Arquivo para umberto lenzi

2592 Posters de Horror & Sci-Fi para Download

Posted in Arte e Cultura, Cinema, download, Ilustração, Posters with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on setembro 28, 2018 by canibuk

Alguns meses atrás o poster da primeira sessão de cinema da história foi leiloado em Londres por 40 mil libras (mais ou menos 200 mil reais). Este primeiro poster (reprodução abaixo) foi desenhado por Henri Brispot para uma exibição especial dos primeiros curtas dos irmãos Lumière, em dezembro de 1895.

Originalmente criados para uso exclusivo dos cinemas, não demorou muito para que os posters logo virassem item de colecionadores, principalmente artes criadas para filmes exploitations, sempre com cartazes muito mais criativos do que os próprios filmes, e, também, as artes produzidas para a divulgação de produções de horror e ficção científica. Inclusive, o preço record já pago por um único cartaz pertence à sci-fi Metropolis (1926), de Fritz Lang, negociado por 690 mil dólares.

Inicialmente os posters eram feitos no tamanho dos cartazes usados para a divulgação dos shows de Vaudeville. Quem definiu o tamanho padrão foi Thomas Edison, com as medidas de 27″x41″, em folha única fixada nas fachadas e paredes dos cinemas.

Para comemorar os posters de cinema, upei um arquivo com 2.592 cartazes de cinema nos gêneros horror e Sci-Fi, a maioria com artes belíssimas e dignas de serem festejadas como pequenas obras-primas da criatividade humana.

Para fazer o download, clique em BAIXAR POSTERS.

Abaixo alguns posters que integram o arquivo disponibilizado para download:

 

 

El Pantano de los Cuervos

Posted in Cinema with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on outubro 13, 2016 by canibuk

swampoftheravens3

El Pantano de los Cuervos (“The Swamp of the Ravens”, 1974, 83 min.) de Manuel Caño. Com: Ramiro Oliveros, Marcia Bichette e Fernando Sancho.

el-pantano-de-los-cuervosEssa co-produção entre os países Espanha/Equador me impressionou de uma maneira bastante positiva. A muitos anos que ouvia sobre essa produção e a imaginava um daqueles filmecos apenas divertidos. Mas não, além de divertido, “El Pantano de los Cuervos” é sujão, pesado e muito eficiente no seu clima de desespero ao contar a história de um médico que dá as costas para a ética profissional da medicina e realiza experiências nada convencionais para provar que a morte é uma evolução do ser humano. Como toda boa produção exploitation o filme tenta agradar várias parcelas do público apresentando pequenas doses de deficientes físicos reais, nudez feminina, uma autopsia real (no Equador, pelo visto, é possível comprar um cadáver real para fins cinematográficos), zumbis no pântano dos corvos (que são urubus e não corvos), médicos loucos, necrofilia (mas não espere nada tão explícito quanto no alemão “Nekromantik”) e uma belíssima canção brega cantada num cabaré que fala sobre o amor a um manequim fazem deste filme um item obrigatório na coleção de qualquer cinéfilo fã de bons delírios psychotrônicos.

el-pantano-de-los-cuervos_frameManuel Caño, que assina “El Pantano de los Cuervos” com o pseudônimo Michael Cannon, havia realizado alguns dramas em parceria com Silvio F. Balbuena (“Siempre em mi Recuerdo”, 1962, e “Sonría, Por Favor”, 1964) antes de conhecer Umberto Lenzi e seu roteiro para a aventura “Tarzán em La Gruta Del Oro/Zan, O Novo Rei das Selvas” que contava a história de um prestativo Tarzan ajudando belas amazonas (com destaque à bela Kitty Swan no papel da rainha amazona) em sua luta contra gangsters que queriam roubar o ouro sagrado da tribo de beldades. O pequeno sucesso comercial desta aventura foi o suficiente para que Caño e o roteirista Santiago Moncada repetissem a dose com “Tarzán y El Arco Iris” (1972), outra aventura de Tarzan, desta vez com Peter Lee Lawrence – habitual pistoleiro em westerns – no elenco. Mas os anos de 1970 estavam a pleno vapor e o cinema de horror era barato de se produzir e com distribuição/público garantidos. Com isso em mente a dupla Caño-Moncada realizou a dobradinha “El Pantano de los Cuervos” e “Vodú Sangriento” (1974), este último uma chupação de “The Mummy/A Múmia” (1932) de Karl Freund onde um poderoso sacerdote vodu do Caribe (interpretado pelo ator Aldo Sambrell que, também, esteve no elenco dos clássicos “Per um Pugno di Dollari/Por um Punhado de Dólares” e “Il Buono, Il Brutto, Il Cattivo/Três Homens em Conflito”, ambos de Sergio Leone) revive num transatlântico de luxo e decapita várias pessoas. Sem muito sucesso no horror, Caño realiza ainda a comédia “A Mí Qué me Importa Que Explote Miami” (1976) e os obscuros “Perro de Alambre” (1980) e “Carta a Nadie” (1984), filmes que ficaram restritos ao mercado espanhol.

frameSantiago Moncada nasceu em 1928 em Madrid. Foi roteirista, dramaturgo e, durantes anos, presidente da Sociedad General de Autores y Editores da Espanha. Foi autor de mais de 50 obras para o teatro e uma infinidade de roteiros para o cinema espanhol. Entre seus maiores sucessos estão filmes como “Il Rosso Segno Della Follia/O Alerta Vermelho da Loucura” (1970) de Mario Bava; “La Última Señora Anderson/A Quarta Vítima” (1970) de Eugenio Martín; “Tutti i Colori Del Buio” (1972) de Sergio Martino que trazia uma história de Moncada roteirizada por Ernesto Gastaldi; o incrivelmente genial “Condenados a Vivir/Cut-Throats Nine” (1972), western sobre a cobiça humana dirigido por Joaquín Luis Romero Marchent; “Il Bianco Il Giallo Il Nero/O Último Samurai do Oeste” (1975) de Sergio Corbucci, spaghetti western em ritmo de comédia estrelado pelo trio Giuliano Gemma – Tomas Milian – Eli Wallach; sem contar os delirantes trashes “La Esclava Blanca” (1985); “Juego Sucio em Casablanca” (1985) e “Las Últimas de Filipinas” (1986), todos com direção do mestre Jesus Franco e seu estilo “um novo filme a cada semana”.

“El Pantano de los Cuervos” continua inédito em DVD no Brasil. Nos USA saiu em Double feature com “The Thirsty Dead” (1974) de Terry Becker.

Por Petter Baiestorf para seu livro “Arrepios Divertidos”.

Assista “El Pantano de los Cuervos” aqui:

swamp-of-the-ravens

el_pantano_de_los_cuervos

Bem Vindos à Praia do Pesadelo

Posted in Cinema with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on setembro 28, 2016 by canibuk

Welcome to Spring Break (“Nightmare Beach/A Praia do Pesadelo”, 1989, 90 min.) de Umberto Lenzi. Com: Nicholas De Toth, Sarah Buxton e John Saxon.

nightmare-beach1Diablo, líder da gangue de motoqueiros Demons (seria uma homenagem ao filme de Lamberto Bava?), é eletrocutado na cadeira elétrica acusado de assassinar uma garota. Um tempo depois surge, na praia de Spring Break, um misterioso motoqueiro que começa a matar todos os jovens nos quais consegue por as mãos. Em sua cena de apresentação o misterioso motoqueiro dá carona a uma loirinha e a menina, típica bucha de canhão dos slashers da década de 1980, é literalmente fritada na garupa da motocicleta ao som de uma ótima composição de Claudio Simonetti, o que deixa o filme com uma bem-vinda cara de plágio do mestre Dario Argento. O herói do filme é um jovem jogador de futebol americano (Nicolas De Toth) que se une a irmã da vítima de Diablo (a linda Sarah Buxton) e passam a ser perseguidos pela gangue Demons por um motivo banal. John Saxon surge na pele do chefe de polícia local Strycher (quase repetindo seu papel de “A Nightmare on Elm Street/A Hora do Pesadelo” (1984) de Wes Craven) que parece guardar terríveis segredos envolvendo a jovem assassinada.

Como um bom slasher deve ser, “Nightmare Beach” possuí uma ótima trilha sonora composta de Heavy Metal/Hard Rock, momentos climáticos assinados pelo sempre eficiente Simonetti (que é o responsável pelas trilhas de inúmeros clássicos italianos, como “Profondo Rosso/Prelúdio Para Matar” (1975), “Suspiria” (1977), ainda com sua banda Goblin, e “Opera/Terror na Ópera” (1987), todos de Dario Argento), nudez gratuita, muita carne feminina para ser dilacerada e boas mortes violentas/criativas que irão agradar em cheio aos fãs do gênero.

nightmarebeach2

Por ser uma produção italiana e não americana, o filme mostra a corrupção dos políticos, médicos, padre e policia (os alicerces da sociedade) que usam seu poder para encobrir crimes de natureza sexuais e mandar para a cadeira elétrica um inocente líder de gangue de motoqueiros, aqui representando todos os marginalizados da sociedade. E claro que o final da história nos reserva uma surpresa bem bacana, daquelas para você rever seus conceitos de certo/errado na sociedade em que vive.

umberto-lenzi“Nightmare Beach” é dirigido pelo veterano das produções de baixo orçamento Umberto Lenzi, que já realizou produções nos mais variados gêneros cinematográficos ganhando destaque por suas investidas no horror. Depois de dirigir alguns spaghetti westerns como “Uma Pistola per Cento Bare/Uma Pistola para 100 Sepulturas” (1968), acabou comandando a primeira das produções italianas que exploraram o tema do canibalismo com “Il Paese Del Sesso Selvaggio/The Man from the Deep River” (1972, lançado no Brasil em DVD pela distribuidora Ocean Pictures com o título “Mundo Canibal”), tema este que ele revisitou em outras duas produções que se tornaram clássicas, “Mangiati Vivi!/Vivos Serão Devorados” (1980) e “Canibal Ferox” (1981, lançado no Brasil em DVD pela Platina Filmes). Lenzi dirigiu ainda outros filmes clássicos, como o thriller “Spasmo” (1974); o divertido policial “Da Corleone a Brooklyn/O Chefão Siciliano” (1979) e uma série de delírios como “La Guerra Del Ferro: Ironmaster (1983), “La Casa 3/Ghosthouse” (1988) e o “Demoni 3/Black Demons” (1991) filmado aqui no Brasil e mostrando a cultura do vuduísmo em nossas plantações, uma deliciosa peça sem pé nem cabeça do cinema italiano filmando barbaridades em nosso país (Anthonio Margheriti quando realizou aqui seu “Killer Fish/O Peixe assassino” (1979) colocou todos os brasileiros falando com sotaque de Portugal). Em tempo, em seu filme “Incubo Sulla Città Contaminata/Nightmare City” (1980) Lenzi já apresentava ao mundo zumbis raivosos que corriam atrás de suas vítimas, antecedendo em muitos anos um clichê do subgênero “Zombies” após a década de 1990.

nightmare-beach4Uma dúvida que existe quanto às filmagens de “Nightmare Beach” é se realmente existiu um co-diretor chamado Harry Kirkpatrick (que é o nome creditado no filme) ou se este nome é mais um dos inúmeros pseudônimos que Umberto Lenzi usava (Bob Collins, Humphrey Humbert, Bert Lenzi, Humphrey Logan, Hank Milestone, Humphrey Milestone são alguns dos nomes que Lenzi usava para vender seus filmes no mercado internacional). Lenzi afirmou em várias entrevistas que um Harry Kirkpatrick realmente existiu e foi o co-diretor do filme (mas, sabendo o quanto estes italianos são arriados, é possível que Lenzi esteja mentindo). De qualquer modo, para aumentar a confusão, Harry Kirkpatrick foi o nome usado por Alec Baldwin quando dirigiu “The Devil and Daniel Webster/O Julgamento do Diabo” (2003) e se recusou a assinar o filme com seu nome. Seria Alec Baldwin o misterioso Harry Kirkpatrick? Pouco provável, como bem levantou a questão o jornal britânico The Guardian quando publicou a matéria intitulada “Is Harry Kirkpatrick the New Alan Smithee?” (para quem não sabe, o nome Alan Smithee é o pseudônimo oficial criado em 1968 para ser usado por diretores de cinema que reneguem seus trabalhos).

praia-do-pesadelo“Nightmare Beach” é uma produção de Josi W. Konski, o homem por trás de vários filmes da dupla Terence Hill e Bud Spencer (entre eles o Spencer Solo “Banana Joe” (1982), de Steno, que é um dos meus filmes preferidos de todos os tempos). Konski também produziu “Rage – Furia Primitiva/Fúria Primata” (1988) dirigido por Vittorio Rambaldi e escrito por Umberto Lenzi,a dupla por trás deste “Nightmare Beach”. Vittorio (assim como seu irmão Alex, que assina as maquiagens deste filme) é filho de Carlo Rambaldi, mundialmente famoso por ser o criador do extraterrestre do filme “E.T. – The Extra-Terrestrial” (1982) de Steven Spielberg. E a fotografia é assinada pelo também diretor Antonio Climati que trabalhou como câmera no seminal “Mondo Cane/Mondo Cão” (1962) do Trio de malucos Franco Prosperi, Gualtiero Jacopetti e Paolo Cavara, já lançado por aqui em DVD pela Wonder Multimídia, um dos braços da Continental Home Video. Climati foi o responsável pela direção de mondo films como “Ultime Grida Dalla Savana” (1975), sobre rituais bizarros envolvendo matanças de animais e “Dolce e Selvaggio” (1983), sobre carnificinas variadas contadas com belíssimas imagens. Em 1988 Antonio Climati cometeu seu maior lixo: “Paradiso Infernale”, também conhecido como “Cannibal Holocaust 2”, para capitalizar em cima da obra-prima de Ruggero Deodato.

“Nightmare Beach” não é a melhor produção de Lenzi, mas é um filme bem despretensioso que diverte muito e merece uma revisada nestes tempos em que o cinema de horror mundial parou de nos surpreender. Foi lançado em VHS no Brasil pela distribuidora 20/20 Vision (Columbia Tristar) com o título de “A Praia do Pesadelo”.

Escrito por Petter Baiestorf para seu livro “Arrepios Divertidos”.

Assista o trailer de “Welcome to Spring Break” aqui:

pesadilla-en-la-playa

La Montagna del Dio Cannibale

Posted in Cinema with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on agosto 1, 2012 by canibuk

“La Montagna del Dio Cannibale” (1978, 103 min.) de Sergio Martino. Com: Ursula Andress, Stacy Keach, Claudio Cassinelli e Franco Fantasia.

“A Montanha dos Canibais” começa com Susan Stevenson (Ursula Andress) tentando encontrar, com ajuda de seu irmão (Antonio Marsina) e do professor Edward Foster (Stacy Keach), seu marido nas selvas da Nova Guiné. Como acreditam que o marido de Susan desapareceu numa montanha amaldiçoada, que ainda abrigaria uma tribo de canibais selvagens, eles só podem contar com a ajuda de outro explorador, Manolo (Claudio Cassinelli), para tentar chegar até a terrível montanha. Enfrentando sucuris, jacarés, tarantulas, cobras, pernilongos, plantas venenosas e outras armadilhas mortais da selva, o grupo chega até a missão do padre Moses (Franco Fantasia, sempre inspirado) onde atrapalham a paz do dia-a-dia da comunidade religiosa comandada pelo padre. São os instintos carnais do homem civilizado batendo de frente com os instintos primitivos de índios domesticados pela mão do cristianismo branco que vê pecado em tudo. Logo o grupo precisa deixar a comunidade religiosa e chega à montanha onde são capturados pelo índios canibais. Finalmente ficamos sabendo que a montanha é constituida de urânio que Ursula Andress deseja mais ardentemente do que seu marido (agora um cadáver com um contador Geiger batendo no lugar de seu coração e adorado pelos selvagens como se fosse um Deus). Manolo é torturado e Susan despida e preparada para ser a Deusa viva da tribo, enquanto os outros viram o ingrediente principal do banquete de sangue para a Deusa branca da montanha dos canibais.

Com uma produção de baixo orçamento, mas bem cuidada, “La Montagna del Dio Cannibale” é mais violento do que “Il Paese del Sesso Selvagio/Man From Deep River/Mundo Canibal” (1972, Ocean Pictures em DVD) de Umberto Lenzi, mas bem comportado se comparado aos sádicos filmes de Ruggero Deodato de mesmo tema como “Ultimo Mondo Cannibale/O Último Mundo dos Canibais” (1977, Omni Vídeo em VHS) ou “Cannibal Holocaust” (1980, Platina Filmes em DVD). É engraçado ver uma atriz com fama, como era o caso de Ursula Andress, no elenco deste filme. Ela fica pelada boa parte das cenas, faz sexo e é vítima de todo tipo de abusos físicos típicos de uma produção italiana deste período. “A Montanha dos Canibais” foi roteirizado pelo diretor Martino e Cesare Frugoni (entre outros trabalhos, ajudou nos roteiros de filmaços como “Cani Arrabbiati” (1974) de Mario Bava; “I Guerrieri Dell’Anno 2072/New Gladiators” (1984) de Lucio Fulci ou “Inferno in Direta/Cut and Run” (1985) de Ruggero Deodato), sempre confrontando o civilizado com o primitivo.

Sergio Martino (1938) nasceu em Roma, Itália. É neto do cineasta Gennaro Righelli (que tem o mérito de ter dirigido o primeiro filme sonoro do cinema italiano, “La Canzone Dell”Amore”, em 1930). Começou realizando documentários no final de 1960. Em 1970 dirigiu o western “Arizona si Scatenò… E li Fuori Tutti/O Retorno de Arizona Colt”, estrelado pelo brasileiro Anthony Steffen. Logo se especializou na produção de Giallos, a maioria escritos pelo roteirista Ernesto Gastaldi e estrelados por sua cunhada Edwige Fenech (que era casada com seu irmão Luciano, também produtor deste “A Montanha dos canibais”), dos quais destaco o maravilhoso “I Corpi Presentano Tracce di Violenza Carnale/Torso” (1973, Continental em DVD). Antes da realização de seu filme de canibais, voltou a realizar um western de destaque: “Mannaja/A Man Called Blade” (1977). Em 1979 escalou a gostosa Barbara Bach para levar alguns sustos no maravilhoso “L’Isola Degli Uomini Pesce/Island of the Fishmen”. No rastro do sucesso de “Escape from New York” (1981, Universal Home Video em DVD) de John Carpenter, realizou a sci-fi de ação “2019 – Dopo la Caduta di New York” (1983), estrelado por George Eastman. Com o cinema italiano entrando em falência, Martino migrou para a televisão onde produz até hoje. A título de curiosidade, para o lançamento de “La Montagna del Dio Cannibale” seu irmão usou o pseudônimo de Darryl F. Zanuch, a picaretagem do cinema italiano tem muito que ensinar ao cinema bom-moço brasileiro.

Nunca fui fã da atriz Ursula Andress (1936), mas neste filme ela está fantástica como a megera branca querendo roubar as riquezas naturais dos povos primatas. Andress é suiça e virou sex symbol depois de ser a primeira Bond girl em “Dr. No/007 Contra o Satânico Dr. No” (1962) de Terence Young. Daí em diante apareceu em inúmeros filmes de Hollywood como “Fun in Acapulco/Seresteiro de Acapulco” (1963) de Richard Thorpe, estrelado por Elvis Presley; “4 for Texas/Os Quatro Heróis do Texas” (1963) de Robert Aldrich, com a lindíssima Anita Ekberg e a dupla de conquistadores baratos Frank Sinatra e Dean Martin; “She” (1965) de Robert Day, uma interessante fantasia sobre uma cidade perdida com produção da Hammer e Peter Cushing batendo ponto no elenco; “What’s New Pussycat/O Que é que Há, Gatinha?” (1965) de Clive Donner com roteiro de Woody Allen e Peter Sellers no elenco; “Soleil Rouge/Sol Vermelho” (1971) de Terence Young, com Charles Bronson e Toshirô Mifune e “Africa Express” (1976) de Michele Lupo até que, acredito eu, deve ter perdido alguma aposta com os irmãos Martino e acabado em “La Montagna del Dio Cannibale”. Depois disso sua carreira de atriz não trouxe nada de relevante (só uma aparição meia boca no engraçado “Clash of the Titans/Fúria de Titãs” (1981) de Desmond Davis, com efeitos de stop motion do mestre Ray Harryhausen.

Já o ator Stacy Keach (1941) saiu do set de “La Montagna del Dio Cannibale” diretamente para o set de “Up in Smoke/Queimando Tudo” (1978) de Lou Adler com a dupla Cheech Marin e Tommy Chong (ele também dá as caras em “Nice Dreams/Altos Sonhos de Cheech e Chong” (1981) de Tommy Chong). Keach apareceu em muito filme bom, como “The Long Riders/Cavalgada dos Proscritos” (1980) de Walter Hill no papel do vilão boa praça Frank James; “Roadgames/Enigma na Estrada” (1981) de Richard Franklin; “Body Bags/Trilogia do Terror” (1993, London Films em DVD) e “Escape From L.A./Fuga de Los Angeles” (1996, Paramount Home Video em DVD), ambos de John Carpenter. Outro ator que merece destaque é Franco Fantasia (1924-2002), que participou de mais de 130 filmes (em “La Montagna del Dio Cannibale” ele, além de atuar, também foi assistente de direção), inúmeras produções que viraram cults nos dias de hoje, como os clássicos “Space Men/Assignment: Outer Space” (1960) de Antonio Margheriti; “Un Dollaro Bucato/O Dólar Furado” (1965) de Giorgio Ferroni; “Justine de Sade” (1972) de Claude Pierson; “Zombie 2” (1979, London Films em DVD); “Mangiati Vivi!/Os Vivos Serão Devorados” (1980) de Umberto Lenzi e “Vendetta del Futuro/Keruak – O Exterminador de Aço” (1986) também de Sergio Martino, em participação não-creditada.

Em tempo, a trilha sonora de “La Montagna del Dio Cannibale” é assinada por Guido e Maurizio de Angelis, os irmãos responsáveis por soundtracks sensacionais para filmaços como “… Continuavano a Chiamarlo Trinità/Trinity Ainda é Meu Nome” (1971, New Line Video em DVD) de Enzo Barboni, estrelado pela genial dupla Bud Spencer e Terence Hill; “Valdez – Il Mezzosangue/Chino” (1973, Studio T Home Video em DVD) de John Sturges e Duilio Coleti, estrelado por Charles Bronson; “Zorro/A Marca do Zorro” (1975) de Duccio Tessari; “Keoma” (1976, USA Filmes em DVD) de Enzo G. Castellari, com Franco Nero; “Killer Fish/O Peixe Assassino” (1979, Abril Video em VHS) de Antonio Margheriti; “Alien 2 – Sulla Terra” (1980) de Ciro Ippolito e “Banana Joe” (1982, Paris Filmes em DVD) de Steno, comédia sobre a burocracia do estado genialmente estrelada por Bud Spencer em grande forma. A dupla trabalhou compondo trilhas para praticamente todos os grandes diretores italianos dos anos 70/80, que iam de Umberto Lenzi, passando por gente como Ruggero Deodato, Sergio Corbucci, Bruno Corbucci, Marino Girolami, Sergio Sollima, até Michele Lupo.

“La Montagna del Dio Cannibale” foi lançado em DVD no Brasil pela Cult Classic em cópia com alguns minutos  a mais de Ursula Andress pelada do que a cópia em VHS da distribuidora Pole Vídeo que circulava por aqui antes. Não é o melhor filme do ciclo de filmes de canibais italianos, mas mesmo assim garante momentos de diversão. Obrigatório!

por Petter Baiestorf.

Assista “La Montagna del Dio Cannibale” aqui:

“La Montagna del Dio Cannibale” pelo mundo: