Arquivo para the space vampires

The Astro-Zombies

Posted in Cinema with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on maio 15, 2012 by canibuk

“The Astro-Zombies” (ou “Space Zombies” ou “The Space Vampires”, 1968, 91 min.) de Ted V. Mikels. Com: Tura Satana, John Carradine, Wendell Corey, Tom Pace, Joan Patrick e mais um bando de desconhecidos.

A trama de “The Astro-Zombies” é quase inexistente: Um cientista, depois que é despedido da agência espacial americana, decide criar monstros com partes dos corpos de vítimas inocentes. Lógico que as criaturas vão fugir e aprontar altas confusões (desculpem, não consegui resistir). Depois dos créditos iniciais que são mostrados sob as imagens de robôs de brinquedo andando de um lado pro outro, não podemos esperar mais nada do que uma trama confusa. Mas como o diretor atende pelo nome de Ted V. Mikels (aqui com uma ajuda na produção e roteiro do ator Wayne Rogers da série de TV “M*A*S*H*”) sabemos que se trata de uma delíciosa bobagem sem orçamento, completamente mongol onde nada funciona, com interpretações pavorosas, edição tosca, trabalho técnico amador (a iluminação do filme é extremamente mal feita), maquiagens horríveis e uma falta de lógica impagável que transforma o filme em objeto de culto por sua ruindade absoluta.

Ted V. Mikels, nascido em 1929 com o nome real de Theodore Mikacevich, é um diretor da categoria de Ed Wood, H.G. Lewis, Doris Wishman e Ray Dennis Steckler, que sempre filmou sem dinheiro algum e teve lucro com seus filmes, o que possibilitou a compra de um castelo em Glendale, California, onde vive até hoje com um harém de mulheres. Começou sua carreira artística trabalhando no teatro e logo depois partiu para a lucrativa produção de filmes vagabundos para o mercado de drive-ins americanos. Também era um esperto produtor que, imitando William Castle, sempre tinha gimmicks promocionais, como ambulâncias e gostosas enfermeiras a disposição do público que poderia passar mal na exibição de seus filmes (só se fosse passar mal de raiva pela adorável chinelagem!).

Seu primeiro longa foi “Strike Me Deadly” (1963) onde um guarda florestal e sua esposa testemunham um assassinato e são mantidos prisioneiros em uma cabana isolada. “The Black Klansman” (1966), uma saga sobre a intolerância racial onde um negro se disfarça de branco e entra para um grupo de caipiras da Ku Klux Klan para se vingar da morte de sua filha num atentado que este grupo realizou na igreja que a menina freqüentava, foi uma tentativa de cinema mais sério de Mikels. Depois de “The Astro-Zombies”, Mikels realizou o clássico “The Corpse Grinders” (1971, que atualmente está em pré-produção a terceira parte da série), uma pequena peça de demência sobre uma fábrica de comida para gatos que, para enfrentar a crise, decide começar a fazer sua ração com cadáveres do cemitério local. Em seguida Ted realizou uma série de filmes onde os títulos prometiam muito mais do que era visto nas telas, como “Blood Orgy of the She-Devils” (1972), sobre o mundo obscuro da feitiçaria; “The Doll Squad” (1973), trasheira de ação mal filmada com um elenco de beldades que incluiam Tura Satana, Francine York e Lisa Todd e “Ten Violent Women” (1982), sua visão sobre o tarado mundo das prisões femininas num W.I.P. ruim/divertido.

Na qualidade de produtor Ted V. Mikels realizou vários bons filmes, com destaque aos geniais “The Worm Eaters” (1977) do hilário maníaco Herb Robins, um lendário clássico do mau-gosto cinematográfico onde várias pessoas comem minhocas em sorvetes, tortas e cachorros quentes com um grandes sorrisos nos seus rostos e o inspirado “Children Shouldn’t Play With Dead Things” (1973) da dupla Alam Ormsby e Bob Clark (que depois ficou rico e famoso com a série adolescente “Porky’s”), onde o orçamento era tão curto que os figurantes que interpretavam os zumbis do filme fizeram uma greve ao descobrirem que a comida que lhes era servida era, na verdade, arranjada na lixeira de um restaurante das redondezas. Em 2002 Mikels filmou a continuação de “The Astro-Zombies” intitulada “Mark of the Astro-Zombies”, estrelada por uma envelhecida (e gordona) Tura Satana, mas ainda dona de um senso de humor ótimo. Existem ainda as continuações “Astro Zombies: M3 – Cloned” (2010) e “Astro Zombies: M4 – Invaders from Cyberspace” que infelizmente ainda não tive a oportunidade de assistir.

Com um elenco de famosos, vemos como Mikels não levava jeito para a direção de atores. John Carradine fez inúmeros filmes de horror para a Universal Studios, como “House of Frankenstein” (1944) e “House of Dracula” (1945), ambos de Erle C. Kenton. Fez 11 filmes com John Ford, entre eles “Stagecoach” (1939), “The Grapes of Wrath” (1940) e “The Man Who Shot Liberty Valance” (1962). Já em fim de carreira contracenou com Vincent Price, Christopher Lee e Peter Cushing no “House of the Long Shadows/A Mansão da Meia-Noite” (1983) de Pete Walker. Seus últimos filmes foram produções de baixo orçamento (mas alta diversão) como “Buried Alive” (1990) do diretor de filmes hardcore Gérard Kikoïne agora investindo em horror e filmes do picareta cara de pau Fred Olen Ray, como “Bikini Drive-In” (1995), montado com stock footage do veterano ator (Carradine havia falecido em 1988). “The Astro-Zombies” foi o último filme do ator Wendell Corey que, entre outros, aparece no clássico “Rear Window/Janela Indiscreta” (1954) de Alfred Hitchcock. E Tura Satana dispensa apresentações aos leitores do Canibuk (mas leia mais sobre ela clicando aqui).

Quem quiser saber mais sobre a vida e carreira de Ted V. Mikels, procure o documentário “The Wild World of Ted V. Mikels” (2009) de Kevin Sean Michaels, com narração do gênio John Waters.

por Petter Baiestorf.

Lifeforce: Vampiras Peladas e seus Zumbis Elétricos

Posted in Cinema with tags , , , , , , , , , , , , , , , , on abril 13, 2012 by canibuk

“Lifeforce” (Força Sinistra, 1985, 116 min.) de Tobe Hooper. Com: Mathilda May, Steve Railsback, Peter Firth e Frank Finlay.

Primeiro dois fatos introdutórios: Em 1986 eu tinha 12 anos e na época éramos bombardeados pela imprensa sobre a aparição do cometa Halley que iria acontecer em breve, minha geração (na época tudo pré-adolescente) ficou empolgada e ansiosa pela expectativa do aparecimento do cometa que “visita” nossa órbita a cada 76 anos. Lembro que naquele ano o objeto de desejo de todo pré-adolescente era uma luneta. Pulo para 1989 (ou 1990, não lembro mais as datas) quando a rede Globo exibiu “Força Sinistra” em sua programação, meninos que em 1985/1986 tinham 11/12 anos, agora estavam com seus 15/16 anos, já colecionavam filmes de horror e sci-fi em suas memórias (os videocassetes ainda não eram tão populares), os mistérios do cometa Halley ainda estavam frescos em suas cabeças e toda essa geração se surpreendeu com a mistura gore, horror, sci-fi e erotismo que a dupla O’Bannon-Hooper havia levado às telas com “Lifeforce”.

A história do filme é um primor: Após investigar o cometa Halley, os tripulantes do ônibus espacial Churchill encontram uma espaçonave alienígena escondida na corona do cometa e dentro da nave três criaturas humanóides nuas em animação suspensa (entre elas Mathilda May, então no auge de sua beleza), que são levadas à bordo do ônibus espacial. Na viagem de regresso o controle da missão perde contato e uma missão de resgate é enviada, encontrando o ônibus espacial completamente destruido, com excessão dos três aliens. Já no Planeta Terra, cientistas e militares se preparam para estudar os corpos dos aliens quando descobrem que eles estão vivos e se alimentam de energia vital dos seres humanos. Logo a vampira gostosa está andando livre (e nua, para nossa felicidade) por Londres e, para desespero de todos, os cientistas descobrem que as vítimas dela, depois de duas horas, voltam como vampiros zumbis, eslhando pelas ruas de Londres caos e destruição, em magníficas seqüências envolvendo muito gore e violência.

“Lifeforce” foi o primeiro de três filmes que Hooper realizou para a Cannon Group (dos picaretas Menahem Golan e Yoram Globus), os outros dois foram “Invaders from Mars”, refilmagem do filme homônimo de William Cameron Menzies, de 1953) e “The Texas Chainsaw Massacre 2” (1986). O roteiro de “Lifeforce” toma como base o livro “The Space Vampires” (1976) de Colin Wilson e teve o orçamento de 25 milhões de dólares (uma quantia muito alta para os anos 80), se transformando num mega-fracasso de bilheteria. Várias cenas previstas para serem filmadas acabaram sendo suspensas porque o estúdio ficou sem dinheiro durante a produção. Mesmo assim Hooper tentou, em vão, lançar uma versão de 128 minutos (que acabou sendo podada para essa versão de 116 minutos que tanto adoramos). Antes de Hooper entrar no projeto, o filme tinha sido oferecido à Michael Winner (diretor do clássico “Death Wish/Desejo de Matar”). Um dos roteiristas do filme é Dan O’Bannon, responsável pela direção do clássico “The Return of the Living Dead/A Volta dos Mortos-Vivos” (1985) e por ter escrito grandes clássicos da sci-fi, como “Dark Star” (1974) de John Carpenter, “Alien” (1979) de Ridley Scott e “Total Recall/O Vingador do Futuro” (1990) de Paul Verhoeven.

Tobe Hooper ficou mundialmente conhecido em 1974 quando lançou o cult “The Texas Chainsaw Massacre/O Massacre da Serra-Elétrica”. Nascido em 1943 na cidade de Austin, Texas, começou a chamar atenção já com seus curtas “The Heisters” (1965) e “Eggshells” (1969). Quando juntou 60 mil dólares com amigos e colegas de faculdade para filmar “The Texas Chainsaw Massacre”, já havia trabalhado em mais de 60 documentários. Com o sucesso deste pequeno filme de horror, Hooper acabou conseguindo realizar “Eaten Alive” (1977), seu primeiro filme com aval finaceiro de Hollywood. Em 1981 dirigiu outro clássico do gênero horror, “Funhouse/Pague para Entrar, Reze para Sair”, filme bastante elogiado que o aproximou de Steven Spielberg que lhe ofereceu um roteiro de invasão alienígena chamado “Night Skies”, sobre uma família sendo atacada por aliens. Hooper recusou e “Night Skies” acabou virando “ET – The Extra-Terrestre” (1982). Juntos a dupla Hooper-Spielberg realizou “Poltergeist”, um dos mais xaropes filmes de Tobe, na minha opinião. Depois dos filmes que dirigiu para a Cannon Group, Hooper nunca mais realizou nenhum filme relevante (apesar de continuar na ativa dirigindo filmes medíocres).

Em 1979 a Cannon Group foi comprada pelos primos israelenses Menahem Golan e Yoram Globus e ganharam muito dinheiro nos anos de 1980 produzindo clássicos de ação estrelados por Chuck Norris (“The Delta Force”, “Invasion USA”, entre muitos outros) e as seqüências de “Death Wish” (estreladas por Charles Bronson em grande forma). Golam-Globus, como eram conhecidos, produziam todo tipo de filmes, de “Barfly” (inspirado em Bukowski) até “The Last American Virgin/O Último Americano Virgem”, passando por filmes de horror, sci-fi, romances, musicais, policiais e qualquer outro gênero que lhes parecesse lucrativo, chegando a produzirem 43 filmes em 1986. Claro que uma produção tão intensa assim teve inúmeros fracassos comerciais e, em 1988, a francesa Pathé Communications tomou controle da Cannon Group, depois do fracasso “Superman IV: The Quest for Peace”.

“Lifeforce” foi lançado em DVD no Brasil, sem extras, pela MGM DVD logo no começo do mercado de DVD’s brasileiros. É imperdível!

por Petter Baiestorf.