Arquivo para richard kern

Fingered

Posted in Cinema with tags , , , , , , , , , , , , , , , , on março 16, 2012 by canibuk

“Fingered” (1986, 25 min.) de Richard Kern. Com Lydia Lunch.

Estranho fruto da estranha Big Apple – Cidade Apocalipse, uma das raízes do Cinema de Transgressão. Movimento underground com culhões. Richard Kern comprou uma câmera de S-8 usada por U$ 5 (cinco dólares) e seu amigo Nick Zedd – que nem isso tinha – roubou uma para ele. Toda ralé que se dignava a fazer parte da turma virou artista. Lydia Lunch, Lung Leg, Cassandra Stark, Cruella De Ville, Martin Nation, Richard Hell, Rick Strange, Annie Sprinkle (sim, a senhora xixi na cara e pau na bunda do pornô), todo mundo cheio de maconha e ácido na cabeça. Filmavam violência, colocação de piercing (na buceta), estupros, assassinatos, sexo, drogas e a little bit of rock’n’roll. Talvez mais. Cuspidas punks em celulóide. Taras & revoltas artísticas. Russ Meyer com ácido…

“Fingered”, de 1986, que John Waters chamou de “the ultimate date movie for psychos” ou “o melhor filme pornô artístico caipira punk do mundo!”, é dirigido por Kern com roteiro dele e de Lydia Lunch. A bad girl faz sexo por telefone, depois se abre toda para Martin Nation fazer fist fucking e spanking antes de enrabá-la. Na rua ela é assediada por um babaca que é degolado e o casal on the road foge, briga, trepa, provoca, estupra, rapta, trepa, briga, até… Deathtrip Film.

No festival de Berlin de 1990 Kern mandou um monte de feministas se fuder e discutiu até conseguir exibir o filme. As feministas se vingaram invadindo outro cinema que ia passar o filme, quebrando tudo e jogando tinta a óleo nos projetores. Tinta azul/blue, para chamar o filme de pornográfico. Grande merda. Só ajudou na fama de maldito da obra que é uma maravilha da revolta. E dá gosto ver a Lydiazinha tomando gostoso no rabo e atirando a esmo. Consiga o filme e mostre para a sua família tarde da noite, eles vão dormir muito mais felizes!

escrito por Coffin Souza, originalmente publicado no fanzine “Sanguelia” (2000).