Arquivo para tarados

Humanoides Tarados das Profundezas do Mar Azul

Posted in Cinema with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , on fevereiro 6, 2015 by canibuk

Humanoids From the Deep (“Criaturas das Profundezas”, 1980, 80 min.) de Barbara Peeters. Com: Vic Morrow, Doug McClure, Ann Turkel e Rob Bottin como uma das criaturas.
POSTER - HUMANOIDS FROM THE DEEP (2) - BELGIANNuma pequena comunidade de pescadores o trabalho vai mal, aparentemente os peixes estão todos sumindo. A esperança de emprego para os pescadores parece ser uma fábrica de conservas que está sendo construída na comunidade e que, sem que ninguém saiba, estão realizando experiências com hormônios de crescimento – o que faz com que algumas criaturas das profundezas do oceano evoluam e se tornem humanoides em busca de fêmeas humanas para a procriação. Levantando o problema ecológico temos um índio que luta contra o dono da fábrica, desviando a atenção das criaturas num primeiro instante, até que homens começam a serem mutilados e as mulheres estupradas. E claro que, por ser um filme de baixo orçamento que tenta lucrar com o sucesso de produções como “Jaws/Tubarão” (1975) de Steven Spielberg e “Piranha” (1978) de Joe Dante, “Humanoids” nos reserva um festival (assim como nos dois filmes citados) para as cenas finais onde as criaturas das profundezas realizam seu banquete/orgia em um divertido ataque em massa aos humanos, o que nos leva ao perturbador final do filme com ecos de chupação de “Alien” (1979) de Ridley Scott.
Humanoids1“Humanoids from the Deep” tem tudo que faz a alegria de um fã de filme vagabundo: monstros, cientistas, peitinhos, ataques brutais, cidadezinha isolada, história ágil, putaria, depravação, bestialismo e um monte de cenas memoráveis. Uma cortesia de Roger Corman, que não contente com as cenas de violência filmadas pela diretora Barbara Peeters (originalmente Corman queria que Joe Dante dirigisse), chamou James Sbardellati (que depois realizou a trasheira “Deathstalker” em 1983 e foi assistente de direção em filmes como “The Island of Dr. Moreau/A Ilha do Dr. Moreau” (1996), uma bagunça cinematográfica da dupla Richard Stanley/John Frankenheimer) para filmar os estupros de uma maneira mais brutal/explícita, fato que fez com que muitos dos atores e técnicos do filme passassem a odiar a produção. Aliás, notem como “Humanoids from the Deep” se parece com “The Horror of Party Beach” (1964) de Del Tenney.
humanoids-3Roger Corman foi o produtor executivo de “Humanoids” e para falar da carreira deste mestre do cinema moderno seria preciso um adendo que daria um segundo post. Corman iniciou sua carreira dirigindo filmes para a American International Pictures dos sócios James H. Nicholson e Samuel Z. Arkoff, que são os responsáveis pelos filmes mais divertidos da história do cinema. Do western “Five Guns West/Cinco Revólveres Mercenários” (1955) até “Roger Corman’s Frankenstein Unbound/Frankenstein – O Monstro das Trevas” (1990) foram 56 filmes dirigidos. Corman é um dos produtores mais espertos do cinema mundial, sendo o responsável por mais de 400 produções, de “Highway Dragnet/Consciência Culpada” (1954), de Nathan Juran, até os dias de hoje (sim, Corman continua na ativa, tanto que em 2014 esteve em Curitiba, à convite da produtora Diana Moro, ministrando uma master class), com produções como “CobraGator” (2015) de Jim Wynorski. Corman foi o responsável pela primeira chance de milhares de cineastas americanos, o início de carreira de gente como Francis Ford Coppola, Martin Scorsese, Ron Howard, Peter Bogdanovich, Paul Bartel, Jonathan Demme, Joe Dante, James Cameron, John Sayles, Monte Hellman, entre muitos outros, foram em produções de Roger Corman.
Humanoids-from-the-Deep-FrLC1Barbara Peeters, a diretora de “Humanoids”, começou na indústria cinematográfica fazendo de tudo um pouco. Foi atriz em “The Gun Runner” (1969) e supervisora de roteiro no biker movie “Angels Die Hard/Motoqueiros Selvagens” (1970), ambos de Richard Compton; gerente de produção em “Night Call Nurses” (1972) de Jonathan Kaplan, e até coordenadora de dublês em “Moving Violation” (1976) de Charles S. Dubin. Estreou na direção em 1970 com o drama exploitation “The Dark Side of Tomorrow”, co-dirigido por Jack Deerson. Foi contratada por Roger Corman para realizar filmes pela New World Picture, o que fez com que sua carreira ganhasse um novo gás. “Humanoids from the Deep” (1980) foi seu último trabalho para Corman, logo após ele encomendar cenas de estupro mais brutais para o filme, Peeters pediu para que seu nome fosse retirado dos créditos, como Corman ignorou o apelo ela se demitiu e passou a dirigir produções para a televisão. Na década de 1990 fundou sua própria produtora, Silver Foxx Films, e desde então passou a realizar comerciais de televisão. Uma pena, já que seus filmes para o cinema sempre eram bem curiosos.
POSTER - HUMANOIDS FROM THE DEEPRob Bottin, o gênio da maquiagem por trás do clássico “The Thing/O Enigma de Outro Mundo” (1982) de John Carpenter, foi o responsável pela criação dos humanóides tarados deste filme (outras de suas criações inesquecíveis foram os lobisomens de “The Howling/Grito de Horror” (1981) de Joe Dante; o policial robô de “Robocop/O Policial do Futuro” (1987) de Paul Verhoeven, e o design dos lagartos em “Fear and Loathing in Las Vegas/Medo e Delírio” (1998) de Terry Gilliam). Em “Humanoids” Bottin interpretou uma das criaturas e foi ajudado pelos assistentes de maquiagens Steve Johnson (que depois fez as maquiagens em produções como “Big Trouble in Little China/Os Aventureiros do Bairro Proibido” (1986) de John Carpenter e “Night of the Demons/A Noite dos Demônios” (1988) de Kevin Tenney), Shawn McEnrou (que trabalhou em filmes como “Night of the Creeps/A Noite dos Arrepios” (1986) de Fred Dekker e “The Texas Chainsaw Massacre 2/O Massacre da Serra-Elétrica 2” (1986) de Tobe Hooper) e Kenny Myers (que fez as maquiagens no trashão “Metalstorm” (1983) de Charles Band e na comédia “Return of the Living Dead 2/A Volta dos Mortos-Vivos 2” (1988) de Ken Wiederhorn). Os efeitos especiais foram do veterano Roger George (que começou lá em 1959 em “Invisible Invaders/Invasores Invisíveis”, de Edward L. Cahn, e na década de 1980 comandou a função em filmes importantes como “The Terminator/O Exterminador do Futuro” (1984) de James Cameron) com ajuda do jovem Chris Wallas que, depois, se tornou diretor em “The Fly/A Mosca 2” (1989).

humanoids2
Alguns dos técnicos que também trabalharam em “Humanoids” foram Jimmy T. Murakami, que dirigiu algumas cenas e, no mesmo ano, dirigiu o pequeno clássico “Battle Beyond the Stars/Mercenários das Galáxias”; Martin B. Cohen foi produtor/roteirista (ele foi diretor do biker movie “The Rebel Rousers” (1970), estrelado por Jack Nicholson, e produtor executivo do lixo Cult “Blood of Dracula’s Castle” (1969) do sempre ruim Al Adamson) ao lado de Hunt Lowry (que depois se tornou produtor dos filmes de comédia do amalucado trio David Zucker, Jim Abrahams e Jerry Zucker e, também, foi produtor executivo do Cult movie para jovens moderninhos “Donnie Darko” (2001) de Richard Kelly). Mark Goldblatt foi o editor (antes já havia montado o “Piranha” e depois montou “The Terminator”) e Gale Anne Hurd, que depois viria a se tornar uma das mais importantes produtoras das décadas de 1980/1990, foi assistente de produção neste pequeno clássico do Corman.
“Humanoids from the Deep”, que na Europa é conhecido pelo título “Monster” (não confundir com a produção de Kenneth Hartford, também de 1980), é uma exemplar sci-fi de horror típica de uma época em que o cinema tinha como obrigação ser despretensioso e muito eficiente na arte de, simplesmente, entreter o público.

por Petter Baiestorf para o livro “Arrepios Divertidos”.

veja o trailer de “Humanoids from the Deep” aqui:

Rudolf Macho Magazine

Posted in Arte Erótica, Bizarro, erótico, Fotografia, Putaria with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on março 25, 2014 by canibuk

Ontem eu estava procurando a biografia do Edgar Allan Poe (que tenho guardada numa caixa embaixo da cama) e na minha procura encontrei a revista “Rudolf” (Macho Magazine) que era dos meus tempos de guri. Dei fim da busca pela biografia do Poe e corri aqui digitalizar a “Rudolf” número 1 (editora Ki-Bancas Ltda.) para disponibilizar ela aqui no Canibuk. Achei, também, algumas outras revistas eróticas na mesma caixa e as digitalizarei/postarei mais no futuro.

Boas punhetas com a “Rudolf”, era a pornografia que existia antes da era internet, bateu maior nostalgia!

Rudolf_1_01Rudolf_1_02Rudolf_1_03Rudolf_1_04Rudolf_1_05Rudolf_1_06Rudolf_1_07Rudolf_1_08Rudolf_1_09Rudolf_1_10Rudolf_1_11Rudolf_1_12Rudolf_1_13Rudolf_1_14Rudolf_1_15Rudolf_1_16Rudolf_1_17Rudolf_1_18Rudolf_1_19Rudolf_1_20Rudolf_1_21Rudolf_1_22Rudolf_1_23Rudolf_1_24Rudolf_1_25Rudolf_1_26Rudolf_1_27Rudolf_1_28Rudolf_1_29Rudolf_1_30Rudolf_1_31Rudolf_1_32

The Killer Barbys

Posted in Cinema with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on março 28, 2012 by canibuk

“The Killer Barbys” (“O Massacre das Barbys”, 1996, 93 min.) de Jesus Franco. Com: Santiago Segura, Silvia Superstar, Mariangela Giordano, Aldo Sambrell, Charlie S. Chaplin e Carlos Subterfuge.

Seguindo a tradição do hoje clássico trash “Hard Rock Zombies” (1985, de Krishna Shah), “The Killer Barbys” começa com a banda “The Killer Barbies” (no filme “Barbies” virou “Barbys” por questões envolvendo direitos autorais) fazendo uma eletrizante apresentação numa casa de shows vagabunda onde mostram um pouco de seu pop-punk rock (as músicas da banda são pavorosas, tanto que grudam no ouvido e não saem mais). Depois da apresentação a banda pega a estrada e sua van quebra no caminho (na verdade eles são vítimas de uma armadilha que Santiago Segura, hilário e canastrão no papel de um pervertido, preparou). Depois do acidente a banda é acolhida no castelo de uma condessa maligna (Mariangela Giordano, madura e bela, interpretando uma espécie de condessa Báthory moderna) que se mantém jovial bebendo uma poção preparada com o sangue de jovens aprisionados por Segura.

Como em qualquer outro filme do espanhol Jesus Franco, não espere nenhuma lógica. “The Killer Barbys” é uma sucessão de divertidas cenas desprovidas de sentido que valorizam os delírios envolvendo sexo, nudez e violência exagerada, como na magnífica cena do matadouro humano onde Segura tira o sangue das vítimas penduradas como se estivessem num macabro açougue de carnes humanas (tudo isso sem a menor preocupação de fazer as pobres vítimas realistas, cadáveres e cabeças humanas decepadas – cobertos por tinta vermelha – são reveladas e notamos, cúmplices, que tudo é falso, uma linda orgia de sangue doce e corpos de látex).

Jesus Franco é uma lenda do cinema classe Z mundial. Nascido em 12 de maio de 1930 se tornou famoso quando dirigiu “The Awful Dr. Orloff” (1961). Sempre trabalhando com orçamentos minguados, Franco se especializou na produção de filmes de horror carregados de sexo e, na maioria das vezes, estrelado por sua esposa Lina Romay. Filmou tudo que é tipo de gêneros, trabalhou com atores como Christopher Lee, Klaus Kinski e Howard Vernon, tendo um ritmo de trabalho tão intenso que no ano de 1983 chegou a dirigir 14 longa-metragens (em 1986 assinou 13 títulos e em 1973 outros 11 títulos), mantendo uma produção que chega, hoje, aos inacreditáveis 193 filmes dirigidos.

Santiago Segura (nascido em 17 de julho de 1965) é ator, roteirista, produtor e diretor de filmes. Em 1995 ficou famoso na Espanha ao estrelar o longa “El Dia de la Bestia” de Alex de la Iglesia e, em 1998, chamou atenção ao dirigir o mais lucrativo filme do cinema espanhol, “Torrente: El Brazo Tonto de la Ley”, que bateu a bilheteria de “Titanic” em solo espanhol. Voltaremos a falar de Santiago Segura no Canibuk em breve.

A banda “The Killer Barbies” foi formada em 1994 e é comandada pela vocalista Silvia Superstar (Silvia García Pintos). Lançaram pela gravadora espanhola Toxie Records três álbuns: “Dressed to Kiss” (1995), “… Only for Freaks!” (1996) e “Big Muff” (1998). Após o sucesso destes três álbuns (cada um tendo vendido uma média de 10 mil unidades), assinaram com o selo alemão Drakkar Records e venderam suas almas para Satã.

Em 2002 Jesus Franco dirigiu uma continuação de “The Killer Barbys” chamada “Killer Barbys Vs. Dracula”, igualmente divertida e exagerada para a sorte de todos os trashmaníacos. “The Killer Barbys” foi lançado em DVD no Brasil pela sempre picareta distribuidora Continental.

Pink Flamingos e a Arte do Cinema Cor de Rosa Transgressivo

Posted in Cinema with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on fevereiro 16, 2012 by canibuk

“Pink Flamingos” (1972, 108 min.) de John Waters. Com: Divine, Edith Massey, David Lochary, Mary Vivian Pearce, Mink Stole, Danny Mills e a sombra de John Waters.

“Scorpio Rising” (Kenneth Anger), “Sins of the Fleshapoids” (Mike Kuchar), “Flaming Creatures” (Jack Smith) e “Blow Job” (Andy Warhol) foram alguns dos filmes que impressionaram o jovem John Waters e o influenciaram a começar a fazer cinema. Aos 17 anos Waters ganhou uma câmera Super 8 de seu avô, seu primeiro filme foi “Hag in a Black Leather Jacket” (1964), onde ele encenou um casamento inter-racial no telhado da casa de seus pais (que foram os grandes incentivadores financeiros de John Waters em início de carreira). Na seqüência realizou os curtas “Roman Candles” (1966), onde Divine (Harris Glen Milstead) aparece pela primeira vez sem ser creditada (este curta já contava com vários colaboradores habituais de Waters, como David Lochary, Pat Moran, Mary Vivian Pearce e Mink Stole, já com seu grupo de degenerados tomando forma) e “Eat Your Makeup” (1968), seu primeiro filme em 16mm, com Divine alçada a estrela do show (Divine era, já há vários anos, vizinho de John Waters). Em seguida o grupo todo embarca no primeiro longa-metragem, “Mondo Trasho” (1969) e no curta “The Diane Linkletter Story” (1970) que contava com Divine, Lochary e Pearce em papéis impagáveis. Após seu segundo longa, “Multiple Maniacs” (1970), título em homenagem ao Cult “2000 Maniacs” de H.G. Lewis, com Waters conseguindo realizar seu primeiro filme com som sincronizado e uma lagosta gigante que estupra Divine, a gang de desajustados estava, finalmente, pronta para filmar sua obra-prima: “Pink Flamingos” (1972).

Neste “Cidadão Kane” do mau gosto (com um senso de humor negro afiadíssimo), John Waters nos conta a história de Divine (que vive sob o pseudônimo de Babs Johnson) que se esconde nos arredores de Baltimore com sua mãe fanática por ovos (Edith Massey), seu filho Crackers (Danny Mills) e sua companheira de viagem Cotton (Mary Vivian Pearce). Connie e Raymond Marble (Mink Stole e David Lochary) são um rico casal de rivais da escatologia (eles seqüestram jovens mulheres para engravidá-las e depois vender seus bebês para casais de lésbicas) que não gostam de ler num tablóide que Divine é “a pessoa mais imunda viva” e farão de tudo para prejudicá-la.

Se você ainda não conhece “Pink Flamingos” se prepare para quase duas horas de senso de humor divinamente magnífico, alto astral, sexo oral, sexo com galinhas, adoração aos ovos galináceos, podolatria, masturbação, estupro com seringa, closes em genitais, travestis feios e bonitos, a maravilhosa e inspirada cena do músculo anal cantor e a cena onde Divine come merda de cachorro quentinha, sem cortes. Fantástico, com tudo que um bom filme precisa ter!

John Waters, em entrevista para J. Hoberman e Jonathan Rosenbaum, autores do excepcional livro “Midnight Movies”, diz: “Pink Flamingos custou 10 mil dólares. Tivemos que puxar cabos de luz por mais de uma milha até o trailer, que compramos num ferro-velho por 100 dólares e Vince Peranio o reformou para as filmagens. Editei o filme no sótão de minha casa com as ferramentas mais lamentáveis que se possa imaginar. Cada vez que eu queria assistir a um corte, eu precisava colocar o filme num projetor. O som extra foi gravado diretamente em um projetor magnético que só funcionava quando queria. Passei muitas horas a sós com essas filmagens e quase perdi minha razão!”.

“Pink Flamingos” estreou no final de 1972 no campus da Universidade de Baltimore, com ingressos esgotados para três sessões sucessivas. Com seu sucesso no underground americano o filme foi distribuído pela então pequena New Line Cinema e acabou chegando até Ben Barenholtz, proprietário do Elgin Theater em New York, responsável pelas sessões da meia-noite que tornaram “El Topo” (de Alexandro Jodorowsky) um sucesso da contracultura.

O filme mais famoso de John Waters traz a hilária seqüência de Divine comendo, sem cortes, fezes de um cachorro. Na época Divine disse a um repórter: “Eu segui aquele cão por mais de três horas com a câmera apontada no seu rabo!”. Alguns anos antes da morte de Divine, sua mãe teria perguntado se ele realmente havia comido fezes, ao que Divine prontamente respondeu: “Mãe, você não acreditaria no que eles podem fazer hoje em dia com truques de fotografia!”. Divino!!!

Após seu clássico, Waters realizou um punhado de filmaços, como “Female Trouble” (1974), “Desperate Living” (1977, meu preferido entre todos os filmes dele), “Polyester” (1981), “Hairspray” (1988), “Serial Mom” (1994) e “Cecil B. Demented” (2000) e os mais fracos, mas igualmente divertidos “Cry-Baby” (1990), “Pecker” (1998) e “A Dirty Shame” (2004).

Nos anos de 1980 John Waters quase filmou “Flamingos Forever” pela Troma Films, que não foi adiante porque Divine achou que o público da época não aceitaria mais este tipo de humor negro escatológico que envolveria até um cocô gigante voador. John Waters também não se sentiu muito confortável com o equipamento técnico da Troma que naquela época era um punhado de tralhas ultrapassadas.

Aqui no Brasil “Pink Flamingos” foi lançado em DVD pela Continental e, recentemente, saiu em DVD double feature com “Female Trouble” pela Cultclassic.

por Petter Baiestorf.

Estamos de Volta, Porra!!!

Posted in Buk & Baiestorf with tags , , , , , , , , , on janeiro 17, 2011 by canibuk

Como foi a virada de ano de vocês?
A gente só se deu conta da passagem de ano no dia primeiro, pelas seis da tarde, antes disso estávamos imersos demais um no outro pra ter noção do que era o mundo lá fora por aquelas horas,  ahahahahaha.
No dia seguinte vieram aquelas saídas em busca de um bar com o Erivaldo, e andar pra caralho com o autista perdido pela cidade, e achar um boteco meia-boca e ficar por ali mesmo, e beber algumas, querer mais e decidir que é melhor voltar pra casa e ficar bebendo no sofá ouvindo som ou vendo filme. O que veio depois é tudo uma mistura de caos e sossego, se é que isso é possível. Mas com a gente sempre é! Fica pra gente.

Claro que bebemos pra caralho nestas duas semanas, mas não foi só isso. Fizemos muita coisa e tudo foi importante demais. Cada dia decidíamos juntos o que comer, o que comprar, o que preparar, ir até o mercado ou depósito de bebidas, voltar e começar a cozinhar depois de abrir o vinho ou preparar uma cuba, ou martini, ou cerveja, ou gin, ou tudo ao mesmo tempo. Era uma empolgação tão grande que cada comida que fazíamos parecia que dela dependia nossa vida, mas não daquele jeito pesado e chato, era sempre leve e divertido, e, porra, mandamos bem em nossos experimentos, cuidados e tentativas. Sempre com vontade e, claro, muita pimenta! Adoramos cozinhar e era prazeiroso demais fazer isso juntos sempre, dividindo tudo e escolhendo com cuidado cada coisinha.
Embora fossem férias, ainda rolou uma tentativa de rodar um curtinha, a pedidos do Erivaldo, que acabou não dando certo… porque choveu no domingo, é isso??? ahahahaha, enfim, curta foi adiado por tempo indeterminado.

Foram férias lindas. Duas semanas onde tudo o que fizemos foi dormir e acordar juntos, beber e cozinhar juntos, ver filmes juntos, enlouquecer, sossegar, escolher, descançar, suar, se amar… juntos até o último momento. Momentos especiais, intensos, lindos – mesmo aqueles que parecem apenas flashes indefinidos e confusos… e isso o Bukowski entenderia hahaha.

Tenham um bom ano, galera!!!
Petter e Leyla estão de volta com novos posts no Canibuk a partir de hoje (ou amanhã), enfim…  ESTAMOS DE VOLTA, PORRA!!!!


Canibuk

Posted in Arte e Cultura, Buk & Baiestorf with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on dezembro 5, 2010 by canibuk

20 mil acessos!!!

Há três meses começamos o Canibuk e desde então ele virou o nosso maior vício aqui na net. Sem dúvida o melhor site dentre todos os que temos. Aqui podemos compartilhar tudo o que queremos sem censura nem frescura, sem medo de sermos expulsos (o Petter já foi expulso umas três vezes do orkut, do fotolog e recentemente do facebook e eu evito postar algumas de minhas artes mais explícitas por estes sites pra não acabar rolando o mesmo comigo). Aqui somos livres! Postamos o que gostamos e falamos o que queremos. E o mais importante de tudo é deixar a mensagem do “Vá lá e faça, experimente e expresse!“. Sem dúvida, o nosso cantinho sujo que respira arte, álcool, indecência e sangue correndo nas veias – e fora delas também!!!

.
Um brinde aos canibukeiros que nos acompanham, comentam e indicam sempre o nosso blog por aí!