Arquivo para poesia para bêbados

Auto-Suficiente

Posted in Literatura, Nossa Arte with tags , , , , , , , on outubro 18, 2011 by canibuk

O mendigo está com fome.

O mendigo despe-se.

O mendigo se agacha e faz força, até geme.

O mendigo defeca suas fezes magras.

O mendigo come.

O mendigo saciou sua fome impertinente.

O mendigo quer mais.

O mendigo quer a sobremesa.

O mendigo enfia dois dedos na garganta.

O mendigo regurgita em jorros.

O mendigo agora também tem a sobremesa.

poesia de Petter Baiestorf.

Com a Corda no Pescoço

Posted in Literatura with tags , , , , on junho 18, 2011 by canibuk

muitas vezes enquanto dirijo pela auto-estrada tenho vontade

de botar minha cabeça no volante e fechar os

olhos, ou no supermercado enquanto a garota está

somando as compras súbito sinto vontade de pegá-la e

rasgar seu vestido para poder ver seus

peitos, e

muitas vezes quando acordo de manhã não tenho vontade

de levantar e me vestir

fazer o que tem que ser feito, em vez disso tenho vontade

de ficar na cama  por 3 ou 4 dias e noites

ou

muitas vezes quando paro no sinal vermelho

e não há outros carros por perto me vem esse

impulso de furar o sinal

e então quando me vem esse pensamento me pergunto por que

é que

ainda me deixam dirigir meu carro?

não parece correto que me permitam virar e

parar e dar partida e acelerar como aquela

velha senhora de chapéu azul num Ford verde

que eu vi algumas horas atrás quando ultrapassei

numa colina íngreme.

ou às vezes durante a noite eu acordo e sento

e olho fixamente para fora da janela pra dentro da

noite mas entretanto posso sentir minha perplexidade

sentada ao meu lado, amontoada como uma pilha

de pneus velhos.

e às vezes quando estou copulando

penso, o que estou fazendo copulando?

sou continuamente assombrado por ter que realizar todas

as coisas ordinárias, as pequenas coisas que a maioria das pessoas pode

fazer com tanta facilidade.

fico aqui sentado à meia-noite e nove e quero

acender este cigarro e fico pegando as mesmas

5 ou 6 caixas de fósforo vazias, abrindo-as e fitando

o vazio dentro delas. outra pessoa teria um isqueiro,

outra pessoa estaria dormindo tranqüilamente, em vez disso

eu lembro de repente de uma doida com quem vivi

por 3 anos e que podia fazer todas as pequenas coisas com facilidade,

sem ao menos pensar, sem embaraço, e provavelmente ela ainda

pode.