandes galerias ou não morreu ainda pra que a obra, quem sabe, passe a valer alguma coisa. Valorizem os artistas enquanto vivos! Consumam sua arte! Divulguem! Apreciem! A arte salva.

Monkus, 2016

Contatos de Leyla Buk:

Email:  bukleyla@gmail.com

Instagram: @leylabuk

Instagram: @_monku_

Facebook: @LeylaBukArt

Artes de Leyla Buk:

 

Cat, 2018

Pennywise – It, 2018

Vampira e Bride of Frankenstein, 2017

Mina (Bram Stoker’s Dracula), 2017

Vanessa Ives – Possession, 2017

Edward Scissorhands Black and White, 2017

Vampira, 2016