Arquivo para prazer com sexo bêbado

Enlouquecendo com as Deliciosas Lambidas nas Dobras do Saco Cerebral

Posted in Buk & Baiestorf with tags , , , , , , , , , , on junho 13, 2011 by canibuk

Era sete da noite. Ou sete da manhã. Ou meio-dia. Minha cabeça rodava, pulsava, dançava, pileque desgraçado, mais de 24 horas bebendo pinga, cerveja, vodka, tequila, chopp, vinho sem parar. E parar prá que? A bebida molhava minha garganta e ativava a imaginação, me ajudava no processo de criação de minhas obras. Fodia o corpo, mas alimentava o cérebro. Bem, tanto faz como tanto fez para alguém que acorda com a cabeça pulsando, maçã do rosto grudada no vômito de um desconhecido. Latinhas de cerveja, garrafas de vinho, tequila, vodka, pinga se misturavam acumuladas espalhadas pelo chão do quarto. Um quarto. Como porra fui parar nesta porra de quarto. Levanto. Meu rosto se solta do vômito seco fazendo um barulho engraçado, barulho de sonhos adiados. Sento-me no chão, pego várias latinhas de cerveja na mão e uma a uma estão vazias. Avisto dois dedos de pinga numa garrafa caída e me arrasto de quatro até ela. Bebo tudo de único gole. Melhor cirrose do que tremedeiras. Garganta arde enquanto meus olhos avistam uma garota nua, amarrada, num canto do quarto. Minha escrava sexual? Talvez, talvez!!! Levanto-me. Aquela garota nua amordaçada, indefesa, me enche de tesão. Caminho até ela e paro pertinho. Seu rosto na altura do meu pau. Seguro a cabeça dela e encosto contra meu pau sob a calça jeans com respingos de vômito. Teria ela vomitado em mim na noite anterior? Enigmas alçando vôo em minha pulsante cabeça. A garota me olha nos olhos, nervosa. Sente o calor do meu pau contra seu rosto. Sente o cheiro do meu pau. A corda que passa entre os lábios de sua buceta fica molhadinha, os líquidos da garota escorrem por suas pernas gostosas. Tesão!!! Preciso de um gole de pinga. Sempre preciso! Meu pau cresce, meu pau se contorce, meu pau incha, infla. Os lábios da garota beijam meu pau sob a calça. Meto a mão dentro das calças e tiro meu pau prá fora, bate contra o rosto da garota imobilizada que olha prá ele apavorada. Meu pau é duas serpentes taradas sedentas pela buceta molhadinha da garota. Meu pau tornado duas serpentes taradas arrancam a mordaça da escrava sexual e uma das cabeças penetra-lhe a boca, se enfiando molhada até na garganta dela num frenético vai e vem. Lágrimas. A segunda cabeça cheira a bucetinha molhada, afasta a corda e entra sem cuidados na buceta lubrificada. Minha cabeça não compreende muito bem o que acontece mas o prazer das estocadas é tanto que pego outra garrafa com alguns dedos de pinga e bebo generosos goles. Minhas duas cabeças de serpente taradas estupravam a boca-buceta da garota. O cheiro do sexo me deixa cada vez mais tarado. Demente-tarado. Tiro a cabeça de serpente da boca da garota e dou cuspidinha-ejaculada de porra no rosto dela e minha serpente libidinosa desliza até na bunda gostosa da escrava e lambe seu cuzinho cheiroso. Ela goza com minhas lambidinhas anais. A segunda serpente mete cada vez mais rápida na bucetinha enquanto a primeira serpente abre caminho pelo cu da menina, penetrando-lhe duplamente de maneira alucinada as entranhas saborosas da garota imobilizada. Bebo mais pinga sentindo prazer intenso. Físico e mental. Jogo a garrafa vazia contra a parede e com minhas mãos livres posso começar a beliscar os mamilos daqueles peitos redondinhos dela. Cada vez mais ofegante sinto que vou gozar, meu pau melecado tornado duas serpentes procura a boca-rosto da escrava e gozo litros de porra quente, lambuzando a garota que goza de prazer ao receber o esperma contra seu rosto, bebericando generosos goles do meu líquido carregado de amor etílico. Prazer! Prazer intenso!!!

Texto de Petter Baiestorf.

Ilustração de Leyla Buk.